Abrir menu principal
A bandeira do orgulho leather, símbolo da subcultura do couro, que foi criada por Tony DeBlase em 1989.[1]
Cabeça do desfile Leather na parada gay pride de 2004 em São Francisco.

A subcultura do couro (também chamada de subcultura leather) denota práticas e estilos de vestuário organizados em torno de atividades que envolvem roupas de couro, como jaquetas de couro, coletes, botas, calças, entre outros itens. Vestir roupas de couro é uma das maneiras pelas quais os participantes desta cultura se distinguem das principais culturas sexuais.

Muitas pessoas associam a cultura do couro às práticas de BDSM e suas subculturas. Mas para outros, usar roupas de couro é uma moda erótica que expressa expressa valores elevados de masculinidade ou de poder sexual, amor por motocicletas e clubes de motociclismo, ou envolvimento com fantasias sexuais e fetichismo por couro.[2][3]

Apesar da subcultura leather ter se originado e possuir maior predominância entre os homens da comunidade gay, ela pode abranger pessoas de todos os gêneros e orientações sexuais.[4]

Referências

  1. Piontek, Wolf (16 de fevereiro de 2018). «The Leather Pride Flag». Leather Archives & Museum (em inglês) 
  2. Rubin, Gayle (18 de agosto de 1997). «Elegy for the Valley of Kings». In Changing Times: Gay Men and Lesbians Encounter HIV/AIDS 1 ed. Chicago: University of Chicago Press. ISBN 978-0226278575 
  3. Gomes, André. «O simbolismo do couro». Casal UP 
  4. Johnson, RJ (13 de julho de 2018). «Love, Life, and Leather». Anchorage Press (em inglês) 
  Este artigo sobre sexo ou sexualidade é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.