Língua kutenai

Kutenai
Falado em: Canadá, Estados Unidos
Região: Colúmbia Britânica, Montana, Idaho
Total de falantes: 345 dentre os 1.536 da etnia Ktunaxa (2010-2016) [1][2]

[3][4]

Família: Língua isolada
 Kutenai
Escrita: Latina
Códigos de língua
ISO 639-1: --
ISO 639-2: kut
ISO 639-3: kut

A língua Kutenai ( /ˈktən,_ʔi/), também Kootenai, Kootenay, Ktunaxa, Ksanka, é a língua nativa do povo nativo Kutenai de Montana e Idaho nos Estados Unidos e Colúmbia Britânica no Canadá, falada por tribos vizinhas na costa e no planalto interior. Os Kutenai também falam •a qanⱡiⱡⱡitnam , a língua de sinais dos Ktunaxa[5]

área onde se fala Kutenai

Kutenai é considerada tipicamente uma língua isolada. Houve tentativas de colocar Kutenai em uma das famílias linguísticas Macro - Línguas algonquinas ou Macro - Salishanas, mais recentemente como parte da língua salishe, mas isso não foi geralmente aceito.[6][7]

Situação atualEditar

A partir de 2012, o povo Ktunaxa no Canadá está trabalhando em um esforço de revitalização da linguagem.[8] Conselhos tribais de comunidades distintas da nação Ktunaxa contribuíram com uma seleção de gravações em áudio de palavras e frases em Kutenai para o site FirstVoices, um catálogo on-line das línguas indígenas de América do Norte.[9] Em novembro de 2017, a página da Web de Ktunaxa tinha 2500 palavras e 1114 frases arquivadas, histórias e músicas gravadas, um aplicativo de aprendizado de idiomas disponível e o tutor do First Voices. O FirstVoices Tutor fornece lições e práticas no idioma determinado. O aplicativo “Ktunaxa Language”, acessível para dispositivos iOS, é um dicionário Ktunaxa que usa as gravações de áudio de palavras e frases, e fornece flashcards com áudio, do vocabulário encontrado no site FirstVoices. A nação Ktunaxa tem como objetivo direcionar as gerações mais jovens aos FirstVoices materiais para ensinar fluência na língua Kutenai.[10]

Um desses exemplos é a comunidade ?aq̓am da Nação Ktunaxa, também conhecida como banda de St.Mary em Cranbrook B.C, que tem uma escola particular chamada Escola ʔaq̓amnik. Esta escola, além de fornecer o currículo padrão da BC, ensina a língua Ktunaxa e as tradições culturais das pessoas para as gerações mais jovens. Ele também tem um programa pós-escola e um programa chamado Headstart, que ajuda adultos de crianças até seis anos de idade a aprender sobre o ensino da cultura e da língua Ktunaxa para seus filhos.[11]

As Tribos Salishe e Kutenai Confederadas da Nação Flathead fundaram o Colégio Salish Kootenai, uma escola tribal na reserva Flathead em Pablo, Montana. A faculdade oferece um programa de certificação em estudos nativos americanos, que exige que os alunos tenham conhecimento da história e da cultura das pessoas Salishe e Ktunaxa. O currículo também oferece aulas de pronúncia e gramática básicas da língua Kutenai.[12] Algumas fontes sugerem que o conhecimento e a preservação da cultura das comunidades nativas contribuirão para a preservação da língua das comunidades, mas ainda não há evidências do Colégio Salish Kootenai para apoiar essa afirmação..[13]

O principal campus da Faculdade de Rocky Mountain, na Colúmbia Britânica, fica em Crancrook B.C, no território do povo Ktunaxa. Como tal, o colégio tem colaborado com o povo Ktunaxa por 40 anos a partir de 2015. Além de oferecer aulas de estudos indígenas, o Rocky Mountain College oferece aulas on-line básicas Ktunaxa, KTUN-101 e KTUN-102, usando o site FirstVoices como o recurso de aprendizagem primária. Eles também oferecem um Workshop Ktunaxa para alunos iniciantes que fornecem frases básicas e pronúncia, e informações culturais do povo Ktunaxa..

História da pesquisaEditar

A primeira gramática de Kutenai foi compilada pelo missionário Philippo Canestrelli e publicada em 1894 em latim.[14](Online text here) Em 1918, Franz Boas publicou The Kutenai Tales, uma transcrição e tradução de várias histórias de Ktunaxa. As histórias foram reunidas por Alexander F. Pierce em 1891 e Boas em 1914, e contadas por membros do povo Ktunaxa incluindo Andrew Pierre, Pierre Numan, Joe Mission, Andrew Felix, e o maior contribuinte da comunidade, um homem referido como Barnaby.

