Índia britânica

Domínio colonial britânico no subcontinente indiano (1858–1947)
 Nota: Este artigo é sobre o governo da Índia pela Coroa Britânica de 1858 a 1947. Para o governo da Companhia das Índias Orientais de 1757 a 1858, veja Governo da Companhia Britânica das Índias Orientais na Índia. Para divisões administrativas britânicas governadas diretamente na Índia, veja Presidências e províncias da Índia Britânica.

O Raj Britânico (do hindi: rāj, "reino", "estado" ou "império") [11] [Nota 1] era o governo da Coroa Britânica no Subcontinente indiano, [12] também é chamado de Governo da Coroa na Índia, [13] ou Governo Direto na Índia. [14] Durou de 1858 a 1947. [15] A região sob controle britânico era comumente chamada de Índia no uso contemporâneo e incluía áreas administradas diretamente pelo Reino Unido, que eram chamadas coletivamente de Índia Britânica, e áreas governadas por governantes indígenas, mas sob a supremacia britânica, chamadas de estados principescos. A região às vezes era chamada de Império Indiano, embora não oficialmente. [16]

Raj Britânico

British Raj

Estrutura política imperial
(compreendendo a Índia Britânica[a] e os Estados Principescos[b])[1]

1858 — 1947 
Bandeira
Bandeira
 
Escudo
Escudo
Bandeira Escudo
Hino nacional God Save the King/Queen (Deus Salve o Rei/Rainha)

Subdivisões políticas do Raj Britânico, comumente Índia, em 1909, mostrando a Índia Britânica em dois tons de rosa e os estados principescos em amarelo
Capital Calcutá[2][c]
(1858–1911)
Nova Deli
(1911/1931[d]–1947)

Línguas oficiais
Moeda Rupia indiana (₹)

Forma de governo Governo Colonial Britânico
Imperatriz/Imperador
• 1876–1901  Vitória
• 1901–1910  Eduardo VII
• 1910–1936  Jorge V
• 1936  Eduardo VIII
• 1936–1947  Jorge VI
Vice-Rei e Governador-Geral
• 1858–1862 (primeiro)  Charles Canning
• 1947 (último)  Louis Mountbatten
Secretário de Estado
• 1858–1859 (primeiro)  Edward Stanley
• 1947 (último)  William Hare
Conselho Legislativo Imperial
•    Unicameral (1861–1919)
Bicameral (1919–1947)

História  
• 10 de maio de 1857  Rebelião Indiana
• 2 de agosto de 1858  Ato do Governo da Índia
• 18 de julho de 1947  Ato da Independência da Índia
• 14–15 de agosto de 1947  Partição da Índia

Uma quase federação de presidências e províncias governadas diretamente pela Coroa Britânica através do Vice-Rei e do Governador-Geral da Índia
Governado por governantes indianos, sob a suserania da Coroa Britânica exercida através do Vice-Rei da Índia
Nota: Ximelá foi a capital de verão do governo da Índia Britânica, não do Raj Britânico, ou seja, do Império Indiano Britânico, que incluía os Estados Principescos[3]
A proclamação de Nova Deli como capital foi feita em 1911, mas a cidade foi inaugurada como capital do Raj em fevereiro de 1931.
O inglês era a língua dos tribunais e do governo.
O urdu também recebeu status oficial em grande parte do norte da Índia, assim como os vernáculos em outros lugares.[4][5][6][7][8][9]
Fora do norte da Índia, os vernáculos locais eram usados ​​como língua oficial nos tribunais inferiores e nos escritórios do governo.[10]

Como Índia, foi membro fundador da Liga das Nações, um estado participante nos Jogos Olímpicos de Verão de 1900, 1920, 1928, 1932 e 1936, e membro fundador das Nações Unidas em São Francisco, em 1945. [17]

Este sistema de governação foi instituído em 28 de Junho de 1858, quando, após a Rebelião Indiana de 1857, o domínio da Companhia das Índias Orientais foi transferido para a Coroa na pessoa da Rainha Vitória [18] (que, em 1876, foi proclamada Imperatriz da Índia). Durou até 1947, quando o Raj britânico foi dividido em dois estados de domínio soberano: a União da Índia (mais tarde República da Índia) e o Paquistão (mais tarde República Islâmica do Paquistão). Mais tarde, a República Popular do Bangladesh conquistou a independência do Paquistão. No início do Raj em 1858, a Baixa Birmânia já fazia parte da Índia britânica; A Alta Birmânia foi adicionada em 1886, e a união resultante, Birmânia, foi administrada como uma província autônoma até 1937, quando se tornou uma colônia britânica separada, ganhando sua própria independência em 1948. Foi renomeado para Myanmar em 1989. A Província de Adem do Comissário Chefe, também fazia parte da Índia britânica no início do Raj britânico e também se tornou uma colônia separada conhecida como Colônia de Adem em 1937.

Extensão geográfica editar

O Raj britânico estendeu-se por quase toda a atual Índia, Paquistão e Bangladesh, exceto por pequenas propriedades de outras nações europeias, como Goa e Pondicherry.[19] Esta área é muito diversificada, contendo as montanhas do Himalaia, planícies aluviais férteis, a planície indo-gangética, um longo litoral, florestas tropicais secas, terras altas áridas e o deserto de Thar.[20] Além disso, em vários momentos, incluiu Aden (de 1858 a 1937),[21] Baixa Birmânia (de 1858 a 1937), Alta Birmânia (de 1886 a 1937), Somalilândia Britânica (brevemente de 1884 a 1898) e os Assentamentos do Estreitos (brevemente de 1858 a 1867). A Birmânia foi separada da Índia e administrada diretamente pela Coroa Britânica de 1937 até sua independência em 1948. Os Estados Tréguas do Golfo Pérsico e os outros estados sob a Residência do Golfo Pérsico eram teoricamente estados principescos, bem como presidências e províncias da Índia Britânica até 1947 e usaram a rupia como unidade monetária.[22]

Entre outros países da região, o Ceilão, que naquela época se referia às regiões costeiras e à parte norte da ilha (atual Sri Lanka) foi cedido à Grã-Bretanha em 1802 pelo Tratado de Amiens. Essas regiões costeiras foram temporariamente administradas sob a presidência de Madras entre 1793 e 1798, [23] mas em períodos posteriores os governadores britânicos reportaram-se a Londres, e não faziam parte do Raj. Os reinos do Nepal e do Butão, tendo travado guerras com os britânicos, assinaram posteriormente tratados com eles e foram reconhecidos pelos britânicos como estados independentes. [24] [25] O Reino de Siquim foi estabelecido como um estado principesco após o Tratado Anglo-Siquim de 1861; no entanto, a questão da soberania ficou indefinida. [26] As Ilhas Maldivas foram um protetorado britânico de 1887 a 1965, mas não fizeram parte da Índia britânica. [27]

 
O Raj Britânico e países vizinhos, 1909.

História editar

 Ver artigo principal: História do Raj Britânico

1858-1868: Consequências da rebelião, críticas e respostas editar

 
Lakshmibai, Rani de Jhansi, uma das principais líderes da Grande Revolta de 1857, que perdeu seu reino pela Doutrina do lapso
Lakshmibai, Rani de Jhansi, uma das principais líderes da Grande Revolta de 1857, que perdeu seu reino pela Doutrina do lapso 
 
A proclamação aos "Príncipes, Chefes e Povo da Índia", emitida pela Rainha Vitória em 1º de novembro de 1858
A proclamação aos "Príncipes, Chefes e Povo da Índia", emitida pela Rainha Vitória em 1º de novembro de 1858 
 
Sir Syed Ahmed Khan, fundador do Muhammadan Anglo-Oriental College, escreveu uma das primeiras críticas, As causas do Motim Indiano.
Sir Syed Ahmed Khan, fundador do Muhammadan Anglo-Oriental College, escreveu uma das primeiras críticas, As causas do Motim Indiano
 
Um retrato de lembrança de 1887 da Rainha Vitória como Imperatriz da Índia, 30 anos após a Grande Revolta
Um retrato de lembrança de 1887 da Rainha Vitória como Imperatriz da Índia, 30 anos após a Grande Revolta 
 
Casa do Governo, Calcutá, de Francis Frith (foto de 1850 a 1870)

Embora a rebelião indiana de 1857 tenha abalado o empreendimento britânico na Índia, não o descarrilou. Até 1857, os britânicos, especialmente sob o comando de Lord Dalhousie, construíram apressadamente uma Índia que imaginavam estar ao nível da própria Grã-Bretanha na qualidade e força das suas instituições económicas e sociais. Após a rebelião, eles se tornaram mais cautelosos. Muita reflexão foi dedicada às causas da rebelião e três lições principais foram tiradas. Em primeiro lugar, a nível prático, considerou-se que era necessário haver mais comunicação e camaradagem entre os britânicos e os indianos – não apenas entre os oficiais do exército britânico e o seu estado-maior indiano, mas também na vida civil. [28] O exército indiano foi completamente reorganizado: unidades compostas por muçulmanos e brâmanes das Províncias Unidas de Agra e Oudh, que formavam o núcleo da rebelião, foram dissolvidas. Novos regimentos, como os Sikhs e Baluchis, compostos por indianos que, na avaliação britânica, demonstraram firmeza, foram formados. A partir de então, o exército indiano permaneceria inalterado em sua organização até 1947. [29] O Censo de 1861 revelou que a população inglesa na Índia era de 125.945. Destes, apenas cerca de 41.862 eram civis, em comparação com cerca de 84.083 oficiais e homens europeus do Exército. [30] Em 1880, o exército indiano permanente consistia em 66.000 soldados britânicos, 130.000 nativos e 350.000 soldados nos exércitos principescos. [31]

 
Edifícios de Bombaim por Francis Frith (1850-1870)

Em segundo lugar, considerou-se também que tanto os príncipes como os grandes proprietários de terras, ao não aderirem à rebelião, provaram ser, nas palavras de Lord Canning, "quebra-mares numa tempestade". [32] Eles também foram recompensados no novo Raj britânico ao serem integrados no sistema político anglo-indiano e terem os seus territórios garantidos. [33] Ao mesmo tempo, sentiu-se que os camponeses, em cujo benefício tinham sido empreendidas as grandes reformas agrárias das Províncias Unidas, tinham demonstrado deslealdade, lutando, em muitos casos, pelos seus antigos proprietários de terras contra os britânicos. Consequentemente, não foram implementadas mais reformas agrárias nos 90 anos seguintes: Bengala e Bihar continuariam a ser domínios de grandes propriedades fundiárias (ao contrário do Punjab e Utar Pradexe). [34]

Terceiro, os britânicos sentiram-se desencantados com a reacção indiana à mudança social. Até a rebelião, eles haviam promovido com entusiasmo a reforma social, como a proibição do sati por Lord William Bentinck. [35] Sentia-se agora que as tradições e costumes na Índia eram demasiado fortes e rígidos para serem mudados facilmente; consequentemente, não foram feitas mais intervenções sociais britânicas, especialmente em questões relacionadas com religião, [36] mesmo quando os britânicos tinham opiniões muito fortes sobre a questão (como no caso do novo casamento de crianças viúvas hindus). [37] Isso foi exemplificado ainda mais na Proclamação da Rainha Vitória, divulgada imediatamente após a rebelião. A proclamação afirmava que “Renunciamos igualmente ao nosso Direito e Desejo de impor as Nossas Convicções a qualquer um dos Nossos Súditos”; [38] demonstrando o compromisso oficial britânico de se abster de intervenção social na Índia.

1858-1880: Ferrovias, canais, Código da Fome editar

 
O mapa de 1909 das ferrovias indianas, a quarta maior do mundo. A construção ferroviária começou em 1853.
O mapa de 1909 das ferrovias indianas, a quarta maior do mundo. A construção ferroviária começou em 1853. 
 
