Abrir menu principal
Mário-Henrique Leiria
Nome completo Mário Henrique Baptista Leiria
Nascimento 2 de janeiro de 1923
Lisboa
Morte 9 de janeiro de 1980 (57 anos)
Cascais, Cascais
Nacionalidade português
Ocupação Escritor
Principais trabalhos Contos do Gin-Tonic (1973); Novos Contos do Gin
Movimento literário Surrealismo
Carreira musical
Período musical 1949 - 1979

Mário Henrique Baptista Leiria[1] (Lisboa, 2 de Janeiro de 1923Cascais, Cascais, 9 de Janeiro de 1980) foi um escritor surrealista português.

Índice

BiografiaEditar

Foi aluno na Escola Superior de Belas Artes, donde foi expulso em 1942 por motivos políticos. Participou nas atividades do Grupo Surrealista de Lisboa, entre 1949 e 1951 e em 1962. Depois de ser preso pela PIDE aquando da "Operação Papagaio", instalou-se no Brasil onde desenvolveu várias atividades, como a de encenador e de diretor literário da Editora Samambaia. Regressou a Portugal em 1970.

Colaborou, com pequenos contos, no suplemento Fim-de-semana, do jornal República e no semanário humorístico, "Pé de Cabra".
Chefiou a redacção de O Coiso, semanário impresso nas oficinas do República, durante 13 semanas, em 1975.
Aderiu em 1976 ao PRP - Partido Revolucionário do Proletariado.
Alguns textos seus, escritos em colaboração, foram recolhidos na Antologia Surrealista do Cadáver Esquisito (1961), organizada por Mário Cesariny.

Os últimos anos da sua vida foram muito difíceis, tolhido pela doença (degenerescência óssea) e afligido pela pobreza; vivendo na casa materna,[nota 1] com a mãe e uma tia, muito idosas. Diz-se que teria morrido de doença prolongada, aos 57 anos[carece de fontes?].

ObrasEditar

Publicou:

  • 1973 Contos do Gin-Tonic,
  • 1974 Novos Contos do Gin,
  • 1975 Imagem Devolvida, Conto de Natal para Crianças,
  • 1975 Casos de Direito Galáctico,
  • 1975 O Mundo Inquietante de Josela - fragmentos,
  • 1979 Lisboa ao Voo do Pássaro
  • 2017 (póstumo) Obra Completa: Volume I Ficção (inclui diversos textos inéditos). Org. Tania Martuscelli
  • 2018 (póstumo) Obra Completa: Volume II A Poesia (inclui poemas inéditos). Org. Tania Martuscelli

Notas

  1. No seu texto sobre Mário-Henrique Leiria, Fernando Correia da Silva diz que "A vivenda onde moras, que foi dos teus pais, que é da tua mãe, fica próximo da estação dos Caminhos de Ferro, mesmo ao lado do cinema", em Carcavelos.[2] O antigo cinema ficava na Rua João da Silva, nº 2.[3] O prédio seria um dos dois que ladeiam o antigo cinema (edifício pintado a azul e branco), e que talvez já tenha sido demolido - uma questão a investigar...

Referências

  1. PIDE, Serviços Centrais, Registo Geral de Presos, liv. 104, registo n.º 20610 - Arquivo da PIDE na Torre do Tombo
  2. Fernando Correia da Silva. «Mário-Henrique Leiria». Vidas Lusófonas. Consultado em 27 de maio de 2014. Arquivado do original em 22 de abril de 2003 
  3. Google Maps

Ligações externasEditar