Juliette (livro)

Romance escrito por Marquês de Sade
(Redirecionado de Juliette (de Sade))

Juliette é um romance escrito pelo Marquês de Sade e publicado entre 1797–1801, acompanhando Nouvelle Justine, de Sade. Enquanto Justine, irmã de Juliette, era uma virtuosa mulher que consequentemente encontrou nada além de desespero e abuso, Juliette é uma assassina ninfomaníaca amoral que é bem-sucedida e feliz. O título completo do romance no original francês é L'Histoire de Juliette ou les Prospérités du vice, e o título em inglês é "Juliette, or Vice Amply Rewarded" (contra "Justine, ou Os Infortúnios da Virtude", considerado para ser o prelúdio de Juliette). Como muitas outras de suas obras, Juliette segue um padrão de cenas pornográficas violentamente seguidas por longos tratados em uma ampla gama de tópicos filosóficos, incluindo teologia, moralidade, estética, naturalismo e também a sombria visão fatalista metafísica de mundo de Sade.[1]

Juliette
L'Histoire de Juliette, ou les Prospérités du vice
Juliette title page 1968.jpg
Página título da tradução de 1968 por Austryn Wainhouse
Autor(es) Marquês de Sade
Idioma Francês
País  França
Gênero Libertino, romance filosófico
Formato Impressão (Brochura & Bolso)
Lançamento 1797
Cronologia
Justine
Os Crimes do Amor

EnredoEditar

Juliette é criada em um convento. Entretanto, aos treze anos, ela é seduzida por uma mulher que imediatamente explica que moralidade, religião e outros tais conceitos são sem sentido. Há uma infinidade de reflexões filosóficas similares durante o livro, todas atacando as ideias de Deus, moral, remorso, amor, etc., a conclusão geral sendo que o único objetivo em vida é "divertir-se não importa cuja despesa". Juliette leva isso para o extremo e consegue matar seu caminho através de numerosas pessoas, incluindo vários membros da família e amigos.

Durante a vida de Juliette da idade de 13 a cerca dos 30, a devassa anti-heroína engaja em praticamente todas as formas de depravação e encontra uma série de semelhantes libertinos. Ela conhece a feroz Clairwil, cuja principal paixão é em assassinar jovens homens e meninos como vingança pela brutalidade do homem para seu sexo. Ela conhece Saint Fond, um multi-milionário de 50 anos que comete incesto com sua filha, assassina seu pai, tortura jovens meninas à morte em uma base diária e até mesmo desenha um ambicioso esquema para provocar uma fome que vai acabar com metade da população da França. Em suas jornadas, ela também torna-se familiarizada com Minski, um nômade, como um ogro moscovita, que se deleita em estuprar e torturar jovens meninos e meninas até a morte e consumindo os restos.

Pessoas reais em JulietteEditar

Uma longa audiência com o Papa Pio VI é uma das mais extensas cenas em Juliette. A heroína mostra sua aprendizagem para o papa (a quem ela mais frequentemente aborda por seu nome secular "Braschi") com um catálogo verbal de alegadas imoralidades cometidas por seus antecessores. A audiência termina, como quase todas as outras cenas na narrativa, com uma orgia.

Logo depois disso, o personagem masculino Brisatesta narra dois escandalosos encontros. O primeiro é com a "Princesa Sofia, sobrinha do Rei da Prússia", que tinha acabado de se casar com "o Estatuder" em Haia. Isto é presumivelmente intencionado à Guilhermina da Prússia, Princesa de Orange, que se casou com Guilherme V, de Orange, o último Estatuder holandês, em 1767, e ainda estava vivo quando Juliette foi publicado 30 anos depois. O segundo encontro é com Catarina, a Grande, Imperatriz da Rússia.

TemasEditar

Se alguém remove a narrativa e cenas pornográficas de Juliette, o que iria ser deixado poderia talvez ser o melhor exemplo da filosofia ao longo da vida de Sade. Juliette sustenta que a "natureza" (muitas vezes referida como 'ela' pelos personagens) é o principal motor de toda a experiência humana, e através da implantação de apetites e desejos sexuais no homem têm assim justificado todas as depravações sexuais. De Sade argumenta que o desejo é um fenômeno intrinsecamente natural e, portanto, é totalmente justificável, não importa o quão violento ou depravado, por isso ter vindo da natureza, e por estabelecer regras, tais como moralidade e lei política quais previnem um de exercer seus desejos, a humanidade está ofendendo a natureza.

Publicação e recepçãoEditar

Ambos Justine e Juliette foram publicados anonimamente. Napoleão Bonaparte ordenou a detenção do autor, e como resultado de Sade foi encarcerado sem julgamento pelos últimos treze anos de sua vida.

O ensaio "Juliette or Enlightenment and Morality" em Dialectic of Enlightenment (1947) de Max Horkheimer e Theodor W. Adorno analisa Juliette como a personificação da filosofia do Iluminismo. Eles escrevem: "ela demoniza o Catolicismo como uma mitologia mais atualizada, e com isso a civilização como um todo [...] seus procedimentos são iluminados e eficientes como ela segue seu trabalho de sacrilégio [...] Ela favorece sistema e consequência".

Ver tambémEditar

BibliografiaEditar

Referências

  1. Hans Ulrich Seifert: Sade: Leser und Autor, Dissertation 1978–1982 (Romanisches Seminar), Universität Marburg 1982.

Ligações externasEditar

 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Juliette (livro)