Lista de sínodos francos

artigo de lista da Wikimedia

Uma lista de sínodos francos realizados na igreja em todo o vasto reino franco, bem como seus predecessores imediatos, incluindo o Reino Visigótico, o Reino Ostrogótico, e o Reino da Borgonha, ilustra, de modo incongruente o modo como era e foi organizada a sociedade clerical e civil da época, suas repercussões e o estado de coisas que o ocidente veio a divisar em épocas futuras.

Antecedentes e importânciaEditar

Os Sínodos regionais foram realizados regularmente na Igreja da Gália. Entre os anos 314 e 506, contou-se mais de 30 deles. [1] Alguns dos sínodos listados aqui (uns dos quais também são referidos também como "sínodos gerais do império alemão"), serviram para assinalar um desenvolvimento particular do germânico na Igreja do Ocidente. Para os concílios regionais ou provinciais que ocorreram habitualmente na igreja da época, compreende-se que os mesmos acrescentaram um elemento tradicional aos sistemas de governo (mormemente o germânico), o que culminou na ideia de Concílios nacionais, influência adquirida do Oriente cristão [2]

Eles também indicam uma congruência cada vez maior entre a Igreja e o Estado. Quanto aos governantes arianos, estes mantiveram sua distância dos concílios gerais [já que estes eram ortodoxos], e só começaram a influenciá-los e acontecer os concílios visigóticos, quando Recaredo I, converteu-se à ortodoxia. A tendencia geral foi que, com a conversão e o consequente estabelecimento entre os reis merovíngios (e os carolíngios depois deles), os concílios vieram a sofrer a influência diretados referidos monarcas. [2] De acordo com Gregory Halfond, tal congruência era uma qualidade particular da igreja galo-romana, onde a aristocracia romana composta por uma parte importante da liderança galo-romana (e mais tarde o franco) sobre a igreja; o nexo da continuidade desse poder é indicado também pelo uso contínuo de procedimentos romanos nos concílios. [3]

Um clérigo precoce e de suma importância foi Cesário, bispo de Arles que presidiu o sínodo visigótico realizado em Agde em 506, [4] e, em seguida, foi ele também quem regeu magnanimamente o Segundo Concílio de Orange, em (529) e o Concílio de Vaison, no mesmo ano. Os sínodos regionais, organizados por Cesário, tinham uma maior preocupação com os cânones e as práticas da Igreja da Gália às de outras Igrejas. Em Orange, por exemplo, ocorreram decisões importantes, como por exemplo, acerca do pelagianismo, ou o anátema do rito gaulês [da então Igreja gaulesa] e as decisões do Vaison, em conformidade com a liturgia praticada em outras Igrejas (Itália, África, Oriente, etc). [5] O modelo para os seguintes sínodos e concílios francos, foi definido por Clóvis I, que organizou o Primeiro Concílio de Orleans, em (511), embora ele não o tenha assistido. Foi ele quem definiu a agenda [pauta] e seguiu de perto o processo (o que estava em jogo era "a unificação da igreja romana sob domínio franco"). [6] "profundamente arraigada pelas práticas germânicas. Após o declínio da influência de Cesário e o estabelecimento do domínio merovíngio, o foco do vir-a-ser da Igreja Franca mudou para o norte, para lidar com o crescente problema de ajuste litúrgico, onde pesava a questão do pelagianismo ou Predestinatarianismo, só que agora os bispos tinham que lidar com problemas que envolviam "o casamento, as relações entre uma aristocracia guerreira, questões relativas ao clero, aos monges e monjas e os os conflitos nascidos da influência real e ainda pesar os ajustes sobre os direitos de propriedade". [5]

O modelo básico estabelecido por Clóvis provocou uma reunião de líderes da igreja (em qualquer nível), que poderia ser convocada por autoridades religiosas ou seculares. O resultado dessas reuniões era eclesiástico, transformados em decisões legislativas, denominadas de Cânones.[6] Outro aspecto destes sínodos foi de ordem judicial: aqueles que tivessem transgredido alguma lei ou norma eclesiástica ou outra lei, seriam investigados e julgados. [7] Finalmente [então] os sínodos decidiram sobre questões de subsídios e privilégios [8]

Muitos dos sínodos (às vezes também chamados de "concílios" - "sinodais" tinham sua aplicação, às vezes, sobre recolhimentos menores,[9]) embora não todos, podiam ser chamados de "concílio de estado", isto é, eles foram convocados por uma autoridade monárquica.[10] Especialmente na igreja franca, o grande número de cânones conciliares é a prova da estreita relação entre os governantes e a igreja. Por volta do século VIII, no entanto, a organização regular de sínodos havia desaparecido, e quando Bonifácio queixou-se ao Papa Zacarias em 742 que não tinha havido um sínodo na igreja franca em pelo menos oitenta anos, ele não estava exagerando muito. [11] [12] Bonifácio então no Concílio Germânico, que foi o primeiro de três "concílios da reforma", [13] buscou meios de reformar, organizar [ou reorganizar], em suas tentativas, a igreja franca. [14] Ele foi apenas parcialmente bem sucedido em suas tentativas, e nunca conseguiu desembaraçar a estreita relação entre a nobreza e o clero, que em muitos casos, levou a propriedade da igreja que, custodiada por nobres (que tinham sido nomeados bispos, por governantes carolíngios, por exemplo, para apaziguá-los) e suas famílias. [12] [15]

