Marte e Vênus jogam xadrez

pintura de Padovanino

Marte e Vênus jogam xadrez (em italiano: Marte e Venere giocano a scacchi) é uma pintura de óleo em tela do artista italiano Alessandro Varotari (Padovanino). A obra é uma interpretação incomum do antigo mito do amor de Marte e Vênus. Na mitologia grega, Afrodite (Vênus) traiu seu marido Hefesto (Vulcão) por Ares (Marte). Por medo de que alguém dos deuses os vissem juntos, Ares disse a Alectrião para manter guarda. Ele ordenou que o acordasse antes do nascer do sol, pois não queriam que Apolo os visse se despedindo.[1] Ao anoitecer, Alectrião caiu no sono e não acordou a tempo de avisar Ares e Afrodite no dia seguinte. Então, Apolo flagrou Afrodite nos braços de Ares e contou a Hefesto o que viu.

Marte e Vênus jogam xadrez
Autor Alessandro Varotari
Data 1630 - 1640
Técnica Óleo em tela
Dimensões 99  × 118 
Localização Landesmuseum für Kunst und Kulturgeschichte Augusteum, Oldemburgo

Na história da arte, a história da "Vênus e Marte" tem duas formas principais de representação[2]:

  • A imagem de um episódio quando o Hefesto encontra amantes no momento da traição. Um exemplo é o retrato de Jacopo Tintoretto "Vênus, Vulcano e Marte" (1547-1551, Antiga Pinacoteca, Munique). Esta historia é característica da pintura francesa do século XVIII.

A pintura de Varotari tem uma história única[3],[4] que é um eco de ambos os tipos. Nesta obra Vênus, deusa da beleza, e Marte, o deus da guerra, jogam xadrez. No fundo da pintura é retratado com um jarro de vinho do Vulcano, o marido enganado de Vênus. A construção de pintura demonstra o senso de humor do artista, que foi o motivo de sua em Veneza.[4]

Vênus, segura com a mão esquerda o capacete de Marte, que apenas calcula o movimento seguinte de impedi-lo de inimigo (para alguns historiadores da arte pressupõem um jogo para se despir, e a outra opção possível é a impaciência de Vênus que está entediada com o jogo de xadrez; o parceiro é claramente mais fraco que ela, por isso a deusa tem pressa de começar um jogo mais interessante para ela.[5]). Entre as pernas de Vênus senta o cupido (talvez insinuando a paixão ardente de Vênus por Marte). Marte está deprimido, e seu olhar direcionado para o tabuleiro e com a mão esquerda ele agarra a cabeça, tentando manter o capacete.

Ver tambémEditar

Referências

  1. «Сновидение, или петух. 3» (em russo) 
  2. «Венера.». Энциклопедия сюжетов в искусстве. (em russo). Consultado em 9 de dezembro de 2017. Arquivado do original em 14 de março de 2016 
  3. Leira Maiorana. Nel segno dello shâh mât (итал.) // Il Palindromo. Storie al rovescio e di frontiera. — 2011. — N. I/4. — P. 99-100.
  4. a b Giulia Masone. «Alessandro Varotari. 71: Marte, Venere e Vulcano» (em italiano). Iconos. Consultado em 15 de março de 2016. Cópia arquivada em 6 de março de 2016 
  5. Helen Deborah Walberg. (2009). «Review of Titian Remade: Repetition and the Transformation of Early Modern Italian Art by Maria H. Loh». Renaissance Quarterly (em inglês). pp. 926—928. doi:10.1086/647419  |capítulo= ignorado (ajuda)
  Este artigo sobre enxadrismo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
  Este artigo sobre arte ou história da arte é um esboço relacionado ao Projeto Arte. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.