Maria Manuela de Portugal

Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Maria de Portugal.

Maria Manuela de Portugal (Coimbra, 15 de outubro de 1527Valladolid, 12 de agosto de 1545)[1], foi uma infanta portuguesa. Ela era a segunda filha do casamento de João III e Catarina de Áustria e, junto com o Príncipe João de Portugal, um dos dois únicos filhos do casal a chegar à adolescência.

Dona Maria Manuela
Princesa Herdeira de Portugal
Princesa Consorte das Astúrias
Duquesa de Milão
Retrato de Dona Maria Manuela
Princesa Herdeira de Portugal
Período 15271535
Antecessor(a) D. Afonso
Sucessor(a) D. Manuel
Princesa Consorte das Astúrias
Período 15431545
Predecessor Filipe I de Espanha
Sucessor Isabel de Bourbon
 
Cônjuge Filipe II de Espanha
Descendência Carlos, Príncipe das Astúrias
Casa Avis
Nascimento 15 de outubro de 1527
  Coimbra, Portugal
Morte 12 de agosto de 1545 (17 anos)
  Valladolid, Espanha
Pai João III de Portugal
Mãe Catarina de Áustria

BiografiaEditar

Primeiros anosEditar

Nascida na cidade de Coimbra, Maria Manuela foi a segunda (mas primogênita sobrevivente) dos nove filhos nascidos do casamento entre João III de Portugal e Catarina de Áustria; dos seus sete irmãos mais novos, só João Manuel sobreviveu, nascido em 1537.

Sua educação foi largamente influenciada pela profunda piedade e devoção aos sacramentos da sua mãe, juntamente com grandes expectativas, realizada no fato de que, como a única filha dos reis portugueses tiveram um bom casamento e era digno dos maiores considerações.[2] Foi justamente por essa razão que a rainha Catarina convenceu seu pai, a aceitar a candidatura do herdeiro de Carlos V, o futuro Filipe II, às mãos de Maria Manuela.

Viagem à EspanhaEditar

Ela foi a primeira esposa do Príncipe das Astúrias, herdeiro da coroa espanhola, que reinou depois com o nome de Felipe II, que era seu primo. Esses casamentos estavam entre "os mais notáveis foram feitas entre príncipes de Espanha, de luxo, ostentação e aparelho que foi usado desde o início dos preparativos e do pomposo cerimonial que foram realizadas", como um historiador diz. Os escritores da época não deixaram descrições detalhadas da viagem que ele fez para Madrid a Badajoz para receber a princesa o mestre do príncipe, Juan Martínez Silíceo, bispo e de Cartagena, e a grandeza com o duque de Medina Sidonia, Juan Alonso de Guzmán organizou sua casa para receber a ilustre noiva.

O bispo, em sua jornada de lazer, gasta, dizem eles, 700 rações por dia; sua comitiva era brilhante; Ele usava uma multidão de mulas e chefes de pastelaria, páginas, escudeiros e criados, todos com librés ricos e luxuosos de seda e veludo, com listras douradas, chapéus de penas e outros ornamentos, com os quais competiam os rostos dos cavalos e nas refeições Não havia escassez, nem de comida nem de vinho, de nenhum tipo de presente. O duque, por sua vez, gasta, dizem eles, 600 ducados todos os dias à mesa, e para a recepção do bispo em Badajoz ele carrega 200 mulas, todas com massa de veludo azul e armas bordadas com ouro.

Ambos tinham músicos em sua festa, e na festa do duque também havia oito índios com escudos de prata grandes e redondos, cada um deles com uma águia que segurava os braços do duque e da duquesa. E, para aumentar o luxo e o capricho, três menestréis, chamados Cordobilla, Calabaza e Hernando, ridiculamente vestidos, e um anão com suas decisões e dicas discretas faziam parte da procissão. Assim, a casa do duque e a destinada às acomodações do bispo competiam no luxo dos utensílios domésticos, em tapeçarias, tapeçarias, cortinas, coberturas e talheres de ouro e prata. Não demorou muito para que o casamento planejado causasse um intervalo entre Espanha e Portugal por razões de etiqueta e preferência. Tanta coisa foi contestada que, como o cerimonial não foi organizado, a criança não pôde entrar na Espanha no dia anunciado.

