Marco Minúcio Augurino

Marco Minúcio Augurino (em latim: Marcus Minucius Augurinus) foi um político da República Romana da gente Minúcia no século V a.C. Serviu como cônsul por duas vezes, em 497 e 491 a.C., as duas vezes com Aulo Semprônio Atratino.

Marco Minúcio Augurino
Cônsul da República Romana
Consulado 497 a.C.
491 a.C.

Origens familiaresEditar

Em bora os Minúcios tenha sido tradicionalmente conhecidos como plebeus, as origens da família são de fato patrícias e é deste ramo da família que Minúcio Augurino descende. Ele era irmão de Públio Minúcio Augurino, que serviu como cônsul em 492 a.C.

HistóriaEditar

Minúcio Augurino foi o primeiro de sua gente a se tornar cônsul, servindo em 497 e 491 a.C. Em ambas as ocasiões, serviu com Aulo Semprônio Atratino. Durante seu primeiro mandato, foi encarregado de consagrar o recém-construído Templo de Saturno, no Fórum Romano. Foi durante seu consulado que as festividades à volta da Saturnália começaram[1][2].

Ele foi novamente eleito cônsul em 491 a.C. O ano anterior havia sido de fome em Roma e, em 491 a.C., no segundo mandato de Semprônio, uma grande quantidade de milho foi importada da Sicília e a questão de como as provisões deveriam ser distribuídas entre os cidadãos romanos, assim como as tensões da recente secessão da plebe, levaram ao exílio e deserção de Caio Márcio Coriolano, logo depois de ele ter fracassado em seu ataque contra as reformas que surgiram depois da secessão, especialmente a criação do cargo de tribuno da plebe[3].

Ver tambémEditar

Cônsul da República Romana
 
Precedido por:
'Quinto Clélio Sículo

com Tito Lárcio Flavo II

Aulo Semprônio Atratino
497 a.C.

com Marco Minúcio Augurino

Sucedido por:
'Aulo Postúmio Albo Regilense

com Tito Vergínio Tricosto Celimontano

Precedido por:
'Tito Gegânio Macerino

com Públio Minúcio Augurino

Aulo Semprônio Atratino II
491 a.C.

com Marco Minúcio Augurino II

Sucedido por:
'Quinto Sulpício Camerino Cornuto

com Espúrio Lárcio Rufo (ou Flavo) II


Referências

  1. Lívio, Historia romana, II, 21
  2. Dionísio de Halicarnasso, Historia Romana, book VI, 1
  3. Lívio, Ab urbe condita, 2.34