Imagem estereográfica de Victoria Terminus, Bombaim, concluída em 1888
Imagem estereográfica de Victoria Terminus, Bombaim, concluída em 1888 
 
O canal de Agra (c.1873), um ano após a conclusão, foi fechado à navegação em 1904 para aumentar a irrigação durante uma fome.
O canal de Agra (c.1873), um ano após a conclusão, foi fechado à navegação em 1904 para aumentar a irrigação durante uma fome. 
 
Lord Ripon, o vice-rei liberal da Índia, que instituiu o Código da Fome. 1880.
Lord Ripon, o vice-rei liberal da Índia, que instituiu o Código da Fome. 1880. 

Na segunda metade do século XIX, tanto a administração direta da Índia pela Coroa Britânica como a mudança tecnológica introduzida pela revolução industrial tiveram o efeito de interligar estreitamente as economias da Índia e da Grã-Bretanha. [39] Na verdade, muitas das principais mudanças nos transportes e comunicações (normalmente associadas ao Governo da Coroa da Índia) já tinham começado antes do Motim. Desde que Dalhousie abraçou a mudança tecnológica então desenfreada na Grã-Bretanha, a Índia também assistiu ao rápido desenvolvimento de todas essas tecnologias. Ferrovias, estradas, canais e pontes foram rapidamente construídos na Índia, e ligações telegráficas foram estabelecidas com igual rapidez para que matérias-primas, como o algodão, do interior da Índia, pudessem ser transportadas de forma mais eficiente para portos, como Bombaim, para posterior exportação para Inglaterra. [40] Da mesma forma, os produtos acabados da Inglaterra foram transportados de volta para venda nos florescentes mercados indianos. [41] Ao contrário da Grã-Bretanha, onde os riscos de mercado para o desenvolvimento de infraestruturas foram suportados por investidores privados, na Índia foram os contribuintes – principalmente agricultores e trabalhadores agrícolas – que suportaram os riscos, que, no final, ascenderam a £50 milhões. [42] Apesar destes custos, foi criado muito pouco emprego qualificado para os indianos. Em 1920, com a quarta maior rede ferroviária do mundo e uma história de 60 anos de construção, apenas dez por cento dos “postos superiores” nas Ferrovias Indianas eram ocupados por indianos. [43]

A corrida da tecnologia também estava a mudar a economia agrícola na Índia: na última década do século XIX, uma grande fracção de algumas matérias-primas – não apenas algodão, mas também alguns cereais – era exportada para mercados distantes. [44] Muitos pequenos agricultores, dependentes dos caprichos desses mercados, perderam terras, animais e equipamentos para agiotas. [44] A segunda metade do século XIX também viu um aumento no número de fomes em grande escala na Índia. Embora as fomes não fossem novidade no subcontinente, estas foram particularmente graves, com dezenas de milhões de pessoas morrendo, e com muitos críticos, tanto britânicos quanto indianos, atribuindo a culpa às portas das pesadas administrações coloniais. [44] Houve também efeitos salutares: as culturas comerciais, especialmente no recentemente canalizado Punjab, levaram ao aumento da produção de alimentos para consumo interno. [45] A rede ferroviária proporcionou alívio crítico da fome, [46] reduziu notavelmente o custo da movimentação de mercadorias, [46] e ajudou a indústria nascente de propriedade indiana. [45] Depois da Grande Fome de 1876-1878, o relatório da Comissão Indiana de Fome foi emitido em 1880, e os Códigos de Fome Indianos, as primeiras escalas de fome e programas para prevenção da fome, foram instituídos. [47] De uma forma ou de outra, seriam implementadas em todo o mundo pelas Nações Unidas e pela Organização para a Alimentação e a Agricultura até meados da década de 1970.

Décadas de 1880 a 1890: Classe média, Congresso Nacional Indiano editar

 
Allan Octavian Hume (1829–1912), que propôs a ideia do Congresso Nacional Indiano em uma carta aos graduados da Universidade de Calcutá
Allan Octavian Hume (1829–1912), que propôs a ideia do Congresso Nacional Indiano em uma carta aos graduados da Universidade de Calcutá 
 
Congresso, Bombaim, 28 de dezembro de 1885. Terceira fila (meio) (da esquerda para a direita) Dadabhai Naoroji, Hume, W. C. Bonerjee e Pherozeshah Mehta.
Congresso, Bombaim, 28 de dezembro de 1885. Terceira fila (meio) (da esquerda para a direita) Dadabhai Naoroji, Hume, W. C. Bonerjee e Pherozeshah Mehta
 
Pobreza e o governo não britânico na Índia, 1901, por Naoroji, membro do Parlamento Britânico (1892–1895) e presidente do Congresso (1886, 1893, 1906)
Pobreza e o governo não britânico na Índia, 1901, por Naoroji, membro do Parlamento Britânico (1892–1895) e presidente do Congresso (1886, 1893, 1906) 
 
Mehta, advogado, empresário e presidente da sexta sessão do Congresso Nacional Indiano em 1890
Mehta, advogado, empresário e presidente da sexta sessão do Congresso Nacional Indiano em 1890 

Em 1880, uma nova classe média surgiu na Índia e se espalhou por todo o país. Além disso, havia uma solidariedade crescente entre os seus membros, criada pelos “estímulos conjuntos de encorajamento e irritação”. [48] O encorajamento sentido por esta classe veio do seu sucesso na educação e da sua capacidade de aproveitar os benefícios dessa educação, como o emprego na Função Pública Indiana. Veio também da proclamação da Rainha Vitória de 1858, na qual ela declarou: "Nós nos mantemos ligados aos nativos dos nossos territórios indianos pela mesma obrigação de dever que nos liga a todos os nossos outros súditos." [49] Os indianos ficaram especialmente encorajados quando o Canadá recebeu o status de domínio em 1867 e estabeleceu uma constituição democrática autônoma. [49] Por último, o incentivo veio do trabalho de estudiosos orientais contemporâneos como Monier Monier-Williams e Max Müller, que em suas obras apresentavam a Índia antiga como uma grande civilização. A irritação, por outro lado, veio não apenas de incidentes de discriminação racial nas mãos dos britânicos na Índia, mas também de ações governamentais como o uso de tropas indianas em campanhas imperiais (por exemplo, na Segunda Guerra Anglo-Afegã) e a tentativas de controlar a imprensa vernácula (por exemplo, na Lei de Imprensa Vernácula de 1878). [50]

Foi, no entanto, a reversão parcial da Ilbert Bill (1883) pelo vice-rei Lord Ripon, uma medida legislativa que propunha colocar os juízes indianos na presidência de Bengala em pé de igualdade com os britânicos, que transformou o descontentamento em ação política. [51] Em 28 de dezembro de 1885, profissionais e intelectuais desta classe média - muitos formados nas novas universidades fundadas pelos britânicos em Bombaim, Calcutá e Madras, e familiarizados com as ideias dos filósofos políticos britânicos, especialmente os utilitaristas reunidos em Bombaim - fundaram o Congresso Nacional Indiano. Os 70 homens elegeram Womesh Chunder Bonerjee como o primeiro presidente. Os membros incluíam uma elite ocidentalizada e nenhum esforço foi feito nesta altura para alargar a base.

Durante os seus primeiros 20 anos, o Congresso debateu principalmente a política britânica em relação à Índia. Os seus debates criaram uma nova perspectiva indiana que responsabilizava a Grã-Bretanha por drenar a riqueza da Índia. A Grã-Bretanha fez isto, alegavam os nacionalistas, através do comércio injusto, da restrição à indústria indígena indiana e da utilização de impostos indianos para pagar os elevados salários dos funcionários públicos britânicos na Índia. [52]

Thomas Baring serviu como vice-rei da Índia de 1872 a 1876. As principais realizações de Baring ocorreram como um reformador enérgico que se dedicou a melhorar a qualidade do governo no Raj britânico. Ele começou a combater a fome em grande escala, reduziu os impostos e superou obstáculos burocráticos em um esforço para reduzir a fome e a agitação social generalizada. Embora nomeado por um governo liberal, suas políticas eram praticamente as mesmas dos vice-reis nomeados por governos conservadores. [53]

A reforma social estava no ar na década de 1880. Por exemplo, Pandita Ramabai, poeta, estudiosa de sânscrito e defensora da emancipação das mulheres indianas, assumiu a causa do novo casamento das viúvas, especialmente das viúvas brâmanes, mais tarde convertidas ao cristianismo. [54] Em 1900, os movimentos reformistas criaram raízes no Congresso Nacional Indiano. O membro do Congresso Gopal Krishna Gokhale fundou a Sociedade dos Servos da Índia, que fazia lobby por uma reforma legislativa (por exemplo, por uma lei que permitisse o novo casamento de crianças viúvas hindus), e cujos membros faziam votos de pobreza e trabalhavam entre a comunidade intocável. [55]

Em 1905, abriu-se um abismo profundo entre os moderados, liderados por Gokhale, que minimizava a agitação pública, e os novos "extremistas" que não só defendiam a agitação, mas também consideravam a prossecução da reforma social como uma distração do nacionalismo. Proeminente entre os extremistas estava Bal Gangadhar Tilak, que tentou mobilizar os indianos apelando para uma identidade política explicitamente hindu, exibida, por exemplo, nos festivais públicos anuais de Ganapati que ele inaugurou no oeste da Índia. [56]

1905–1911: Partição de Bengala, Swadeshi, violência editar

 
Lord Curzon, vice-rei da Índia, 1899–1905, que dividiu a presidência de Bengala em 1905
Lord Curzon, vice-rei da Índia, 1899–1905, que dividiu a presidência de Bengala em 1905 
 
O moderado do Congresso, Sir Surendranath Banerjee, liderou a oposição com o movimento Swadeshi.
O moderado do Congresso, Sir Surendranath Banerjee, liderou a oposição com o movimento Swadeshi
 
Revista Tamil, Vijaya, 1909, mostrando "Mãe Índia" com sua descendência e o slogan "Vande Mataram"
Revista Tamil, Vijaya, 1909, mostrando "Mãe Índia" com sua descendência e o slogan "Vande Mataram" 

O vice-rei, Lord Curzon (1899–1905), foi extraordinariamente enérgico na busca pela eficiência e reformas. [57] Sua agenda incluía a criação da Província da Fronteira Noroeste; pequenas mudanças nos serviços públicos; agilizar o funcionamento da secretaria; estabelecer um padrão-ouro para garantir uma moeda estável; criação de um Conselho Ferroviário; reforma da irrigação; redução das dívidas camponesas; redução do custo dos telegramas; pesquisa arqueológica e preservação de antiguidades; melhorias nas universidades; reformas policiais; atualizar os papéis dos Estados Nativos; um novo Departamento de Comércio e Indústria; promoção da indústria; políticas revistas de receitas fundiárias; redução de impostos; criação de bancos agrícolas; criação de um Departamento Agrícola; patrocinar pesquisas agrícolas; estabelecer uma Biblioteca Imperial; criando um Corpo Imperial de Cadetes; novos códigos de fome; e, de facto, reduzir o incómodo causado pelo fumo em Calcutá. [58]

O problema surgiu para Curzon quando ele dividiu a maior subdivisão administrativa da Índia britânica, a Província de Bengala, na província de maioria muçulmana de Bengala Oriental e Assam e na província de maioria hindu de Bengala Ocidental (atualmente estados indianos de Bengala Ocidental, Bihar e Orissa). O ato de Curzon, a Partição de Bengala, foi contemplado por várias administrações coloniais desde a época de Lord William Bentinck, mas nunca foi posto em prática. Embora alguns o considerassem administrativamente feliz, foi cobrado comunitariamente. Semeou as sementes da divisão entre os indianos em Bengala, transformando a política nacionalista como nada antes dela. A elite hindu de Bengala, entre eles muitos que possuíam terras em Bengala Oriental que foram arrendadas a camponeses muçulmanos, protestou fervorosamente. [59]

