Abrir menu principal
Miguel Estrifno
Nacionalidade Império Bizantino
Cônjuge Teodora
Religião Ortodoxia Oriental

Miguel Estrifno (em grego: Μιχαὴλ Στρυφνός; fl. c. 1190–1203) foi um alto oficial bizantino sob os imperadores Ângelos.

BiografiaEditar

 
Hipérpiro de Isaac II Ângelo (r. 1185-1195; 1203-1204)
 
Hipérpiro de Aleixo III Ângelo (r. 1195–1203)

Estrifno aparece pela primeira vez em 1192 como sebasto e chefe do vestiário (o tesouro imperial) sob o imperador Isaac II Ângelo (r. 1185–1195). Nesta época, se casou com Teodora, a filha de Andrônico Camatero e irmã da imperatriz Eufrósine Ducena Camaterina, a esposa de Aleixo III Ângelo (r. 1195–1203) e, por conta disso, avançou à posição de mega-duque, o comandante-em-chefe da marinha bizantina, quando Aleixo ascendeu ao trono. O historiador contemporâneo Nicetas Coniates retrata-o como um homem de "extraordinária ganância e rara desonestidade", que se utilizou de sua posição para vender as velas, âncoras e outros equipamentos da frota, chegando a vender os pregos dos navios.[1] Suas ações marcaram a derrocada final da frota bizantina, que, a partir daí, foi incapaz de resistir à Quarta Cruzada poucos anos depois.[2]

Como mega-duque, ele também era o estratego do província conjunta de Hélade e do Peloponeso (ambas na Grécia meridional) e, nesta função, ele foi até Atenas sob colta de 1201-1202 para se opor ao ascendente Leão Esguro, um magnata local que se tornara um governante autônomo. Ele não parece ter conseguido impedir Esguro, mas o bispo local, Miguel Coniates, compôs mesmo assim um encômio em sua homenagem.[2] Três selos de Estrifno chegaram aos nossos dias,[1] assim como um grande anel de ouro esmaltado, possivelmente recebido como presente quando foi nomeado mega-duque.[3]

Referências

  1. a b Guilland 1967, p. 546-547.
  2. a b Kazhdan 1991, p. 1968.
  3. Ross 2005, p. 108–109.

BibliografiaEditar

  • Guilland, Rodolphe (1967). Recherches sur les Institutions Byzantines (em francês). I. Berlim: Akademie-Verlag 
  • Kazhdan, Alexander Petrovich (1991). The Oxford Dictionary of Byzantium. Nova Iorque e Oxford: Oxford University Press. ISBN 0-19-504652-8