Abrir menu principal

'Mitologia letã' é o conjunto de crenças pagãs do povo letão reconstruídas a partir de evidências escritas e materiais folclóricos. Grande parte da mitologia letã sofreu influências dos mitos russos.[1]

HistóriaEditar

Há poucos relatos de tribos bálticas, os ancestrais dos modernos letões e sua mitologia até cristianização no século XIII. Desde a cristianização, tem havido vários relatos relacionados à mitologia local, incluindo crônicas, relatórios de viagem, registros de visitas, relatórios jesuítas e outros relatos de práticas pagãs.[2] Esses relatórios são considerados fontes secundárias pelos pesquisadores porque, como os autores não eram letões, não falavam as línguas locais e muitas vezes eram tendenciosos.[3] Esses materiais às vezes são imprecisos e contêm erros, invenções e distorções decorrentes de uma visão de mundo cristã. Apesar disso, eles podem ser verificados usando informações do folclore.[2] A maioria dos materiais folclóricos são coletada desde meados do século XIX.[3]

CrençasEditar

Existem várias reconstruções do espaço mítico letão, mas a maioria dos pesquisadores concorda com o significado de certas características relacionadas ao céu. O céu em si é identificado como Debeskalns (que significa "Montanha Celeste"). O céu também é conhecido como Montanha dos Seixos, Montanha de Prata ou Montanha de Gelo, com os adjetivos provavelmente se referindo a estrelas ou neve.[3] Também foi sugerido que Dievs ( Deus ) é também um símbolo do céu porque a etimologia de seu nome parece estar relacionada ao céu. Dievs é considerado a divindade suprema.[4] Outra divindade celestial é a deidade solar, Saulė, que assegura a fertilidade da terra e é a guardiã dos azarados, especialmente órfãos e jovens pastores.[5] Seu caminho a leva através da montanha do céu até o mar, o que às vezes é interpretado como uma representação simbólica do céu ou oceano cósmico.[3][5] O mar e outros corpos de água, incluindo rios, especialmente o Daugava, parecem marcar a fronteira entre os mundos dos vivos e dos mortos. Em letão, a palavra para "o mundo" é derivada da palavra "o sol" e esses mundos são referidos como "este sol" e "aquele sol". Portanto, parece que Saule também está intimamente relacionado ao conceito de morte.[4][5] Ela aparentemente carrega as almas dos mortos através do mar para o mundo dos mortos. Seu movimento diário pode, portanto, estar relacionado ao ciclo da vida humana, com ela renascendo todos os dias.[5]

Referências

  1. Rosana Rios (30 de março de 2017). Heróis e Suas Jornadas: 10 Contos Mitológicos. [S.l.]: Editora Melhoramentos. p. 85. ISBN 978-85-06-07707-8 
  2. a b Kursīte, Janīna (2005). «Baltic Religion: History of study». In: Jones, Lindsay. Encyclopedia of Religion. 2 2nd ed. Thomson Gale. pp. 767–771 
  3. a b c d Ķencis, Toms (2011). «The Latvian Mythological space in scholarly Time» (PDF). Klaipėda: Klaipėda University Press. Archaeologia Baltica (15). 144 páginas. Consultado em 21 de agosto de 2012. Arquivado do original (PDF) em 25 de março de 2012 
  4. a b Biezais, Haralds; Ankrava, Sigma (2005). «Baltic Religion:Overview». In: Jones, Lindsay. Encyclopedia of Religion. 2 2nd ed. Thomson Gale. pp. 756–761 
  5. a b c d Vīķe-Freiberga, Vaira (2005). «Saule». In: Jones, Lindsay. Encyclopedia of Religion. 12 2nd ed. Thomson Gale. pp. 8131–8135