Após a Partição de Bengala, que foi uma estratégia traçada por Lord Curzon para enfraquecer o movimento nacionalista, Tilak encorajou o movimento Swadeshi e o movimento de Boicote. [60] O movimento consistia no boicote a mercadorias estrangeiras e também no boicote social a qualquer indiano que utilizasse mercadorias estrangeiras. O movimento Swadeshi consistia no uso de bens produzidos nativamente. Uma vez boicotados os produtos estrangeiros, surgiu uma lacuna que teve de ser preenchida pela produção desses produtos na própria Índia. Bal Gangadhar Tilak disse que os movimentos Swadeshi e Boicote são as duas faces da mesma moeda. A grande classe média hindu bengali (os Bhadralok), chateada com a perspectiva de os bengalis serem superados em número na nova província de Bengala por biharis e oriyas, sentiu que o ato de Curzon foi um castigo por sua assertividade política. Os protestos generalizados contra a decisão de Curzon assumiram a forma predominantemente da campanha Swadeshi ("comprar indiano") liderada pelo duas vezes presidente do Congresso, Surendranath Banerjee, e envolveram o boicote aos produtos britânicos. [61]

O grito de guerra para ambos os tipos de protesto foi o slogan Bande Mataram ("Salve a Mãe"), que invocava uma deusa mãe, que representava Bengala, Índia e a deusa hindu Cáli. Sri Aurobindo nunca foi além da lei quando editou a revista Bande Mataram; pregou a independência, mas dentro dos limites da paz, tanto quanto possível. Seu objetivo era a Resistência Passiva. [62] A agitação se espalhou de Calcutá para as regiões vizinhas de Bengala quando os estudantes voltaram para suas aldeias e cidades. Alguns aderiram a clubes políticos locais de jovens que surgiram em Bengala na época, alguns envolveram-se em roubos para financiar armas e até tentaram tirar a vida de funcionários do Raj. No entanto, as conspirações geralmente falharam face ao intenso trabalho policial. [63] O movimento de boicote Swadeshi reduziu as importações de têxteis britânicos em 25%. O tecido swadeshi, embora mais caro e um pouco menos confortável do que o seu concorrente de Lancashire, era usado como sinal de orgulho nacional por pessoas de toda a Índia. [64]

1870–1906: Movimentos sociais muçulmanos, Liga Muçulmana editar

 
Lord Minto, o vice-rei que substituiu Curzon em 1906. As Reformas Minto-Morley de 1909 permitiram eleitorados muçulmanos separados.
Lord Minto, o vice-rei que substituiu Curzon em 1906. As Reformas Minto-Morley de 1909 permitiram eleitorados muçulmanos separados. 
 
Religiões Predominantes - 1909, mapa do Império Indiano Britânico, 1909, mostrando as religiões majoritárias com base no Censo de 1901
Religiões Predominantes - 1909, mapa do Império Indiano Britânico, 1909, mostrando as religiões majoritárias com base no Censo de 1901 
 
Hakim Ajmal Khan, fundador da Liga Muçulmana, também se tornaria presidente do Congresso Nacional Indiano em 1921.
Hakim Ajmal Khan, fundador da Liga Muçulmana, também se tornaria presidente do Congresso Nacional Indiano em 1921. 

O protesto esmagador, mas predominantemente hindu, contra a divisão de Bengala e o medo que daí resultou de reformas que favorecessem a maioria hindu, levou a elite muçulmana na Índia a reunir-se com o novo vice-rei, Lord Minto, em 1906, e a pedir eleitorados separados para Muçulmanos. [65] Em conjunto, exigiram representação legislativa proporcional que refletisse tanto o seu estatuto como antigos governantes como o seu historial de cooperação com os britânicos. Isto levou, em dezembro de 1906, à fundação da Liga Muçulmana de Toda a Índia em Daca Embora Curzon, a essa altura, já tivesse renunciado ao cargo devido a uma disputa com seu chefe militar, Lord Kitchener, e retornado à Inglaterra, a Liga era a favor de seu plano de partição. A posição da elite muçulmana, que se refletiu na posição da Liga, cristalizou-se gradualmente ao longo das três décadas anteriores, começando com as revelações do Censo da Índia Britânica em 1871, que estimou pela primeira vez as populações em regiões de maioria muçulmana. [66] (de sua parte, o desejo de Curzon de cortejar os muçulmanos de Bengala Oriental surgiu das ansiedades britânicas desde o censo de 1871 - e à luz da história dos muçulmanos que os lutaram no motim de 1857 e na Segunda Guerra Anglo-Afegã - sobre os muçulmanos indianos se rebelando contra a Coroa [66]). Nas três décadas seguintes, os líderes muçulmanos em todo o norte da Índia experimentaram intermitentemente a animosidade pública por parte de alguns dos novos grupos políticos e sociais hindus. [66] O Arya Samaj, por exemplo, não só apoiou as Sociedades de Proteção às Vacas na sua agitação, [67] mas também - perturbado com os números muçulmanos do Censo de 1871 - organizou eventos de "reconversão" com o propósito de acolher os muçulmanos de volta ao rebanho hindu. [66] Em 1905, quando Tilak e Lajpat Rai tentaram ascender a posições de liderança no Congresso, e o próprio Congresso se reuniu em torno do simbolismo de Kali, os temores muçulmanos aumentaram. [66] Não passou despercebido a muitos muçulmanos, por exemplo, que o grito de guerra, "Bande Mataram", apareceu pela primeira vez no romance Anand Math, no qual os hindus lutaram contra os seus opressores muçulmanos. [68] Por último, a elite muçulmana, e entre ela Dacca Nawab, Khwaja Salimullah, que acolheu a primeira reunião da Liga na sua mansão em Shahbag, estava ciente de que uma nova província com maioria muçulmana beneficiaria diretamente os muçulmanos que aspiram ao poder político. [68]

Os primeiros passos foram dados em direção ao autogoverno na Índia britânica no final do século XIX, com a nomeação de conselheiros indianos para aconselhar o vice-rei britânico e o estabelecimento de conselhos provinciais com membros indianos; os britânicos posteriormente ampliaram a participação nos conselhos legislativos com a Lei dos Conselhos Indianos de 1892. Corporações Municipais e Conselhos Distritais foram criados para administração local; eles incluíam membros indianos eleitos.

A Lei dos Conselhos Indianos de 1909, conhecida como Reformas Morley-Minto (John Morley era o secretário de estado da Índia e Minto era vice-rei) - deu aos indianos papéis limitados nas legislaturas central e provincial. Índios de classe alta, proprietários de terras ricos e empresários foram favorecidos. A comunidade muçulmana tornou-se um eleitorado separado e recebeu dupla representação. As metas eram bastante conservadoras, mas promoveram o princípio eletivo. [69]

A divisão de Bengala foi rescindida em 1911 e anunciada em Delhi Durbar, onde o rei Jorge V compareceu pessoalmente e foi coroado imperador da Índia. Ele anunciou que a capital seria transferida de Calcutá para Delhi. Este período viu um aumento nas atividades de grupos revolucionários, que incluíam o Anushilan Samiti de Bengala e o Partido Ghadar do Punjab. No entanto, as autoridades britânicas conseguiram esmagar rapidamente os rebeldes violentos, em parte porque a maioria dos políticos indianos instruídos se opôs à revolução violenta. [70]

1914–1918: Primeira Guerra Mundial, Pacto de Lucknow, ligas de Home Rule editar

 
Khudadad Khan, o primeiro indiano a receber a Victoria Cross, nasceu no distrito de Chakwal, Punjab (atual Paquistão).
Khudadad Khan, o primeiro indiano a receber a Victoria Cross, nasceu no distrito de Chakwal, Punjab (atual Paquistão). 
 
Auxiliares médicos indianos da Força Expedicionária da Mesopotâmia na Mesopotâmia durante a Primeira Guerra Mundial
Auxiliares médicos indianos da Força Expedicionária da Mesopotâmia na Mesopotâmia durante a Primeira Guerra Mundial 
 
Annie Besant mostrada com os teosofistas em Adyar, Madras, em 1912, quatro anos antes de fundar uma Liga Indiana de Home Rule
Annie Besant mostrada com os teosofistas em Adyar, Madras, em 1912, quatro anos antes de fundar uma Liga Indiana de Home Rule 

A Primeira Guerra Mundial provaria ser um divisor de águas na relação imperial entre a Grã-Bretanha e a Índia. Pouco antes do início da guerra, o governo da Índia indicou que poderia fornecer duas divisões mais uma brigada de cavalaria, com mais uma divisão em caso de emergência. [71] Cerca de 1,4 milhões de soldados indianos e britânicos do Exército Indiano Britânico participaram da guerra, principalmente no Iraque e no Oriente Médio. A sua participação teve repercussões culturais mais amplas à medida que se espalhavam notícias sobre a bravura com que os soldados lutaram e morreram ao lado dos soldados britânicos, bem como de soldados de domínios como o Canadá e a Austrália. [72] O perfil internacional da Índia aumentou durante a década de 1920, quando se tornou membro fundador da Liga das Nações em 1920 e participou, sob o nome de "Les Indes Anglaises" (Índia Britânica), nos Jogos Olímpicos de Verão de 1920 em Antuérpia. [73] De volta à Índia, especialmente entre os líderes do Congresso Nacional Indiano, a guerra levou a apelos por um maior autogoverno para os indianos. [72]

No início da Primeira Guerra Mundial, a transferência da maior parte do exército britânico na Índia para a Europa e Mesopotâmia, levou o vice-rei anterior, Lord Harding, a preocupar-se com os "riscos envolvidos em despojar as tropas da Índia". [74] A violência revolucionária já era uma preocupação na Índia britânica; consequentemente, em 1915, para fortalecer os seus poderes durante o que viu ser um período de maior vulnerabilidade, o Governo da Índia aprovou a Lei de Defesa da Índia de 1915, que lhe permitiu internar dissidentes politicamente perigosos sem o devido processo, e aumentou o poder que lhe era devido. já tinha – ao abrigo da Lei de Imprensa de 1910 – tanto a prisão de jornalistas sem julgamento como a censura da imprensa. [75] Foi sob a lei de Defesa da Índia que os irmãos Ali foram presos em 1916, e Annie Besant, uma mulher europeia, e normalmente mais problemática para a prisão, foi presa em 1917. [75] Agora, à medida que a reforma constitucional começou a ser discutida a sério, os britânicos começaram a considerar como os novos indianos moderados poderiam ser trazidos para o seio da política constitucional e, simultaneamente, como a mão dos constitucionalistas estabelecidos poderia ser reforçada. No entanto, uma vez que o Governo da Índia queria evitar qualquer sabotagem do processo de reforma por parte de extremistas, e uma vez que o seu plano de reforma foi concebido durante uma época em que a violência extremista tinha diminuído em resultado do aumento do controlo governamental, também começou a considerar como alguns dos seus poderes em tempos de guerra poderiam ser alargados a tempos de paz. [75]

