Abrir menu principal
Media Capital
Empresa de capital aberto
Cotação Euronext Lisboa: MCP
Atividade Comunicação Social
Fundação 1992
Sede Queluz de Baixo, Oeiras, Portugal Portugal
Presidente Manuel Mirat
Produtos Canais de Televisão
Jornais
Revistas
Internet
Música
Cinema e Video
Lucro Aumento EUR 16,5 milhões (2014)[1]
LAJIR Aumento EUR 40,9 milhões (2014)[2]
Faturamento Baixa EUR 179,8 milhões (2014)[3]
Website oficial www.mediacapital.pt/

Grupo Media Capital é um dos principais conglomerados de media em Portugal.

Em televisão, detém o canal generalista TVI e os seus restantes canais (TVI24, TVI Ficção, TVI Realtiy, TVI Internacional e a TVI África).

Em rádio, detém o segundo maior grupo de rádios a nível nacional, a MCR (Media Capital Rádios) e as suas rádios (Rádio Comercial, M80, Cidade FM, Smooth FM e a Vodafone FM).

E no digital, detém a MCM (Media Capital Multimedia), cujo principal activo, o IOL, é o segundo maior portal nacional.

O grupo está presente em outros negócios relacionados com o sector de media, tais como a produção de conteúdos para televisão, assegurada pela multinacional Plural Entertainment, a edição discográfica, a realização de eventos musicais e culturais (Farol) e a distribuição de direitos cinematográficos (Castello Lopes Multimedia).

HistóriaEditar

O Grupo Media Capital foi criado em 1992, a partir da SOCI, fundada e presidida por Luís Nobre Guedes, e com a sua atividade assente na imprensa escrita, desde 1988 com o jornal O Independente[1]. Após a compra da maioria do capital da SOCI por Miguel Pais do Amaral, a atividade do Grupo — que adotou a designação de Media Capital em 1992 — expandiu-se com a aquisição da Rádio Comercial e da Rádio Nostalgia, em 1997. Entre 1998 e 1999 adquiriu a quase totalidade do capital da TVI. Em 2000 foi lançado o portal IOL. A Media Capital passa a controlar a NBP (actual Plural Entertainment) em 2001. Em 2002 é adquirida a editora Farol Música.

O grupo tem como Presidente Executivo (CEO) Luís Cabral. Os seus accionistas são:[4]

Direções da Media CapitalEditar

  • Luís Cabral - CEO (Presidente Executivo) da Media Capital
  • Helena Forjaz - COO ( Chief Operating Officer) da Media Capital
  • Manuel Mirat - Presidente do Conselho de Administração da Media Capital
  • Paulo Lourenço - CRO (Chief Revenue Officer) da Media Capital
  • Salvador Ribeiro - Diretor-Geral da Media Capital Rádios
  • Luís Cunha Velho - Diretor de Gestão de Antena da TVI e Diretor da Plural Entertainment
  • Filipa Garnel - Diretora de Programas da TVI
  • Ricardo Tomé - Diretor-Geral da Media Capital Digital
  • José Alberto Carvalho - Presidente do Comité Editorial da Media Capital

PropriedadesEditar

A Media Capital detém no momento, de entre outros, os seguintes títulos/marcas:

TV

Rádio

Internet

Música

Cinema e Vídeo

  • CLMC

Críticas e controvérsiasEditar

Em outubro de 2019, jornalistas e comentadores da Sociedade Independente de Comunicação (SIC) criticaram a possível fusão Cofina com a TVI, que é controlada pela Media Capital. O comentarista do ‘Eixo do Mal’, Pedro Marques Lopes, escreveu no Twitter:

"No dia em que o país está de luto por Freitas do Amaral, o jornal do principal grupo de comunicação social portuguesa (Media Capital + Cofina) enche a primeira página com ‘Vibradores tramam pedófilo arrependido'."

Daniel Oliveira, outro comentador do ‘Eixo do Mal’, disse que "o mais poderoso grupo de media português passará a estar nas mãos de um grupo que se dedica ao jornalismo sensacionalista e que tem uma agenda política clara. A compra da TVI pela Cofina é, em décadas, dos momentos mais determinantes para a nossa democracia". O jornalista Pedro Coelho, questionou:

"Imaginem o efeito que teria num qualquer país se uma pequeníssima televisão tablóide tomasse conta de um canal nacional que foi 19 anos líder de audiências?".

[5] A Cofina se tornará o maior grupo de comunicação de Portugal, se conseguir comprar a TVI.[6]

Referências

Ligações externasEditar