Marcha das Mulheres em Washington

Women's March on Washington (em português: Marcha das Mulheres em Washington) foi uma manifestação que ocorreu em 21 de janeiro de 2017, em Washington, D.C., para promover os direitos da mulher, reformas na imigração e direitos LGBT e abordar as desigualdades raciais, questões trabalhistas e questões ambientais. Eventos irmãos aconteceram em cidades ao redor do mundo.[10]

Women's March on Washington
Parte da(o) Movimento pelos direitos da mulher e dos Protestos contra Donald Trump
Women's March Washington, DC USA 33.jpg
Protesto em Washington, D.C.
Período 21 de janeiro de 2017
Local Washington, D.C., Nova Iorque, Boston, Los Angeles e Chicago, entre outras
Causas
  • Direitos da mulher
  • Direitos humanos
  • Reformas na imigração
  • Proteção ambiental
  • Posse de Donald Trump[1][2]
  • Objetivos "Proteção de nossos direitos, nossa segurança, nossa saúde e nossas famílias – reconhecendo que nossas comunidades vibrantes e diversas são a força de nosso país."[3]
    Líderes
    Co-presidentes
    • Linda Sarsour
    • Tamika Mallory
    • Carmen Perez
    • Bob Bland[4][5]

    Co-presidentes honorárias

    Forças
    Cerca de 1.000.000 de pessoas (marchas em Washington)[7]

    Cerca de 2.000.000 – 3.000.000 de pessoas (nos EUA)[8]
    Cerca de 4.000.000 de pessoas (no mundo inteiro)[9]

    ManifestaçãoEditar

    A marcha, organizada como um movimento de base, ocorreu um dia após a posse do Presidente Donald Trump, a quem os manifestantes vêem como uma grande ameaça para a sua causa.[11] O objetivo foi "enviar uma mensagem corajosa para a nossa nova administração em seu primeiro dia no cargo, e ao mundo que os direitos das mulheres são direitos humanos".[12] A marcha foi transmitida ao vivo em Washington, D.C. no YouTube, Facebook e Twitter.[13]

     
    Cartaz da marcha, que alude ao slogan da campanha de Trump "Make America great again" ("Faça a América grande de novo"),sugerindo antes: "Faça a América pensar de novo")

    Marchas ocorreram em todo o mundo, com 408 marchas relatadas nos EUA e 168 em outros países.[14] A marcha atraiu milhares de pessoas apenas em Washington, D.C.[15] e em outras localidades de 2,9 a 4,2 milhões em cidades em todo os EUA, tornando-se assim o maior protesto em um único dia na história dos Estados Unidos.[8]

    ControvérsiasEditar

    Alguns meios de comunicação criticaram o facto de Linda Sarsour se encontrar à cabeça da organização da marcha, apontando o facto de ser grande defensora da misógina Arábia Saudita.[16][17][18][19] Ayaan Hirsi Ali chama-lhe uma falsa feminista[20]

    Também oradora em Washington foi Donna Hylton, uma criminosa condenada pelo rapto, tortura e assassínio de Thomas Vigliarolo em 1985. [21][22]

    Em Dezembro de 2018, os organizadores da Marcha das Mulheres em Washington anunciaram que iriam dissolver o seu grupo contra o pano de fundo de acusações de anti-semitismo ou complacência para com o Islão radical. Foram citadas as ligações de figuras de proa do movimento com o líder Louis Farrakhan, da Nação do Islão, um grupo supremacista negro.[23]

