Mocidade da Praia
Fundação 06 de junho de 1947 (72 anos)
Cores
Símbolo Uma caravela de fundo, uma estrela e uma gaivota.
Bairro Praia do Canto
Presidente Luciano de Paula Pires
Desfile de 2020

O Grêmio Recreativo e Escola de Samba Mocidade da Praia, tradicional agremiação sediada no bairro Praia do Canto em Vitória, foi fundado em 6 de junho de 1947 como uma “Batucada”. Suas cores são azul, vermelha e branca.

HistóriaEditar

A agremiação brilhou e por várias vezes foi campeã do concurso de batucadas e de escola de samba de Vitória. Ao longo dos anos 50 e 60, várias batucadas e blocos foram se transformando em escola de samba. Mas somente em 1972, depois de sagrar tricampeã no concurso de batucadas de 1969 e 1971, a Mocidade da Praia passa a desfilar como escola de samba. Um dos principais nomes ligados à história dessa agremiação é o do Mestre Antônio Flores, um dos principais músicos e incentivadores da cultura artística no Espírito Santo. Mestre Flores foi presidente da agremiação por 10 anos e um dos principais responsáveis pelos títulos como batucada e pela transformação da agremiação em escola de samba.[1][2][3][4]

Estreando no concurso de escolas de samba em 1972, a Mocidade da Praia fica com o 4º lugar com o enredo “Glorificação do herói Domingos Martins, resultado que se repetiu em 1973, quando saiu com o enredo “O mundo encantado de Otinho e Rosinha”. No ano seguinte, a escola desiste de desfilar por falta de recursos. Em 1975, a Mocidade da Praia fica em 5º lugar com o enredo “Festa da gratidão”. Nos anos seguintes, saiu com “Exaltação a São Benedito” (1976), com o qual obteve o 7º lugar, e “Tudo isso é Brasil” (1977), ficando em 8º. No ano seguinte, mais uma vez a escola deixa de desfilar. Em 1979, ficou em 9º lugar com o enredo “O mundo encantado da criança”.[4]

A partir de 1980, começa uma nova fase para a Mocidade da Praia. A agremiação, habituada a ficar em colocações medanas desde que se tornou escola de samba, começa o obter resultados mais expressivos. Nesse ano, a escola fica em 6º lugar com o enredo “Zé Pereira”. Em 1981, A Mocidade da Praia conquista seu primeiro campeonato como escola de samba com o enredo “O mar, suas belezas e magias”, dividindo o título com a escola de samba São Torquato. Nos anos seguintes, saiu com os enredos “A criação do pecado, segundo Luz Del Fuego” (1982) e “O jogo da Vida” (1983), mas apesar de despontar como favorita, a escola obteve apenas a 5ª colocação em ambos.[4]

Em 1984, a Mocidade da Praia realiza mais um grande desfile e conquista o 2º título com o enredo “Cacau, manjar dos deuses. De Montezuma a Nice”.[4] Um dos compositores desse samba é o renomado Raul Sampaio, autor de várias canções de sucesso no Brasil, entre as quais "Meu Pequeno Cachoeiro".[5] No ano seguinte, a escola fica em 4º lugar com “Deu bola na rede, dá samba no pé”, sendo esse o último desfile realizado na Av. Princesa Isabel, no Centro de Vitória. Em 1986, o desfile é transferido para a Reta da Penha, mas a escola não faz um bom desfile. Com o enredo “Algas marinhas, alimento do futuro”, a escola fica em 10º lugar e cai para Grupo 2. Em 1987, o desfile é transferido para um local especial construído para este fim, o Sambão do Povo. A Mocidade da Praia desfilou no Grupo 2 e ficaria com o vice-campeonato. Porém, a escola acabou sendo desclassificada por desrespeitar o regulamento, não conseguindo retornar para o Grupo 1. Em 1988, com o enredo “E agora, José?”, a Mocidade da Praia vence o Grupo 2 e finalmente conseguiu retornar ao grupo principal.[4]

Em 1989, de volta ao Grupo 1, a escola fica em 8º lugar com o enredo “Tudo em cima, mistura da raça”, colocação repetida no ano seguinte, com o enredo “A ema gemeu no tronco do mulembá”. Em 1991, a escola fica em 10º lugar com o enredo “Meu grande Cachoeiro – coisas da terra”. Em 1992, o Grupo 1 foi dividido, deixando de ser o grupo principal, sendo criado o Grupo Especial com as sete primeiras colocadas do ano anterior. Como havia ficado em 10º no ano anterior, a escola permanece no Grupo 1 e desfila com o enredo “Festa profana”, ficando em 5º lugar. Em 1993, em protesto pela falta de apoio do poder público, as escolas decidem não realizar o desfile. O impasse acarretou numa paralisação de 5 anos nos desfiles das escolas de samba capixabas.[4]

O desfile retornou em 1998, de forma não competitiva, na Av. Jerônimo Monteiro, Centro de Vitória, mas poucas escolas retornam. O desfile volta ao Sambão do Povo em 2002 com 12 escolas.[6] Somente em 2017, 25 anos depois de seu último desfile, a Mocidade da Praia se movimenta para retornar aos desfiles. Junto com outras 4 agremiações, funda a Fecapes,[7] Federação Capixaba das Escolas de Samba, que pretendia organizar em 2018 um desfile alternativo à Lieses, atual liga que comanda o desfile de Vitória. Porém, ficou decidido que as escolas Fecapes formariam o Grupo B, uma espécie terceira divisão. [7][8][9][10][11][12]

