Abrir menu principal
Mickey Kuhn
Mickey Kuhn no filme O tempo não apaga ("The Strange Love of Martha Ivers", 1946)
Nome completo Theodore Matthew Michael Kuhn, Jr.
Nascimento 21 de setembro de 1932 (86 anos)
Waukegan, Illinois,  Estados Unidos
Ocupação Ator
Atividade 1934-1957
Cônjuge Barbara Traci (1984-presente)
IMDb: (inglês)

Mickey Kuhn, nome artístico de Theodore Matthew Michael Kuhn, Jr. (Waukegan, 21 de setembro de 1932), é um antigo ator infantil estadunidense cuja atividade no cinema americano se deu durante as décadas de 1930, 1940 e, quando crescido, na década de 1950, deixando em seguida o trabalho nos filmes.

O título mais famoso que consta em sua filmografia é o clássico ...E o vento levou ("Gone with the Wind", 1939), onde atuou aos 7 anos de idade no papel de Beau Wilkes, filho de Melanie (Olivia de Havilland) e Ashley (Leslie Howard). No início de 2019, Kuhn, aos 86 anos, e Olivia de Havilland, aos 102, são os únicos atores creditados no longa a estarem vivos.

Índice

Biografia e carreiraEditar

Descendente de alemães, Kuhn nasceu em Waukegan, Illinois, sendo o mais novo de dois filhos. Sua família se mudou para Hollywood durante a depressão de 1929, onde seu pai encontrou um trabalho confiável como cortador de carne. Mickey começou a aparecer nas telas quando ainda era um bebê, estreando pela 20th Century Fox com o filme O seu primeiro amor ("Change of Heart", 1934), que incluía no elenco estrelas como Janet Gaynor, Charles Farrell, Ginger Rogers, Jane Darwell e a pequena Shirley Temple. Frequentando o jardim de infância Mark-Ken, Mickey retornou ao cinema aos 5 anos de idade, com o filme A missão do médico ("A Doctor's Diary, 1937), da Paramount. Sua mãe era quem o cuidava e o acompanhava durante a maior parte de sua carreira.

1939 foi um ano marcante para Kuhn bem como para toda a Hollywood. Neste ano ele trabalhou com grandes nomes do cinema hollywoodiano, como Humphrey Bogart e Kay Francis (em Contra a lei, de Lewis Seiler), Paul Muni e Bette Davis (em Juarez, de William Dieterle), Irene Dunne e Charles Boyer (em Noite de pecado, de John M. Stahl), e, por fim, Vivien Leigh, Clark Gable, Olivia de Havilland e Leslie Howard (no clássico da Guerra Civil Norte-Americana ...E o Vento Levou, de Victor Fleming e George Cukor).

Sua atenção também se voltou para o teatros e o palco. Quando adolescente, foi apresentador no Pasadena Playhouse e outros programas sediados em Los Angeles. Nos anos seguintes Kuhn participou de uma série de filmes que não obtiveram prestígio, no entanto em 1951 ele decidiu se alistar na Marinha. Depois de um mandato de quatro anos de serviço, em 1955 ele tentou voltar a trabalhar com filmes e TV, mas sem muito alarde. Casou-se neste mesmo ano e teve dois filhos. Optando por uma fonte de renda mais estável, ele cursou a Los Angeles Valley College e a Cal State Northridge Valley College e graduou-se em Artes Cênicas, mantendo uma variedade de biscates.

Um fato curioso é que Kuhn atuou nos dois clássicos do cinema que renderam o Oscar de melhor atriz à Vivien Leigh: o primeiro foi ...E o vento levou, em 1939; e o segundo ocorreu doze anos mais tarde, com uma participação rápida em Uma rua chamada pecado, em 1951, onde aparece logo no início do filme como o jovem marinheiro que informa à personagem de Leigh o nome do bonde para Nova Orleans.

Em 2016, 77 anos após o lançamento de ...E o vento levou, Kuhn e Olivia de Havilland, que interpretou sua mãe no filme, são os únicos atores creditados no longa a estarem vivos. 2016 é o ano do centenário de Olivia de Havilland, que vive em Paris, na França, e do 84º aniversário de Mickey Kuhn, que vive nos EUA.

Carreira CinematográficaEditar

FilmesEditar

Ligações externasEditar

  Este artigo sobre um ator é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.