    Ver tambémEditar

    Referências

    1. Cauterucci, Christina (12 de janeiro de 2017). «The Women's March on Washington Has Released an Unapologetically Progressive Platform». Slate. Consultado em 12 de janeiro de 2017 
    2. «Guiding Vision and Definition of Principles» (PDF) Guiding Vision and Definition of Principles
    3. Meridith McGraw; Adam Kelsey (20 de janeiro de 2017). «Everything You Need to Know About the Women's March». ABC News. Consultado em 21 de janeiro de 2017 
    4. Jamieson, Amber (27 de dezembro de 2016). «Women's March on Washington: a guide to the post-inaugural social justice event». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077. Consultado em 28 de dezembro de 2016 
    5. Stein, Perry; Somashekhar, Sandhya (3 de janeiro de 2017). «It started with a retiree. Now the Women's March could be the biggest inauguration demonstration.». Washington Post. Consultado em 4 de janeiro de 2017. Video of Bob Bland speaking about the rally. 
    6. Przybyla, Heidi (6 de janeiro de 2017). «Women's march an 'entry point' for a new activist wave». USA Today. Consultado em 7 de janeiro de 2017 Women's march an 'entry point' for a new activist wave.
    7. Stein, Perry; Hendrix, Steve; Hauslohner, Abigail. «Women's marches: More than one million protesters vow to resist President Trump». The Washington Post. Consultado em 22 de janeiro de 2017 
    8. a b Easley, Jason (21 de janeiro de 2017). «Women's March Is The Biggest Protest In US History As An Estimated 2.9 Million March» 
    9. Stanglin, Doug (21 de janeiro de 2017). «Sydney, Tokyo, Dublin, Capetown: Women's March on Washington goes worldwide». USA Today. Consultado em 22 de janeiro de 2017 
    10. Tolentino, Jia (18 de janeiro de 2017). «The Somehow Controversial Women's March on Washington». The New Yorker. Consultado em 20 de janeiro de 2017 
    11. Rogers, Katie (18 de novembro de 2016). «Amid Division, a March in Washington Seeks to Bring Women Together». New York Times. Consultado em 28 de dezembro de 2016 
    12. Tatum, Sophie (16 de janeiro de 2017). «Women's March on Washington: What you need to know». CNN. Consultado em 20 de janeiro de 2017 
    13. «Home». Women's March. Consultado em 21 de janeiro de 2017. You can view the program live on a number of Jumbotrons on Independence Ave. and through all of our social media platforms, Facebook, Twitter, and YouTube. 
    14. Schmidt, Kierstein; Almukhtar, Sarah (20 de janeiro de 2017), «Where Women's Marches Are», New York Times, consultado em 21 de janeiro de 2017 
    15. Alcindor, Anemona Hartocollis, Yamiche; Chokshi, Niraj (21 de janeiro de 2017). «'We're Not Going Away': Huge Crowds for Women's Marches Against Trump». New York Times. ISSN 0362-4331. Consultado em 21 de janeiro de 2017 
    16. Malcolm, Candice (27 de Janeiro de 2017). «The new feminist left are regressive hypocrites». Toronto Sun 
    17. «Linda Sarsour's Awkward Defensiveness Over Saudi Oppression That The Left Seems To Ignore.». The Secular Brownie. 24 de Janeiro de 2017 
    18. Madon, Zubin (31 de janeiro de 2017). «The Fight Against Fascism Requires Awakening The Left's Liberal Conscience (A luta contra o fascismo requer o despertar da consciência da esquerda liberal) Embora tenha sido encorajador ver milhões de mulheres em todo o mundo ir para as ruas para fazer valer os seus direitos, a Marcha de Washington não foi sem controvérsia. Organizações consagradas como a Amnesty USA e esquerdistas proeminentes se reuniram em torno da co-presidente da Marcha, Linda Sarsour ,no Twitter, que enfrentou críticas on-line pelos seus pontos de vista religiosos, que parecem um tanto incongruentes com os valores liberais (para dizer o mínimo).». Huffington Post (edição do Reino Unido) 
    19. Weiss, Bari (1 de Agosto de 2017). «When Progressives Embrace Hate». The New York Times 
    20. «Ayaan Hirsi Ali says controversial Women's March organizer is a 'fake feminist'». Women In The World (in Association with New York Times). 2 de Fevereiro de 2017 
    21. Hasson, Peter (26 de Janeiro de 2017). «Women's March Featured Speaker Who Kidnapped And Tortured A Man» (em inglês). Daily Caller 
    22. «7 Held in Slaying Of Man in Trunk». The New York Times (Arq. em WayBack Machine). 8 de Abril de 1985 
    23. Hill, Kip (14 de Dezembro de 2018). «Washington Women's March group disbands amid anti-Semitism controversy at national level | The Spokesman-Review». The Spokesman-Review 

    Ligações externasEditar

      Media relacionados com Marcha das Mulheres em Washington no Wikimedia Commons