Abrir menu principal
Jo Bogaert
Informação geral
Nome completo Jo Bogaert
Também conhecido(a) como Tomas De Quincey
Nascimento 1956 (63 anos)
Local de nascimento Aalst
 Bélgica
Gênero(s)
Ocupação(ões) Produtor musical e músico
Período em atividade 1985–presente
Outras ocupações DJ
Gravadora(s) SBK, EMI Records e Polygram
Afiliação(ões) Ya Kid K e Technotronic

Jo Bogaert (Aalst, 1956), também conhecido como Thomas De Quincey, é um músico e produtor belga. É conhecido por seus trabalhos como produtor e integrante do grupo Technotronic.

BiografiaEditar

Jo começou sua carreira musical nas margens da nova onda dos anos 80. Ele era baixista na formação inspirada no Velvet Underground, White Light, e em 1983 ele lançou o LP None of Them Are Green[1]. Não muito depois, ele fundou sua própria gravadora, a Clip Records, com a qual lançou as primeiras produções belgas da New Beat do The Colony Bogey Band por volta de 1986.

Com os projetos Acts of Madmen[2][3] sob apelido de Nux Nemo[4], Bogaert estava no centro das atenções pela primeira vez. Em 1987 ele lançou o primeiro New Beat-lp China Town com o último single Hiroshima alcançou o BRT Top 30 em novembro de 1987. Neste período, ele foi inspirado pelas bandas alemãs Off e 16 Bit. Outra questão deste período é a Asian Fair, também publicada sob o pseudônimo de Nux Nemo.[5] No mesmo ano surgiu LP Riott 88, lançado com seu nome verdadeiro.

Com seu ritmo lento, baixos pesados ​​e muitas amostras, ele deixou sua marca no New Beat da Bélgica. Até cerca de 1988, ele publicou cerca de vinte produções em sua gravadora antes de ser o primeiro a se distanciar do gênero. Ele começou a mexer com um som original e novo e em 1989, ele trouxe o segundo mais bem sucedido de todos os tempos no mercado com o Eurodance projeto Technotronic: Pump Up the Jam. A música se tornou um sucesso número 1 em quase todo o mundo; 3,5 milhões de cópias foram vendidas.[6] A canção foi cantada pela rapper Manuela Kamosi, mas durante as apresentações, foi cantada por Felly Killingi.

Nesse mesmo ano, o álbum Pump Up the Jam e três outros singles apareceram, a saber, Get Up!, This Beat is Technotronic e Megamix. No entanto, estes não foram vendidos, bem como Pump Up the Jam. Em 1990, Trip On This e 1991, Body To Body surgiram mais dois álbuns para o Technotronic, dos quais o último foi cantado pela cantora Réjane Magloire.

Nos três anos seguintes, Bogaert não realizou nenhuma atividade com a Technotronic. Em 1993, ele lançou o álbum Different Voices em seu próprio nome. Foi precedido em 1992 pelo single Water. Em 1994, Guerilla apareceu.

Em 1995, um novo (também o último) álbum Recall foi lançado, no qual Ya Kid K mais uma vez forneceu os vocais. O single Move This deste álbum se tornou um hit e alcançou a 6ª posição na lista da American Billboard. O número foi usado em um anúncio da Revlon.

No período que se seguiu, Bogaert era ativo como produtor, músico convidado ou cantor de segundo plano. Em 1996, trabalhou com a extinta banda de rock belga Groki para Monster, com An Pierlé, em 1999 para Mud Stories, em 2006 para White Velvet com Gabriel Ríos, em 2004 para Ghostboy e em 2007 para Angelhead.

Em 2010 ele publicou o livro Van Eyck, a Adoração do Cordeiro de Deus: sonho de poder e esoterismo, dois anos depois (2012) seguido Oe say the?, uma homenagem ao dialeto Aalster. Em 2013 o livro Wabliftra? Sobre Aalst nos anos 60 e 70.

DiscografiaEditar

  • Jo Bogaert - None of Them Are Green (produção, 1983)
  • Nux Nemo - China Town (produção, 1987)
  • Jo Bogaert - Riott 88 (produção, 1987)
  • Technotronic - Pump Up The Jam: The Album (produção, 1989)
  • Technotronic - Rockin' Over the Beat (produção, 1990)
  • Technotronic - Trip On This (produção, 1990)
  • Technotronic - Trip On This - The Remixes (produção, 1990)
  • Technotronic - Body to Body (produção, 1991)
  • Jo Bogaert - Different Voices (produção, 1993)
  • William Souffreau - In My Room (produção, programáticos em guitarra elétrica, 1994)
  • Technotronic - Recall (produção, 1995)
  • Millennium - A Civilised Word (produção, programáticos, chocalho, sitar, 1995)
  • Gorki - Monstertje (produção, 1996)
  • An Pierlé - Mud Stories (produção, 1999)
  • Gabriel Ríos - Ghostboy (produção, teclado, programáticos, 2004)
  • The Rhythm Junks - Virus B-23 (produção, 2004)
  • An Pierlé & White Velvet - White Velvet (vocal de apio, 2006)
  • Gabriel Ríos - Angelhead (produção, 2007)
  • Lynn Verlayne - Drifter (produção, programático, tecladoss, 2010)

Referências

BibliografiaEditar

  • Van Eyck, a Adoração do Cordeiro de Deus: sonho de poder e esoterismo (2010)
  • Oe diz o? (2012)

Wabliftra? Sobre Aalst nos anos sessenta e setenta (2013)