Marian Smoluchowski

físico polonês

Marian Smoluchowski (Marian Ritter von Smolan Smoluchowski, Vorderbrühl, próximo a Viena, 28 de maio de 1872Cracóvia, 5 de setembro de 1917) foi um cientista polonês pioneiro da física estatística e um montanhista.[1][2]

Marian Smoluchowski
Relação de Einstein–Smoluchowski
Nascimento 28 de maio de 1872
Vorderbrühl, Império Austríaco
Morte 5 de setembro de 1917 (45 anos)
Cracóvia
Residência Áustria-Hungria
Sepultamento Cemitério Rakowicki
Nacionalidade polonês
Cidadania Áustria-Hungria
Etnia poloneses
Alma mater Universidade de Viena
Ocupação físico, montanhista, professor
Prêmios Prêmio Haitinger, Comandante da Ordem da Polônia Restituta
Empregador Universidade Jaguelônica, Universidade de Lviv
Obras destacadas Equação de coagulação de Smoluchowski, Fator de Smoluchowski
Causa da morte disenteria
Assinatura
Marian Smoluchowski signature.png
Orientador(es) Franz Serafin Exner e Joseph Stefan
Instituições Universidade de Lviv, Universidade Jaguelônica
Campo(s) física

VidaEditar

Nascido em uma família de classe alta em Vorder-Brühl, perto de Viena, Smoluchowski estudou física na Universidade de Viena. Seus professores incluíram Franz S. Exner e Joseph Stefan. Ludwig Boltzmann ocupou um cargo na Universidade de Munique durante os estudos de Smoluchowski em Viena, e Boltzmann voltou a Viena em 1894 quando Smoluchowski estava servindo no exército austríaco. Eles aparentemente não tiveram contato direto, embora o trabalho de Smoluchowski siga a tradição das idéias de Boltzmann.

Depois de vários anos em outras universidades (Paris, Glasgow, Berlim), em 1899 Smoluchowski mudou-se para Lwów (atual Lviv), onde assumiu um cargo na Universidade de Lwów. Ele foi presidente da Sociedade Polonesa de Naturalistas Copérnico, 1906-1907.

Em 1901 ele se casou com Zofia Baraniecka, que sobreviveu a ele. Eles tiveram dois filhos, Aldona Smoluchowska (1902-84) e Roman Smoluchowski (1910-96). Seus interesses não profissionais incluíam esqui, escalada nos Alpes e nas montanhas Tatra, pintura em aquarela e tocar piano.

Em 1913, Smoluchowski mudou-se para Cracóvia para assumir uma cadeira no Departamento de Física Experimental, sucedendo a August Witkowski, que há muito imaginava Smoluchowski como seu sucessor. Quando a Primeira Guerra Mundial começou no ano seguinte, as condições de trabalho tornaram-se extraordinariamente difíceis, pois o espaçoso e moderno prédio do Departamento de Física, construído por Witkowski pouco tempo antes, foi transformado em um hospital militar. A possibilidade de trabalhar naquele prédio foi uma das razões pelas quais Smoluchowski decidiu se mudar para Cracóvia. Smoluchowski foi agora forçado a trabalhar no apartamento do falecido professor Karol Olszewski. Durante suas aulas de física experimental, o uso mesmo do mais simples equipamento de demonstração era virtualmente impossível.

Smoluchowski lecionou física experimental; seus alunos incluíram Józef Patkowski [pl], Stanisław Loria [pl] e Wacław Dziewulski [pl].

Smoluchowski morreu em Cracóvia em 1917, vítima de uma epidemia de disenteria.[1][2]

TrabalhoEditar

Smoluchowski conduziu pesquisas fundamentais sobre a teoria cinética da matéria. Em 1904, ele descobriu as flutuações de densidade na fase gasosa e, em 1908, foi o primeiro físico a atribuir o fenômeno da opalescência crítica a grandes flutuações de densidade. Suas investigações explicaram a cor azul do céu como consequência da dispersão da luz na atmosfera.

Em 1906, logo após Albert Einstein, ele explicou independentemente o movimento browniano.[3] Smoluchowski apresentou uma equação que se tornou a base para a teoria dos processos estocásticos.

Em 1916, ele propôs a equação para difusão em um campo de potencial externo. Esta equação leva seu nome.[4]

ReferênciasEditar

  1. a b Abraham Pais, Subtle is the Lord, chapter 5, section 5e. Einstein and Smoluchowski; Critical Opalescence, (pp. 100–103), Oxford University Press, (1982) 2005, ISBN 0-19-280672-6
  2. a b A. Teske, Marian Smoluchowski, Leben und Werk. Polish Academy of Sciences, Warsaw, 1977
  3. Smoluchowski, M. (1906), «Zur kinetischen Theorie der Brownschen Molekularbewegung und der Suspensionen» (PDF), Annalen der Physik, 21 (14): 756–780, Bibcode:1906AnP...326..756V, doi:10.1002/andp.19063261405, consultado em 29 de agosto de 2008 
  4. Chandrasekhar, S. (1943). Stochastic problems in physics and astronomy. Reviews of modern physics, 15(1), 1.

Ver tambémEditar

Ligações externasEditar

  Este artigo sobre um(a) físico(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.