Após a divisão de 1906 entre os moderados e os extremistas no Congresso Nacional Indiano, a actividade política organizada pelo Congresso permaneceu fragmentada até 1914, quando Bal Gangadhar Tilak foi libertado da prisão e começou a sondar outros líderes do Congresso sobre uma possível reunificação. Isso, no entanto, teve que esperar até o desaparecimento dos principais oponentes moderados de Tilak, Gopal Krishna Gokhale e Pherozeshah Mehta, em 1915, quando um acordo foi alcançado para o grupo deposto de Tilak reentrar no Congresso. [76] Na sessão do Congresso de Lucknow em 1916, os apoiadores de Tilak conseguiram aprovar uma resolução mais radical que pedia aos britânicos que declarassem que era seu "objetivo e intenção... para conferir autogoverno à Índia o mais cedo possível". [76] Logo, outros rumores semelhantes começaram a aparecer em pronunciamentos públicos: em 1917, no Conselho Legislativo Imperial, Madan Mohan Malaviya falou das expectativas que a guerra havia gerado na Índia: "Arrisco-me a dizer que a guerra acertou o relógio...cinquenta anos à frente... (As) reformas após a guerra terão que ser tais... como irá satisfazer as aspirações do seu povo (da Índia) de assumir o seu papel legítimo na administração do seu próprio país." [76]

A Sessão do Congresso de Lucknow de 1916 foi também palco de um esforço mútuo imprevisto do Congresso e da Liga Muçulmana, cuja ocasião foi proporcionada pela parceria durante a guerra entre a Alemanha e a Turquia. Como o Sultão Turco, ou Califa, também reivindicou esporadicamente a tutela dos locais sagrados islâmicos de Meca, Medina e Jerusalém, e como os britânicos e os seus aliados estavam agora em conflito com a Turquia, as dúvidas começaram a aumentar entre alguns muçulmanos indianos sobre a "neutralidade religiosa" dos britânicos, dúvidas que já surgiram com a reunificação de Bengala em 1911, decisão que foi vista como mal intencionada pelos muçulmanos. [77] No Pacto de Lucknow, a Liga juntou-se ao Congresso na proposta de maior autogoverno que foi defendida por Tilak e seus apoiadores; em troca, o Congresso aceitou eleitorados separados para os muçulmanos nas legislaturas provinciais, bem como no Conselho Legislativo Imperial. Em 1916, a Liga Muçulmana tinha algo entre 500 e 800 membros e ainda não tinha o maior número de seguidores entre os muçulmanos indianos que desfrutou em anos posteriores; na própria Liga, o pacto não teve apoio unânime, tendo sido em grande parte negociado por um grupo de muçulmanos do “Partido Jovem” das Províncias Unidas (UP), principalmente dois irmãos Muhammad e Shaukat Ali, que abraçaram a causa Pan-islâmica; [77] no entanto, teve o apoio de um jovem advogado de Bombaim, Muhammad Ali Jinnah, que mais tarde ascenderia a cargos de liderança tanto na Liga como no movimento de independência da Índia. Nos anos posteriores, à medida que se desenrolavam todas as ramificações do pacto, este foi visto como beneficiando mais as elites minoritárias muçulmanas de províncias como UP e Bihar do que as maiorias muçulmanas de Punjab e Bengala; no entanto, na época, o "Pacto de Lucknow" foi um marco importante na agitação nacionalista e foi visto como tal pelos britânicos. [77]

Durante 1916, duas Ligas de Home Rule foram fundadas dentro do Congresso Nacional Indiano por Tilak e Annie Besant, respectivamente, para promover o Home Rule entre os indianos, e também para elevar a estatura dos fundadores dentro do próprio Congresso. [78] Besant, por sua vez, também fez questão de demonstrar a superioridade desta nova forma de agitação organizada, que alcançou algum sucesso no movimento de governo interno irlandês, sobre a violência política que assolou intermitentemente o subcontinente durante os anos 1907-1914. [78] As duas Ligas concentraram a sua atenção em regiões geográficas complementares: a de Tilak, no oeste da Índia, na presidência do sul de Bombaim, e a de Besant, no resto do país, mas especialmente na presidência de Madras e em regiões como Sind e Gujarat que até então eram consideradas politicamente adormecido pelo Congresso. [78] Ambas as ligas adquiriram rapidamente novos membros – aproximadamente trinta mil cada um em pouco mais de um ano – e começaram a publicar jornais baratos. A sua propaganda também se voltou para cartazes, panfletos e canções político-religiosas, e mais tarde para reuniões de massa, que não só atraíram um número maior do que nas sessões anteriores do Congresso, mas também grupos sociais inteiramente novos, como não-brâmanes, comerciantes, agricultores, estudantes. e funcionários governamentais de nível inferior. [78] Embora não tenham alcançado a magnitude ou o carácter de um movimento de massas a nível nacional, as ligas do Home Rule aprofundaram e ampliaram a agitação política organizada pelo autogoverno na Índia. As autoridades britânicas reagiram impondo restrições às Ligas, incluindo a exclusão de estudantes das reuniões e a proibição de os dois líderes viajarem para certas províncias. [78]

1915–1918: Retorno de Gandhi editar

 
Mahatma Gandhi (sentado na carruagem, à direita, olhos baixos, chapéu preto) recebendo uma grande recepção em Karachi em 1916, após seu retorno da África do Sul à Índia

O ano de 1915 também viu o retorno de Mohandas Karamchand Gandhi à Índia. Já conhecido na Índia como resultado dos seus protestos pelas liberdades civis em nome dos indianos na África do Sul, Gandhi seguiu o conselho do seu mentor Gopal Krishna Gokhale e optou por não fazer quaisquer pronunciamentos públicos durante o primeiro ano do seu regresso, mas em vez disso passou o ano viajando, observando o país em primeira mão e escrevendo. [79] Anteriormente, durante a sua estada na África do Sul, Gandhi, advogado de profissão, representou uma comunidade indiana que, embora pequena, era suficientemente diversificada para ser um microcosmo da própria Índia. Ao enfrentar o desafio de manter esta comunidade unida e simultaneamente confrontar a autoridade colonial, ele criou uma técnica de resistência não violenta, que chamou de Satyagraha (ou Luta pela Verdade). [80] Para Gandhi, Satyagraha era diferente da “resistência passiva”, então uma técnica familiar de protesto social, que ele considerava uma estratégia prática adoptada pelos fracos face à força superior; Satyagraha, por outro lado, era para ele o “último recurso daqueles que são suficientemente fortes no seu compromisso com a verdade para sofrerem pela sua causa”. [80] Ahimsa ou "não-violência", que formou a base do Satyagraha, passou a representar o pilar gêmeo, com a Verdade, da visão religiosa pouco ortodoxa de Gandhi sobre a vida. [80] Durante os anos de 1907 a 1914, Gandhi testou a técnica de Satyagraha em uma série de protestos em nome da comunidade indiana na África do Sul contra as leis raciais injustas. [80]

 
Gandhi na época do Kheda Satyagraha, 1918

Além disso, durante sua estada na África do Sul, em seu ensaio Hind Swaraj (1909), Gandhi formulou sua visão de Swaraj, ou "autogoverno" para a Índia, com base em três ingredientes vitais: solidariedade entre indianos de diferentes religiões, mas a maioria de tudo entre hindus e muçulmanos; a remoção da intocabilidade da sociedade indiana; e o exercício do swadeshi — o boicote aos produtos manufaturados estrangeiros e o renascimento da indústria caseira indiana. [81] Os dois primeiros, ele sentia, eram essenciais para que a Índia fosse uma sociedade igualitária e tolerante, condizente com os princípios da Verdade e do Ahimsa, enquanto o último, ao tornar os indianos mais autossuficientes, quebraria o ciclo de dependência que estava perpetuando não apenas a direcção e o teor do domínio britânico na Índia, mas também o compromisso britânico com ele. [81] Pelo menos até 1920, a própria presença britânica não era um obstáculo na concepção de swaraj de Gandhi; antes, foi a incapacidade dos indianos de criar uma sociedade moderna. [81]

Gandhi fez sua estreia política na Índia em 1917, no distrito de Champaran, em Bihar, perto da fronteira com o Nepal, onde foi convidado por um grupo de arrendatários descontentes que, por muitos anos, foram forçados a plantar índigo (para corantes) em uma porção de suas terras e depois vendê-las a preços abaixo do mercado aos proprietários britânicos que lhes haviam arrendado as terras. [82] Ao chegar ao distrito, Gandhi foi acompanhado por outros agitadores, incluindo um jovem líder do Congresso, Rajendra Prasad, de Bihar, que se tornaria um apoiador leal de Gandhi e passaria a desempenhar um papel proeminente no movimento de independência da Índia. Quando Gandhi foi ordenado a sair pelas autoridades britânicas locais, ele recusou por motivos morais, configurando a sua recusa como uma forma de Satyagraha individual. Logo, sob pressão do vice-rei de Delhi, que estava ansioso por manter a paz interna durante a guerra, o governo provincial rescindiu a ordem de expulsão de Gandhi e mais tarde concordou com um inquérito oficial sobre o caso. Embora os proprietários britânicos tenham eventualmente cedido, não foram conquistados para a causa dos agricultores e, portanto, não produziram o resultado ideal de uma Satyagraha que Gandhi esperava; da mesma forma, os próprios agricultores, embora satisfeitos com a resolução, responderam com pouco entusiasmo aos projetos simultâneos de capacitação rural e educação que Gandhi tinha inaugurado em conformidade com o seu ideal de swaraj. No ano seguinte, Gandhi lançou mais dois Satyagrahas - ambos em Gujarat, sua terra natal - um no distrito rural de Kaira, onde agricultores proprietários protestavam contra o aumento da receita fundiária e o outro na cidade de Ahmedabad, onde trabalhadores de uma fábrica têxtil de propriedade indiana estavam angustiados com seus baixos salários. A satyagraha em Ahmedabad assumiu a forma do jejum de Gandhi e do apoio aos trabalhadores numa greve, que acabou por levar a um acordo. Em Kaira, pelo contrário, embora a causa dos agricultores tenha recebido publicidade devido à presença de Gandhi, a própria satyagraha, que consistiu na decisão coletiva dos agricultores de reter o pagamento, não teve sucesso imediato, uma vez que as autoridades britânicas recusaram recuar. A agitação em Kaira rendeu a Gandhi outro tenente vitalício, Sardar Vallabhbhai Patel, que organizou os agricultores e que também desempenharia um papel de liderança no movimento de independência da Índia. [83]

1916–1919: Reformas Montagu–Chelmsford editar

Edwin Samuel Montagu, o secretário de estado da Índia, cujo relatório levou à Lei do Governo da Índia de 1919, também conhecida como Reformas de Montford ou Reformas de Montagu-Chelmsford
Lord Chelmsford, vice-rei da Índia, que advertiu o governo britânico a ser mais receptivo à opinião pública indiana

Em 1916, face à nova força demonstrada pelos nacionalistas com a assinatura do Pacto de Lucknow e a fundação das ligas Home Rule, e a constatação, após o desastre na campanha da Mesopotâmia, de que a guerra provavelmente duraria mais tempo, o o novo vice-rei, Lord Chelmsford, advertiu que o governo da Índia precisava ser mais receptivo à opinião indiana. [84] No final do ano, após discussões com o governo em Londres, ele sugeriu que os britânicos demonstrassem a sua boa fé – à luz do papel da Índia na guerra – através de uma série de ações públicas, incluindo atribuição de títulos e honras a príncipes, concessão de de comissões no exército aos indianos, e a eliminação do tão criticado imposto especial sobre o consumo de algodão, mas, mais importante ainda, um anúncio dos planos futuros da Grã-Bretanha para a Índia e uma indicação de algumas medidas concretas. Depois de mais discussões, em agosto de 1917, o novo secretário de estado liberal da Índia, Edwin Montagu, anunciou o objetivo britânico de "aumentar a associação de indianos em todos os ramos da administração e o desenvolvimento gradual de instituições autônomas, com vista a para a realização progressiva de um governo responsável na Índia como parte integrante do Império Britânico". [84] Embora o plano inicialmente previsse um autogoverno limitado apenas nas províncias – com a Índia enfaticamente dentro do Império Britânico – representou a primeira proposta britânica para qualquer forma de governo representativo numa colônia não-branca.

