Medical Car

Medical Car, ou Carro Médico, é o veículo utilizado em corridas de automobilismo em casos de emergências. Considerado "a ambulância mais rápida do mundo",[1] é ele quem acompanha os bólidos na largada (ficando ao final do grid) e depois fica em prontidão no pit lane. No caso de um acidente, os médicos são capazes de chegar ao local o mais rápido possível.

Medical Car usado no GP do Japão de 2012

Medical Cars na Formula 1Editar

O Medical Car foi introduzido na Formula 1 em 1984, quando Domingos Piedade, jornalista português e ex-vice-presidente da AMG-Mercedes, trouxe uma inovação para as pistas. Ele introduziu no GP de Portugal, pela primeira vez na Fórmula 1, o medical car, que serviu para a prestação de serviços médicos de maneira mais rápida que uma ambulância. “Estreamos em Portugal o que, na época, chamamos de medical car, foi a primeira vez que houve um carro dedicado a assistência médica. Fomos logo em seguida ao [Grande Prémio do] Brasil e a partir daí faz parte da Fórmula 1 até hoje”, afirma, orgulhoso.[2]

O carro é equipado com barra de luzes na capota, sinalizadores nos faróis e lanternas e, no porta-malas, equipamentos de emergência como desfribilador. Há também sistema de rádio e dois tablets com conexão WLAN.[3]

Assim como o Safety Car, a garagem do Medical Car normalmente fica no início da pit lane (em alguns autódromos, no final), onde mecânicos da Mercedes-Benz ficam de prontidão para atende-lo quando necessário.[1]

De 1999 a 2000, o Medical Car foi conduzido pelo piloto brasileiro Alex Ribeiro.[4]

De 2000 a 2008, este posto foi ocupado pelo piloto francês Jacques Tropenat. Por problemas médicos, Tropenat teve que se afastar desta função, ainda com o campeonato de 2008 rolando. Assim, nas 4 últimas provas do campeonato de 2008, este posto foi ocupado por Alexander Wurz[5] (Grande Prêmio de Singapura) e por Sébastien Buemi[6][7] (Grande Prêmio do Japão, Grande Prêmio da China e Grande Prêmio do Brasil).

A partir de 2009, com a saída de Jacques Tropenat, o sul-africano Alan van der Merwe é quem dirige, até os dias atuais, o Medical Car.[8]

Além do piloto, o veículo é ocupado por três médicos, um deles o inglês Ian Roberts, coordenador-médico de resgate da FIA (Federação Internacional do Automóvel).

Modelos de CarrosEditar

Em 1999, a Mercedes-Benz assinou contrato de para suprir a demanda de Medical Car de forma exclusiva.[9]

Todos os Modelos Usados na F-1 desde 1996
Ano Modelo
1996 Mercedes-Benz C 36 AMG (W 202)
1997 Mercedes-Benz C 36 AMG (W 202); [[Mercedes-Benz E 60 AMG (W 210)
1998 Mercedes-Benz C 55 AMG Estate (S 202)
2001 Mercedes-Benz C 32 AMG Estate (S 203)
2004 Mercedes-Benz C 55 AMG Estate (S 203)
2008 Mercedes-Benz C 63 AMG Estate (S 204)

Em 2011, os Medical Cars foram patrocinados pela primeira vez.[10] A Allianz foi a responsavel pelo patrocinio, que segue até os dias atuais.

CuriosidadesEditar

  • No GP de Mônaco em 2000, o piloto brasileiro Alex Ribeiro bateu o medical car na curva Tabac, e o médico Sid Watkins, que estava de passageiro, saiu com três costelas quebradas.[11]

Referências

  1. a b formula1.com/ Driving the F1 Medical Car - the world’s fastest ambulance
  2. observador.pt/ Lauda versus Prost. Quando o Estoril foi cenário de uma decisão de título de Fórmula 1
  3. caranddriverbrasil.uol.com.br/[ligação inativa] Mercedes revela novo carro madrinha da F1
  4. flaviogomes.grandepremio.uol.com.br/ Jesus Saves
  5. f1mania.lance.com.br/ Alex Wurz pilota Medical Car em Cingapura
  6. «Buemi's F1 "race" debut». Autosport. 194 (3). Outubro de 2008. p. 15 
  7. gpupdate.net/ Buemi to steer Medical Car
  8. f1mania.lance.com.br/ Alan van der Merwe é o novo piloto do Medical Car
  9. estadodeminas.vrum.com.br/ Mercedes-Benz revela Safety Car e carro médico para temporada 2015 da F1
  10. correiodopovo.com.br/ Grupo Allianz anuncia parceria com Mercedes GP Petronas
  11. uolesporte.blogosfera.uol.com.br/ Político, fazendeiro, vendedor: veja os empregos dos pilotos que se aposentaram na F1