Octávio Elísio

político brasileiro
Octávio Elísio
Nascimento 27 de janeiro de 1940 (80 anos)
Belo Horizonte
Cidadania Brasil
Ocupação político

Octávio Elísio (Belo Horizonte, 27 de janeiro de 1940) é um engenheiro, professor e político brasileiro. Exerceu o mandato de deputado federal constituinte em 1988 e deputado federal em 1997-1998.[1]

BiografiaEditar

Octávio Elísio, filho de Reinaldo Otávio Alves de Brito e de Elisa Machado Alves de Brito, formou-se no curso técnico de metalurgia da Escola Técnica de Mineração e Metalurgia de Ouro Preto (MG) em 1957, começando a faculdade de engenharia de minas e metalurgia da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP) no ano seguinte.[2]

Técnico em Metalurgia pela Escola Técnica de Mineração e Metalurgia de Ouro preto em 1957, Octávio também formou-se em 1962 no curso de Engenharia de Minas e Metalurgia, pela UFOP, Ouro Preto, MG.[1]

Entre 1963 e 1965, trabalhou como engenheiro e superintendente da Companhia de Ferro de Belo Horizonte. Ainda em 1965 se tornou diretor da Companhia Brasileira de Geologia.[1]

Além disso, fez especialização em Engenharia Econômica na Universidade Católica, MG, em 1969; Análise e Administração de Projetos, Marketing e Análise de Risco, Arthur D. Little, Cambridge, Massachusetts, Estados Unidos, 1971-1972; Análise e Avaliação de Projetos Industriais no Banco Mundial, Washington, EUA, com visitas a indústrias no Japão, 1972. No exterior trabalhou no (BIRD).[2][1]

Em 1975, Elísio entrou no curso Internacional de Economia Mineral da Universidade do Colorado. Em 1977 cursou Economia Mineral na Escola de Minas, Paris, França. No mesmo ano começou a lecionar como professor de Economia e Legislação Mineral da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).[2] Posteriormente, tornou-se professor de Tratamento de Minério na Escola de Minas de Ouro Preto e Presidente Interino da Fundação CETEC.[1]

Desde março de 2017, Octávio Elísio também é presidente da empresa Água Vida Consultoria, fundada em 2009, que trabalha com a gestão e sustentabilidade de empreendimentos do setor público.[3]

O ex-deputado foi casado com Vera Lúcia Ferreira Brito com quem teve 3 filhos. A esposa de Octávio veio a falecer em 1 de março de 2018, vítima de Câncer.[2][4]

Trajetória PolíticaEditar

Octávio Elísio iniciou sua carreira política atuando como secretário-adjunto de Ciência e Tecnologia do Estado de Minas Gerais entre os anos de 1977 e 1979. Em 1983, Octávio assume como secretário da educação de Minas Gerais, durante o governo de Tancredo Neves e Hélio Garcia, deixando o posto em 1986.[2][1]

No final de 1986, Octávio se candidata pelo PMDB a uma cadeira na Assembleia Constituinte.[2] Eleito, participa durante seu mandato da Comissão de Sistematização, Subcomissão da Educação, Cultura e Esportes, da Comissão da Família, da Educação, Cultura e Esportes, da Ciência e Tecnologia e da Comunicação.[1]

Em 1989 se filiou ao PSDB e em 1991 voltou ao governo do estado de Minas Gerais como secretário de Ciência e Tecnologia e Meio Ambiente.[2] Octávio candidatou-se a Câmara dos Deputados novamente em 1994, ganhando uma suplência assumindo em 1997, e deixando o cargo no ano seguinte.[1]

Em 2004 passou a presidir o Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais.[1]

Posicionamentos na Assembleia ConstituinteEditar

Pauta Votação
Limitação do direito de propriedade privada[2]
Sim
Mandado de segurança coletivo[2]
Sim
Jornada semanal de 40 horas[2]
Sim
Turno ininterrupto de seis horas[2]
Sim
Soberania popular[2]
Sim
Voto aos 16 anos[2]
Sim
Nacionalização do subsolo[2]
Sim
Limite de 12% para os juros reais[2]
Sim
Aviso prévio proporcional[2]
Sim
Limitação dos encargos para a dívida externa[2]
Sim
Criação de um fundo de apoio à reforma agrária e à desapropriação da propriedade produtiva[2]
Sim
Pena de morte[2]
Não
Presidencialismo[2]
Não
Estatização do sistema financeiro[2]
Sim
Anistia aos micro e pequenos empresários[2]
Sim
Legalização do jogo do bicho[2]
Não
Mandato de cinco anos para o presidente José Sarney[2]
Não

Referências

BibliografiaEditar