Abrir menu principal

Wikipédia β

Lista de mamíferos de Portugal

Índice

Mamíferos terrestresEditar

Nome Comum
(Nome científico)
Distribuição Habitat Observações Foto
Ordem Rodentia Bowdich, 1821
Família Sciuridae Fischer de Waldheim, 1817
Esquilo-vermelho
Sciurus vulgaris
Linnaeus, 1758
Florestas de coníferas, florestas mistas, parques e jardins. Extinto em Portugal desde o século XVI, voltou a colonizar o norte do país a partir de populações espanholas. Foram tentadas algumas introduções no centro do país na década de 90, existindo actualmente uma população bem estabelecida no Parque Florestal de Monsanto [1] e no Parque Natural da Serra da Estrela.[2]  
Ordem Rodentia Bowdich, 1821
Família Gliridae Muirhead in Brewster, 1819
Leirão
Eliomys quercinus
(Linnaeus, 1766)
  Florestas de coníferas ou caducifólias, pomares e jardins. Também conhecido por leirão-dos-pomares ou rato-dos-pomares.  
Ordem Rodentia Bowdich, 1821
Família Cricetidae G. Fischer, 1817
Rato-dos-lameiros
Arvicola amphibius
(Linnaeus, 1758)
  Cursos de água com margens íngremes e muito vegetadas, zonas pantanosas e prados. Sinónimo: Arvicola terrestris.
Presente no norte de Portugal e Espanha (mapa incorrecto nesse aspecto).[3]
 
Rato-de-água
Arvicola sapidus
Miller, 1908
  Cursos de água de corrente fraca, com margens ricas em vegetação.  
Rato-do-campo-de-cauda-curta
Microtus agrestis
(Linnaeus, 1761)
  Prados, charnecas, bosques abertos, dunas, preferindo zonas húmidas.  
Rato-do-campo-comum
Microtus arvalis
(Pallas, 1778)
  Terrenos agrícolas, prados e bosques. Em Portugal ocorre apenas a noroeste do território, na região de Trás-os-Montes.  
Rato de Cabrera
Microtus cabrerae
Thomas, 1906
Bosques abertos, campos e pastagens, geralmente perto de água ou húmidos. Endemismo ibérico.
Rato-cego-mediterrânico
Microtus duodecimcostatus
(de Selys-Longchamps, 1839)
  Amplamente distribuído; atinge densidades elevadas especialmente em pomares e outras zonas agrícolas. Também conhecido por rato-dos-prados-mediterrânico.
Hábitos fossoriais.
Rato-cego
Microtus lusitanicus
(Gerbe, 1879)
  Grande variedade de habitats, incluindo zonas naturais (galerias ripícolas e bosques) e zonas agrícolas (terras cultivadas, pomares e pastagens). Também conhecido por rato-dos-prados-lusitânico.
Hábitos fossoriais.
 
Ordem Rodentia Bowdich, 1821
Família Muridae Illiger, 1811
Rato-dos-bosques
Apodemus sylvaticus
(Linnaeus, 1758)
  Bosques, matagais, dunas, terrenos agrícolas e jardins. Também conhecido por ratinho-do-campo.  
Rato-caseiro
Mus musculus
Linnaeus, 1758
  Associado a habitats urbanos ou rurais, sempre junto a infraestruturas construídas; raramente em habitats naturais. A distribuição mundial desta espécie é mais abrangente que a de qualquer outro mamífero (à excepção do Homem).
Em Portugal ocorre a subespécie Mus musculus domesticus, elevada ao estatuto de espécie por alguns autores.[4]
 
Rato-das-hortas
Mus spretus
Lataste, 1883
  Bosques abertos, matagais, prados, terrenos agrícolas e jardins; evita habitações. Também conhecido por ratinho-ruivo.
Ratazana-castanha
Rattus norvegicus
(Berkenhout, 1769)
  Zonas urbanas, zonas agrícolas em locais perto de água e com vegetação densa. Espécie introduzida (após 1500 d.C.). Originária do Extremo Oriente.
Vector de diversas doenças; mostra alguma resistência a venenos. Mais agressiva que a ratazana-preta, substituindo-a em algumas zonas ou habitats.
Também conhecida por ratazana-de-água.
 
