Abrir menu principal

Mounseer Nongtongpaw

Página de título da edição de 1808 de Mounseer Nongtongpaw

Mounseer Nongtongpaw é um poema publicado em 1808 e supostamente escrito pela autora romântica Mary Shelley quando criança. Acredita-se agora que o autor seja o dramaturgo John Taylor. O poema é uma expansão da música homônima de Charles Dibdin, que foi publicada na Juvenile Library de William Godwin. Uma série de versos cômicos sobre estereótipos franceses e ingleses, Mounseer Nongtongpaw critica John Bull por sua incapacidade de compreender a língua francesa. Foi ilustrado pelo amigo de Godwin, William Mulready.

Detalhes da publicaçãoEditar

 
Frontispício da edição de 1808 do Mounseer Nongtongpaw

Mounseer Nongtongpaw foi originalmente publicado em 1808 pela editora de William Godwin, a M. J. Godwin, como parte de sua série Juvenile Library.[1] Edições em inglês foram lançadas em 1811, 1812, 1823 e 1830; e edições da Filadélfia tiveram sua publicação estimada em 1814 e por volta de 1824.[2] A edição original foi ilustrada por um discípulo de Godwin, William Mulready.[3] A biógrafa de Shelley, Emily Sunstein, especula que alguns dos versos podem ter sido escritos para coincidir com as ilustrações que já haviam sido concebidas.[4] As gravuras em placa de cobre foram reproduzidas em Nursery Companion de Peter e Iona Opie.

Estrutura e enredoEditar

Mounseer Nongtongpaw é baseado em uma canção popular homônima de 1796, pertencente a Charles Dibdin.[5] A canção original do Dibdin zomba dos esteriótipos em inglês e francês em cinco das oito linhas de estrofes, particularmente a recusa de "John Bull"s" em aprender francês. John Bull faz várias perguntas a que ele recebe sempre a mesma resposta: "Monsieur, je vous n entends pas" ("Monsieur, eu não entendo você"), que ele interpreta erradamente como "Mounseer Nongtongpaw". Ele começa a acreditar que o Palais Royal, de Versalhes, e uma bela mulher (os pontos turísticos que ele vê enquanto estava em turnê na França) são o misterioso personagem, Nongtongpaw. Quando ele vai para um funeral e recebe a mesma resposta, ele conclui que toda a riqueza dos Nongtongpaw não pôde salvá-lo da morte.[1] Mounseer Nongtongpaw expande os versos cômicos de Dibdin, com a adição de mais eventos para a narrativa em quatro estrofes de linhas mais curtas, tais como inquéritos sobre uma festa na taberna, um rebanho, um treinador e um balão de ar quente:[6]

AtribuiçãoEditar

Mounseer Nongtongpaw foi atribuído a Mary Godwin (mais tarde, Mary Shelley) com dez anos, em A Nursery Companion (1980), por Peter e Iona Opie. Don Locke apoiou esta opinião em sua biografia de William Godwin, pai de Mary, do mesmo ano.[7] A atribuição repousava sobre um anúncio de 1960 por um revendedor de livros, impressos a partir de uma carta de 2 de janeiro de 1808 do William Godwin, para um desconhecido correspondente:[8]

Por isso, coloque dois rabiscos com o qual eu não quero perturbar você .... É uma pequena escrita e é a produção da minha filha em seu décimo primeiro ano, estritamente modelado, tanto quanto seu talento infantil permitiria, na canção do Dibdin .... todo o objetivo mantêm a piada de Nong Tong Paw sendo constantemente tido como o maior homem na França.

