Nation of Islam

Nation of Islam, também referido pelo acrônimo NOI (em português, Nação do Islã), é um grupo político e religioso islâmico de cunho fundamentalista, fundado em Detroit, Michigan, em julho de 1930, por Wallace D. Fard Muhammad. Seus objetivos declarados são o de melhorar a condição social, econômica e de consciência espiritual dos afro-americanos nos Estados Unidos e no mundo.[1] Os críticos descrevem a organização como sendo supremacista negra, anti-semita e homofóbica.[2] [3] [4] [5][6] O Southern Poverty Law Center considera o NOI como um grupo de ódio.[7][8] A organização publica um periódico chamado The Final Call. A Nação do Islã não divulga quantos são os seus membros; Lawrence A. Mamiya, professor no Vassar College, supõe que chegue a cerca de 50.000.[9]

Nation of Islam
Lema ""Justice or Else!""
Tipo Seita islâmica
Fundação 1930
Sede  Estados Unidos
Ministro Louis Farrakhan
Organização
Sítio oficial www.noi.org

Após o desaparecimento de Fard, em junho de 1934, o grupo passou a ser liderado por Elijah Muhammad, que estabeleceu locais de culto (chamados de templos ou mesquitas), uma escola, a Muhammad University of Islam, empresas e imóveis nos EUA e outros países. A organização tem sido uma forte defensora dos negócios afro-americanos.[10][11]

Houve diversas cisões e ramificações do grupo durante o período de liderança de Elijah Muhammad — destacando-se a saída do líder senior Malcolm X, que passaria a defender o sunismo. Após a morte de Elijah, seu filho, Warith Deen Mohammed alterou o nome da organização para "World Community of Islam in the West" (Comunidade Mundial do Islã no Ocidente) e tentou convertê-la ao Sunismo.[12]

Em 1977, Louis Farrakhan rejeitou a liderança de Warith Deen Mohammed e restabeleceu o modelo original da Nação do Islã, asumindo o controle do principal templo, a Mesquita de Maryam, localizada em Chicago. Desde 2010 o estudo da Dianética pelos membros da organização vem sendo encorajado.[13]

Crenças e ideologiaEditar

A maior crença da NOI é de um Deus único de nome Alá. É ensinado que seu fundador, Master Fard Muhammad, é o Mádi.[14] As crenças oficiais têm sido delineadas em livros, documentos e publicações da organização, assim como em discursos de Elijah Muhammad, Malcolm X, Farrakhan e outros pregadores.

Muitos dos ensinamentos de Elijah podem ser encontrados nos livros Message to the Blackman in America (Mensagem para os homens negros da América) e The True History of Jesus as Taught by the Honorable Elijah Muhammad (A verdadeira história de Jesus como ensinada pelo honorável Elijah Muhammad).

Lições escritas, passadas por W. Fard Muhammad ao seu aluno, Elijah Muhammad, também foram organizadas e publicadas sobre o nome de The Supreme Wisdom ('A Sabedoria Suprema').

Questões etnorraciaisEditar

Wallace Fard Muhammad pregava que a origem da humanidade era constituída por negros e que as pessoas de cor branca seriam uma raça de "demônios" criados por um cientista chamado Yakub (correspondente a Jacó na Bíblia Cristã) na ilha grega de Patmos. De acordo com os textos da Sabedoria Suprema Fard atribui aos homens brancos a classificação de demônios por terem formado uma cultura baseada em mentiras e morte.[15][16]

Os casamentos inter-raciais são proibidos: “Acreditamos que os casamentos mistos ou a miscigenação devem ser proibidos”.[17]

AntissemitismoEditar

Uma série de organizações e acadêmicos consideram a Nação do Islã como antissemita, afirmando que ela se envolveu na negação do Holocausto e interpretações antissemitas do Holocausto,[18] e exagera sobre o papel dos judeus no comércio de escravos africanos,[19] enquanto os historiadores tradicionais, como Saul S. Friedman, disseram que os judeus tiveram um papel insignificante.[20] A Nação do Islã rejeitou repetidamente as acusações feitas contra ela como falsas e com motivação política.[21]

AcusaçõesEditar

A Liga Anti-Difamação,[22] a Southern Poverty Law Center,[23] a Comitê Judaico Americano,[24][25] o Congresso Judaico Americano,[26] e o Instituto Stephen Roth para o Estudo do Antissemitismo e Racismo Contemporâneos[27] condenaram a Nação do Islã como antissemita.

