Abrir menu principal
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Adoração (desambiguação).
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde dezembro de 2009). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
"Adoração dos Magos", pintura de 1828 de Domingos Sequeira.

Adoração (do termo latino adoratione) é o ato de amar de modo intenso, podendo ter ou não conotação religiosa. Está relacionado a respeito, reverência, forte admiração ou devoção em relação a determinada pessoa, lugar ou coisa.[1][2]. Na arte, o termo costuma se referir a uma pintura que represente a adoração dos Reis Magos ao menino Jesus.[3]

Índice

Sentido religiosoEditar

A adoração constitui o reconhecimento humilde e incondicional da absoluta sublimidade de Deus sobre todas as criaturas.

Roma AntigaEditar

Na Roma antiga, a adoração foi principalmente um ato de homenagem ou de culto. Às vezes, beijavam-se os pés ou joelhos das imagens dos próprios deuses. Por uma transição natural da homenagem, a princípio destinada a seres divinos, ela passou a ser dedicada aos monarcas. Assim, adoravam-se os monarcas gregos e romanos curvando-se ou ajoelhando-se diante dos mesmos.[4]

Judaísmo e o Antigo TestamentoEditar

Os judeus praticavam a adoração. O culto de adoração pelos judeus se dirigia a Javé, o Deus de Israel, o Deus Eterno, cujo nome significa "Eu Sou Aquele que Sou". No entanto, em regiões circunvizinhas, na mesma época em que povo judeu habitava Israel e adorava o Deus Eterno, existiam também diversos povos tidos como pagãos, aqueles que não adoravam o Deus de Israel, e que depositavam sua crença em diversos deuses, geralmente na forma de imagem de escultura. Para o povo judeu, esses deuses eram cultuados em substituição ao Deus Eterno, por isso o povo de Israel buscava se distanciar do povo pagão, obtendo, assim, costumes e hábitos diferentes, pois, sendo diferentes, haveria um risco menor de se juntarem e partilharem da mesma cultura. Entre o povo pagão, era costume o se ajoelhar e o beijar em conjunto com a adoração aos deuses em que eles acreditavam, embora a adoração por si só já represente o culto aos deuses, e os gestos, por sua vez, representem uma ritualística exterior (que não era a adoração, de fato, mas, um complemento, uma vez que era utilizada em conjunto).

No Antigo Testamento, os deuses pagãos eram representados por ídolos (feitos, geralmente, de esculturas). No entanto, é importante salientar que todo ídolo é imagem de escultura, mas nem toda imagem de escultura é ídolo. A exemplo disso, temos o próprio Deus do Antigo Testamento, que pediu para que se fizessem anjos querubins para serem colocados nas duas extremidades da tampa da Arca da Aliança, bem como uma Serpente de Bronze, ambos imagens de esculturas e que, no entanto, não eram ídolos. Já figuras como Baal e Dagom eram ídolos, uma vez que eram imagens cultuadas (pelos pagãos) em substituição ao Deus de Israel, sendo, portanto, falsos deuses segundo os judeus.

Adoração na Igreja CatólicaEditar

 Ver artigo principal: Latria

A adoração na Igreja Católica tem diversas formas. Uma delas é a adoração simples do próprio Deus. A adoração também assume a forma de adoração eucarística. A crença católica na transubstanciação é que o pão e o vinho se tornam o corpo e o sangue de Jesus Cristo. É uma maneira pela qual os católicos adoram Jesus Cristo, em memória do que Ele deu. Um outro nome para a adoração é latria.

Adorar a Deus é reconhecer, com respeito e submissão absoluta, o 'nada da criatura', que só por Deus existe. Adorar a Deus é, como Maria no 'Magnificat', louvá-Lo, exaltá-Lo e humilhar-se, confessando com gratidão que Ele fez grandes coisas e que o seu Nome é santo. A adoração do Deus único liberta o homem de se fechar sobre si próprio, da escravidão do pecado e da idolatria do mundo.[5]


Notas

  1. «lexico». www.lexico.pt 
  2. FERREIRA, A. B. H. Novo dicionário da língua portuguesa. 2ª edição. Rio de Janeiro. Nova Fronteira. 1986. p. 49.
  3. FERREIRA, A. B. H. Novo dicionário da língua portuguesa. 2ª edição. Rio de Janeiro. Nova Fronteira. 1986. p. 49.
  4. Este artigo incorpora texto da Encyclopædia Britannica (11ª edição), publicação em domínio público.
  5. Terceira parte. Disponível em http://www.vatican.va/archive/cathechism_po/index_new/p3s2cap1_2083-2195_po.html. Acesso em 1 de maio de 2018.

Ver tambémEditar