Ratazana-preta
Rattus rattus
(Linnaeus, 1758)
  Zonas urbanas, especialmente em edifícios. Espécie introduzida (introdução histórica). Originária do Sul da Ásia.  
Ordem Lagomorpha Brandt, 1855
Família Leporidae Fischer de Waldheim, 1817
Lebre
Lepus granatensis
Rosenhauer, 1856
  Desde zonas agrícolas a bosques de montanha. Espécie cinegética.  
Coelho-bravo
Oryctolagus cuniculus
(Linnaeus, 1758)
  Prados, matos e bosques mediterrânicos abertos. Espécie cinegética.
Originária da Península Ibérica, actualmente presente um pouco por o globo, resultado de inúmeras introduções.
Acentuado declínio populacional recente, devido a mixomatose e doença hemorrágica viral.
 
Ordem Erinaceomorpha Gregory, 1910
Família Erinaceidae G. Fischer, 1814
Ouriço-cacheiro
Erinaceus europaeus
Linnaeus, 1758
  Bosques de caducifólias, prados húmidos, jardins e dunas com estrato arbustivo. Também conhecido por ouriço-terrestre.  
Ordem Soricomorpha Gregory, 1910
Família Soricidae G. Fischer, 1814
Musaranho-de-dentes-brancos-grande
Crocidura russula
(Hermann, 1780)
  Prados, bosques (principalmente na orla), matagal, jardins e junto a habitações. Muito semelhante ao musaranho-de-dentes-brancos-pequeno, mas mais abundante que este.  
Musaranho-de-dentes-brancos-pequeno
Crocidura suaveolens
(Pallas, 1811)
  Terrenos agrícolas, matagais, dunas e áreas rochosas com boa cobertura vegetal; evita florestas densas. Em Portugal, é mais raro que o musaranho-de-dentes-brancos-grande.  
Musaranho-anão-de-dentes-brancos
Suncus etruscus
(Savi, 1822)
  Terrenos agrícolas (vinhas, olivais) com cobertura arbustiva, jardins, matagal e bosque mediterrânico. Um dos mais pequenos mamíferos do mundo.  
Musaranho-de-água
Neomys anomalus
Cabrera, 1907
  Vegetação abundante junto a cursos de água de corrente reduzida e zonas húmidas.  
Musaranho-de-dentes-vermelhos
Sorex granarius
Miller, 1910
  Áreas com denso estrato arbustivo, bosques de folhosas e resinosas, perto de água ou zonas húmidas. Endemismo ibérico.
Também conhecido por musaranho-ibérico.
Musaranho-anão-de-dentes-vermelhos
Sorex minutus
Linnaeus, 1766
  Áreas de densa cobertura ao nível do solo, como matagais, prados, dunas e orlas de bosques.  
Ordem Soricomorpha Gregory, 1910
Família Talpidae G. Fischer, 1814
Toupeira-de-água
Galemys pyrenaicus
(É. Geoffroy, 1811)
  Cursos de água rápidos, de montanha, com vegetação abundante nas margens. Espécie muito sensível a perturbações, como poluição das águas e destruição das margens dos cursos de água.  
Toupeira
Talpa occidentalis
Cabrera, 1907
  Zonas de solo profundo, que não seja rochoso, arenoso nem alagado. Endemismo ibérico.
Hábitos fossoriais.
 
