Joaquim Cândido da Costa Sena

político brasileiro

Joaquim Cândido da Costa Sena (Conceição do Mato Dentro, 13 de agosto de 1852Belo Horizonte, 26 de junho de 1919) foi geólogo e

político brasileiro.[1][2]

Tornou-se presidente do estado de Minas Gerais em 21 de fevereiro de 1902 em razão da morte de seu antecessor Silviano Brandão, permanecendo no cargo até 7 de setembro do mesmo ano.[1] Antes disso, fizera parte do Senado de Minas Gerais.[1]

Costa Sena nasceu na antiga Conceição do Serro, atual município de Conceição do Mato Dentro, no centro do Estado de Minas Gerais.[1] Na cidade de Ouro Preto graduou-se em Engenharia de Minas no ano de 1880 pela Escola de Minas, onde foi professor e exerceu os cargos de secretário e diretor, função que ainda desempenhava quando de sua morte. Representou Minas Gerais em eventos científicos internacionais no Chile e na Europa.[1]

Além de agraciado com inúmeras honrarias, Costa Sena foi e membro de várias instituições científicas e culturais, como a Sociedade de Mineralogia de Paris, a Sociedade Imperial de Mineralogia de São Petersburgo, a Sociedade Geológica de Paris e a Sociedade de Geologia de Berlim.[1]

Costa Sena foi também membro da Academia Mineira de Letras.

Em homenagem a ele foi dado o nome "Costa Sena" ao distrito de Paraúna, no município de Conceição do Mato Dentro.

Referências

  1. a b c d e f «SENA, Joaquim Cândido da Costa» (PDF). CPDOC. Consultado em 11 de março de 2021 
  2. Annuario de Minas Geraes: Parte chorographica, historica e estatistica ... Belo Horizonte: Imprensa official do estado. 1909. p. 61 

Ligações externasEditar

Precedido por
Silviano Brandão
Presidente de Minas Gerais
1902 - 1902
Sucedido por
Francisco Antônio de Sales
  Este artigo sobre uma pessoa é um esboço relacionado ao Projeto Biografias. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.