Estudiosos da religião comparada argumentaram que a Nação do Islã é antissemita e defende a negação do Holocausto. Por exemplo, no Global Journal of Classical Theology , o Professor Richard V. Pierard escreve:

A negação do Holocausto é uma ação comercial da Ku Klux Klan, Neo-Nazi, Skinhead ... e também pode ser encontrada em grupos de ódio Negros como a Nação do Islã de Louis Farrakhan, alguns escritores afrocentristas e na retórica árabe anti-Israel. O fio condutor comum a todas essas manifestações é o antissemitismo; isto é, ódio ou antipatia pelos judeus.[28]

Um relatório do Instituto Stephen Roth para estudar o antissemitismo e o racismo afirma o seguinte:

Louis Farrakhan e a Nação do Islã (NOI), que ele dirige, têm um longo e bem documentado registro de retórica cheia de ódio e antissemita. Ao longo dos anos, ministros e representantes da NOI expressaram regularmente sentimentos antissemitas, antibrancos, anti-homossexuais e anticatólicos em seus discursos. Além disso, The Final Call , o órgão oficial da NOI, reflete o antissemitismo de Farrakhan e sua organização.[27]
 
Louis Farrakhan em entrevista coletiva no Spinas Hotel, Teerã, Irã.

O secretário do Interior britânico, Jack Straw, e os advogados do Ministério do Interior também descreveram as opiniões de Farrakhan como "antissemitas e racialmente divisivas" e, como resultado, ele foi banido do Reino Unido desde 1986.

Uma revista católica, This Rock, descreveu a Nação do Islã como antissemita e anticatólica.[29]

Vários humanistas seculares proeminentes escreveram que a NOI é antissemita. Hating in the Name of God, de Benjamin Radford (Site do Conselho de Humanismo Secular), e o discurso de Madeline Weld no encontro anual de 1995 da Associação Humanista do Canadá são exemplos de tais críticas.

Farrakhan chama os judeus de "satânicos" e compara eles aos cupinsEditar

Louis Farrakhan disse em um discurso de 2014 que "os judeus satânicos que controlam tudo, e principalmente todos, se eles são seus inimigos, você deve, deve ser alguém".[30] Em um discurso de outubro de 2018, Farrakhan se referiu aos judeus como cupins: "Então, quando eles falam sobre Farrakhan, me chamam de odiador, você sabe o que eles fazem, me chamam de antissemita. Pare com isso, eu sou anticupim."[31]