Montagu e Chelmsford apresentaram seu relatório em julho de 1918, após uma longa viagem de investigação pela Índia no inverno anterior. [85] Depois de mais discussões por parte do governo e do parlamento na Grã-Bretanha, e outra visita do Comitê de Franquias e Funções com o propósito de identificar quem entre a população indiana poderia votar em eleições futuras, a Lei do Governo da Índia de 1919 (também conhecida como Reformas Montagu-Chelmsford) foi aprovada em dezembro de 1919. [85] A nova lei ampliou os conselhos legislativos provinciais e imperiais e revogou o recurso do governo da Índia à "maioria oficial" em votos desfavoráveis. [85] Embora departamentos como defesa, relações exteriores, direito penal, comunicações e imposto de renda tenham sido retidos pelo vice-rei e pelo governo central em Nova Delhi, outros departamentos como saúde pública, educação, receita fundiária e governo autônomo local foram transferidos para o províncias. [85] As próprias províncias seriam agora administradas sob um novo sistema diarquico, em que algumas áreas como a educação, a agricultura, o desenvolvimento de infra-estruturas e o autogoverno local se tornaram a exclusividade dos ministros e legisladores indianos e, em última análise, dos eleitorados indianos, enquanto outras como a irrigação, a receita fundiária, a polícia, as prisões e o controle da mídia permaneceram sob a alçada do governador britânico e de seu conselho executivo. [85] A nova lei também facilitou a admissão de índios no serviço público e no corpo de oficiais do exército.

Um número maior de indianos estava agora emancipado, embora, para votar a nível nacional, constituíssem apenas 10% do total da população masculina adulta, muitos dos quais ainda eram analfabetos. [86] Nas legislaturas provinciais, os britânicos continuaram a exercer algum controlo, reservando assentos para interesses especiais que consideravam cooperativos ou úteis. Em particular, aos candidatos rurais, geralmente simpáticos ao domínio britânico e menos conflituosos, foram atribuídos mais assentos do que os seus homólogos urbanos. [86] Os assentos também foram reservados para não-brâmanes, proprietários de terras, empresários e graduados universitários. O princípio da "representação comunal", parte integrante das Reformas Minto-Morley e, mais recentemente, do Pacto de Lucknow entre Congresso e Liga Muçulmana, foi reafirmado, com assentos reservados para muçulmanos, sikhs, cristãos indianos, anglo-indianos e europeus domiciliados, em conselhos legislativos provinciais e imperiais. [86] As reformas Montagu-Chelmsford ofereceram aos indianos a oportunidade mais significativa até então para exercer o poder legislativo, especialmente a nível provincial; no entanto, essa oportunidade também foi restringida pelo número ainda limitado de eleitores elegíveis, pelos pequenos orçamentos disponíveis para as legislaturas provinciais e pela presença de assentos rurais e de interesse especial que eram vistos como instrumentos do controlo britânico. [86] O seu alcance foi insatisfatório para a liderança política indiana, o que ficou famoso por ser expresso por Annie Besant como algo "indigno de a Inglaterra oferecer e de a Índia aceitar". [87]

1917–1919: Lei Rowlatt editar

 Ver também: Lei Rowlatt
 
Sidney Rowlatt, o juiz britânico sob cuja presidência o Comitê Rowlatt recomendou leis anti-sedição mais rigorosas

Em 1917, enquanto Montagu e Chelmsford compilavam o seu relatório, um comité presidido por um juiz britânico, Sidney Rowlatt, foi encarregado de investigar "conspirações revolucionárias", com o objectivo não declarado de alargar os poderes do governo durante a guerra. [88] O Comité Rowlatt apresentou o seu relatório em julho de 1918 e identificou três regiões de insurgência conspiratória: Bengala, a presidência de Bombaim, e o Punjab. [88] Para combater actos subversivos nestas regiões, o comité recomendou que o governo usasse poderes de emergência semelhantes aos da sua autoridade em tempo de guerra, que incluíam a capacidade de julgar casos de sedição por um painel de três juízes e sem júris, cobrança de títulos de suspeitos, supervisão governamental de residências de suspeitos, [88] e o poder dos governos provinciais para prender e deter suspeitos em centros de detenção de curta duração e sem julgamento. [89]

 
Manchetes sobre Rowlatt Bills (1919) de um jornal nacionalista na Índia. Embora todos os indianos não oficiais no Conselho Legislativo tenham votado contra os projetos de lei Rowlatt, o governo conseguiu forçar sua aprovação usando a maioria. [90]

Com o fim da Primeira Guerra Mundial, houve também uma mudança no clima económico. No final de 1919, 1,5 milhões de indianos serviram nas forças armadas em funções de combatentes ou não-combatentes, e a Índia forneceu £ 146 milhões em receitas para a guerra. [91] O aumento dos impostos, juntamente com as perturbações no comércio interno e internacional, tiveram o efeito de aproximadamente duplicar o índice de preços globais na Índia entre 1914 e 1920. [91] O regresso dos veteranos de guerra, especialmente no Punjab, criou uma crescente crise de desemprego, [92] e a inflação do pós-guerra levou a tumultos alimentares nas províncias de Bombaim, Madras e Bengala, [92] uma situação que só foi agravada pelo fracasso de as monções de 1918–19 e pela especulação. [91] A epidemia global de gripe e a Revolução Bolchevique de 1917 aumentaram o nervosismo geral; o primeiro entre a população que já enfrenta problemas econômicos, [92] e o último entre funcionários do governo, temendo uma revolução semelhante na Índia. [93]

Para combater o que considerava uma crise iminente, o governo redigiu agora as recomendações do comité Rowlatt em dois projetos de lei Rowlatt. [94] Embora os projetos de lei tenham sido autorizados para consideração legislativa por Edwin Montagu, eles foram feitos de má vontade, com a declaração que os acompanha: "Detesto a sugestão à primeira vista de preservar a Lei de Defesa da Índia em tempos de paz, na medida em que Rowlatt e seus amigos pensam necessário." [95] Na discussão e votação que se seguiu no Conselho Legislativo Imperial, todos os membros indianos expressaram oposição aos projetos de lei. O governo da Índia foi, no entanto, capaz de usar a sua "maioria oficial" para garantir a aprovação dos projetos de lei no início de 1919. [95] No entanto, o que foi aprovado, em deferência à oposição indiana, foi uma versão menor do primeiro projecto de lei, que agora permitia poderes extrajudiciais, mas por um período de exactamente três anos e para a acusação apenas de "movimentos anárquicos e revolucionários", eliminando inteiramente o segundo projeto de lei envolvendo a modificação do Código Penal Indiano. [95] Mesmo assim, quando foi aprovada, a nova Lei Rowlatt despertou indignação generalizada em toda a Índia e colocou Gandhi na vanguarda do movimento nacionalista. [94]

1919–1939: Jallianwala, não cooperação, Lei GOI de 1935 editar

 
Gandhi com Besant a caminho de uma reunião em Madras, em setembro de 1921. Anteriormente, em Madurai, em 21 de setembro de 1921, Gandhi adotou a tanga em identificação com os pobres da Índia.
 
Funcionários e alunos, National College, Lahore, fundado em 1921 por Lala Lajpat Rai após o movimento de não cooperação. Em pé, o quarto a partir da direita está Bhagat Singh.

O massacre de Jallianwala Bagh ou "massacre de Amritsar" ocorreu no jardim público de Jallianwala Bagh, na cidade predominantemente sikh de Amritsar, no norte. Após dias de agitação, o Brigadeiro-General Reginald E.H. Dyer proibiu reuniões públicas e no domingo, 13 de abril de 1919, cinquenta soldados do Exército Indiano Britânico comandados por Dyer começaram a atirar em uma reunião desarmada de milhares de homens, mulheres e crianças sem aviso prévio. As estimativas de vítimas variam amplamente, com o Governo da Índia relatando 379 mortos, com 1.100 ferido. [96] O Congresso Nacional Indiano estimou três vezes o número de mortos. Dyer foi afastado do cargo, mas se tornou um herói célebre na Grã-Bretanha entre pessoas com conexões com o Raj. [97] Os historiadores consideram que o episódio foi um passo decisivo para o fim do domínio britânico na Índia. [98]

 
O primeiro-ministro britânico, Ramsay MacDonald, três lugares à direita de Gandhi (à esquerda do espectador) na 2ª Mesa Redonda. Samuel Hoare está dois lugares à direita de Gandhi. Em primeiro plano, o quarto a partir da esquerda, está B. R. Ambedkar representando as "Classes Deprimidas".

Em 1920, depois de o governo britânico se ter recusado a recuar, Gandhi iniciou a sua campanha de não cooperação, levando muitos indianos a devolverem prémios e honras britânicos, a demitirem-se dos serviços públicos e a boicotarem novamente os produtos britânicos. Além disso, Gandhi reorganizou o Congresso, transformando-o num movimento de massas e abrindo a sua adesão até aos indianos mais pobres. Embora Gandhi tenha interrompido o movimento de não cooperação em 1922 após o violento incidente em Chauri Chaura, o movimento reviveu novamente, em meados da década de 1920.

A visita, em 1928, da Comissão Simon britânica, encarregada de instituir a reforma constitucional na Índia, resultou em protestos generalizados em todo o país. [99] Anteriormente, em 1925, os protestos não violentos do Congresso também foram retomados, desta vez em Gujarat, e liderados por Patel, que organizou os agricultores para recusarem o pagamento do aumento dos impostos sobre a terra; o sucesso deste protesto, o Bardoli Satyagraha, trouxe Gandhi de volta ao seio da política ativa. [99]

Na sua sessão anual em Lahore, o Congresso Nacional Indiano, sob a presidência de Jawaharlal Nehru, emitiu uma exigência de Purna Swaraj (língua hindustani: "independência completa"), ou Purna Swarajya. A declaração foi redigida pelo Comitê de Trabalho do Congresso, que incluía Gandhi, Nehru, Patel e Chakravarthi Rajagopalachari. Gandhi posteriormente liderou um movimento ampliado de desobediência civil, culminando em 1930 com a Marcha do Sal, no qual milhares de indianos desafiaram o imposto sobre o sal, marchando para o mar e produzindo o seu próprio sal através da evaporação da água do mar. Embora muitos, incluindo Gandhi, tenham sido presos, o governo britânico acabou cedendo e, em 1931, Gandhi viajou para Londres para negociar uma nova reforma nas Conferências da Mesa Redonda.

 
Cancelamento no segundo dia da série "Inauguração de Nova Delhi", 27 de fevereiro de 1931, comemorando a nova cidade projetada por Sir Edwin Lutyens e Sir Herbert Baker

Em termos locais, o controlo britânico repousava sobre a Função Pública Indiana (ICS), mas enfrentava dificuldades crescentes. Cada vez menos jovens na Grã-Bretanha estavam interessados em aderir, e a contínua desconfiança dos indianos resultou num declínio da base em termos de qualidade e quantidade. Em 1945, os indianos eram numericamente dominantes no ICS e a questão era a lealdade dividida entre o Império e a independência. [100] As finanças do Raj dependiam dos impostos sobre a terra, e estes tornaram-se problemáticos na década de 1930. Epstein argumenta que depois de 1919 ficou cada vez mais difícil arrecadar as receitas da terra. A supressão da desobediência civil pelo Raj depois de 1934 aumentou temporariamente o poder dos agentes fiscais, mas depois de 1937 eles foram forçados pelos novos governos provinciais controlados pelo Congresso a devolver as terras confiscadas. Mais uma vez, a eclosão da guerra fortaleceu-os, face ao movimento de Abandono da Índia, os coletores de receitas tiveram de contar com a força militar e, por volta de 1946-47, o controlo britânico direto estava a desaparecer rapidamente em grande parte do campo. [101]

 
Uma capa do primeiro dia emitida em 1º de abril de 1937, comemorando a separação da Birmânia do Império Indiano Britânico

Em 1935, após as Conferências da Mesa Redonda, o Parlamento aprovou a Lei do Governo da Índia de 1935, que autorizou o estabelecimento de assembleias legislativas independentes em todas as províncias da Índia Britânica, a criação de um governo central incorporando tanto as províncias britânicas como os estados principescos, e a proteção das minorias muçulmanas. A futura Constituição da Índia independente baseou-se neste ato. [102] No entanto, dividiu o eleitorado em 19 categorias religiosas e sociais, por exemplo, muçulmanos, sikhs, cristãos indianos, classes deprimidas, proprietários de terras, comércio e indústria, europeus, anglo-indianos, etc., cada um dos quais recebeu representação separada no Provincial. Assembleias Legislativas. Um eleitor poderia votar apenas em candidatos de sua própria categoria.

