Piet Mondrian

(Redirecionado de Mondrian)
 Nota: ""Mondrian"" redireciona para este artigo. Para a linguagem de programação, veja Mondrian (informática).

Pieter Cornelis Mondrian, geralmente conhecido por Piet Mondrian (Amersfoort, 7 de março de 1872 - Nova Iorque, 1 de fevereiro de 1944), foi um pintor neerlandês modernista. Criou o movimento artístico neoplasticismo e colaborou com a revista De Stijl e depois com as formas da pintura concreta.

Piet Mondrian
Piet Mondrian
Piet Mondrian, 1924
Nome completo Pieter Cornelis Mondrian
Nascimento 7 de março de 1872
Amersfoort
Morte 1 de fevereiro de 1944 (71 anos)
Nova Iorque
Nacionalidade Países Baixos
Alma mater Academia Real de Arte
Ocupação Pintor
Magnum opus Victory Boogie-Woogie, Broadway Boogie-Woogie, Composição II em Vermelho, Azul e Amarelo
Movimento estético Neoplasticismo, Cubismo e Abstracionismo

Carreira

editar

É considerado um dos maiores artistas do século 20. Ele é conhecido por ser um dos pioneiros da arte abstrata do século 20, pois mudou sua direção artística da pintura figurativa para um estilo cada vez mais abstrato, até chegar a um ponto em que seu vocabulário artístico foi reduzido a simples elementos geométricos.[1][2][3][4][5]

A arte de Mondrian era altamente utópica e preocupava-se com a busca de valores universais e estéticos. Ele proclamou em 1914: "A arte é superior à realidade e não tem relação direta com a realidade. Para abordar o espiritual na arte, far-se-á o menor uso possível da realidade, pois a realidade se opõe à espiritual. Encontramo-nos na presença de uma arte abstrata. A arte deveria estar acima da realidade, caso contrário não teria valor para o homem".[1][2][3][4][5]

 
Gray Tree, 1911, Kunstmuseum Den Haag, uma experimentação inicial com o cubismo[6]

Foi colaborador do movimento e grupo artístico De Stijl, que co-fundou com Theo van Doesburg. Ele desenvolveu uma forma não-representacional que ele chamou de Neoplasticismo. Essa era a nova "arte plástica pura" que ele acreditava ser necessária para criar a "beleza universal". Para expressar isso, Mondrian finalmente decidiu limitar seu vocabulário formal às três cores primárias (vermelho, azul e amarelo), aos três valores primários (preto, branco e cinza) e às duas direções primárias (horizontal e vertical). A chegada de Mondrian a Paris, vindo da Holanda em 1911, marcou o início de um período de profundas mudanças. Encontrou experiências no cubismo e, com a intenção de integrar-se na vanguarda parisiense, retirou um "a" da grafia holandesa de seu nome (mondriaano).[1][2][3][4][5]

O trabalho de Mondrian teve uma enorme influência na arte do século 20, influenciando não apenas o curso da pintura abstrata e inúmeros estilos e movimentos artísticos importantes (por exemplo, pintura de campo de cores, expressionismo abstrato e minimalismo), mas também campos fora do domínio da pintura, como design, arquitetura e moda. O historiador do design Stephen Bayley disse: "Mondrian passou a significar Modernismo. Seu nome e sua obra resumem o ideal modernista. Não gosto da palavra 'icônico', então digamos que ele se tornou totêmico – um totem para tudo o que o modernismo se propôs a ser".[1][2][3][4][5]

 
Composição nº 10 (1939-1942), óleo sobre tela, coleção particular. O artista Theo van Doesburg sugeriu uma ligação entre obras de arte não representacionais e ideais de paz e espiritualidade[7]
 
New York City (1942), Paris, Centre Pompidou

Algumas das seguintes obras referem-se a nomes genéricos repetidos exaustivamente por Mondrian.

 
Vestidos Mondrian de Yves Saint Laurent mostrados com uma pintura de Mondrian em 1966

Ver também

editar

Referências

  1. a b c d Gardner, Helen; Kleiner, Fred S.; Mamiya, Christin J. (2006). Gardner's Art Through the Ages: The Western Perspective (em inglês). [S.l.]: Wadsworth/Thomson Learning 
  2. a b c d Bois, Yve-Alain (4 de maio de 1993). Painting as Model (em inglês). [S.l.]: MIT Press 
  3. a b c d Faerna, José María (ed.) (1997). Mondrian Great Modern Masters. New York: Cameo/Abrams. ISBN 0-8109-4687-4
  4. a b c d anssen, Hans (2008). Mondriaan in het Gemeentemuseum Den Haag. [The Hague]: Gemeentemuseum Den Haag. ISBN 978-90-400-8443-0
  5. a b c d Welsh, Robert P., Joop J. Joosten, and Henk Scheepmaker (1998). Piet Mondrian: Catalogue Raisonné, translated by Jacques Bosser. Blaricum: V+K Publishing/Inmerc.
  6. SHAPIRO, Meyer; Mondrian - a dimensão humana da pintura abstrata; São Paulo: Cosac e Naify, 2001; ISBN 857503077
  7. Lodder, Kokkori & Mileeva 2013, p. 57.

Ligações externas

editar
 
Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Piet Mondrian