Paul L. Garvin fez vários trabalhos descritivos descrevendo a fonética, a morfologia]] e a silabação em Ktunaxa. Ele produziu também tem duas fontes de transcrições de nativos falando.[15][16]

Em 1991, Lawrence Richard Morgan escreveu uma descrição da Língua Kutenai como sua dissertação de doutorado através da Universidade da Califórnia em Berkeley. Essa descrição é focada em como a linguagem funciona e define especificamente as partes funcionais da mesma. O trabalho de Morgan é uma lista exaustiva de cada partícula gramatical, morfema e aposição, com seus respectivos ambientes e suas formas variadas

TipologiaEditar

Como outras línguas na área, Kutenai tem um rico inventário de consoantes e um pequeno inventário de vogais, embora haja alofones das três vogais fonêmicas básicas. A falta de uma distinção fonêmica entre consoantes surdas e sonoras é como em outras línguas da área. Como Kutenai está na periferia dessa área lingüística, a perda de um inventário lateral é consistente com outras línguas próximas, que agora têm apenas uma ou duas consoantes laterais. Um desses grupos de idiomas contém as línguas sahaptiana], que tiveram uma perda semelhante de laterais. A língua nez perce tem / ts /, o qual acredita-se ser o lateral africada na proto-linguagem. Nez Perce, como Kutenai, está na periferia oriental da área linguística do Noroeste.

Outra análise tipológica investiga a categoria lexical de pré-verbos em Kutenai. Essa categoria lexical distingue as línguas Algonquinas vizinhas de Kutenay e da área lingüística de Kutenai, encontradas ao leste das Montanhas Rochosas.[17] Outra relação tipológica que Kutenai pode ter é a presença de seu sistema de pronomes obviativos na 3ª pessoa.[18][19]

EscritaEditar

A língua Kutenai tem uma escrita em alfabeto latino numa forma bem própria. Não se usam as letras E, O, nem B, D, F, G, J, R, V, Z. Usam-se as formas A•, I•, U•, Ȼ, Ȼ̓, K̓, Ⱡ, M̓, N’, P’, Q’, T’, ?.

FonologiaEditar

ConsoantesEditar

Kutenai não tem distinção fonética entre consoantes surdas e sonoras

Labial Dental Lateral Palatal Velar Uvular Glotal Labiovelar
plana ejetiva plana ejetiva plana ejetiva plana ejetiva
Oclusiva p [p] [pʼ] t [t̪] [tʼ] k [k] [kʼ] q [q] [qʼ] ʔ [ʔ]
Africada ȼ [ts] ȼʼ [t͡sʼ]
Fricativa s [s] [ɬ] x [χ] h [h]
Nasal plana m [m] n [n]
glotalizada [ʔm] [ʔn]
Aproximante y [j] w [w]

VogaisEditar

A extensão da vogal em Ktunaxa também é contrastante, então duas palavras podem ser diferenciadas apenas alongando ou encurtando uma vogal. Alguns desses pares mínimo s são o radical verbal 'cavar algo' [ʔakaːkʼuː] e o substantivo 'armadilha de aço para animal' [ʔaːkaːkʼuː][20] e o radical verbal para 'cair nesta direção / cair de algum lugar' [ʔakmuːxuː] e 'o lugar onde (alguém está) sentado, o lugar de alguém em uma mesa' [ʔaːkmuːxuː]. Ambos os pares diferem apenas na extensão da primeira vogal, [a] vs [a:].

Anterior Posterior
Fechada i [i] u [u]
Aberta a [a]

GramáticaEditar

Em termos gerais, Kutenai é uma língua aglutinante, com muitas funções gramaticais sendo servidas por ambos os prefixos e sufixos, primariamente no verbo, apesar de alguns afixos selecione substantivos bem.[21] Como mencionado acima, uma característica distintiva de Kutenai é o uso de um sistema obviativo como uma forma de rastrear quais entidades e conceitos são particularmente centrais / salientes para uma história sendo contada e como um modo gramatical de esclarecer os papéis de cada entidade em sentenças com dois argumentos de terceira pessoa: "Pronomes, substantivos, verbos e advérbios todos tomam marcadores obviativos", tornando-o particularmente diferente de alguns sistemas de obviação mais conhecidos (como o Algonquino, que permite apenas obviação em substantivos animados de terceira pessoa). Kutenai também faz uso de um sistema língua inversa / direta."[22][23] Tem um sistema de atributo do sujeito abertam, ʔin `ser'.