A Lei de 1935 previa mais autonomia para as províncias indianas, com o objetivo de acalmar o sentimento nacionalista. A lei previa um parlamento nacional e um poder executivo sob a alçada do governo britânico, mas os governantes dos estados principescos conseguiram bloquear a sua implementação. Esses estados permaneceram sob o controle total dos seus governantes hereditários, sem governo popular. Para se preparar para as eleições, o Congresso aumentou o número de membros de base de 473.000 em 1935 para 4,5 milhões em 1939. [103]

Nas eleições de 1937, o Congresso obteve vitórias em sete das onze províncias da Índia britânica. [104] Governos do Congresso, com amplos poderes, foram formados nessas províncias. O amplo apoio dos eleitores ao Congresso Nacional Indiano surpreendeu as autoridades do Raj, que anteriormente viam o Congresso como um pequeno órgão elitista. [105] Os britânicos separaram a província da Birmânia da Índia britânica em 1937 e concederam à colónia uma nova constituição que exigia uma assembleia totalmente eleita, com muitos poderes dados aos birmaneses, mas esta provou ser uma questão controversa como uma manobra para excluir os birmaneses de quaisquer futuras reformas indianas. [106]

1939–1945: Segunda Guerra Mundial editar

 
A. K. Fazlul Huq, conhecido como Sher-e-Bangla ou Tigre de Bengala, foi o primeiro primeiro-ministro eleito de Bengala, líder do KPP e um importante aliado da Liga Muçulmana de Toda a Índia.
 
Subhas Chandra Bose (segundo da esquerda) com Heinrich Himmler (direita), 1942
 
A série de selos, "Vitória", emitida pelo Governo da Índia para comemorar a vitória aliada na Segunda Guerra Mundial

Com a eclosão da Segunda Guerra Mundial em 1939, o vice-rei, Lord Linlithgow, declarou guerra em nome da Índia sem consultar os líderes indianos, levando os ministérios provinciais do Congresso a renunciarem em protesto. A Liga Muçulmana, em contraste, apoiou a Grã-Bretanha no esforço de guerra e manteve o controlo do governo em três províncias principais, Bengala, Sind e Punjab. [107]

Embora a Liga Muçulmana fosse um pequeno grupo de elite em 1927, com apenas 1.300 membros, cresceu rapidamente quando se tornou uma organização que alcançava as massas, atingindo 500.000 membros em Bengala em 1944, 200.000 em Punjab e centenas de milhares em outros lugares. [108] Jinnah agora estava bem posicionado para negociar com os britânicos a partir de uma posição de poder. [109] Jinnah alertou repetidamente que os muçulmanos seriam tratados injustamente numa Índia independente dominada pelo Congresso. Em 24 de março de 1940, em Lahore, a Liga aprovou a "Resolução de Lahore", exigindo que "as áreas em que os muçulmanos são numericamente maioritários, como nas zonas Noroeste e Leste da Índia, deveriam ser agrupadas para constituir estados independentes em que as unidades constituintes serão autônomas e soberanas." [110] Embora houvesse outros políticos muçulmanos nacionais importantes, como o líder do Congresso Abul Kalam Azad, e políticos muçulmanos regionais influentes, como A. K. Fazlul Huq do partido esquerdista Krishak Praja em Bengala, Fazl-i-Hussain do partido dominado pelos proprietários de terras Partido Unionista de Punjab, e Abd al-Ghaffar Khan do pró-Congresso Khudai Khidmatgar (popularmente, "camisas vermelhas") na Província da Fronteira Noroeste, [111] os britânicos, nos seis anos seguintes, veriam cada vez mais a Liga como o principal representante da Índia muçulmana.

O Congresso era secular e se opunha fortemente a qualquer estado religioso. [112] Insistiu que havia uma unidade natural na Índia e culpou repetidamente os britânicos pelas tácticas de "dividir para governar" baseadas em levar os muçulmanos a considerarem-se estranhos aos hindus. Jinnah rejeitou a noção de uma Índia unida e enfatizou que as comunidades religiosas eram mais básicas do que um nacionalismo artificial. Ele proclamou a Teoria das Duas Nações, [113] afirmando em Lahore em 23 de março de 1940:

[Islã e Hinduísmo] não são religiões no sentido estrito da palavra, mas são, de facto, ordens sociais diferentes e distintas e é um sonho que os Hindus e os Muçulmanos possam algum dia desenvolver uma nacionalidade comum... O Hindu e o Muçulmano pertencem a duas religiões, filosofias, costumes sociais e literatura diferentes [sic]. Eles não se casam nem jantam juntos e, na verdade, pertencem a duas civilizações diferentes que se baseiam principalmente em ideias e concepções conflitantes. Seus aspectos da vida e da vida são diferentes... Unir duas dessas nações sob um único estado, uma como uma minoria numérica e a outra como uma maioria, deve levar ao crescente descontentamento e à destruição final de qualquer tecido que possa ser assim construído. para o governo de tal estado.[114]

Embora o exército regular indiano em 1939 incluísse cerca de 220.000 tropas nativas, expandiu-se dez vezes durante a guerra, e pequenas unidades navais e aéreas foram criadas. Mais de dois milhões de indianos se ofereceram como voluntários para o serviço militar no Exército Britânico. Desempenharam um papel importante em numerosas campanhas, especialmente no Médio Oriente e no Norte de África. As baixas foram moderadas (em termos da guerra mundial), com 24.000 morto; 64.000 feridos; 12.000 desaparecidos (provavelmente mortos) e 60.000 capturado em Singapura em 1942. [115]

Londres pagou a maior parte dos custos do Exército Indiano, o que teve o efeito de eliminar a dívida nacional da Índia; terminou a guerra com um excedente de £ 1.300 milhões. Além disso, os pesados gastos britânicos em munições produzidas na Índia (como uniformes, rifles, metralhadoras, artilharia de campanha e munições) levaram a uma rápida expansão da produção industrial, como têxteis (aumento de 16%), aço (aumento de 18%) e produtos químicos (aumento de 30%). Pequenos navios de guerra foram construídos e uma fábrica de aeronaves foi inaugurada em Bangalore. O sistema ferroviário, com 700 mil funcionários, foi tributado até ao limite à medida que a procura por transporte disparou. [116]

O governo britânico enviou a missão Cripps em 1942 para garantir a cooperação dos nacionalistas indianos no esforço de guerra em troca de uma promessa de independência assim que a guerra terminasse. Altos funcionários da Grã-Bretanha, principalmente o primeiro-ministro Winston Churchill, não apoiaram a Missão Cripps e as negociações com o Congresso logo foram interrompidas. [117]

O Congresso lançou o Movimento Quit India em julho de 1942, exigindo a retirada imediata dos britânicos da Índia ou enfrentaria a desobediência civil em todo o país. Em 8 de agosto, o Raj prendeu todos os líderes do Congresso nacional, provincial e local, detendo dezenas de milhares deles até 1945. O país irrompeu em manifestações violentas lideradas por estudantes e mais tarde por grupos políticos camponeses, especialmente nas Províncias Unidas Orientais, Bihar e Bengala Ocidental. A grande presença do Exército Britânico durante a guerra esmagou o movimento em pouco mais de seis semanas; [118], no entanto, uma parte do movimento formou durante algum tempo um governo provisório clandestino na fronteira com o Nepal. [118] Noutras partes da Índia, o movimento foi menos espontâneo e os protestos menos intensos; no entanto, durou esporadicamente até o verão de 1943. [119]

Anteriormente, Subhas Chandra Bose, que havia sido um líder da ala mais jovem e radical do Congresso Nacional Indiano no final dos anos 1920 e 1930, ascendeu para se tornar presidente do Congresso de 1938 a 1939. [120] No entanto, ele foi deposto do Congresso em 1939 após divergências com o alto comando, [121] e posteriormente colocado em prisão domiciliar pelos britânicos antes de escapar da Índia no início de 1941. [122] Ele recorreu à Alemanha Nazista e ao Japão imperial em busca de ajuda para conquistar a independência da Índia pela força. [123] Com o apoio japonês, organizou o Exército Nacional Indiano, composto em grande parte por soldados indianos do Exército Indiano Britânico que haviam sido capturados pelos japoneses na Batalha de Singapura. À medida que a guerra se voltou contra eles, os japoneses passaram a apoiar uma série de governos fantoches e provisórios nas regiões capturadas, incluindo os da Birmânia, das Filipinas e do Vientã, e além disso, o Governo Provisório de Azad Hind, presidido por Bose. [123]

O esforço de Bose, entretanto, durou pouco. Em meados de 1944, o Exército Britânico primeiro interrompeu e depois reverteu a ofensiva japonesa U-Go, iniciando a parte bem-sucedida da Campanha da Birmânia. O Exército Nacional Indiano de Bose desintegrou-se em grande parte durante os combates subsequentes na Birmânia, com os seus elementos restantes rendendo-se com a recaptura de Singapura em setembro de 1945. Bose morreu em agosto devido a queimaduras de terceiro grau sofridas após tentar escapar em um avião japonês sobrecarregado que caiu em Taiwan, [124] o que muitos indianos acreditam que não aconteceu. [125] [126] [127] Embora Bose não tenha tido sucesso, ele despertou sentimentos patrióticos na Índia. [128]

 
Chaudhry Khaliquzzaman (à esquerda) apoiando a Resolução de Lahore de 1940 da Liga Muçulmana com Muhammad Ali Jinnah (à direita) presidindo e Liaquat Ali Khan (centro)
Chaudhry Khaliquzzaman (à esquerda) apoiando a Resolução de Lahore de 1940 da Liga Muçulmana com Muhammad Ali Jinnah (à direita) presidindo e Liaquat Ali Khan (centro) 
 
Tropas indianas recém-chegadas ao cais de Singapura, novembro de 1941
Tropas indianas recém-chegadas ao cais de Singapura, novembro de 1941 
 
Tropas do Exército Indiano em ação durante a Operação Crusader na Campanha do Deserto Ocidental no Norte da África em novembro/dezembro de 1941
Tropas do Exército Indiano em ação durante a Operação Crusader na Campanha do Deserto Ocidental no Norte da África em novembro/dezembro de 1941 

1946–1947: Independência, Partição editar

 
Membros da Missão do Gabinete de 1946 à Índia reunidos com Muhammad Ali Jinnah. Na extrema esquerda está Lord Pethick Lawrence; na extrema direita está Sir Stafford Cripps.
 