As diferenças foram finalmente resolvidas. Era o mês de outubro quando a Comissão dos Cavaleiros Castelhanos recebeu a Infanta na linha divisória da Ponte do Rio Caia. O noivado seria realizado em Salamanca, e no longo trânsito de Badajoz para aquela cidade foram investidos cerca de um mês, porque tudo eram festividades, festas, torneios, simulações coloridas de bebês e cavaleiros, lutando pela competição e relativamente grandes e pequenos populações em dar a futura princesa das Astúrias. Enquanto isso, o príncipe, como qualquer amante que não pode ver sua amada, a seguiu da fila até Badajoz. Quando a comitiva real chegou a uma cidade onde ia descansar, o príncipe, sempre incógnito, avançou e, de uma janela, às vezes, e quase sempre abafado aos olhos, de um canto, misturado com a multidão que ocupava pelas ruas, ele ficou satisfeito ao observar sua futura esposa.

Casamento e MorteEditar

Este finalmente chegou a Salamanca, em cujo limite o corregedor esperava com a prefeitura e a Universidade e outras corporações, que a acompanhavam na ostentosa e magnífica entrada. O príncipe avançou, bem como em outras cidades e, perfeitamente disfarçado, olhou para uma sacada da casa do Dr. Olivares para ver a infanta mais uma vez. Ela sabia disso, e quando passou pela sacada acima mencionada, com certa coqueteria decorosa, cobriu o rosto com o leque de penas ricas na mão. Como os bufões tinham para toda a liberdade, o conde de Benavente, Periquito Chamado Santervés, que era muito famoso entre sua classe e acompanhou a criança para distraí-la com as suas graças, percebendo o que estava acontecendo, transformaram o ventilador e descobriu totalmente a face da Infanta, que acompanha a ação ousada com muito oportuno palavras

Na parte da tarde, veio o príncipe, sempre incógnito, fora da cidade, e no dia seguinte já entrou publicamente a porta de Samora, acompanhado pelo cardeal de Toledo, o duque de Alba e vários outros magnatas e cavaleiros. Em 14 de novembro de 1543, o noivado foi celebrado, à noite, dando aos esposos a bênção nupcial do arcebispo de Toledo. Às quatro horas da manhã, a missa de Velasso foi celebrada, e todos os dias e vários dos seguintes foram investidos em festas e torneios. Depois de visitar os estabelecimentos públicos, os príncipes foram para Tordesilhas para beijar a mão de sua avó, a rainha Joana de Castela.

A rainha melancólica ficou muito satisfeita ao ver e abraçar seus netos, e conta a história que os fez dançar na presença dela. Em Simancas, atapetaram as ruas com um tecido muito rico e comemoraram com o maior entusiasmo os príncipes, que passaram desta cidade para a de Valladolid, que também era esplêndida, digna e magnífica ao receber os cônjuges. Nessa cidade, Maria deu à luz seu único filho, o Infante Carlos (8 de julho de 1545) e alguns dias depois, ela morreu, sem se tornar rainha da Espanha. Ela foi enterrada em 30 de março de 1549 na Capela Real de Granada, junto com os bebês Dom João e Dom Fernando, filhos do imperador Carlos V, embora posteriormente seus restos mortais tenham sido transferidos para o Panteão dos Infantes da Cripta Real do Mosteiro do El Escorial.

Referências

  1. Kamen p. 20
  2. Delbrugge, Laura (2015). Self-Fashioning and Assumptions of Identity in Medieval and Early Modern Iberia. Netherlands: Brill. 230 páginas. ISBN 9789004250482 

BibliografiaEditar

Ver tambémEditar

Precedido por
D. Afonso
 
Princesa herdeira de Portugal

1527-1535
Sucedido por
D. Manuel
Precedido por
Filipe I de Espanha
 
Princesa Consorte das Astúrias

15431545
Sucedido por
Isabel de Bourbon
 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Maria Manuela de Portugal
  Este artigo sobre uma Rainha é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.