Abrir menu principal

Wikipédia β

Cascais

município e vila de Portugal

Cascais[2] MHC é uma vila portuguesa no Distrito de Lisboa, região de Lisboa e sub-região da Grande Lisboa, com cerca de 209 869 habitantes.[1] É sede de um município com 97,40 km² de área[3] e 206 479 habitantes (2011),[4][5] subdividido em 4 freguesias.[6] A sua criação data da Carta da Vila, de 7 de junho de 1364, na qual o rei D. Pedro I a separa do termo de Sintra.[7]

Cascais
Brasão de Cascais Bandeira de Cascais
Baía de Cascais - Palacetes.jpg
A Baía e os Palacetes de Cascais (ao fundo o Monte Estoril)
Localização de Cascais
Gentílico Cascaense; Cascalense
Área 97,40 km²
População 209 869[1] hab. (2015)
Densidade populacional
N.º de freguesias 4
Presidente da
câmara municipal
Carlos Carreiras (PSD/CDS)
Fundação do município
(ou foral)
1364
Região (NUTS II) Lisboa
Sub-região (NUTS III) Grande Lisboa
Distrito Lisboa
Antiga província Estremadura
Orago Nossa Senhora da Assunção
Feriado municipal 13 de Junho (Santo António)
Código postal 2750 Cascais
Sítio oficial www.cm-cascais.pt
Municípios de Portugal Flag of Portugal.svg

Índice

GeografiaEditar

 
Freguesias do concelho de Cascais.

Cascais e o seu município encontram-se no extremo sul-ocidental da Península de Lisboa, que limita a norte com Sintra, a leste por Oeiras e a sul e a oeste pelo Oceano Atlântico.

Cascais situa-se a 27 km de Lisboa, junto à orla marítima. É a quinta vila mais populosa de Portugal (depois de Algueirão - Mem Martins, Corroios, Rio de Mouro e de Oeiras). Cascais tem-se recusado a ser elevada à categoria de cidade, por motivos turísticos.

O concelho está dividido em 4 freguesias: Alcabideche, Carcavelos e Parede, Cascais e Estoril e São Domingos de Rana.

HidrografiaEditar

O concelho possui vários sistemas ribeirinhos, todos eles com origem na Serra de Sintra. São as ribeiras dos Mochos, das Vinhas, da Castelhana, da Cadaveira, das Marianas, de Caparide e de Sassoeiros.

HistóriaEditar

Até meados do século XIX, devido aos maus acessos, costumava dizer-se que a "Cascais, uma vez e nunca mais".[carece de fontes?] Porém a vila de Cascais é, desde finais do século XIX, um dos destinos turísticos portugueses mais apreciados por nacionais e estrangeiros, uma vez que o visitante pode desfrutar de um clima ameno, das praias, das paisagens, da oferta hoteleira e gastronómica variada.

A 27 de Junho de 1964 o Concelho de Cascais foi feito Membro-Honorário da Ordem Militar de Cristo.[8]

TopónimoEditar

A origem do topónimo Cascais é incerta, contudo, José Leite de Vasconcelos avança no seu Dicionário Onomástico Etimológico da Língua Portuguesa a probabilidade de que derive do substantivo cascal, referindo-se assim a um amontoado de cascas. Estes seriam montes de conchas e detritos calcários de crustáceos abundantes na então pequena aldeia de pescadores.[7] Esta mesma hipótese é afirmada com rotundidade por J. Diogo Correia na sua Toponímia do concelho de Cascais.[9]

HeráldicaEditar

O Brasão de Cacais remonta aos trabalhos do arqueólogo Affonso Dornellas, em 1930, por disposição do Ministério do Interior. Nos quatro anos posteriores, seriam desenvolvidos vários esboços que acabariam por não ser aprovados na sessão da Comissão Administrativa da Câmara Municioal, a 15 de junho de 1934. O desenho do selo foi também remetido em abril desse ano.[10]

O selo da vila é encabeçada por uma coroa mural em prata, seguida de um escudo onde se inclui um castelo vermelho. Este simboliza a primeira sentinela de defesa da entrada do Tejo e, portanto, Lisboa. A cor vermelha tem como significados a vida, alegria, sangue e força, bem como a guerra, os ardis e a vitória. O campo de armas é dominado pela cor cinza, e remetem para a humildade e riqueza enquanto qualidades naturais da região. No seu umbigo, por debaixo do castelo, encontram-se uma capa de rochedos sobrepostos à cor preta, por debaixo do qual se encontra um ondado de prata e verde sobreposto de uma rede amarela, que simboliza a vida ativa e o sustento dos seus habitantes.[10]

DemografiaEditar

Número de habitantes [11]
1864 1878 1890 1900 1911 1920 1930 1940 1950 1960 1970 1981 1991 2001 2011
6 575 6 738 8 436 9 463 14 308 15 251 22 932 29 641 42 177 59 617 92 907 141 498 153 294 170 683 206 479

(Obs.: Número de habitantes "residentes", ou seja, que tinham a residência oficial neste concelho à data em que os censos se realizaram.)