Ordem Carnivora Bowdich, 1821
Família Felidae G. Fischer de Waldheim, 1817
Gato-bravo
Felis silvestris
Schreber, 1775
  Florestas de caducifólias. Próximo do ancestral do gato-doméstico (Felis silvestris lybica, de origem africana), origina híbridos férteis quando se cruza com este, ameaçando o pool genético da espécie selvagem.  
Lince-ibérico
Lynx pardinus
(Temminck, 1827)
  Bosques abertos de coníferas e matos densos. Em território português, encontra-se num cenário de pré-extinção.  
Ordem Carnivora Bowdich, 1821
Família Viverridae Gray, 1821
Geneta
Genetta genetta
(Linnaeus, 1758)
  Bosques com cursos de água, vegetação densa e zonas rochosas, longe de habitações humanas. Introdução histórica, de origem africana.  
Ordem Carnivora Bowdich, 1821
Família Herpestidae Bonaparte, 1845
Sacarrabos
Herpestes ichneumon
(Linnaeus, 1758)
  Matagais, terrenos agrícolas e zonas rochosas com vegetação abundante. Introdução histórica, de origem africana.São feitas observações com alguma frequência no Parque Natural da Serra da Estrela.[5]
Ordem Carnivora Bowdich, 1821
Família Canidae G. Fischer de Waldheim, 1817
Lobo
Canis lupus
Linnaeus, 1758
  Campos e bosques abertos com boa cobertura vegetal. Ancestral do cão-doméstico, com o qual produz híbridos férteis.
O lobo-ibérico corresponde à subespécie Canis lupus signatus.
 
Raposa
Vulpes vulpes
(Linnaeus, 1758)
  Adapta-se a quase todos os habitats: matagais, florestas, campos agrícolas, montanhas, zonas pantanosas, dunas e zonas urbanas. É o carnívoro selvagem com maior distribuição e abundância no mundo.  
Ordem Carnivora Bowdich, 1821
Família Mustelidae G. Fischer de Waldheim, 1817
Lontra
Lutra lutra
(Linnaeus, 1758)
  Zonas de água doce com vegetação adequada (rios, canais, lagos, pântanos e charcos).  
Fuinha
Martes foina
(Erxleben, 1777)
  Bosques de caducifólias, orlas de florestas e zonas rochosas. Pelagem castanho-acinzentada com uma mancha branca bipartida no peito.  
Marta
Martes martes
(Linnaeus, 1758)
  Florestas maduras de coníferas, caducifólias ou mistas. Pelagem castanha e mancha no peito de cor creme ou amarelada.  
Texugo
Meles meles
(Linnaeus, 1758)
  Bosques mistos e de folha caduca, pastagens e jardins amplos. Única espécie de mustelídeo em Portugal a exibir um forte comportamento social (alguns grupos podem ter até 25 indivíduos adultos).  
Arminho
Mustela erminea
Linnaeus, 1758
Grande diversidade de habitats com boa cobertura vegetal, incluindo bosques, pântanos e terrenos agrícolas. Nas regiões europeias mais frias, o arminho apresenta uma pelagem branca no Inverno (não acontecendo o mesmo em Portugal). A sua presença em território português só foi confirmada na década de 1980.  
Doninha
Mustela nivalis
Linnaeus, 1766
  Florestas, matos, prados, dunas e zonas agrícolas. Como o arminho, a doninha apresenta uma pelagem branca no Inverno, em algumas regiões.  
Toirão
Mustela putorius
Linnaeus, 1758
  Bosques e florestas, margens de rios e pântanos e junto a terrenos agrícolas. O furão, animal de estimação, é a forma domesticada desta espécie (Mustela putorius furo)  
Visão-americano
Neovison vison
(Schreber, 1777)
Zonas de vegetação densa junto a cursos de água e lagos. Espécie introduzida. Fuga de viveiros de criação para a indústria das peles.
Sinónimo: Mustela vison.
 
