Liesenstraße

A Liesenstraße é uma rua localizada na fronteira entre os distritos de Berlim Mitte e Gesundbrunnen em Mitte. O Muro de Berlim passava em seu lado sudeste. Naquela época Gesundbrunnen pertencia ao distrito de Wedding em Berlim Ocidental, que em 2001 estava incluído no distrito de Mitte, que antes estava apenas em Berlim Leste.

Liesenstraße
Alemanha
Extremidade norte nas Liesenbrücke
Inauguração 1833
Extensão 460 m (1 500 pé)
Largura da pista 12 m (39 pé)

Quase não há edificações residenciais na Liesenstraße, que tem aproximadamente 500 metros de extensão. Em vez disso, a rua é moldada pelas pontes Liesenbrücken que a cruzam e quatro dos cemitérios mais famosos de Berlim. Além disso, os vestígios das fortificações de fronteira no Muro de Berlim foram preservados no terreno a sudeste da rua.

Os quatro cemitérios, o crescente tráfego de trens da vizinha Ferrovia Berlim–Szczecin e as empresas metalúrgicas vizinhas, que deram à área o nome de Feuerland (Terra do Fogo), tornaram os lotes restantes ao longo da Liesenstraße pouco atraentes para o desenvolvimento residencial.

Cemitérios na LiesenstraßeEditar

 
Vista sobre a antiga faixa do muro, a destruição pode ser vista em todos os três cemitérios

Os cemitérios da Liesenstraße foram construídos nas décadas de 1830 e 1840, numa época em que o local ficava na periferia norte de Berlim. O cemitério mais antigo, Domfriedhof I, foi estabelecido em 1830 para os protestantes da Catedral de Berlim. Em 1934 seguiu-se o antigo cemitério católico da Catedral de Santa Edwiges e um ano depois seguiu-se o cemitério da paróquia reformada da Französische Friedrichstadtkirche. Esses três cemitérios estão localizados um ao lado do outro no lado sul da Liesenstraße no distrito de Mitte. Em 1842 o Dorotheenstädtischer Friedhof foi construído no lado norte da rua.

Domfriedhof IEditar

 
Vista do cemitério
Ficheiro:Domkreuz im Friedhof Liesenstraße.jpg
A velha cruz da cúpula da catedral

O Domfriedhof I foi construído em 1830 em uma área de 10 000 m² na Liesenstraße. O objetivo era substituir o não mais existente cemitério na Elisabethstraße perto da Alexanderplatz, onde também ficava o antigo hospital da catedral. Tem pouco menos de um hectare, o que o torna o menor dos cemitérios da Liesenstraße, e a construção do muro o tornou ainda menor. Devido ao espaço limitado, a comunidade instalou o Domfriedhof II na Müllerstraße já em 1870.

Sepulturas históricas estão localizadas nos muros que delimitam o cemitério em três lados. A capela do cemitério em tijolo vermelho escuro em estilo neogótico foi renovada em meados da década de 1990 e está novamente disponível para os serviços funerários.

Na área de entrada uma cruz dourada reluzente com 15 metros de altura saúda os visitantes. É a velha cruz da cúpula que teve de ser removida da cúpula da Catedral de Berlim em dezembro de 2006 devido a danos por ferrugem.

Dentre as pessoas mais famosas sepultadas neste semitério estão o pedreiro Johann Christoph Bendler (1789–1873) e o fundador de um sistema de taquigrafia Heinrich August Wilhelm Stolze (1798-1867). O mestre dos estábulos de Guilherme I da Alemanha, Rudolf Rieck (1831-1892), foi sepultado junto com sua esposa Valeska (1840-1892) ao norte da capela. O túmulo do organista da corte e catedral Bernhard Heinrich Irrgang (1869–1916) é marcado por uma estela com um retrato em relevo. O túmulo do pregador da catedral Wilhelm Hoffmann é marcada por uma alta cruz de mármore. O escritor Gunther Tietz foi sepultado no cemitério da catedral em 1993.

