Abrir menu principal

As Montanhas Wudang (em chinês tradicional, 武當山; em chinês simplificado, 武当山; em pinyin, Wǔdāng Shān), conhecidas também como "Wu Tang Shan" ou simplesmente Wudang, ficam a Sudeste da cidade de Shiyan, na província de Hubei, na República Popular da China.

Pix.gif Conjunto das Edificações Antigas nas Montanhas de Wudang *
Welterbe.svg
Património Mundial da UNESCO

Wudangshan pic 7.jpg
Templo Nanyan nas costas das Montanhas de Wudang
País China
Critérios (i), (ii), (iv)
Referência 705 en fr es
Coordenadas 32° 24′ 03″ N, 111° 00′ 14″ L
Histórico de inscrição
Inscrição 1994  (? sessão)
* Nome como inscrito na lista do Património Mundial.

Vêm atraindo um número crescente de turistas não apenas por ser um lugar sagrado do taoismo ou para as artes relacionadas a esta religião/filosofia, mas também por causa das suas seculares edificações.

HistóriaEditar

O primeiro lugar de adoração na região, o templo dos Cinco Dragões, foi construído a mando do imperador Taizong de Tang.[1] Mais estruturas foram construídas ao longo das dinastias Song e Yuan. O maior complexo da montanha foi construído durante a dinastia Ming (século XIV-século XVII), uma vez que o imperador Yongle alegava ter a proteção do deus Pak Tai (ou Xuanwu). Este imperador enviou mais de 300 000 soldados e artistas para a montanha, os quais construíram, ao longo de uma década, 33 edifícios inspirados nas histórias do Grande Imperador Guerreiro Perfeito, 39 pontes e 12 pagodes. Os edifícios estendem-se ininterruptamente por 70 quilômetros, desde o sopé até ao cume da montanha.

Os templos tinham de ser constantemente reconstruídos, e nem todos sobreviveram até os dias de hoje. As estruturas mais antigas que se conservam até hoje são o Pavilhão Dourado e o Antigo Santuário de Bronze, construídos em 1307. Outras estruturas notáveis são o palácio Nanyang (construído em 1285–1310 e ampliado em 1312), a Cidade Proibida no pico (construída em 1419) e o Templo da Nuvem Púrpura (construído em 1119–1126, reconstruído em 1413 e ampliado em 1803–1820).

Os templos da Montanha Wudang foram destruídos entre o final da dinastia Yuan (1271–1368) e o começo da dinastia Ming (1368-1644).

Com o passar do tempo, alguns edifícios deterioraram-se. Todavia, 53 deles ainda estão muito bem preservados, ocupando 27,2 mil metros quadrados. Wudang também detém um acervo com 5 000 objetos históricos, dos quais mil estão sob proteção nacional.

A Montanha Wudang, berço do taoismo, foi declarada Património Mundial em 1994 pela UNESCO em função de seu grande número de palácios e templos. Eles são os símbolos dos avanços arquitectónicos e artísticos das dinastias Yuan, Ming e Qing, assim como do apogeu da arte da China.

Em 19 de janeiro de 2003, o palácio Yuzhengong, com seiscentos anos de idade, foi incendiado acidentalmente por um funcionário de uma academia de artes marciais.[2]

Ver tambémEditar

Referências

  1. Unesco. Disponível em http://whc.unesco.org/en/list/705. Acesso em 28 de março de 2019.
  2. China Daily. Disponível em http://www.chinadaily.com.cn/china/2006-12/22/content_765749.htm. Acesso em 28 de março de 2019.