Porcentagem de muçulmanos por distrito, 1909
 
Porcentagem de hindus por distrito, 1909

Em Janeiro de 1946, eclodiram vários motins nas forças armadas, começando com o dos militares da RAF frustrados com o seu lento repatriamento para a Grã-Bretanha. [129] Os motins chegaram ao auge com o motim da Marinha Real Indiana em Bombaim, em fevereiro de 1946, seguido por outros em Calcutá, Madras e Carachi . Embora os motins tenham sido rapidamente suprimidos, eles tiveram o efeito de estimular o novo governo trabalhista na Grã-Bretanha a agir e de levar à Missão do Gabinete à Índia, liderada pelo secretário de Estado da Índia, Lord Pethick Lawrence, e incluindo Sir Stafford Cripps, que havia visitado quatro anos antes. [129]

Também no início de 1946, novas eleições foram convocadas na Índia. Anteriormente, no final da guerra em 1945, o governo colonial anunciou o julgamento público de três oficiais superiores do derrotado Exército Nacional Indiano de Bose, acusados de traição. Agora que os julgamentos começaram, a liderança do Congresso, embora ambivalente em relação ao INA, optou por defender os oficiais acusados. [130] As subsequentes condenações dos oficiais, o clamor público contra as condenações e a eventual remissão das sentenças criaram propaganda positiva para o Congresso, o que apenas ajudou nas subsequentes vitórias eleitorais do partido em oito das onze províncias. [131] As negociações entre o Congresso e a Liga Muçulmana, no entanto, tropeçaram na questão da partilha. Jinnah proclamou o dia 16 de agosto de 1946, o Dia da Ação Direta, com o objetivo declarado de destacar, pacificamente, a demanda por uma pátria muçulmana na Índia britânica. No dia seguinte, tumultos entre hindus e muçulmanos eclodiram em Calcutá e rapidamente se espalharam por toda a Índia britânica. Embora o Governo da Índia e o Congresso tenham ficado abalados com o curso dos acontecimentos, em Setembro, foi instalado um governo interino liderado pelo Congresso, com Jawaharlal Nehru como primeiro-ministro da Índia unida. [132]

Mais tarde naquele ano, o Tesouro Britânico exausto pela recém-concluída Segunda Guerra Mundial, e o governo Trabalhista consciente de que não tinha nem o mandato interno, o apoio internacional, nem a fiabilidade das forças nativas para continuar a controlar uma Índia Britânica cada vez mais inquieta, [133] [134] decidiu acabar com o domínio britânico na Índia e, no início de 1947, a Grã-Bretanha anunciou sua intenção de transferir o poder o mais tardar em junho de 1948. [135]

À medida que a independência se aproximava, a violência entre hindus e muçulmanos nas províncias de Punjab e Bengala continuou inabalável. Com o exército britânico despreparado para o potencial de aumento da violência, o novo vice-rei, Louis Mountbatten, adiantou a data para a transferência do poder, permitindo menos de seis meses para um plano mutuamente acordado para a independência. [136] [137] Com a divisão da Índia, o fim do domínio britânico na Índia em agosto de 1947 viu a criação de dois estados separados da Índia e do Paquistão. [138]

 
Refugiados muçulmanos no túmulo de Humayun

Em 15 de agosto de 1947, foi inaugurado o novo Domínio do Paquistão (mais tarde República Islâmica do Paquistão), com Muhammad Ali Jinnah como governador-geral; e o Domínio da Índia, (mais tarde República da Índia) com Jawaharlal Nehru como primeiro-ministro, e o vice-rei, Louis Mountbatten, permanecendo quando seu primeiro governador-geral surgiu; com cerimônias oficiais ocorrendo em Karachi em 14 de agosto e em Nova Deli em 15 de agosto. Isso foi feito para que Mountbatten pudesse comparecer a ambas as cerimônias. [139]

A grande maioria dos indianos permaneceu no local com a independência, mas nas zonas fronteiriças milhões de pessoas (muçulmanos, sikhs e hindus) deslocaram-se através das fronteiras recentemente traçadas. No Punjab, onde as novas linhas fronteiriças dividiram as regiões Sikh ao meio, houve muito derramamento de sangue; em Bengala e Bihar, onde a presença de Gandhi acalmou os ânimos comunitários, a violência foi mais limitada. Ao todo, algo entre 250.000 e 500.000 pessoas em ambos os lados das novas fronteiras, entre refugiados e populações residentes das três religiões, morreram na violência. [140]

Monarcas britânicos reinantes durante o período do Raj Britânico, 1858–1947, em moedas de prata de uma rúpia
 
Duas moedas de prata de uma rúpia usadas na Índia durante o Raj britânico, mostrando Vitória, Rainha, 1862 (esquerda) e Vitória, Imperatriz, 1886 (direita)
Duas moedas de prata de uma rúpia usadas na Índia durante o Raj britânico, mostrando Vitória, Rainha, 1862 (esquerda) e Vitória, Imperatriz, 1886 (direita) 
 
Moedas de prata de uma rúpia mostrando Eduardo VII, Rei-Imperador, 1903 (esquerda) e 1908 (direita)
Moedas de prata de uma rúpia mostrando Eduardo VII, Rei-Imperador, 1903 (esquerda) e 1908 (direita) 
 
Moedas de prata de uma rúpia usadas na Índia durante o Raj britânico, mostrando Jorge V, Rei-Imperador, 1913 (esquerda) e 1919 (direita)
Moedas de prata de uma rúpia usadas na Índia durante o Raj britânico, mostrando Jorge V, Rei-Imperador, 1913 (esquerda) e 1919 (direita) 
 
Moedas de uma rúpia mostrando Jorge VI, Rei-Imperador, 1940 (esquerda) e pouco antes da independência da Índia em 1947 (direita). [Nota 2]
Moedas de uma rúpia mostrando Jorge VI, Rei-Imperador, 1940 (esquerda) e pouco antes da independência da Índia em 1947 (direita). [Nota 2] 

Índia Britânica e os Estados Principescos editar

A Índia durante o Raj Britânico era composta por dois tipos de território: a Índia Britânica e os Estados Nativos (ou Estados Principescos). [141] Na sua Lei de Interpretação de 1889, o Parlamento Britânico adotou as seguintes definições na Seção 18:

(4.) A expressão "Índia Britânica" significa todos os territórios e lugares dentro dos domínios de Sua Majestade que são atualmente governados por Sua Majestade através do Governador-Geral da Índia ou através de qualquer governador ou outro oficial subordinado ao Governador-Geral da Índia. (5.) A expressão "Índia" significa a Índia Britânica juntamente com quaisquer territórios de qualquer príncipe ou chefe nativo sob a suserania de Sua Majestade exercida através do Governador-Geral da Índia, ou através de qualquer governador ou outro oficial subordinado ao Governador-Geral da Índia..[142]

Em geral, o termo "Índia Britânica" foi usado (e ainda é usado) para se referir também às regiões sob o domínio da Companhia Britânica das Índias Orientais na Índia de 1600 a 1858. [143][144] O termo também tem sido usado para se referir aos "britânicos na Índia". [145]

Os termos "Império Indiano" e "Império da Índia" (como o termo "Império Britânico") não foram usados na legislação. O monarca era oficialmente conhecido como Imperatriz ou Imperador da Índia e o termo era frequentemente usado nos Discursos da Rainha Vitória e nos Discursos de Prorrogação da Rainha Vitória. Além disso, uma ordem de cavalaria, a Ordem Mais Eminente do Império Indiano, foi criada em 1878.

A suserania sobre 175 estados principescos, alguns dos maiores e mais importantes, foi exercida (em nome da Coroa Britânica) pelo governo central da Índia Britânica sob o vice-rei; os aproximadamente 500 estados restantes dependiam dos governos provinciais da Índia britânica sob um governador, vice-governador ou comissário chefe (conforme o caso). [146] Uma distinção clara entre "domínio" e "suserania" foi fornecida pela jurisdição dos tribunais: a lei da Índia britânica baseava-se nas leis aprovadas pelo Parlamento britânico e nos poderes legislativos - essas leis foram atribuídas aos vários governos da Índia britânica, tanto central como local; em contraste, os tribunais dos Estados Principescos existiam sob a autoridade dos respectivos governantes desses estados. [146]

Principais províncias editar

Na virada do século 20, a Índia britânica consistia em oito províncias que eram administradas por um governador ou um vice-governador.

Áreas e populações (excluindo os Estados Nativos dependentes) c. 1907 [147]
Província da Índia Britânica (e territórios atuais) Área total População em 1901 (milhões) Chefe Administrativo
Assam

(Assam, Arunachal Pradesh, Meghalaya, Mizoram, Nagaland)

130.000km2 6 Comissário Chefe
Bengala

(Bangladesh, Bengala Ocidental, Bihar, Jharkhand e Odisha)

390.000km2 75 Tenente-Governador
Bombaim

(Sind e partes de Maharashtra, Gujarat e Karnataka)

320.000km2 19 Governador em Conselho
Birmânia

(Mianmar)

440.000km2 9 Tenente-Governador
Províncias Centrais e Berar

(Madhya Pradesh e partes de Maharashtra, Chhattisgarh e Odisha)

270.000km2 13 Comissário Chefe
Madras

(Andhra Pradesh, Tamil Nadu e partes de Kerala, Karnataka, Odisha e Telangana)

370.000km2 38 Governador em Conselho
Punjab

(Província de Punjab, Território da Capital Islamabad, Punjab, Haryana, Himachal Pradesh, Chandigarh e Território da Capital Nacional de Deli)

250.000km2 20 Tenente-Governador
Províncias Unidas

(Uttar Pradesh e Uttarakhand)

280.000km2 48 Tenente-Governador

Durante a divisão de Bengala (1905–1913), as novas províncias de Assam e Bengala Oriental foram criadas como um vice-governador. Em 1911, Bengala Oriental foi reunida com Bengala, e as novas províncias do leste tornaram-se: Assam, Bengala, Bihar e Orissa. [148]

Províncias menores editar

Além disso, havia algumas províncias menores que eram administradas por um comissário chefe: [149]

Província menor da Índia britânica (e territórios atuais) Área total em km2 População em 1901 (em milhares) Chefe Administrativo
Ajmer Merwara

(partes do Rajastão)

7.000km2 477 Comissário Chefe ex officio
Ilhas Andamão e Nicobar

(Ilhas Andaman e Nicobar)

78.000km2 25 Comissário Chefe
Baluchistão Britânico

(Baluquistão)

120.000km2 308 Comissário Chefe ex officio
Província de Coorg

(Distrito de Kodagu)

4.100km2 181 Comissário Chefe ex officio
Província da Fronteira Noroeste

(Khyber Pakhtunkhwa)

41.000km2 2.125 Comissário Chefe

Estados principescos editar

 Ver artigo principal: Estado principesco

Um Estado Principesco, também chamado de Estado Nativo ou Estado Indiano, era um estado vassalo britânico na Índia com um governante indiano nominal indígena, sujeito a uma aliança subsidiária. [150] Havia 565 estados principescos quando a Índia e o Paquistão se tornaram independentes da Grã-Bretanha em agosto de 1947. Os estados principescos não faziam parte da Índia britânica (ou seja, as presidências e as províncias), pois não estavam diretamente sob o domínio britânico. Os maiores tinham tratados com a Grã-Bretanha que especificavam quais direitos os príncipes tinham; nos menores, os príncipes tinham poucos direitos. Dentro dos assuntos externos dos estados principescos, a defesa e a maioria das comunicações estavam sob controle britânico. Os britânicos também exerceram uma influência geral sobre a política interna dos estados, em parte através da concessão ou recusa de reconhecimento de governantes individuais. Embora houvesse quase 600 estados principescos, a grande maioria era muito pequena e terceirizava os negócios do governo aos britânicos. Cerca de duzentos estados tinham uma área inferior a 25km2. [150] O último vestígio do Império Mogol em Deli, que estava sob a autoridade da Companhia antes do advento do Raj britânico, foi finalmente abolido e apreendido pela Coroa após o Motim de 1857 por seu apoio à rebelião. [151] [152]

Os estados principescos foram agrupados em agências e residências.