Número de habitantes por Grupo Etário [12]
1900 1911 1920 1930 1940 1950 1960 1970 1981 1991 2001 2011
0-14 Anos 2 965 4 878 4 706 6 426 8 046 9 920 14 469 24 310 34 763 28 106 25 801 32 655
15-24 Anos 1 845 2 626 3 229 4 894 5 888 8 108 9 726 14 125 21 351 24 478 22 689 21 727
25-64 Anos 4 574 6 513 7 046 10 069 14 987 21 721 31 647 47 660 73 371 82 993 96 436 115 383
= ou > 65 Anos 588 761 772 1 086 1 709 2 409 3 775 6 535 12 013 17 717 25 757 36 714
> Id. desconh 45 86 113 68 166

(Obs: De 1900 a 1950 os dados referem-se à população "de facto", ou seja, que estava presente no concelho à data em que os censos se realizaram. Daí que se registem algumas diferenças relativamente à designada população residente)

PolíticaEditar

O concelho de Cascais é administrado por uma câmara municipal composta por 11 vereadores. Existe uma assembleia municipal, que é o órgão legislativo do município, constituída por 37 deputados (dos quais 33 eleitos diretamente).

O cargo de Presidente da Câmara Municipal é atualmente ocupado por Carlos Carreiras, eleito nas eleições autárquicas de 2013 pela coligação Viva Cascais (composta pelo Partido Social Democrata e pelo CDS - Partido Popular), tendo maioria absoluta de vereadores na câmara (6 - 5 do PSD e 1 do CDS-PP). Existem ainda três vereadores eleitos pelo PS, um eleito pela CDU e outro ainda pelo Movimento Independente "Ser Cascais". Na Assembleia Municipal o partido mais representado é novamente a coligação Viva Cascais (PSD/CDS-PP) com 16 deputados eleitos (dos quais 4 formam a bancada do CDS-PP) e 3 presidentes de Juntas de Freguesia (maioria absoluta), seguindo-se o PS (8; 1), a CDU (4; 0), o Movimento Independente "Ser Cascais" (3; 0) e o Bloco de Esquerda (2; 0). O Presidente da Assembleia Municipal é D. Jaime Roque de Pinho de Almeida, do CDS-PP.

Eleições de 2013
Órgão PSD/CDS PS PCP-PEV Ser Cascais B.E.
Câmara Municipal 6 3 1 1 0
Assembleia Municipal 19 9 4 3 2
dos quais: eleitos directamente 16 8 4 3 2

Cidades-irmãsEditar

Cidades-irmãs é uma iniciativa do Núcleo das Relações Internacionais, que busca a integração entre a cidade e demais municípios nacionais e estrangeiros. A integração entre os municípios é firmada por meio de convênios de cooperação, que têm o objetivo de assegurar a manutenção da paz entre os povos, baseada na fraternidade, felicidade, amizade e respeito recíproco entre as nações. Oficialmente, possui as seguintes cidades-irmãs:[13]

CulturaEditar

Património edificadoEditar

Situada junto à costa, muito do seu património monumental relaciona-se com a defesa e a navegação. Como tal, em termos de arquitectura destacam-se os muitos fortes, situadas entre a praia do Abano e São Julião da Barra (já em Oeiras) e que foram, até ao século XIX, de extrema importância para a defesa de Lisboa. Além destes, destacam-se as muitas ruínas romanas e visigóticas (vilas e necrópoles), igrejas e capelas, bem como casas senhoriais da antiga nobreza portuguesa que, a partir dos finais do século XIX, começou a utilizar esta costa como área de veraneio.

De entre vários, destacam-se os seguintes:

MuseusEditar

DesportoEditar

ClubesEditar

  • Cascais Water Polo Club
  • Grupo Dramático e Sportivo de Cascais
  • Grupo Desportivo Estoril Praia
  • G.D.R Fontainhas de Cascais
  • Clube Naval de Cascais
  • Grupo Recreativo de Mato-Cheirinhos
  • U.R.Desportiva de Tires
  • Grupo Musical e Desportivo 9 de abril Trajouce
  • Grupo Sportivo Carcavelos
  • Clube de Futebol de Sassoeiros
  • Grupo de Instrução Musical e Desportivo da Abóboda
  • Associação Torre
  • Malveira da Serra
  • Grupo de Solidariedade Musical e Desportiva de Talaíde (Futebol)

EscaladaEditar

Cascais tem vários pontos de Escalada Desportiva e Bouldering, sendo um dos pontos mais conhecidos junto ao Farol da Guia com uma vista privilegiada para o mar.