Os túmulos das seguintes pessoas estão entre aqueles de importância arquitetônica e histórica que não são mais localizáveis:

Cemitério II da Congregação Reformada FrancesaEditar

 
Cemitério II da Congregação Reformada Francesa
 
Sepultura de Theodor Fontane

Como acontece com os outros cemitérios da Liesenstraße, vários túmulos significativos do ponto de vista arquitetônico e histórico foram perdidos como resultado da construção das fortificações de fronteira e, em alguns casos, antes disso. Entre eles estavam os túmulos de

Antigo Cemitério da Catedral da Paróquia de St. HedwigsEditar

 
Placa na entrada do cemitério
 
Anjo de mármore por Josef Limburg
 
Vista geral do cemitério
 
Sepultura de Peter von Cornelius
 
Franz Skarbina: Allerseelentag (Hedwigskirchhof), 1896

Vários berlinenses conhecidos foram sepultados neste cemitério, cujos túmulos não existem mais hoje. As seguintes tumbas foram parcialmente perdidas ou alteradas:

Além dessas perdas, há uma série de outras sepulturas de pessoas historicamente mais ou menos significativas no local, que hoje tem apenas 1,4 hectares, incluindo:

 
Grabmal für Carl Sonnenschein, Christus von Hans Perathoner, 1935

Dorotheenstädtischer Friedhof IIEditar

 
Vista geral do cemitério

Dentre as sepulturas principais consta o mausoléu do diretor de circo Paul Vincenz Busch (1850 a 1927) e sua mulher Barbara Sidonie Busch (1849 a 1898), construído em 1898 por Herrmann Paulick e Felix Voss. O túmulo do empresário Rudolph Hertzog também é tombado como patrimônio histórico. Existem também túmulos de honra (Ehrengrab) para August Kundt (1839–1894), Carl Otto Nicolai (1810–1849), Julius Carl Raschdorff (1823–1914), Ernst Renz, Albert Schumann (1858–1939) e Eduard Fürstenberg (1827–1885).

LiesenbrückenEditar

 
Vista da ponte da Ferrovia Berlim–Szczecin sobre a Liesenstraße, 1897
 
As Liesenbrücken vistas da Gartenstraße
 
A ponte leste desativada

As pontes ferroviárias conhecidas atualmente como Liesenbrücken cruzam a Liesenstraße no cruzamento com a Gartenstraße. Todo o complexo é tombado como patrimônio cultural.[1]

As pontes foram construídas em 1890-1896 pelos engenheiros B. Hildebrandt e K. Bathmann, para elevar os trilhos da Ferrovia Szczecin, que existia desde 1843 e que cruzava a rua em uma passagem de nível.[2]

Para a construção das pontes os trilhos foram colocados sobre aterros. As pontes são de estruturas treliçadas de ferro com arcos superiores semi-parabólicos. As peças finais formam portais. Os trilhos nas pontes foram colocados em um leve enchimento de cascalho e o leito dos trilhos foi coberto com lajes que não existem mais.

A ponte oeste foi renovada em 1956/1957. Os pilares foram totalmente removidos e reconstruídos para este fim.

Atualmente apenas as pontes oeste renovadas estão em operação. A iniciativa “Grünzüge für Berlin” está empenhada em criar uma conexão verde entre o parque na Berlin Nordbahnhof e o Volkspark Humboldthain sobre as Liesenbrücken que não estão mais em uso.[3]

Referências

  1. Liesenbrücken
  2. Bathmann: Die Entwicklung der Eisenbahnanlagen im Norden von Berlin seit dem Jahre 1890. In: Zeitschrift für Bauwesen. 1903, p. 283–290, 479–496, Tafel 33–40.
  3. „Grünzüge für Berlin – Die Liesenbrücken“

Ver tambémEditar

BibliografiaEditar

  • Kathrin Chod, Herbert Schwenk, Hainer Weisspflug, Hans J. Mende: Berliner Bezirkslexikon Mitte. 2 Bände. Band 1: A bis N. Band 2: N bis Z. Edition Luisenstadt, Berlin 2001, ISBN 3-89542-111-1.
  • Alfred Etzold, Wolfgang Türk: Der Dorotheenstädtische Friedhof. Die Begräbnisstätten an der Berliner Chausseestraße. Aktualisierte Neuauflage. Links, Berlin 2002, ISBN 3-86153-261-1.
  • Klaus Hammer: Historische Friedhöfe & Grabmäler in Berlin. Stattbuch Verlag, Berlin 1994, ISBN 3-922778-32-1.
  • Gartendenkmale in Berlin: Friedhöfe, hrsgg. von Jörg Haspel und Klaus-Henning von Krosigk, bearbeitet von Katrin Lesser, Jörg Kuhn, Detlev Pietzsch u. a., Michael Imhof Verlag, Petersberg 2008.

Ligações externasEditar

O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Liesenstraße
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Liesenstraße
 
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Liesenstraße
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Liesenstraße