SintaxeEditar

Ordem das palavrasEditar

A ordem de palavras em Kutenai pode ser flexível em resposta a aspectos de discurso pragmática. Como há muitas marcas de “cabeça da frase” (ponto principal), é raro haver um sujeito “aberto” e um objeto “aberto” numa frase, uma vez que a morfologia do verbo deixa claro quem está agindo em quem. Morgan afirma que, se for apropriado expressar os dois argumentos de um verbo em um contexto "neutro", a ordem das palavras Verbo- Objeto- Sujeito é preferida; no entanto, também pode se alternar com a ordem Verbo-Sujeito- Objetp. A posição pré-verbal pode ser ocupada por advérbios, como visto nesses três exemplos:

1) qa•kiⱡ hiȼ'kiⱡ -ni hukiʔ -s tiⱡna
advérbio procurar -IND piolho(s) -OBV senhora idosa
A velha senhora começou a procurar por piolhos.
2) pikʔak -s naqaʔi -ni titkat' qakⱡik xaxa -s
há muito tempo OBV existir -IND homem chamar corvo -OBV
Há muito tempo atrás havia um homem chamado `Xaxa '(ou corvo).
3) é -iⱡ ȼⱡakiⱡ -ni xaxa naʔuti -s
muito Pré-verbo gosta -IND corvo menina -OBV
o corvo ama Naʔuti.

Um aspecto de Kutenai que complica um pouco a ordem das palavras é o fato de o verbo ser marcado para sujeitos de primeira ou segunda pessoa por "pronomes de afixo ou clíticos" que precedem o radical "hu / hun" para "eu" e "hin" para "você". É comum na ortografia escrever os pronomes como palavras separadas, fazendo parecer que a ordem das palavras é Pronome - Sujeito – Verbo - Objeto).

InversoEditar

Em muitos idiomas, as condições para o inverso incluem situações nas quais a primeira ou segunda pessoa está no papel de "objeto", e a terceira pessoa é o "sujeito" como em "Ela viu você/eu". Em Kutenai, no entanto, as situações usam morfologia específica de "objeto de primeira e segunda pessoa", separada do inverso. Como consequência, o sistema inverso de Kutenai é mais claramente observável nas interações entre terceiros. Os dois exemplos seguintes (de Dryer, 1991) mostram o direto e o inverso, respectivamente:

4) wu•kat -i paⱡkiy -s titqat'
ver -IND mulher OBV homem
O homem viu a mulher.
5) wu•kat -aps -i titqat' -s paⱡkiy
see -INV -IND homem -OBV href="Consoante velar labializada" mulher
o homem (obviativo) viu a mulher (próxima).

TipificaçãoEditar

As cláusulas dependentes (subordinadas) são marcadas com um k e uma falta de morfologia indicativa sobre o verbo, como são perguntas, nominalizações e cláusulas relativas. O k pode cliticizar para o material que o segue, como pode ser visto neste exemplo.

6) wu•kat -i titqat' -s k- was- aqna -p -s
ver -IND homem OBV SUB- rápido fazer
S3
Ele viu um homem fazendo algo com pressa. (Ele viu, um homem que ele faz algo rapidamente)

Amostra de textoEditar

Taxas n̓uk̓nił huqnaniyamni. c̓inałunisnamni. Qanał łunisnamnic taxas n̓uk̓nił c̓ininmitqałxuni. Snał łunisnałkaɁni Ɂaˑqał.

Português

Então eles de repente se mudaram para o acampamento. Eles estavam se movendo. Como eles estavam se movendo, então, de repente, a nuvem começou a se mover rapidamente. A nuvem estava em movimento.

