Abrir menu principal
Maria Eugênia Villarta
Nome completo Maria Eugênia Simi Villarta Cardoso[1]
Nascimento 1958[2]
Taubaté
 São Paulo
Nacionalidade Brasil Brasileira
Cônjuge Jomar Cardoso[3]
1976—atual
Ocupação Empresária e artista plástica
Página oficial
http://www.mariaeugeniavillarta.com.br/

Maria Eugênia Villarta (Taubaté, 1958) é uma empresária, artista plástica e ex-modelo brasileira. Modelo que mais fez capas de revistas no Brasil até hoje, teve seu rosto estampado em aproximadamente 300 delas, além de ter sido exclusiva da grife Marcelo Beauty e da L'Oréal por muitos anos.[4][5]

Artista plástica premiada, além de duas menções honrosas, recebeu também medalhas de primeiro e segundo lugares (duas pratas e um bronze).[2] Suas obras fazem parte dos acervos artísticos da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo, da Câmara Municipal de Santarém, Portugal, e da Prefeitura de Vinhedo, Estado de São Paulo.[2] [nota 1]

Em 2004, por sua contribuição artística à cultura taubateana e brasileira, foi agraciada com a maior honraria da cidade: a Comenda Jacques Félix.[1]

CarreiraEditar

ModaEditar

Maria Eugênia começou sua carreira em 1977, aos 18 anos, quando decidiu por iniciativa própria ir a uma agência para tentar a carreira de modelo. Após algumas fotos, um book e alguns contatos, foi logo chamada pela Editora Abril para seu primeiro trabalho, a capa da Claudia de janeiro de 1978.[4]

Embora não fosse alta — 1,63 metro de altura —, sua beleza incomum, junto com um rosto harmonioso em qualquer ângulo, agregado a uma grande fotogenia, abriram-lhe imediatamente as portas para o mundo da moda,[4][6] fazendo-a estampar capas e editoriais de várias revistas, entre elas Nova, Manequim e Vogue, além de trabalhos importantes como modelo exclusiva de Marcelo Beauty e para a L'Oréal.[4][5] Chamada por Hans Donner,[7] participou da abertura da novela das oito da Rede Globo Champagne, que foi exibida entre 24 de outubro de 1983 e 4 de maio de 1984, o que lhe trouxe grande projeção nacional. Sua carreira como modelo a levou também ao exterior, tendo vivido por meses em Nova York, Estados Unidos.[4]

Tida como a modelo que mais fez capas de revistas no Brasil até hoje, teve seu rosto estampado em aproximadamente 300 revistas.[4] 250 destas fotos foram expostas pelo Taubaté Shopping em 1994, na mostra As mil e uma faces de Maria Eugênia — entre as fotos, as da abertura da novela Champagne, da Rede Globo, vários cartazes, catálogos, propagandas em revistas, editoriais e até outdoors de campanhas de maquiagem.[4]

Em 1980, ela fez uma pequena participação na novela Água Viva, de Gilberto Braga, interpretando a personagem Cristina.

Artes plásticasEditar

 
TaubatéSP, cidade natal com a qual a artista mantém ainda fortes vínculos.

Em 1992, após quinze anos de carreira, Maria Eugênia decidiu sair da moda e abrir um ateliê de pintura em São Paulo, tornando-se uma reconhecida artista plástica.

Formada em 1978 pela Escola Pan-Americana de Arte e Design de São Paulo e em 1990 pela Fundação Armando Álvares Penteado, entre 1992 e 2002 expôs em vários salões nacionais de exposição de arte, em cidades como São Paulo, Rio de Janeiro e São Bernardo do Campo.[2] Já em 2004 a artista foi convidada e expôs em Santarém, Portugal.[2]

Suas obras fazem parte dos acervos artísticos da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo, da Câmara Municipal de Santarém, Portugal, e da Prefeitura Municipal de Vinhedo, Estado de São Paulo.[2]

Vida pessoalEditar

É casada com o engenheiro Jomar Cardoso desde 1976, com quem se mudou definitivamente para São Paulo em 1978. A artista tem cinco filhos.[3][2]

Em 2004, reconhecida como personalidade taubateense por sua contribuição artística à cultura local e brasileira, foi agraciada com a maior honraria da cidade: a Comenda Jacques Félix.[1]

 
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Maria Eugênia Villarta

Notas

  1. Artisticamente é conhecida apenas como Maria Eugênia (moda) ou Villarta (artes plásticas).

Referências

  1. a b c Câmara Municipal de Taubaté (6 de dezembro de 2004). «Câmara comemora data histórica e faz entrega de comendas» (PDF). Notícias da Câmara. Consultado em 4 de junho de 2013 
  2. a b c d e f g Adm. do sítio web (2007). [villarta.htm «Perfil da artista»] Verifique valor |URL= (ajuda). Maria Eugênia (sítio web). Consultado em 5 de junho de 2013 
  3. a b Da redação (9 de junho de 1982). «A sagração da beleza». Veja – edição 718. Consultado em 4 de junho de 2013 
  4. a b c d e f g Da redação (2005). Entrevista com a ex-modelo Maria Eugênia. [S.l.]: Vale Paraibano 
  5. a b Da redação (1987). «Uma editora que só podia ser paulistana». Veja São Paulo. Consultado em 4 de junho de 2013 
  6. Fernanda Gaiotti (2009). Manequim 50 anos: famosas na revista. [S.l.]: Abril. 850060994x 
  7. Adm. do portal (2002). «Novela Champagne — perfil». Memória Globo. Consultado em 4 de junho de 2013