Marco Colonial de Touros

O Marco Colonial de Touros é um padrão feito de Mármore chantado em 07 de Agosto de 1501 pelo Reino de Portugal em área que hoje se encontra a divisa dos municípios de São Miguel do Gostoso e Pedra Grande no litoral do Rio Grande do Norte. O objeto tinha a finalidade de atestar a metrópole como descobridora e detentora daquela terra que mais tarde se chamaria Brasil.

Marco de Touros, atualmente localizado no Museu Câmara Cascudo, em Natal.

A peça tem uma marca de fratura e que pode ter sido remendada com argamassa, além de várias marcas de lascas e esfoliações. É que a população da Praia do Marco, então no município de Touros, acreditava que a coluna de pedra tinha propriedades milagrosas e usavam pedaços de mármore para fazer chás milagrosos, A pedra, em forma de coluna, detém 1,20 m de altura 30 cm de largura e 20 centímetros de espessura. Em uma de suas faces, possui a cruz da Ordem de Cristo e o escudo português esculpidos em relevo.[1]

É considerado o monumento colonial mais antigo do Brasil é o primeiro registro dos portugueses no país, fazendo parte do Patrimônio Histórico Nacional, foi tombado pelo processo número 680 em 1962 com o objetivo de perpetuar a memória dos Brasileiros sobre o primeiro ponto da costa brasileira delimitado pelos portugueses. [2]

Referências

  1. Folha Online - Marco português de 1501 vira objeto de culto milagroso no RN
  2. «Virgula UOL - Touros». Consultado em 17 de março de 2013. Arquivado do original em 24 de abril de 2013 
  Este artigo sobre História do Brasil é um esboço relacionado ao Projeto História do Brasil. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.