Luis Barahona de Soto

Luis Barahona de Soto
Nascimento 1548
Lucena
Morte 5 de novembro de 1595 (47 anos)
Archidona
Nacionalidade Coroa de Castela
Cidadania Espanha
Alma mater Universidade de Granada, Universidade de Sevilha
Ocupação poeta, médico

Luis Barahona de Soto (Lucena, 1548 - Archidona, 5 de novembro de 1595), foi um poeta e escritor espanhol, considerado um dos melhores poetas e prosadores espanhóis do século XVI.[1]

BiografiaEditar

Luis Barahona de Soto nasceu em Lucena em 1548, em uma família nobre, porém empobrecida.[1][2][3][4]

Sua obra poética destacou a influência da literatura italiana. Suas fábulas mitológicas, como Acteón, foram inspiradas em Ovídio e escritas em versos octonários; suas éclogas mais originais as compunha em hendecassílabos. Sua obra mais importante, no entanto, é um longo poema em oitava As Lágrimas de Angélica (Las lágrimas de Angélica, 1586),[4] imitação do Orlando Furioso de Ludovico Ariosto, muito apreciado por Miguel de Cervantes e Félix Lope de Vega,[2] de fato, o cura de Dom Quixote na famosa cena da biblioteca disse: "Eu teria chorado se tal livro houvesse mandado queimar, porque seu autor foi um dos poetas mais famosos não apenas da Espanha, mas do mundo".[5]

Ele mantinha correspondência com importantes contemporâneos como o capitão Alonso de Céspedes, Diego Hurtado de Mendoza,[3][6] Hernando de Acuña,[2] e era amigo dos principais escritores andaluzes, incluindo Fernando de Herrera.[5][4]

Em Antequera, então considerada uma pequena Atenas da época, Barahona de Soto foi discípulo do culto humanista e poeta Juan de Vilches, e após sua morte, foi para Granada em 1567, lutou contra os mouros,[1] fez amigos como o poeta Gregorio Silvestre,[4][6] e depois se mudou para Osuna, onde frequentou a academia de Cristóbal de Sandoval; depois, em Sevilha, estudou medicina,[6] graduando-se em 1571,[3][2][1] e praticando sua profissão em Archidona e Antequera.[5] Ali ele se casou, pela primeira vez, com Isabel Sarmiento (1582), da qual nasceram duas filhas que não sobreviveram ao poeta, e no segundo casamento com Mariana de Navas (1591).[6]

Entre seus outros trabalhos, pode-se citar a famosa Égloga de las hamadríades,[2] que em sua invenção animada e seu acesso ao colorismo, ele antecipou o gongorismo.[5][4]

Barahona de Soto traduziu livremente Ovídio e a Metamorfoses do poeta latino foi inspiração para sua Fábula de Vertumno e Pomona[1] e Acteón, na qual estavam presentes elementos cômicos pré-barrocos:[4] no primeiro trabalho ele descreveu como Vertumno conquistou sua amada Pomona, transformando-se em uma velha para a lisonjear e fazê-la se render diante do belo galante em que se torna; ao contrário, em Acteón, ele foi transformado em um cervo por Diana e devorado por seus próprios cães por ter contemplado o banho da deusa. Ambas as fábulas são traduções bastante fiéis de Ovídio, embora expandidas e livres de ecos ou alusões virgilianas a casos reais.[2]

Um curioso trabalho em prosa também é atribuído a Barahona de Soto: Diálogos da arte da caça (Diálogos de la montería),[1] caracterizados por elementos linguísticos típicos andaluzes do reino de Granada, diminutivos e palavras de origem árabe, bem como muitos citações sobre As lágrimas de Angélica.[2][4]

Ele também compôs duas elegias, Na morte do rei Sebastião (A la muerte del rey don Sebastián), datada de 1578 e onde narra a batalha fatal de Alcácer-Quibir, e Na morte de Garcilaso (A la muerte de Garcilaso).[5]

Barahona de Soto provou ser um poeta rico em graça e harmonia, um dos mais significativos do último Renascimento Hispânico.[5] Morreu subitamente em 5 de novembro de 1595 e foi enterrado no dia seguinte em um túmulo da paróquia de Santa Ana de Archidona.[6]

Notas

  1. a b c d e f Eugenio Mele (1930). Luis BARAHONA DE SOTO (em italiano). [S.l.]: Enciclopedia Italiana 
  2. a b c d e f g «Biografia de Luis Barahona de Soto» (em espanhol). Consultado em 5 de abril de 2020 
  3. a b c «Luis Barahona de Soto - Poemas de Luis Barahona de Soto» (em espanhol). Consultado em 5 de abril de 2020 
  4. a b c d e f g «Barahona de Soto, Luis - Sapere.it». Consultado em 5 de abril de 2020 
  5. a b c d e f De Agostini (1964). «Luis Barahona de Soto». le muse. II. Novara: [s.n.] pp. 37–38 
  6. a b c d e «Luis Barahona de Soto» (em espanhol). Real Academia de la Historia 

Referências

Ligações externasEditar