Nadir Fernandes

ator brasileiro

Nadir Fernandes[nota 1] (São Paulo, 27 de fevereiro de 1937 - São Paulo, 7 de novembro de 2016) foi uma vedete e atriz brasileira de teatro, cinema e televisão. Atuou em diversos filmes e novelas durante as décadas de 1960 e 1970, embora sua carreira artística tenha começado no final dos anos 1950, considerada uma das grandes representantes da Boca do Lixo.[1]

Nadir Fernandes
Nadir, nos anos 1970
Nome completo Nadyr Fernandes
Nascimento 27 de fevereiro de 1938
São Paulo
Nacionalidade brasileira
Morte 7 de novembro de 2016 (79 anos)
São Paulo
Ocupação modelo, atriz
Atividade 1957-1978
Cônjuge Francisco Luccas (1978-2016)
Indicações
Menção honrosa no Festival de Cabo Frio (1967)

CarreiraEditar

Aos quinze anos de idade já participava de desfiles de moda na cidade natal.[2]

Em 1957 Nadyr figurou na capa da revista carioca O Mundo Ilustrado, que apresentou-a como tendo vencido três concursos de beleza na capital paulista e era a "rainha do esporte bandeirante", além de figurar matéria deste periódico da época.[3] Foi capa de várias outras revistas, como na edição de 13 de janeiro de 1971 de O Cruzeiro.[4]

Seu trabalho no cinema começou em 1957 mas foi com sua atuação de dez anos depois em "O Anjo Assassino" de Dionísio Azevedo que recebeu menção honrosa, junto a Flora Geny, no Festival de Cabo Frio.[1]

Na televisão a atriz fez sua primeira participação na telenovela da Record, "As Pupilas do Senhor Reitor" de 1970, onde interpretou Carolina; três anos depois, pela Tupi, fez Ziza em “Rosa dos Ventos”; finalmente interpretou Nadir, no drama de Janete Clair, Pecado Capital da Globo.[1]

Em 1978 ela encerrou a carreira para se casar.[5] Seu marido era o dono de cinema Francisco José Luccas Netto que, em 1972, fundara com o irmão a FJ Lucas, empresa de exibição e distribuição de filmes.[6]

Faleceu em São Paulo, onde morava, no dia 7 de novembro de 2016, de causas não reveladas, sendo o seu corpo cremado no dia seguinte.[7]

FilmografiaEditar

A atriz teve diversas participações em filmes e telenovelas brasileiras.[1]

CinemaEditar

TelenovelasEditar

Notas e referênciasEditar

Notas

  1. Na grafia original, como consta das fontes mais antigas, seu nome grafava-se Nadyr.

Referências

  1. a b c d Adilson Marcelino (20 de março de 2012). «Inventário das grandes musas da Boca: Nadyr Fernandes». Revista Zingu, nº 53. Consultado em 9 de novembro de 2016. Cópia arquivada em 24 de dezembro de 2013 
  2. Institucional (s/d). «Nadyr Fernandes - biografia». Museu da TV. Consultado em 9 de novembro de 2016. Cópia arquivada em 9 de novembro de 2016 
  3. Institucional (18 de setembro de 1957). «A Moça da Capa». Rio de Janeiro: O Mundo Gráfica e Editora. O Mundo Ilustrado. Ano V (nº 38): pág. 3, 17 
  4. s/a (13 de janeiro de 1971). «Capa da revista». Rio de Janeiro: Editora O Cruzeiro. O Cruzeiro: capa 
  5. Redação (após Ancelmo Góis) (9 de novembro de 2016). «Rainha da pornochanchada morre aos 78 anos em SP». Notícias ao minuto. Consultado em 9 de novembro de 2016. Cópia arquivada em 9 de novembro de 2016 
  6. s/a (26 de setembro de 2012). «O Último Senhor dos Cinemas». São Paulo: Editora Confiança. Carta Capital. Ano XVII (nº 716): pág. 66 
  7. Redação Uol (9 de novembro de 2016). «Musa da pornochanchada, atriz Nadir Fernandes morre aos 78 anos». Uol Entretenimento Cinema. Consultado em 9 de novembro de 2016. Cópia arquivada em 9 de novembro de 2016 

Ligações externasEditar