Abrir menu principal
Oneyda Alvarenga
Nome completo Oneyda Paoliello de Alvarenga
Nascimento 6 de dezembro de 1911
Varginha,  Minas Gerais
Morte 24 de fevereiro de 1984 (72 anos)
São Paulo,  São Paulo
Nacionalidade brasileiro
Ocupação Jornalista
Poetisa
Ensaísta
Folclorista
Assinatura
Oneyda Alvarenga autógrafo.jpg

Oneyda Paoliello de Alvarenga, mais conhecida por Oneyda Alvarenga (Varginha, 6 de dezembro de 1911São Paulo, 24 de fevereiro de 1984), foi uma jornalista, poetisa, ensaísta e folclorista brasileira.

BiografiaEditar

Era filha de Orpheu Rodrigues de Alvarenga e de Maria Henriqueta Paoliello de Alvarenga. Foi, por sua mãe, sobrinha neta de Cesário Cecílio de Assis Coimbra e prima em 1º grau do, também, poeta, Domingos Paoliello.

Especializou-se em crítica musical sendo uma grande referência na documentação da origem e do folclore da música Brasileira.

Diplomou-se em Piano pelo Conservatório Dramático e Musical de São Paulo, em 1934, instituição na qual um de seus criadores e catedráticos, o poeta Wenceslau de Queiroz, apos a sua morte, foi sucedido por seu ex-aluno de estética, Mário de Andrade - o grande mentor de Oneyda. É interessante relatar que as famílias Queiroz e Paoliello viriam a entrelaçar-se, em 1944, com o casamento do sobrinho de Wenceslau, Flavio de Queiroz Filho e a prima, em primeiro grau, de Oneyda, Viggianina Paoliello.

Foi aluna e colaboradora próxima de Mário de Andrade em suas investigações sobre a música popular em sua perspectiva antropológica contemporânea.

Oneida tinha enfoque etnográfico com visão romântica da cultura popular e uma perspectiva generosa da sua autenticidade na construção de formas estéticas.

Manoel Bandeira, em 1934, tornou público os versos de Oneyda e em 1938 ela publicou a seleção de poemas, "A Menina Boba".

Frequentou, ainda em 1934, as aulas sobre etnografia e folclore ministradas pelo casal Dinah e Claude Lévi-Strauss, sob os auspícios do Departamento de Cultura de São Paulo.

Em 1935, a convite de Mario de Andrade, tornou-se diretora da Discoteca Pública de São Paulo e foi uma das fundadoras, da hoje extinta Sociedade de Etnografia e Folclore, por ele criada.

Foi membro do Conselho Nacional do Folclore - do Ministério da Educação e Cultura; membro, desde a sua fundação, do Comitê Executivo da Association Internationale de Bibliothèques de Paris, como representante da América Latina e membro correspondente da International Music Council de Londres.

Em 1945 foi laureada com o Prêmio Fabio Prado, pelo seu livro Música Popular Brasileira e recebeu em 1958, a Medalha Sylvio Romero por relevantes serviços prestados ao folclore brasileiro.

Realizou palestras em congressos Internacionais sobre a música brasileira, além de artigos e ensaios publicados na imprensa especializada.

Foi responsável pela organização e publicação dos trabalhos de Mário de Andrade após a sua morte.

A Prefeitura Municipal de São Paulo, homenageando Oneyda, deu o seu nome a uma das ruas da capital paulista e a Discoteca do Centro Cultural São Paulo, a "Discoteca Oneyda Alvarenga".

ObrasEditar

  • Cateretês do sul de Minas Gerais publicado em 1937
  • Comentários e alguns contos e danças do Brasil publicado em 1941
  • A influência negra na música brasileira publicado em 1946
  • Música popular brasileira publicado em 1945
  • Mário de Andrade, um pouco publicado em 1974

Poesias publicadasEditar

  • Menina boba

ReferênciasEditar

  • Dicionário prático ilustrado Lello de 1964 de José Lello e Edgar Lello editado por LELLO & IRMÃOS, pág. 1376.
  • A crítica literária no Brasil Por Wilson Martins Publicado em 1983 pela F. Alves com 1176 páginas citada na página 789.
  • O tempo e o modo de Leonardo Arroyo publicado em 1963 pelo Conselho Estadual de Cultura, Comissão de Literatura com 170 páginas, citada na página 120.
  • História da música brasileira de Renato Almeida publicado em 1942 com 529 páginas citada na página 162.
  • Dicionário de folcloristas brasileiros de Mário Souto Maior publicado em 2000 com 252 páginas citada na página 184.
  • Momentos de Música Brasileira de Léa Vinocur Freitag, edição de 2012, paginas 103 a 112.

Ligações externasEditar