Abrir menu principal
Disambig grey.svg Nota: Se procura por engenheiro militar do Brasil colônia, veja José António Caldas.
Padre Caldas
Nome completo José Antônio Caldas
Nascimento 8 de outubro de 1787
Vila Santa Madalena da Lagoa do Sul, Capitania de Pernambuco
Reino de Portugal Brasil Colonial
Morte 1850 (63 anos)
Niterói, Província do Rio de Janeiro
Flag of Brazil (1870–1889).svg Império do Brasil
Nacionalidade brasileiro
Ocupação Religioso, político e jornalista

José Antônio Caldas, o Padre Caldas (Vila Santa Madalena da Lagoa do Sul, 8 de outubro de 1787Niterói, c. 1850)[1] foi um religioso, jornalista e político brasileiro.

BiografiaEditar

Oriundo do Seminário de Olinda, desde cedo destacou-se na pregação das idéias liberais.[2] Após ser ordenado sacerdote, eleito, por sua província (Alagoas), deputado constituinte, e foi para o Rio de Janeiro fazer política.[2] Pelas graças do Imperador brasileiro e amizade com os Andrada, assumiu uma cadeira na Assembleia Constituinte de 1823, representando Alagoas.[3][4]

Com a dissolução da Assembleia[4], voltou ao nordeste, onde participou da Confederação do Equador[5] , foi preso e condenado à prisão perpétua.[3] Recolhido inicialmente na fortaleza da ilha das Cobras, foi transferido, depois, para as prisões de São João, Lage e finalmente Santa Cruz. [2] Com o auxilio da maçonaria, conseguiu fugir e chegar a Buenos Aires[3], em janeiro de 1825.[2]

Na Argentina envolveu-se com Juan Manuel de Rosas, assumiu como jornalista a Imprensa Oficial do Exército Argentino, trabalhou como pároco e em pouco tempo foi enviado ao Uruguai para confabular com Juan Antonio Lavalleja. [3]

Em 1826 já residia no Uruguai, sendo padre de Cerro Largo, tendo antes sido presidente da Junta Econômica e Administrativa de Mello. Acabou incorporado ao exército Republicano Oriental como capelão, integrou o exército de Carlos Maria de Alvear e combateu na Batalha do Passo do Rosário contra o Brasil.[2] Passou a escrever seu jornal O Telégrapho, em 1829.[3]

Na fronteira com o Brasil conviveu com Bento Gonçalves da Silva, Serafim Joaquim de Alencastre, Joaquim Pedro Soares, Manuel Lucas de Oliveira, futuros líderes da Revolução Farroupilha, em cujo espírito semeou idéias de liberalismo e democracia.[2] [3][5] Fez amizade com Bento Gonçalves e passou a conspirar novamente contra o imperador brasileiro. Foi a Porto Alegre tentar convencer o governante da província sulina a aderir à ideia separatista e posterior adesão ao famoso Quadrilátero (a união dos territórios do Rio Grande do Sul, Uruguai e algumas províncias argentinas).[3] Mais tarde, envolveu-se com a Revolução Farroupilha.[3]

Ver tambémEditar

Referências

  1. Arquidiocese de Maceió - Histórico
  2. a b c d e f «SANTO, Miguel Frederico do Espírito. 1835: a ordem e o horizonte utópico.». Consultado em 25 de julho de 2010. Arquivado do original em 3 de maio de 2010 
  3. a b c d e f g h JUNG, Roberto. José Antonio Caldas. O Vigário dos Farrapos. Porto Alegre: Martins Livreiro-Editor, 2006, 150 p. ISBN 857537063-4[ligação inativa]
  4. a b «CALMON, Pedro. A Constituinte - A tribuna política.» (PDF). Consultado em 25 de julho de 2010. Arquivado do original (PDF) em 17 de fevereiro de 2016 
  5. a b SPALDING, Walter (1963). A epopeia farroupilha. Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército Editora. 392 páginas 
  Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.