Mosassauro

(Redirecionado de Mosasauridae)
Como ler uma infocaixa de taxonomiaMosassauro
Ocorrência: Cretáceo superior
Platecarpo
Platecarpo
Estado de conservação
Pré-histórica
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Reptilia
Ordem: Squamata
Família: Mosasauridae
Alguns gêneros
Halisaurus

Clidastes
Mosasaurus
Prognathodon
Platecarpus
Plioplatecarpus
Hainosaurus
Tylosaurus
Goronyosaurus

Os mosassauros foram os répteis pré-históricos da família Mosassauridae que eram os principais predadores dos oceanos do final do Cretáceo. O grupo não está relacionado proximamente, com os dinossauros, com os plesiossauros ou com os ictiossauros (répteis marinhos), pertencendo antes à ordem dos escamados que inclui atualmente as cobras e os lagartos. Os mosassauros surgiram no Cretáceo inferior, evoluindo a partir de animais terrestres e foram extintos durante o evento de extinção em massa ocorrido no final do Cretáceo (limite K/T). O nome do grupo refere-se ao primeiro fóssil, que foi descoberto em 1764, numa pedreira holandesa, no vale do rio Mosa.

CaracterísticasEditar

Os mosassauros tinham um corpo fusiforme, dotado de dois pares de nadadeiras laterais, perfeitamente adaptado a vida em mares pouco profundos. Eram carnívoros, sendo que o menor exemplar conhecido media cerca de 3,5 metros de comprimento e o maior 17 metros, Mosasaurus hoffmannii. Chegaram a pesar até 6 toneladas.

DescobertaEditar

 
Crânio de mosassauro.
 
Reconstrução de um esqueleto completo de um mosassauro. Os maiores destes animais mediam 10–15 m de comprimento.

Em 1764 foi descoberto um crânio fossilizado, o qual foi coletado em 1766 e adquirido em 1784, para o Museu Teylers de Haarlem na Holanda. Em 1794, durante as guerras napoleônicas, o fóssil foi enviado para Paris, como espólio de guerra, e foi primeiramente estudado por Faujas de Saint-Dumond que o classificou como sendo um cetáceo e por Adriaan Gilles Camper, como sendo um crocodilo. Em 1808, Georges Cuvier corrige seus colegas e identifica o fóssil como sendo pertencente a um réptil aquático, que mais tarde receberia o nome de mosassauro, que significa lagarto do rio Mosa.[1][2]

 
Crânio de um Mosasaurus hoffmannii, descoberto entre 1770 e 1774.

Mosassauros em países lusófonosEditar

Em Portugal apenas se conhecem dois dentes de mosassauro Mosasaurus. Em Angola, conhecem-se os Tylosaurus iembiensis, Angolasaurus bocagei, Prognathodon kianda, Globidens phosphaticus entre outros.[3] No Brasil ocorre Platecarpus.[4]

Referências

  1. Faria, Felipe (2006). «O paradigma de Cuvier» (PDF). AFHiC-Filosofia e Ciência no Conesul-5 Encontro. Consultado em 3 de outubro de 2017 
  2. Felipe, Faria (2012). Georges Cuvier: do estudo dos fósseis à paleontologia. [S.l.: s.n.] ISBN 9788561260064 
  3. Mateus, O., M. J. Polcyn, L. L. Jacobs, R. Araújo, A. S. Schulp, J. Marinheiro, B. Pereira, and D. Vineyard. "Cretaceous amniotes from Angola: dinosaurs, pterosaurs, mosasaurs, plesiosaurs, and turtles." V Jornadas Internacionales sobre Paleontología de Dinosaurios y su Entorno (2012).
  4. BENGTSON, P., & LINDGREN, J. (2005). First record of the mosasaur Platecarpus Cope, 1869 from South America and its systematic implications.Rev Bras Paleont, 8, 5-12.