Marco Valério Máximo Corrino

Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Marco Valério Máximo.

Marco Valério Máximo Corrino (em latim: Marcus Valerius Maximus Corrinus) foi um político da gente Valéria da República Romana eleito cônsul em 312 a.C. com Públio Décio Mus. Foi quatro vezes pretor (em Sâmnio)[1] e censor em 307 a.C..

Marco Valério Máximo Corrino
Cônsul da República Romana
Consulado 312 a.C.

IdentificaçãoEditar

Algumas tradições identificam Marco Valério Máximo Corrino com Marco Valério Máximo Corvino, cônsul em 289 a.C. e filho de Marco Valério Corvo[2].

Consulado (312 a.C.)Editar

Marco Valério foi eleito em 312 a.C. com Públio Décio Mus e recebeu o comando da campanha contra os samnitas, mas não conseguiu nenhuma vitória digna de nota, enquanto Públio Décio preparava a campanha contra os etruscos que, aparentemente, estavam se preparando para a guerra aliados dos samnitas. Quando os etruscos invadiram, o Senado ordenou que ele nomeasse um ditador e o escolhido foi Caio Sulpício Longo[3].

Anos seguintesEditar

Foi legado do ditador Lúcio Papírio Cursor em 309 a.C. e censor, com Caio Júnio Bubulco Bruto, em 307 a.C.[4].

Ver tambémEditar

Cônsul da República Romana
 
Precedido por:
'Lúcio Papírio Cursor V

com Caio Júnio Bubulco Bruto II

Públio Décio Mus
312 a.C.

com Marco Valério Máximo Corrino

Sucedido por:
'Caio Júnio Bubulco Bruto III

com Quinto Emílio Bárbula II


Referências

  1. Fastos Triunfais
  2. Der Neue Pauly, Stuttgardiae 1999, T. 12/1, c. 1099
  3. Lívio, Ab Urbe condita IX, 29.
  4. Lívio, Ab Urbe condita 40, 41, 43.

BibliografiaEditar

  • T. Robert S., Broughton (1951). The Magistrates of the Roman Republic. Volume I, 509 B.C. - 100 B.C. (em inglês). I, número XV. Nova Iorque: The American Philological Association. 578 páginas