Ordem Artiodactyla Owen, 1848
Família Suidae Gray, 1821
Javali
Sus scrofa
Linnaeus, 1758
  Bosques, matos e zonas agrícolas com densa cobertura vegetal. Espécie cinegética.  
Ordem Artiodactyla Owen, 1848
Família Cervidae Goldfuss, 1820
Veado
Cervus elaphus
Linnaeus, 1758
  Bosques de caducifólias, matos e prados. Espécie cinegética.
Ampla distribuição mundial, estando presente na Europa, Ásia e América do Norte.
Segundo maior cervídeo europeu.
 
Gamo
Dama dama
(Linnaeus, 1758)
Florestas, matagais, prados e zonas agrícolas. Extinguiu-se na Europa após o último período glaciar. Foi reintroduzido no mediterrânico ocidental pelos Fenícios, a partir da região mediterrânica oriental.
Espécie cinegética.
 
Corço
Capreolus capreolus
(Linnaeus, 1758)
  Florestas de caducifólias, coníferas ou mistas e zonas agrícolas. Espécie cinegética.  
Ordem Artiodactyla Owen, 1848
Família Bovidae Gray, 1821
Cabra-montês
Capra pyrenaica
Schinz, 1838
  Zonas montanhosas rochosas. Um declínio acentuado das populações naturais levou à extinção de duas subespécies: no século XIX a C. p. lusitanica em Portugal e na Galiza e no ano 2000 a C. p. pyrenaica na região dos Pirenéus. No final da década de 1990, a subespécie C. p. victoriae foi reintroduzida na Serra do Xurês/Gerês.  
Muflão
Ovis ammon
(Linnaeus, 1758)
Zonas montanhosas rochosas. Espécie introduzida. Originária da Ásia Central.
Espécie cinegética.
 

Mamíferos voadores (morcegos)Editar

Nome Comum
(Nome científico)
Distribuição Habitat Observações Foto
Ordem Chiroptera Blumenbach, 1779
Família Rhinolophidae Gray, 1825
Morcego-de-ferradura-mediterrânico
Rhinolophus euryale
Blasius, 1853
  Áreas quentes cobertas de arbustos e árvores na base das colinas e montanhas.  
Morcego-de-ferradura-grande
Rhinolophus ferrumequinum
(Schreber, 1774)
  Vales com florestas densas, com zonas de matos, clareiras e água.  
Morcego-de-ferradura-pequeno
Rhinolophus hipposideros
(Bechstein, 1800)
  Áreas calcárias e parcialmente arborizadas, em regiões quentes na base das colinas e terras altas.  
Morcego-de-ferradura-mourisco
Rhinolophus mehelyi
Matschie, 1901
  Áreas calcárias e próximas a água.  
Ordem Chiroptera Blumenbach, 1779
Família Molossidae Gervais in de Castelnau, 1855
Morcego-rabudo
Tadarida teniotis
(Rafinesque, 1814)
  Zonas montanhosas acidentadas e áreas residenciais.
Ordem Chiroptera Blumenbach, 1779
Família Vespertilionidae Gray, 1821
Morcego-hortelão
Eptesicus serotinus
(Schreber, 1774)
Parques pouco arborizados e prados.  
Morcego dos Açores
Nyctalus azoreum
Thomas, 1901
Endemismo dos Açores.  
Morcego-arborícola-gigante
Nyctalus lasiopterus
(Schreber, 1780)
  Florestas de caducifólias.  
Morcego-arborícola-pequeno
Nyctalus leisleri
(Kuhl, 1817)
Florestas e bosques.  
Morcego-arborícola-grande
Nyctalus noctula
Schreber, 1774
  Bosques e grandes parques urbanos. Possivelmente extinto em território português.  
Morcego de Kuhl
Pipistrellus kuhlii
Kuhl, 1817
  Zonas urbanas e áreas calcárias.  
Morcego da Madeira
Pipistrellus maderensis
Dobson, 1878
 
