Operação Crusader

Operação Crusader
Campanha do Deserto Ocidental e Frente do Mediterrâneo
9 Div Tobruk(AWM 020779).jpg
Militares britânicos perto de Tobruk.
Data 18 de novembro – 30 de dezembro de 1941
Local Egito e Líbia
Desfecho Vitória dos Aliados
Beligerantes
Reino Unido Império Britânico Flag of Poland.svg Polónia
Flag of the Czech Republic.svg Checoslováquia
Flag of Germany (1935–1945).svg Alemanha Nazista
Flag of Italy (1861-1946) crowned.svg Itália fascista
Comandantes
Reino Unido Claude Auchinleck
Reino Unido Alan Cunningham
Reino Unido Neil Ritchie
Reino Unido Willoughby Norrie
Reino Unido R. Godwin-Austen
Flag of Italy (1861-1946) crowned.svg Ettore Bastico
Alemanha Nazista Erwin Rommel
Alemanha Nazista Ludwig Crüwell
Flag of Italy (1861-1946) crowned.svg Gastone Gambara
Flag of Italy (1861-1946) crowned.svg Enea Navarini
Forças
118 000 homens
738 tanques
724 aeronaves (616 capazes de voar)
119 000 homens
390–414 tanques
536 aeronaves (342 capazes de voar)
Baixas
17 700 mortos, feridos ou desaparecidos 38 300 mortos, feridos, desaparecidos ou capturados

A Operação Cruzader (18 de novembro — 30 de dezembro de 1941) foi uma operação militar da Campanha do Deserto Ocidental durante a Segunda Guerra Mundial pelo Oitavo Exército Britânico (com contingentes britânicos, da Comunidade, indianos e aliados) contra as forças do Eixo (alemãs e italianas) no Norte África comandada pelo Marechal de Campo Erwin Rommel. A operação pretendia contornar as defesas do Eixo na fronteira egípcio-líbia, derrotar as forças blindadas do Eixo e aliviar o cerco de 1941 a Tobruk.[1]

Equipamentos militares alemães destruídos após a batalha no deserto ocidental, em 1941.

Em 18 de novembro de 1941, o Oitavo Exército lançou um ataque surpresa. De 18 a 22 de novembro, a dispersão de unidades blindadas britânicas fez com que sofressem 530 perdas de tanques e infligiu perdas do Eixo de cerca de 100 tanques. Em 23 de novembro, a 5ª Brigada Sul-africana foi destruída em Sidi Rezegh, mas causou muitas baixas de tanques alemães. Em 24 de novembro, Rommel ordenou a "corrida para o fio" e causou o caos na retaguarda britânica, mas permitiu que as forças blindadas britânicas se recuperassem. Em 27 de novembro, os neozelandeses alcançaram a guarnição de Tobruk e aliviaram o cerco.

A batalha continuou em dezembro, quando a escassez de suprimentos forçou Rommel a estreitar sua frente e encurtar suas linhas de comunicação. Em 7 de dezembro de 1941, Rommel retirou as forças do Eixo para a posição Gazala e, em 15 de dezembro, ordenou uma retirada para El Agheila. A 2ª Divisão Sul-africana capturou Bardia em 2 de janeiro de 1942, Sollum em 12 de janeiro e a posição fortificada de Halfaya em 17 de janeiro e fez cerca de 13,8 mil prisioneiros.[2]

Em 21 de janeiro de 1942, Rommel lançou um contra-ataque surpresa e levou o Oitavo Exército de volta a Gazala, onde os dois lados se reagruparam. Isso foi seguido pela Batalha de Gazala no final de maio de 1942.

ReferênciasEditar

  1. Ford, Ken, 1943- (2010). Operation Crusader 1941 : Rommel in retreat. Oxford: Osprey. OCLC 436030171 
  2. Playfair, Ian Stanley Ord.; Jackson, W. G. F. (William Godfrey Fothergill), Sir, 1917- (2004). The Mediterranean and Middle East. London: Naval & Military Press. OCLC 276341649