Sínodos visigodosEditar

Sínodos ostrogodosEditar

Sínodos borgonhesesEditar

Sínodos francosEditar

Século VIEditar

Século VIIEditar

Século VIIIEditar

Século IXEditar

Referências

  1. Gregory I. Halfond 2.
  2. a b c d e f Rahner 301-302.
  3. Gregory I. Halfond 4-6.
  4. Gregory I. Halfond 6.
  5. a b Markus 155-56.
  6. a b Gregory I. Halfond 8-9.
  7. Gregory I. Halfond 10-13.
  8. Gregory I. Halfond 12-13.
  9. Lumpe passim.
  10. Gregory I. Halfond VIII, 21, 59.
  11. Hartmann 59.
  12. a b c Schuler 364.
  13. Lobo 1-5.
  14. Há alguma discussão sobre a adequação do prazo da "reforma"; ver Gregory I. Halfond 1.
  15. Schieffer.
  16. Gregory I. Halfond - Arqueologia dos Concílios da Igreja francos, AD 511-768; pg 186
  17. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y z aa ab ac ad ae af ag ah ai aj ak al Gregory I. Halfond, "Apêndice A: Concílios de francos, 511 -768 ". 223-46.
  18. Gregory I. Halfond 185 n.3.
  19. Gregory I. Halfond - Arqueologia dos Concílios da Igreja francos, AD 511-768; pg 72
  20. Gregory I. Halfond - Arqueologia dos Concílios da Igreja francos, AD 511-768; pg 8
  21. Gregory I. Halfond - Arqueologia dos Concílios da Igreja francos, AD 511-768; pg 225
  22. a b c d Herbermann et al. 53.
  23. Gregory I. Halfond - Arqueologia dos Concílios da Igreja francos, AD 511-768; pg 33
  24. Gregory I. Halfond - Arqueologia dos Concílios da Igreja francos, AD 511-768; pg 93
  25. Gregory I. Halfond - Arqueologia dos Concílios da Igreja francos, AD 511-768; pg 85
  26. Gregory I. Halfond - Arqueologia dos Concílios da Igreja francos, AD 511-768; pg 38
  27. Gregory I. Halfond - Arqueologia dos Concílios da Igreja francos, AD 511-768; pgs 12 e 38
  28. Gregory I. Halfond - Arqueologia dos Concílios da Igreja francos, AD 511-768; pg 45
  29. Gregory I. Halfond - Arqueologia dos Concílios da Igreja francos, AD 511-768; pg 74
  30. Gregory I. Halfond - Arqueologia dos Concílios da Igreja francos, AD 511-768; pg 104
  31. Gregory I. Halfond - Arqueologia dos Concílios da Igreja francos, AD 511-768; pg 53
  32. Delaney 579-80.
  33. Bachrach 25.
  34. " São Columbano ". Enciclopédia Católica. New York: Robert Appleton Companhia. 1913.
  35. Gregory I. Halfond, "Apêndice A: Concílios de francos, 511-768 ". 223-46.
  36. Lobo passim.
  37. Dierkens 15.
  38. Gregory I. Halfond - Arqueologia dos Concílios da Igreja francos, AD 511-768; pg 60
  39. Herbermann et al. 577-578.
  40. Gregory I. Halfond - Arqueologia dos Concílios da Igreja francos, AD 511-768; pg 71
  41. Herberman et al. 276-78.
  42. Herbermann et al. 276-78.

BibliografiaEditar

  • Bachrach, David Steward (2003). Religião e da condução da guerra, c. 300-1215. Boydell. ISBN 9780851159447.
  • Delaney, John J. (2005). "Sulpício". Dicionário dos Santos. Random House. ISBN 9780385515207.
  • Dierkens, Alain (1984). "Superstições, christianisme et paganisma à la fin de l'époque mérovingienne: A propos de l ' Indiculus superstitionem et paganiarum ". Em Hervé Hasquin. Magie, sorcellerie, parapsychologie.Bruxelas: Éditions de l'Université de Bruxelles. pp 9-26.
  • Halfond, Gregory I. (2009). Arqueologia de Concílios da Igreja francos, AD 511-768. Brill. ISBN 9789004179769.
  • Hartmann, Wilfried (1985). "Die Fränkische Kirche in der Mitte des 8. Jahrhunderts". Em Heinz Dopsch, Roswitha Juffinger. Salzburgo: Amt der Salzburger Landesregierung, Kulturabteilung. pp 59-65.
  • Herbermann, Charles George; et al (1911). "Paulo I, Papa". A enciclopédia católica: uma obra de referência internacional sobre a constituição, a doutrina, a disciplina ea história da Igreja Católica, Volume 11. Robert Appleton. pp. 577-78.
  • Lumpe, Adolf (1970). "Zur Geschichte der Wörter" Concilium 'und' Synodus 'in der antiken christlichen Latinität ". Annuarium Historiae Conciliorum 2 (1): 1-21.
  • Markus, Robert A. (1992). "De Ceasarius a Bonifácio: o cristianismo eo paganismo na Gália". Em Jacques Fontaine, JN Hillgarth. Le septième siècle: changements et continuités / do século VII: mudanças e continuidades. Estudos do Instituto Warburg. 42. Londres: Instituto Warburg. pp. 154-72. ISBN 9780854810833.
  • Rahner, Karl (1975) Enciclopédia da teologia: a concisa Sacramentum mundi. Freiburg: Herder. ISBN 9780860120063.
  • Schieffer, Theodor (1980). Winfrido-Bonifatius und die Christliche Grundlegung Europas (2 ed.). Darmstadt:. Wissenschaftliche Buchgesellschaft ISBN 3534060652.
  • Schuler, Matthias (1947). "1200jähr Zum Jubiläum des fränkischen Generalkonzils vom 747 Jahre der Der höhepunkt Reformtätigkeit des hl Bonifatius...". Trierer Theologische Zeitschrift 56: 362-70.
  • Wolf, Gunther G. (1999). "Die Peripetie em des Bonifatius Wirksamkeit und die Renúncia Karlmanns D.A.". Archiv für Diplomatik 45: 1-5.