Referências

  1. «NOI History». NOI. Consultado em 20 de Abril de 2018 
  2. «Former Nation of Islam leader dies at 74». NBC News. 9 de Setembro de 2008 
  3. «Nation of Islam Leader Reprises "Vintage" Anti-Semitism; ADL Says Farrakhan's Racism 'As Ugly As It Ever Was'». ADL - Anti Defamation League. 1 de Março de 2010 
  4. Bernstein, Jesse (27 de Março de 2018). «Louis Farrakhan in his own words - Don't tell me you understand until you hear the man». Tablet 
  5. Perry, Marvin (e outros) (2002). Anti-Semitism: Myth and Hate from Antiquity to the Present. [S.l.]: Palgrave MacMillan. pp. 213, 223, 235, 251 
  6. «MINISTER LOUIS FARRAKHAN AND THE NATION OF ISLAM». Stephen Roth Institute (Arquivado em WayBack Machine). 12 de Janeiro de 2012 
  7. «Nation of Islam». The Southern Poverty Law Center. Consultado em 21 de Abril de 2018 
  8. «A dark past clouds Covid vaccine for African Americans». World. Bangkok Post - AFP. 15 de fevereiro de 2020. Consultado em 15 de fevereiro de 2020 
  9. MacFarquhar, Neil (26 de Fevereiro de 2007). «Nation of Islam at a Crossroad as Leader Exits». The New York Times 
  10. Lincoln, Charles Eric (1994). The Black Muslims in America. [S.l.]: William B.Eerdmans Publishing Company. pp. 88–90 
  11. Gardell, Mattias (1996). In the Name of Elijah Muhammad: Louis Farrakhan and The Nation of Islam. [S.l.]: Duke University Press. 293 páginas 
  12. Terry, Don (20 de Outubro de 2002). «W. DEEN MOHAMMED: A leap of faith». Hartford Courant 
  13. Muhammad, Ashahed M. (28 de Fevereiro de 2013). «Nation of Islam Auditors graduation held for third Saviours' Day in a row». The Final Call 
  14. «The Muslim Program - Nation of Islam Website» 
  15. «Chapter 55 The Making of Devil». Message to the Blackman. Sevenhfam. Consultado em 15 de fevereiro de 2020 
  16. THE MAKING OF DEVIL, Elijah Muhammad - consultado em 15 de fevereiro de 2020
  17. «What the Muslims Want». The Muslim Program. NOI Organization. Consultado em 15 de fevereiro de 2020 
  18. «Nation of Islam». Southern Poverty Law Center (em inglês). Consultado em 1 de fevereiro de 2021 
  19. David Walter Leinweber. "H-ANTISEMITISM OCCASIONAL PAPERS, NO. 1M: AN HISTORIAN CRITIQUES THE BOOK _THE SECRET RELATIONSHIP BETWEEN BLACKS AND JEWS", H-Antisemitism, H-Net
  20. Jews and the American Slave Trade, Saul S. Friedman, Transaction Publishers, 1999, pp. 2, 40
  21. Farrakhan and the Jewish Rift; A Historic Reference[https://web.archive.org/web/20070819173056/http://www.noi.org/statements/rift/default.htm Arquivado em 19-08-2007 no Wayback Machine.
  22. «What is the Nation of Islam?». Anti-Defamation League. 1 de setembro de 2015 
  23. «The Nation of Islam». Southern Poverty Law Center. Consultado em 16 de julho de 2020 
  24. Lindsay Pindyck (1994). «Farrakhan Causes National Controversy». Cold Spring Harbor High School, New York. Consultado em 25 de julho de 2015. Arquivado do original em 4 de junho de 2015 
  25. «AJC DENOUNCES FARRAKHAN HATE LETTER TO JEWISH ORGANIZATIONS». American Jewish Committee. 30 de junho de 2010. Consultado em 9 de dezembro de 2016. Arquivado do original em 20 de dezembro de 2016 
  26. American Jewish Year Book. 97. [S.l.]: Das Wissensunternehmen aus Bonn. 1997. p. 159. ISBN 0874951119 
  27. a b Anti-Semitism Worldwide 1997/8. Minister Louis Farrakhan and the Nation of Islam.
  28. Pierard, Global Journal of Classical Theology, (4)2, 2004.
  29. This Rock, Dragnet: Well-rounded bigotry, November 1995.
  30. Anti-Defamation League, Farrakhan Continues His Anti-Semitic Saviours' Day Message in Chicago, consultado em 27 de dezembro de 2018 
  31. Benjamin Fearnow (17 de outubro de 2018). «Louis Farrakhan makes "anti-Termite" Jewish joke, supports Kanye West's slavery comments». Newsweek (em inglês). Consultado em 27 de dezembro de 2018 

Leitura adicionalEditar

  • Sahib, Hatim A. (1951). «The Nation of Islam». Contributions in Black Studies. 13 (publicado em 1995). p. 48–160 
 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Nation of Islam