Milagre do Rio Han

O Milagre do Rio Han (em coreano: 한강의 기적) refere-se ao acelerado crescimento econômico movido pelas exportações ocorrido na Coreia do Sul, incluindo rápida industrialização, avanço tecnológico, boom educacional, aumento exponencial nos padrões de vida, rápida urbanização, construção de arranha-céus, modernização, sucesso na organização de grandes eventos desportivos como os Jogos Olímpicos de Verão de 1988, os Jogos Olímpicos de Inverno de 2018 e a Copa do Mundo FIFA de 2002, realizada juntamente com o Japão.Além desses fatos, o país passou por uma rápida redemocratização e é um dos líderes do processo de globalização. Fatores estes que transformaram um país pobre e destruído após a Guerra da Coreia um país rico e altamente desenvolvido na atualidade, com uma economia das economias mais influentes do mundo e extremamente conhecida pelos seus chaebols, como a Samsung, a LG Group e a Hyundai-Kia.[1]

Milagre do Rio Han
Nome em coreano
Hangul 한강의 기적
Hanja 漢江의 奇蹟
Romanização revisada Hangangui Gijeok
A economia da Coreia do Sul cresceu quase sem parar de quase zero para mais de um trilhão de dólares em menos de meio século.

Mais especificamente, esta fase se refere ao crescimento econômico e a transformação urbana da Seul, a capital que é cortada pelo rio Han. Além disso, o milagre geralmente refere-se ao período de 35 anos entre 1961 e 1996. Este conceito é derivado do "Milagre do Reno", que é o termo usado para descrever o renascimento econômico da Alemanha Ocidental após a Segunda Guerra Mundial, parcialmente resultante do Plano Marshall. A palavra "milagre" é usada para descrever o crescimento do pós-guerra na Coreia do Sul, transformando-se na 11ª maior economia do mundo e um modelo para muitos países em desenvolvimento,[2] algo considerado impossível por muitos na época. A infraestrutura do país foi dizimada durante a Guerra da Coreia e milhões de pessoas viviam em condições de pobreza extrema. Quando o general Park Chung-hee tomou o poder em 1961, a Coreia do Sul tinha um renda per capita de menos de US $80 por ano (que era a época uma das mais baixas do mundo). Durante esse tempo, a Coreia do Sul era mais dependente da ajuda externa, principalmente dos Estados Unidos em troca de envolvimento da Coreia do Sul na Guerra do Vietnã.[3][4] O movimento Saemaeul implantado pelo presidente Park Chung-hee estava focado no desenvolvimento rural da Coreia. A forte liderança do governo Park e o uso efetivo de mão de obra barata iniciou uma faísca na economia sul-coreana. Em menos de quatro décadas,Seul que era chamada de "sem esperança" foi completamente transformada em uma cidade global ocupando o papel de um dos maiores centros de negócios ,comércio e tecnologia na Ásia e no mundo.A cidade é considerada por muitos coreanos como um símbolo de orgulho nacional e espírito de que "pode ​​ser feito". Além do movimento Saemaeul, o governo coreano adotou outro plano eficaz de desenvolvimento econômico chamado de Plano Quinquenal.Diversos planos quinquenais foram elaborados, e eles foram elaborados para reacender a economia. Cada um dos planos contribuiu enormemente na industrialização e ampliação de mercados da Coreia do Sul.

Referências

  1. Park Chung-hee Admired for Making Something Out of Nothing The Korea Times, 2009-10-25
  2. S. Korea Is a Role Model for Africa: Obama The Korea Times, 2009-11-07
  3. Cumings, Bruce. Korea's Place in the Sun: a Modern History. New York: Norton, 2005. Print.
  4. Korea: A Century of Change By Jürgen Kleiner

Ligações externasEditar