NotasEditar

  1. «Kutenai». Ethnologue (em inglês). Consultado em 4 de maio de 2018 
  2. Canada, Government of Canada, Statistics. «Language Highlight Tables, 2016 Census - Aboriginal mother tongue, Aboriginal language spoken most often at home and Other Aboriginal language(s) spoken regularly at home for the population excluding institutional residents of Canada, provinces and territories, 2016 Census – 100% Data». www12.statcan.gc.ca (em inglês). Consultado em 4 de maio de 2018 
  3. «Aboriginal Ancestry Responses (73), Single and Multiple Aboriginal Responses (4), Residence on or off reserve (3), Residence inside or outside Inuit Nunangat (7), Age (8A) and Sex (3) for the Population in Private Households of Canada, Provinces and Territories, 2016 Census - 25% Sample Data». www12.statcan.gc.ca (em inglês). Government of Canada. Consultado em 23 de novembro de 2017 
  4. «American FactFinder - Results». factfinder.census.gov (em inglês). U.S. Census Bureau. Consultado em 13 de janeiro de 2018 
  5. Auld, Francis. «ʾa•qanⱡiⱡⱡitnam». Facebook (em kutenai). Consultado em 22 de junho de 2017 
  6. Marianne Mithun. The Languages of Native North America (1999, Cambridge).
  7. Lyle Campbell. American Indian Languages: The Historical Linguistics of Native America (1997, Oxford).
  8. «Canada: The Ktunaxa - Living the Language». Living the Language. Al Jazeera English. 2 de maio de 2012. Consultado em 8 de julho de 2012 
  9. «FirstVoices: Ktunaxa Community Portal». Consultado em 8 de julho de 2012 
  10. Pagliaro, J. 2010. "Technology gives dying languages voice." Geolinguistics 37: 114-116.
  11. «ʔaq̓amnik' School | aq'am». www.aqam.net. Consultado em 30 de novembro de 2017 
  12. «Salish Kootenai College». Consultado em 11 de novembro de 2016 
  13. Richardson, Louise B. 1997. "Tribal College Curricula as Evidence for the Contemporary Use of Indigenous Languages in North America." Geolinguistics 23: 61-77.
  14. Canestrelli, Philippo (1894). Grammar of the Kutenai Language. [S.l.: s.n.] Consultado em 15 de novembro de 2010 
  15. Garvin, Paul L. 1948. "Kutenai III: Morpheme Distributions (Prefix, Theme, Suffix)."
  16. Garvin 1953
  17. Dryer, Matthew S. 2002. "A comparison of Preverbs in Kutenai and Algonquian." In D. Pentland (Ed.), Proceedings of the Thirtieth Algonquian Conference (pp. 63-94). Winnipeg: University of Manitoba.
  18. Dryer, Matthew S. 2007. "Kutenai, Algonquian, and the Pacific Northwest from an areal perspective." In H. Wolfart (Ed.), Proceedings of the Thirty-Eighth Algonquian Conference (pp. 155-206). Winnipeg: University of Manitoba.
  19. Dryer, Matthew S. 1992. "A comparison of the obviation systems of Kutenai and Algonquian." Papers of the 23rd Algonquian Conference. Ottawa: Carleton.
  20. Morgan, Lawrence (1991). «A Description of the Kutenai Language». eScholarship. Consultado em 29 de julho de 2015 
  21. Mast, Susan J. 1988. "Aspects of Kutenai Morphology." Master's Thesis, University of Pittsburgh.
  22. Dryer, Matthew S. 1991. "Subject and Inverse in Kutenai." Occasional papers on linguistics No. 16, Proceedings from the American Indian Languages Conference edited by James E. Redden. (Conference held at the University of California at Santa Cruz.)
  23. Dryer, Matthew S. 1994. "The discourse function of the Kutenai inverse." Voice and inversion 28 (1994): 65.

BibliografiaEditar

  • Campbell, Lyle (1997) American Indian languages: The historical linguistics of Native America. New York: Oxford University Press. ISBN 0-19-509427-1.
  • Dryer, Matthew S (2002) A Comparison of Preverbs in Kutenai and Algonquian. In Proceedings of the Thirtieth Algonquian Conference, edited by David Pentland, pp. 63–94. Winnipeg: University of Manitoba.
  • Dryer, Matthew S. (2007) "Kutenai, Algonquian, and the Pacific Northwest from an areal perspective". In, Proceedings of the Thirty-Eighth Algonquian Conference, edited by H. C. Wolfart, pp. 155–206. Winnipeg: University of Manitoba. Predefinição:Issn
  • Dryer, Matthew S (1991). «Subject and inverse in Kutenai». Proceedings of the Hokan-Penutian Workshop. American Indian Languages Conferences. Occasional papers in linguistics. Volume 16. University of California, Santa Cruz. pp. 183–202. Consultado em 19 de setembro de 2013 
  • Horsethief, Christopher (2012) "Re-differentiation as collective intelligence: The Ktunaxa language online community". In, Proceedings of Collective Intelligence Conference, Doctoral Program in Leadership Studies Gonzaga University, eprint arXiv:1204.389. arXiv:1204.3891
  • Mithun, Marianne (2000) The Languages of Native North America. Cambridge: Cambridge University Press. ISBN 0-521-23228-7
  • Morgan, Lawrence Richard (1991) A Description of the Kutenai Language. University of California, Berkeley. Unpublished. OCLC 27109565

Ligações externasEditar

Aprendizado KtunaxaEditar