Abrir menu principal
Jorge Felippe Neto
Deputado estadual do Rio de Janeiro
Dados pessoais
Nascimento 08 de janeiro de 1992 (27 anos)
Rio de Janeiro,  Rio de Janeiro
Partido PSD (desde 2018)

Jorge Felippe Neto (Rio de Janeiro, 8 de janeiro de 1992) é um advogado e político brasileiro, atualmente Líder da Bancada e filiado ao PSD.[1]

Se elegeu deputado estadual no Rio de Janeiro em 2014 para o mandato 2015–2019, sendo o deputado estadual mais jovem da legislatura.[2] É formado em Direito pela faculdade IBMEC.[carece de fontes?]

BiografiaEditar

Foi candidato a um cargo eletivo pela primeira vez em 2014, quando faria campanha em conjunto com a tentativa de reeleição Rodrigo Bethlem para a Câmara Federal, no entanto, o escândalo que abateu a candidatura de Bethlem fez com que Jorge Felippe Neto tivesse que continuar a campanha sozinho.[3]

Foi eleito pelo PSD, com 32.066 votos, partido do ex-candidato à prefeitura do Rio, Índio da Costa.[4] Eleito em 2014 como líder da bancada do PSD da ALERJ e também integrou como membro efetivo três comissões: Constituição e Justiça, Normas internas e Proposições Externas e Política Urbana, Habitação e Assuntos Fundiários.

Em 2015 protocolou um pedido de instauração da CPI da FERJ para averiguar indícios de corrupção, fato que fora travado pela "Bancada da Bola" na instituição.[5]

Também em 2015, em polêmica votação, foi um dos parlamentares a votar a favor da nomeação de Domingos Brazão para o Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro, nomeação esta muito criticada na época.[6]

Em plenário, o jovem deputado fez um desabafo a respeito da dificuldade de se conseguir contato com o secretariado do Governador Pezão e com o ex-secretário José Mariano Beltrame na iminência de uma crise politico-econômica sem precedentes.[7]

Mesmo contra seus pares governistas, colocou-se a frente no embate com a Prefeitura para não permitir a cobrança retroativa do IPTU :[8]

No furor da crise econômica estadual, Neto, votou contra a privatização da CEDAE e aliou-se a parlamentares oposicionistas e manifestantes em protesto contra a privatização[9]

Contrariando novamente as expectativas governistas, Jorge Felippe, votou contrário ao aumento da alíquota previdenciária dos servidores do Estado.[10]

Desde a decretação do estado de calamidade pública no Estado do Rio de Janeiro, no dia 17 de Junho de 2016, o deputado se tornou um crítico do pacote de medidas anunciadas pelo governo, o conhecido "Pacote de Maldades"[11]

Envolveu-se em mais uma polêmica ao fazer 'ocupação' em calçada sem autorização da prefeitura, no que ele chamou de "Gabinete Itinerante" - uma forma de aproximar a população do legislativo. [12]

É autor de leis como a Nota Fluminense, que combate a sonegação fiscal e aumenta a arrecadação de ICMS, devolvendo crédito aos consumidores.[13][14]

Em 2017, apresentou projeto de lei polêmico o qual proíbe a castração química de animais no Estado do Rio de Janeiro, projeto este que foi duramente criticando pela Secretária Municipal de Proteção e Defesa dos Animais.[15]

Em Outubro de 2017, a convite de Marcelo Crivella, assumiu a Secretaria Municipal e de Conservação e Meio Ambiente, anteriormente ocupada por Rubens Teixeira.[16] em meio a crise na Praia da Macumba no Recreio dos Bandeirantes, na iminência de uma tragédia. Jorge Felippe Neto conseguiu a liberação do orçamento emergencial e inicio das obras em menos de uma semana evitando assim que os prédios e residenciais no entorno desabassem.[17]

Ainda no seu primeiro mês como Secretário, deu inicio a revitalização do Deck Lotta de Macedo Soares, no Parque do Flamengo, a pedido da população.[18]

Criou o Programa Conservando Rios, o qual visa a zeladoria dos corpos hídricos, combate aos vetores de doenças, enchentes e alagamentos, educação ambiental, bem como geração de emprego e renda. O Programa já atende a 30 rios da Cidade do Rio de Janeiro.[19]

No início de 2018 apresentou o Plano Verão, uma série de medidas preventivas com objetivo de minimizar os danos causados pelas fortes chuvas dos primeiros meses do ano.[20]

Mudou o regime da Secretaria de Secretaria de modo que trabalhasse 24 horas, visando atender emergências em regime integral que por ventura poderiam acontecer na cidade.