Os preparativos para o retorno, que se daria no carnaval 2018, começaram a todo vapor em meados de 2017, porém diversos contratempos refente a quem comandaria o carnaval, brigas judiciais, foram atrapalhando o andamento de todos escolas, inclusive a MOCIDADE DA PRAIA. Onde datas e horários, antes programados, foram alteradas e a agremiação teve que desfilar em uma data alternativa (após o desfile do Grupo Especial – Sábado) , e por volta das 9hs da manhã, o que acarretou em um prejuízo técnico gigantesco.A Mocidade da Praia, desfilou utilizando uma releitura do enredo "Deu bola na rede, Deu samba no pé!", que rendeu para a escola o 4º lugar. Desfilou com aproximadamente 800 componentes e dois carros alegóricos. A campeã foi a Império de Fátima, que subiu para o Grupo A. [12][13]

Em 2019, a Lieses assume a organização do desfile da escolas de samba da Fecapes, agora oficialmente chamado de Grupo B. A Mocidade da Praia faz um grande desfile e é campeã deste grupo, ganhando o direito de ascender ao Grupo A para 2020. O enredo da escola foi “Reza a lenda, surge a noite. Tem sonhos e delírios no ar!”, desenvolvido pelo experiente carnavalesco Carlito Carlos, ex-Novo Império.[14]

PresidentesEditar

Nome Mandato Ref.
Luciano de Paula ?-atual [15]
Vice - Presidente Vivente de Paula Santos (Tim Santos)

DiretoresEditar

Ano Diretor de Carnaval Diretor de harmonia Mestre de bateria Ref.
2018 [15]
2019 Dimmy de Oliveira Ubiratan Sodré (Atinha) Leandro

CoreógrafoEditar

Período Nome Ref.
2018- Bianca Emy [15]
2019 Elídio Rosa [14]

Casal de Mestre-sala e Porta-bandeiraEditar

Período Nome Ref.
2018 Marcos e Fernanda [15]
2019 Marcos e Fernanda [14]

Corte de bateriaEditar

Período Rainha Ref.
2018- Luísa Furacão [15]
2019 Adriana Bispo (Binha)

CarnavaisEditar

Mocidade da Praia
Ano Colocação Grupo Enredo Carnavalesco Intérprete Ref.
1981 Campeã Especial O mar, suas belezas e magias [16][17]
1984 Campeã Especial Cacau, manjar dos deuses. De Montezuma a Nice [16][17]
1985 4º lugar Especial Deu bola na rede, Deu samba no pé! Xavier [15]
1988 Campeã Acesso E agora, José? Zalém
1989 8º lugar Especial Tudo em cima, mistura da raça” Zalém
1990 8º lugar Especial Mulembá Lauro
1991 10º lugar Especial Meu grande Cachoeiro – coisas da terra Nininho Alegria e Nêgo
1992 5º lugar Acesso Festa profana
2018 4º lugar Acesso B Deu bola na rede, Deu samba no pé!
(Reedição de 1985)
Comissão de Carnaval Fernando Brito [15]
2019 Campeã Acesso B Reza a lenda, surge a noite. Tem sonhos e delírios no ar! Carlito Carlos Tim/Lolo [14]
2020 Um mundo azul tão distorcido no espelho meu, vou caminhando junto aos meus. Carlito Carlos

Referências

  1. «Mestre Flores» 
  2. «RETRATANDO O PASSADO :: ilhadosamba.com». portalilhadosamba.webnode.com.br. Consultado em 27 de fevereiro de 2017 
  3. «MESTRE FLORES E A SUA SABEDORIA – Carteiro Poeta». carteiropoeta.com.br. Consultado em 27 de fevereiro de 2017 
  4. a b c d e f Monteiro, Lucas (2010). Carnaval Capixaba: histórias, honras e glórias. [S.l.: s.n.] 
  5. «dicionariompb.com.br/raul-sampaio/dados-artisticos». Dicionário Cravo Albin da Música Popular Brasileira. Consultado em 7 de março de 2017 
  6. «História do Carnaval Capixaba» 
  7. a b «Escolas de sambas históricas se organizam para desfilar no Carnaval Capixaba em 2018». Folha Vitória. 16 de fevereiro de 2017 
  8. «ESHOJE». eshoje.sites.fiveedit.com.br. Consultado em 5 de maio de 2017 [ligação inativa]
  9. «Nova Liga do carnaval Capixaba coloca escola rebaixada no Grupo Especial - Carnavalesco». Carnavalesco. 17 de maio de 2017 
  10. Moura, Tatiana (25 de maio de 2017). «Escola de samba da Praia do Canto quer desfilar no Sambão». Gazeta Online 
  11. «Conheça as 'novas' escolas do Carnaval de Vitória 2018». SRzd. 30 de janeiro de 2018. Consultado em 5 de março de 2019 
  12. a b «Mocidade da Praia e Independente de Eucalipto fecham os desfiles». vitoria.es.gov.br. Consultado em 5 de março de 2019 
  13. «Carnaval de Vitória: Império de Fátima sobe para o Grupo de Acesso». SRzd. 7 de fevereiro de 2018. Consultado em 5 de março de 2019 
  14. a b c d «Mocidade da Praia é campeã do Grupo B e disputará o Acesso em 2020 - Carnaval Folha Vitória». Carnaval 2019 - Folha Vitória. Consultado em 5 de março de 2019 
  15. a b c d e f g Folha Vitória (30 de janeiro de 2018). «Carnaval Capixaba terá a "estreia" de quatro escolas de samba. Confira como serão os desfiles!». 19h22 
  16. a b «Galeria de Campeãs - Vitória». Brasil Carnaval. Consultado em 13 de março de 2014. Arquivado do original em 24 de janeiro de 2009 
  17. a b «Lista das campeãs de Vitória». LIESES. Consultado em 13 de março de 2014. Arquivado do original em 12 de fevereiro de 2010