Blocos na Baía do MexilhoeiroEditar

A Baía do Mexilhoeiro é um local para a prática de Bouldering e conta com mais de 44 vias espalhadas por vários blocos.[15]

Arribas do Farol da GuiaEditar

As Arribas do Farol da Guia é um local de Escalada Desportiva que se destaca pela rocha Calcária e localização, a poucos metros do Oceano Atlântico. A grande maioria das vias montadas está virada para o mar e tem os seus pontos fixos no topo da arriba, acessível pelo caminho junto ao farol.[16] Este local conta com mais de 98 vias em 10 sectores cujo grau vai de 3 a 8a+ (segundo a cotação francesa). As vias montadas na Guia encontram-se todas indicadas com o nome da via e cotação proposta diretamente pintados na rocha.

Resumo dos sectores montados na Guia.
Nome do setor Número de Vias Grau Mínimo Grau Máximo
Ocidente 16 IV 6c
Tubo 7 IV 7b+
Escadas 11 III 7c+
Bloco Escadas 14 3 7c
Bloco 5 3 7a+
Alcatifa 12 4 6c
Farol 10 5+ 7a+
Corta Unhas 6 5 6b+
Cantinho dos Teimosos 13 5 8a+
Guia Nova 7 6a 7c

nota: atualizado em 26 de Janeiro de 2015.[16][17]

Espaços públicosEditar

Moradores notáveisEditar

Referências

  1. a b «População residente: total e por grandes grupos etários». Pordata. Consultado em 26 de janeiro de 2017 
  2. em grafia antiga, Cascaes
  3. Instituto Geográfico Português (2013). «Áreas das freguesias, municípios e distritos/ilhas da CAOP 2013» (XLS-ZIP). Carta Administrativa Oficial de Portugal (CAOP), versão 2013. Direção-Geral do Território. Consultado em 28 de novembro de 2013 
  4. INE (2012). Censos 2011 Resultados Definitivos – Região Alentejo (PDF). Lisboa: Instituto Nacional de Estatística. p. 95. ISBN 978-989-25-0182-6. ISSN 0872-6493. Consultado em 27 de julho de 2013 
  5. INE (2012). «Quadros de apuramento por freguesia» (XLSX-ZIP). Censos 2011 (resultados definitivos). Tabelas anexas à publicação oficial; informação no separador "Q101_ALENTEJO". Instituto Nacional de Estatística. Consultado em 27 de julho de 2013 
  6. Lei n.º 11-A/2013, de 28 de janeiro: Reorganização administrativa do território das freguesias. Anexo I. Diário da República, 1.ª Série, n.º 19, Suplemento, de 28/01/2013.
  7. a b Henriques, João Miguel (2014). Cascais: 650 anos de história (PDF). Cascais: Câmara Municipal de Cascais. ISBN 978-972-637-258-5 
  8. «Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Portuguesas». Resultado da busca de "Concelho de Cascais". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 2 de setembro de 2015 
  9. Correia, J. Diogo (1964). Toponímia do Concelho de Cascais (PDF). Cascais: Câmara Municipal de Cascais 
  10. a b «O que sabe sobre a história do Poder Local em Cascais? | Câmara Municipal de Cascais». www.cm-cascais.pt. Consultado em 21 de outubro de 2017 
  11. Instituto Nacional de Estatística (Recenseamentos Gerais da População) - https://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INE&xpgid=ine_publicacoes
  12. INE - http://censos.ine.pt/xportal/xmain?xpid=CENSOS&xpgid=censos_quadros
  13. http://www.anmp.pt/anmp/pro/mun1/gem101l0.php?cod_ent=M2750
  14. «Campinas assina acordo de cidade-irmã com Cascais em Portugal]». Julho de 2012. Consultado em 9 de julho de 2012 
  15. «GUIA DE BLOCO DE SINTRA E CASCAIS». Boulder Sintra. 25 de Agosto de 2007. Consultado em 26 de Janeiro de 2015 
  16. a b «Farol da Guia». Grupo de Montanhismo e Escalada de Sintra. Consultado em 26 de Janeiro de 2015 
  17. «Guia, Cascais». 27Crags.com. Consultado em 26 de Janeiro de 2015 

Ver tambémEditar

Ligações externasEditar