Abrir menu principal

João Mendes de Jesus

Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde fevereiro de 2015). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde fevereiro de 2015). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
João Mendes de Jesus
Nascimento 27 de janeiro de 1953 (66 anos)
Aurelino Leal, Bahia
Nacionalidade Brasil Brasileiro
Ocupação Economista e Político
Principais interesses Economia Política

João Mendes de Jesus (Aurelino Leal, 27 de janeiro de 1953) é um político brasileiro. Aos 18 anos deixou a cidade natal e passou a residir no Rio de Janeiro, onde prestou serviço militar ao Exército Brasileiro e formou-se Bacharel em Economia, pela Universidade Gama Filho. Trabalhou em empresas públicas como Banco Central do Brasil, Secretaria Municipal da Fazenda e Empresa Brasileira de Telecomunicações - EMBRATEL, exercendo atividades administrativas. Desta última, desligou-se em 1986 quando assumiu a função de pastor evangélico da Igreja Universal do Reino de Deus.

Em sua vida missionária dirigiu igrejas nos municípios de Duque de Caxias, Nilópolis, Nova Iguaçu e Campos dos Goytacazes, no estado do Rio de Janeiro. Passou como segundo pastor do estado da Bahia, e foi responsável pelas igrejas no estado do Piaui. Entre 1994 e 1999, foi nomeado diretor da Gráfica Universal, tendo como sua responsabilidade o desenvolvimento e modernização do parque gráfico e publicações, como o periódico semanal Folha Universal. Como reconhecimento, em 1996, foi consagrado a Bispo.

Como mérito da sua vida pública em 1999 foi condecorado com o título de Cidadão Benemérito do Estado do Rio de Janeiro, e em 2001 com a Medalha Tiradentes.

Eleito Deputado Federal, em 2002, mostrou atenção as questões sociais envolvendo os setores mais desprotegidos e sem voz ativa. Envolveu-se no Escândalo dos Sanguessugas[1] não conseguindo a reeleição em 2006. Em 2008 foi eleito vereador pela cidade do Rio de Janeiro, com 20.005 votos, pelo PRB.[2][3]

Referências

Ligações externasEditar