Morcego-anão
Pipistrellus pipistrellus
(Schreber, 1774)
  Zonas urbanas e orlas das florestas. É o morcego mais pequeno da Europa e um dos mais comuns.  
Morcego-pigmeu
Pipistrellus pygmaeus
(Leach, 1825)
 
Morcego-negro
Barbastella barbastellus
(Schreber, 1774)
  Vales arborizados dos rios, regiões montanhosas, parques e áreas residenciais.  
Morcego-orelhudo-castanho
Plecotus auritus
(Linnaeus, 1758)
Florestas abertas de caducifólias e coníferas, parques e jardins muito arborizados.  
Morcego-orelhudo-cinzento
Plecotus austriacus
(Fischer, 1829)
  Vales quentes em zonas montanhosas, zonas agrícolas; evita grandes florestas.  
Morcego de Savi
Hypsugo savii
Bonaparte, 1837
  Zonas rochosas, orla de prados e bosques, zonas urbanas. Sinónimo: Pipistrellus savii Morcego de Savi
Morcego de Bechstein
Myotis bechsteinii
Kuhl, 1817
  Florestas mistas ou de coníferas, parques e jardins.  
Morcego-rato-pequeno
Myotis blythii
Tomes, 1857
  Áreas quentes com cobertura pouco densa, áreas calcárias, parques e áreas urbanas  
Morcego-de-água
Myotis daubentonii
(Kuhl, 1817)
Campos planos com bosques abertos e zonas ribeirinhas.  
Morcego-lanudo
Myotis emarginatus
É. Geoffroy, 1806
  Bosques, parques e jardins, frequentemente junto a água.  
Morcego-rato-grande
Myotis myotis
Borkhausen, 1797
  Zonas rurais ligeiramente arborizadas e parques.  
Morcego-de-bigodes
Myotis mystacinus
(Kuhl, 1817)
Campos abertos e zonas arborizadas, perto de água; parques jardins e povoações.  
Morcego-de-franja
Myotis nattereri
(Kuhl, 1817)
  Bosques abertos e campos agrícolas, perto de massas de água ou pântanos; zonas urbanas.  
Morcego-de-peluche
Miniopterus schreibersii
Kuhl, 1817
  Zonas rochosas e abertas.

Mamíferos marinhos (focas, golfinhos e baleias)Editar

Nome Comum
(Nome científico)
Distribuição Habitat Observações Foto
Ordem Carnivora Bowdich, 1821
Família Phocidae Gray, 1821
Foca-de-capuz
Cystophora cristata
(Erxleben, 1777)
Gelo compacto e flutuante, em águas profundas. Também conhecida por foca-de-crista.  
Foca-barbuda
Erignathus barbatus
Erxleben, 1777
  Águas costeiras pouco profundas e gelo flutuante dos litorais.  
Foca-cinzenta
Halichoerus grypus
(Fabricius, 1791)
  Costas rochosas ou escarpadas, estuários, zona intertidal e costas arenosas.  
Foca-monge
Monachus monachus
(Hermann, 1779)
  Zonas litorais sub-tropicais, praias pequenas e abrigadas. Em Portugal, existe uma população no arquipélago da Madeira.
Também conhecida por lobo-marinho.
 
Foca-comum
Phoca vitulina
Linnaeus, 1758
Bancos de areia em estuários e braços de mar e costas rochosas, no Atlântico Norte e Pacífico Norte.  
Foca-anelada
Pusa hispida
(Schreber, 1775)
  No gelo ou perto da costa, em fiordes, lagos ou mares interiores, na zona circumpolar árctica ou próximo do Báltico.  
Ordem CetaceaBrisson, 1762
Família Delphinidae Gray, 1821
Caldeirão
Steno bredanensis
G. Cuvier in Lesson, 1828
  Águas tropicais e sub-tropicais. Também conhecido por golfinho-de-bico-comprido.  
Golfinho-riscado
Stenella coeruleoalba
(Meyen, 1833)
  Mares de zonas temperadas e quentes.  
Golfinho-malhado
Stenella frontalis
(G. Cuvier, 1829)
  Águas costeiras e águas profundas. Comum ao largo dos Açores.
Também conhecido por golfinho-pintado.
 