Apresentou a ideia do ralo inteligente, aplicado em várias cidades desenvolvidas do mundo, o sistema avisa quando o ralo precisa de limpeza antes que haja entupimento.

Depois de 14 anos sem contrato de manutenção e reparos nos parque da cidade, o então Secretário Jorge Felippe Neto, criou o programa Conversando Parques, disponibilizando recursos e serviços essenciais para a recuperação e valorização dos espaços naturais.[21]

Também na Secretaria de Conservação e Meio Ambiente, ampliou em mais de 30% o programa conhecido como “Hortas Cariocas”, que planta comida orgânica e doa para escolas, postos e moradores das comunidades contempladas. A ideia é massificar o cultivo de hortaliças sem uso de agrotóxicos, tendência mundial e recomendada pela Organização Mundial de Saúde.[22]

Retomou o funcionamento da Usina de Asfalto do Caju em fevereiro de 2018, a maior da América Latina, parada desde 2016.[23]

Registrou um Boletim de Ocorrência na 13ª Delegacia de Polícia depois de novamente roubarem os óculos do monumento de Carlos Drummond de Andrade, na Praia de Copacabana. Neto, em parceria pontual com a empresa de lentes oftalmicas Varillux, economizou recursos públicos e conseguiu realizar a reposição dos óculos do Poeta.[24]

Referências

  1. «Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro». www.alerj.rj.gov.br. Consultado em 27 de março de 2017 
  2. «Deputado consegue assinaturas e CPI da FERJ pode sair. Bebeto não participa» 
  3. Extra (6 de agosto de 2014). «Nas placas, sai Rodrigo Bethlem, entra Jorge Felippe Neto». Consultado em 27 de março de 2017 
  4. «Jorge Felippe Neto 55800». Eleições 2014 
  5. «'Bancada da bola' fluminense trava a CPI da Ferj». ESPN 
  6. Pedro Zuazo (29 de abril de 2015). «Conselheiro vapt-vupt: veja quem votou em Brazão para o TCE». Jornal Extra. Consultado em 8 de dezembro de 2016 
  7. «Deputado da base de Pezão faz desabafo, detona Beltrame e dispara: 'Aqui não é o lugar de gente séria'». Extra Online 
  8. «Deputado quer impedir que a Prefeitura do Rio cobre imposto retroativo». Extra Online 
  9. «Deputados se juntam a manifestantes em protesto contra a venda da Cedae». Extra Online 
  10. «Veja como votou cada deputado na aprovação do aumento da alíquota previdenciária do servidor no RJ». O Globo. 25 de maio de 2017 
  11. Dia, O (16 de fevereiro de 2017). «Jorge Felippe Neto: Pacote Pezão 2.0: Uma nova má ideia». O Dia - Opinião 
  12. «Deputado faz 'ocupação' em calçada sem autorização da prefeitura». Extra Online 
  13. «Projeto cria programa da nota fiscal fluminense | | Sinfrerj |». www.sinfrerj.com.br. Consultado em 2 de setembro de 2018 
  14. «Veto derrubado, Nota Fluminense aprovada» 
  15. «Projeto de Lei». alerjln1.alerj.rj.gov.br. Consultado em 2 de setembro de 2018 
  16. «Projeto cria programa da nota fiscal fluminense | | Sinfrerj |». www.sinfrerj.com.br. Consultado em 2 de setembro de 2018 
  17. «Obras de contenção na Praia da Macumba começam nesta terça, diz secretário». G1 
  18. «Após denúncias, prefeitura irá iniciar obras no deque do Aterro». O Globo. 8 de novembro de 2017 
  19. «Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro - prefeitura.rio». www.rio.rj.gov.br. Consultado em 2 de setembro de 2018 
  20. «Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro - prefeitura.rio». www.prefeitura.rio. Consultado em 2 de setembro de 2018 
  21. «Parques municipais terão R$ 4 milhões para aplicar em revitalização». O Globo. 12 de abril de 2018 
  22. «Cresce o número de hortas comunitárias em praças e canteiros». O Globo. 10 de junho de 2018 
  23. «Prefeitura reabre usina de asfalto do Caju e promete melhorias no Rio». O Globo. 23 de março de 2018 
  24. «Estátua de Drummond é alvo de vandalismo pela 11ª vez, na orla de Copacabana». O Globo. 29 de outubro de 2017