"Canção de Dibdin" refere-se à canção popular por Charles Dibdin em que o poema é baseado.[5] Os Opies escreveram que "a presunção é que os versos impressos por Godwin foram estes, e devem ser da sua filha".[9] Em uma introdução para Frankenstein de 1831, Mary Shelley descreveu sua infância na escrita como "perto de uma imitadora, fazendo o que outros já tinham feito, do que seguir as sugestões da minha própria mente".[10]

No entanto, após a redescoberta da carta inteira, dúvidas surgiram a respeito desta atribuição:

Caro Senhor,

No meio da nossa conversa de ontem, e apesar de curta mais agradável, você expressou o desejo de receber um esboço em prosa de uma coisa que nós desejamos. Estou certo de que sua bondade, torna-se um dever, e compete-me em troca dar-lhe todas as facilidades em meu poder. Eu, portanto, incutir dois rabiscos com o que eu não queria ter incomodado você. É uma pequena escrita e é a produção de minha filha em seu décimo primeiro ano, e é estritamente modelado, como o ar do  [sic] tanto quanto seu talento infantil permitiria na canção de Dibdin. Este pode responder o propósito do esboço de uma prosa. O outro é escrito por um jovem de vinte. É bastante inteligível; mas as duas primeiras duas estrofes podem dar-lhe uma dica, respeitando-se os dois primeiros projetos.

O que você deve nos favorecer é com o seu mais requintando, vou ficar bem satisfeito de encontrar. Todo objetivo é manter a piada de Nong Tong Paw sendo constantemente tido como o maior homem na França.

Acredite em mim, com mil graças,

Meu caro senhor,

Muito atenciosamente
W Godwin

2 de janeiro de 1808.

Podemos enviar para você às dez ou onze da manhã de amanhã?
Se você tiver alguma coisa a comunicar-me deve se dirigir a Mr. Hooley, 41, Skinner Rua, Snow Hill, ele irá me avisar com segurança.[11]

A carta completa afirma que a "pequena" escrita era o pedaço de uma prosa, embora Sunstein, o ex-proprietário da carta (que agora pertence a Coleção Carl H. Pforzheimer de Shelley e Seu Círculo), argumenta que o texto está aberto à interpretação.[12] Ela afirma que "ler na íntegra, [a carta] indica que Mary Godwin escreveu o texto inicial para Nongtongpaw, mas não a versão final".[13] Ela argumenta "que a revisão de Mary Godwin foi útil para o esboço de uma prosa, não significa, necessariamente, que ela escreveu em prosa".[14]

De acordo com Jeanne Moskal, uma dos editores da edição definitiva mais recente das obras de Mary Shelley, "pode ser deduzida a partir da carta, e corroborado por outras provas circunstanciais descoberta por Sunstein, que o correspondente havia sido convidado para escrever uma nova versão da música de Dibdin e que o correspondente e o compositor do texto de 1808 foram portanto, o mesmo."[15] Este homem foi, provavelmente, John Taylor, a quem Sunstein descreve como "um veterano do teatro e escritor diverso, mais conhecido por sua narrativa como o poema Mounsier Tonson (1796), que é um poema cômico semelhante ao Mounseer Nongtongpaw".[4] Assim, nesta coleção das obras de Mary Shelley, o poema não é atribuído a ela.

RelevânciaEditar

Mounseer Nongtongpaw representa o início da carreira colaborativa de Mary Shelley, embora não seja mais possível reconstruir a sua real contribuição. Seu esboço foi dado ao autor do trabalho publicado como uma forma de inspirar-lhe. O que precisamente ele retirou do seu texto, é no entanto, desconhecido.[16]

ReferênciasEditar

  1. a b Sunstein, 20.
  2. Moskal, 399, nota 1.
  3. Moskal, 399, nota 1; Sunstein, 19; Opie, 128.
  4. a b Sunstein, 21.
  5. a b Moskal, 397; Sunstein, 20.
  6. Sunstein, 20, 22.
  7. Opie, Pp. 127-28; Locke, 215.
  8. Moskal, 397; Sunstein, 19.
  9. Opie, 128.
  10. Qtd. em Moskal, 397.
  11. Qtd. em Sunstein, 19-20.
  12. Moskal, 397 e 399, nota 6.
  13. Sunstein, 19.
  14. Sunstein, 20-21.
  15. Moskal, 397-98.
  16. Moskal, 398; Sunstein, 22.

BibliografiaEditar