Golfinho-comum
Delphinus delphis
Linnaeus, 1758
  Prefere águas temperadas, mas está amplamente distribuído.  
Roaz-corvineiro
Tursiops truncatus
(Montagu, 1821)
  Águas costeiras e estuários.  
Orca-bastarda
Pseudorca crassidens
(Owen, 1846)
  Águas temperadas e tropicais.  
Orca
Orcinus orca
(Linnaeus, 1758)
  Diversos ambientes marinhos e estuarinos.  
Grampo
Grampus griseus
(G. Cuvier, 1812)
  Mares temperados e tropicais.  
Baleia-piloto
Globicephala melas
Traill, 1809
  Águas polares e temperadas-frias. Alguns autores consideram que a espécie que ocorre no Atlântico Norte se trata de Globicephala melaena.  
Baleia-piloto-tropical
Globicephala macrorhynchus
Gray, 1846
  Águas profundas, tropicais e temperadas.  
Ordem Cetacea Brisson, 1762
Família Phocoenidae Gray, 1825
Boto
Phocoena phocoena
(Linnaeus, 1758)
  Águas frias costeiras. Também conhecida por toninha.  
Ordem Cetacea Brisson, 1762
Família Physeteridae Gray, 1868
Cachalote-pigmeu
Kogia breviceps
Blainville, 1838
  Águas profundas, em zonas temperadas e tropicais.
Cachalote-anão
Kogia simus
Owen, 1866
  Águas temperadas e tropicais.
Cachalote
Physeter macrocephalus
Linnaeus, 1758
  Águas profundas.  
Ordem Cetacea Brisson, 1762
Família Ziphiidae Gray, 1850
Baleia-de-bico-de-Gervais
Mesoplodon europaeus
(Gervais, 1855)
  Águas profundas do Atlântico temperado, subtropical e quente.
Baleia-de-bico-de-Blainville
Mesoplodon densirostris
Blainville, 1817
  Águas profundas do Atlântico temperado, subtropical e quente. Também conhecida por baleia-de-bico-grosso.  
Baleia-de-bico-de-True
Mesoplodon mirus
True, 1913
  Águas profundas do Atlântico temperado.
Baleia-de-bico-de-Sowerby
Mesoplodon bidens
(Sowerby, 1804)
Águas profundas.
Baleia-de-bico-comum
Ziphius cavirostris
G. Cuvier, 1823
  Águas profundas.
Baleia-de-bico-de-garrafa
Hyperoodon ampullatus
(Forster, 1770)
  Águas profundas frias e temperadas. Também conhecido por botinhoso.
Ordem Cetacea Brisson, 1762
Família Balaenopteridae Gray, 1864
Baleia-azul
Balaenoptera musculus
(Linnaeus, 1758)
  Águas profundas, desde regiões polares até regiões subtropicais.  
Baleia-fina
Balaenoptera physalus
(Linnaeus, 1758)
  Águas profundas, desde regiões polares até regiões subtropicais.  
Baleia-boreal
Balaenoptera borealis
Lesson, 1828
  Mares polares a subtropicais.  
Baleia-anã
Balaenoptera acutorostrata
Lacepede, 1804
  Águas temperadas.  
Baleia-de-Bryde
Balaenoptera edeni
Anderson, 1879
  Sinónimo: Balaenoptera brydei.  
Baleia-de-bossa
Megaptera novaeangliae
Borowski, 1781
  Águas costeiras ou pelágicas de regiões polares até tropicais.  
Baleia-negra
Eubalaena glacialis
(Müller, 1776)
  Águas temperadas frias.  

Referências

Referências geraisEditar

Ver tambémEditar