Abrir menu principal
Manuel Ribeiro de Pavia
Nascimento 19 de março de 1907 (112 anos)
Pavia
Morte 19 de março de 1957 (50 anos)
Lisboa
Nacionalidade Portugal Português
Ocupação Pintor e ilustrador
Principais trabalhos Cabeça de alentejana
Alentejanos, 1946, desenho colorido

Manuel Ribeiro de Pavia (Pavia, Mora, 19 de Março de 1907Lisboa, 19 de Março de 1957) foi um pintor e ilustrador português, neo-realista.

É especialmente conhecido como ilustrador, domínio onde exerceu influência determinante nas modernas artes gráficas portuguesas, quer através de capas, quer de ilustrações que realizou para obras de escritores seus contemporâneos

Obras e exposiçõesEditar

Participou nas Exposições Gerais de Artes Plásticas, entre 1946 e 1953 (1946-1956), na Exposição dos Modernos Gravadores Portugueses (Galeria de Artes e Letras 1955), e na Exposição de Gravura Portuguesa (Pórtico, 1956). Integra a lista de colaboradores da revista Panorama [1] (1941-1949)

Em 1950 publicou um conjunto de quinze desenhos denominado Líricas[2], acompanhados de um texto escrito por José Gomes Ferreira.

Em 1952, deu uma entrevista ao jornal Ler.

Ilustrou a novela "Senhor e Servo" de Leão Tolstoi, trad. José Marinho, Ed. Inquérito, Lisboa 1958.

Intervenção azulejar no "Bloco do Sol", no Lobito, projecto do arquitecto Francisco Castro Rodrigues.

A morte e depoisEditar

Morreu em 19 de Março de 1957 - precisamente no dia em completava 50 anos - no seu quarto-atelier, numa pensão na Rua Bernardim Ribeiro em Lisboa. Eugénio de Andrade, que o conhecia bem, em Os Afluentes do Silêncio, falou dele: "Esta morte, assim sem mais nem menos, que um amigo me comunica, entala-se-me na garganta. «Morreu o Manuel Ribeiro de Pavia. Levou-o uma pneumonia que o foi encontrar depauperado por uma vida quase de miséria. Passava fome! Tinha uma única camisa! Não pagava o quarto há imenso tempo! E nós a falarmos-lhe de poesia...» Assim é: passava realmente fome. Todos nós o sabíamos. E ele a falar-nos de pintura, de poesia, da dignificação da vida. É justamente nisto que residia a sua grandeza. Não falava da sua fome - de que, feitas bem as contas, veio a morrer. A fome não consta de nenhum epitáfio. ..."

Em Maio de 1957 a revista Vértice publicou um número especial com depoimentos de intelectuais que é um vivo testemunho da sua actividade na vida artística portuguesa[3].

Em 1958, um grupo de amigos do artista realizou, na Sociedade Nacional de Belas-Artes (SNBA), em Lisboa, a única retrospectiva da sua obra.

Em Abril de 1976, na Feira Internacional de Lisboa (FIL), foi apresentada, no Mercado Popular do Livro e do Disco, uma exposição documental sobre a sua obra, que posteriormente foi exibida em várias cidades do país.

Casa-MuseuEditar

Na localidade onde nasceu (Pavia), foi criada a Casa Museu Manuel Ribeiro de Pavia.

Notas

  1. José Guilherme Victorino (julho de 2018). «Ficha histórica:Panorama: revista portuguesa de arte e turismo» (pdf). Hemeroteca Municipal de Lisboa. Consultado em 14 de setembro de 2018 
  2. Lisboa, Editorial Inquérito. Ver aqui
  3. Ver capa.

Ligações externasEditar


 
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Manuel Ribeiro de Pavia
  Este artigo sobre um(a) pintor(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.