Organização editar

 
Sir Charles Wood (1800–1885) foi presidente do Conselho de Controle da Companhia das Índias Orientais de 1852 a 1855; ele moldou a política educacional britânica na Índia e foi Secretário de Estado da Índia de 1859 a 1866.

Após a Rebelião Indiana de 1857 (geralmente chamada de Motim Indiano pelos britânicos), a Lei do Governo da Índia de 1858 fez mudanças na governança da Índia em três níveis:

  1. Governo imperial em Londres,
  2. Governo central em Calcutá, e
  3. Governos provinciais nas presidências (e mais tarde nas províncias). [153]

Em Londres, previa um Secretário de Estado para a Índia a nível de gabinete e um Conselho da Índia de quinze membros, cujos membros eram obrigados, como pré-requisito para a adesão, a ter passado pelo menos dez anos na Índia e a não o terem feito. mais de dez anos antes. [154] Embora o secretário de Estado formulasse as instruções políticas a serem comunicadas à Índia, na maioria dos casos era-lhe solicitado que consultasse o Conselho, mas especialmente em questões relacionadas com o gasto das receitas indianas. A Lei previa um sistema de “governo duplo” em que o Conselho servisse idealmente tanto como um controlo dos excessos na formulação de políticas imperiais como como um corpo de conhecimentos especializados actualizados sobre a Índia. No entanto, o secretário de Estado também tinha poderes especiais de emergência que lhe permitiam tomar decisões unilaterais e, na realidade, a experiência do Conselho estava por vezes desatualizada. [155] De 1858 a 1947, vinte e sete indivíduos serviram como Secretários de Estado da Índia e dirigiram o Escritório da Índia; estes incluíam: Sir Charles Wood (1859–1866), o Marquês de Salisbury (1874–1878; mais tarde primeiro-ministro britânico), John Morley (1905–1910; iniciador das Reformas Minto-Morley), Edwin Samuel Montagu (1917–1922; um arquiteto das Reformas Montagu-Chelmsford) e Frederick Pethick-Lawrence (1945–1947; chefe da Missão do Gabinete de 1946 na Índia). O tamanho do Conselho Consultivo foi reduzido ao longo do meio século seguinte, mas os seus poderes permaneceram inalterados. Em 1907, pela primeira vez, dois índios foram nomeados para o Conselho. [156] Eles eram K.G. Gupta e Syed Hussain Bilgrami.

 
Lord Canning, o último governador-geral da Índia sob o governo da Companhia e o primeiro vice-rei da Índia sob o governo da Coroa
 
Lord Salisbury foi Secretário de Estado da Índia de 1874 a 1878.

Em Calcutá, o governador-geral permaneceu chefe do governo da Índia e agora era mais comumente chamado de vice-rei devido ao seu papel secundário como representante da Coroa junto aos estados principescos nominalmente soberanos; ele era, no entanto, agora responsável perante o secretário de Estado em Londres e, através dele, perante o Parlamento. Um sistema de "governo duplo" já existia durante o governo da Companhia na Índia, desde a Lei da Índia de Pitt de 1784. O governador-geral da capital, Calcutá, e o governador de uma presidência subordinada (Madras ou Bombaim) eram obrigados, cada um, a consultar o seu conselho consultivo; as ordens executivas em Calcutá, por exemplo, foram emitidas em nome do "Governador-Geral em Conselho" ( ou seja, o Governador-Geral com o conselho do Conselho). O sistema de “duplo governo” da Companhia teve os seus críticos, uma vez que, desde o início do sistema, existiam rixas intermitentes entre o governador-geral e o seu Conselho; ainda assim, a Lei de 1858 não fez grandes mudanças na governança. [157] No entanto, nos anos imediatamente seguintes, que foram também os anos de reconstrução pós-rebelião, o Vice-Rei Lord Canning considerou que a tomada de decisão colectiva do Conselho consumia muito tempo para as tarefas urgentes que tinham pela frente, por isso solicitou o "sistema de portfólio" de um Conselho Executivo em que os negócios de cada departamento governamental (o "portfólio") eram atribuídos e passaram a ser responsabilidade de um único membro do conselho. [157] As decisões departamentais de rotina eram tomadas exclusivamente pelo membro, mas as decisões importantes exigiam o consentimento do governador-geral e, na ausência de tal consentimento, exigiam a discussão por todo o Conselho Executivo. Esta inovação na governação indiana foi promulgada na Lei dos Conselhos Indianos de 1861.

Se o governo da Índia precisasse promulgar novas leis, a Lei dos Conselhos permitia um Conselho Legislativo – uma expansão do Conselho Executivo em até doze membros adicionais, cada um nomeado para um mandato de dois anos – com metade dos membros consistindo de funcionários britânicos. do governo (denominado oficial ) e autorizado a votar, e a outra metade, composta por indianos e britânicos domiciliados na Índia (denominado não oficial ) e servindo apenas como consultor. [158] Todas as leis promulgadas pelos Conselhos Legislativos na Índia, seja pelo Conselho Legislativo Imperial em Calcutá ou pelos provinciais em Madras e Bombaim, exigiam o consentimento final do secretário de estado em Londres; isto levou Sir Charles Wood, o segundo secretário de Estado, a descrever o governo da Índia como "um despotismo controlado a partir de casa". [159] Além disso, embora a nomeação de indianos para o Conselho Legislativo tenha sido uma resposta aos apelos após a rebelião de 1857, principalmente por Sayyid Ahmad Khan, para mais consultas com os indianos, os indianos assim nomeados pertenciam à aristocracia fundiária, muitas vezes escolhidos pela sua lealdade, e longe de ser representativo. [160] Mesmo assim, o "...pequenos avanços na prática do governo representativo pretendiam fornecer válvulas de segurança para a expressão da opinião pública, que havia sido tão mal avaliada antes da rebelião". [161] Os assuntos indianos passaram também a ser examinados mais de perto no Parlamento britânico e mais amplamente discutidos na imprensa britânica. [162]

Com a promulgação da Lei do Governo da Índia de 1935, o Conselho da Índia foi abolido com efeitos a partir de 1 de abril de 1937 e um sistema de governo modificado foi promulgado. O secretário de estado da Índia representou o governo da Índia no Reino Unido. Ele foi auxiliado por um corpo de conselheiros de 8 a 12 indivíduos, pelo menos metade dos quais deveriam ter ocupado cargos na Índia por um período mínimo de 10 anos, e não haviam renunciado ao cargo antes de dois anos antes de sua nomeação como conselheiros ao secretário de estado. [163]

O vice-rei e governador-geral da Índia, nomeado pela Coroa, normalmente ocupava o cargo por cinco anos, embora não houvesse mandato fixo, e recebia um salário anual de Rs. 250,800 p.a. (£ 18.810 por ano). [164] [165] Ele chefiou o Conselho Executivo do Vice-Rei, cada membro responsável por um departamento da administração central. A partir de 1 de abril de 1937, o cargo de Governador-Geral no Conselho, que o vice-rei e o governador-geral ocupavam simultaneamente na qualidade de representante da Coroa nas relações com os estados principescos indianos, foi substituído pela designação de "Representante de Sua Majestade para o Exercício das Funções da Coroa nas suas Relações com os Estados Indianos", ou o "Representante da Coroa". O Conselho Executivo foi bastante ampliado durante a Segunda Guerra Mundial e, em 1947, era composto por 14 membros (secretários), cada um dos quais ganhava um salário de Rs. 66.000 por ano (£ 4.950 por ano). Os portfólios em 1946-1947 foram:

  • Assuntos Externos e Relações da Commonwealth
  • Casa e Informação e Radiodifusão
  • Alimentação e transporte
  • Transporte e Ferrovias
  • Trabalho
  • Indústrias e Suprimentos
  • Obras, Minas e Energia
  • Educação
  • Defesa
  • Finança
  • Comércio
  • Comunicações
  • Saúde
  • Lei

Até 1946, o vice-rei ocupou a pasta de Assuntos Externos e Relações da Commonwealth, bem como chefiou o Departamento Político na qualidade de representante da Coroa. Cada departamento era chefiado por um secretário, exceto o Departamento Ferroviário, que era chefiado por um Comissário Chefe das Ferrovias subordinado a um secretário. [166]

O vice-rei e governador-geral também era o chefe da legislatura indiana bicameral, composta por uma câmara alta (o Conselho de Estado) e uma câmara baixa (a Assembleia Legislativa). O vice-rei era o chefe do Conselho de Estado, enquanto a Assembleia Legislativa, inaugurada em 1921, era chefiada por um presidente eleito (nomeado pelo vice-rei de 1921 a 1925). O Conselho de Estado era composto por 58 membros (32 eleito, 26 nomeado), enquanto a Assembleia Legislativa era composta por 141 membros (26 funcionários nomeados, 13 outros indicados e 102 eleito). O Conselho de Estado existiu por períodos de cinco anos e a Assembleia Legislativa por períodos de três anos, embora ambos pudessem ser dissolvidos mais cedo ou mais tarde pelo Vice-Rei. A legislatura indiana foi autorizada a legislar para todas as pessoas residentes na Índia britânica, incluindo todos os súditos britânicos residentes na Índia, e para todos os súditos indianos britânicos que residem fora da Índia. Com o consentimento do Rei-Imperador e após cópias de uma proposta de lei terem sido submetidas a ambas as casas do Parlamento Britânico, o Vice-Rei poderia anular a legislatura e promulgar diretamente quaisquer medidas no interesse percebido da Índia Britânica ou de seus residentes, se necessário. [167]

Em vigor a partir de 1 de abril de 1936, a Lei do Governo da Índia criou as novas províncias de Sind (separadas da Presidência de Bombaim) e Orissa (separadas da província de Bihar e Orissa). Birmânia e Aden tornaram-se colônias da Coroa separadas sob a Lei de 1º de abril de 1937, deixando assim de fazer parte do Império Indiano. A partir de 1937, a Índia Britânica foi dividida em 17 administrações: as três Presidências de Madras, Bombaim e Bengala, e as 14 províncias das Províncias Unidas, Punjab, Bihar, as Províncias Centrais e Berar, Assam, a Província da Fronteira Noroeste (NWFP), Orissa, Sind, Baluchistão Britânico, Deli, Ajmer-Merwara, Coorg, Ilhas Andaman e Nicobar e Panth Piploda. As presidências e as primeiras oito províncias estavam cada uma sob o comando de um governador, enquanto as últimas seis províncias estavam cada uma sob o comando de um comissário-chefe. O vice-rei governou diretamente as províncias comissárias-chefes através de cada respectivo comissário-chefe, enquanto as presidências e as províncias sob governadores tiveram maior autonomia sob a Lei do Governo da Índia. [168] [169] Cada Presidência ou província chefiada por um governador tinha uma legislatura provincial bicameral (nas Presidências, nas Províncias Unidas, Bihar e Assam) ou uma legislatura unicameral (no Punjab, Províncias Centrais e Berar, NWFP, Orissa e Sind). O governador de cada presidência ou província representava a Coroa na sua qualidade e era coadjuvado por ministros nomeados entre os membros de cada legislatura provincial. Cada legislatura provincial tinha uma duração de cinco anos, salvo quaisquer circunstâncias especiais, como condições de guerra. Todos os projetos de lei aprovados pela legislatura provincial foram assinados ou rejeitados pelo governador, que também poderia emitir proclamações ou promulgar decretos enquanto a legislatura estivesse em recesso, conforme a necessidade. [169]

Cada província ou presidência compreendia uma série de divisões, cada uma chefiada por um comissário e subdividida em distritos, que eram as unidades administrativas básicas e cada uma chefiada por um magistrado distrital, coletor ou vice-comissário ; em 1947, a Índia Britânica compreendia 230 distritos. [170]

Sistema legal editar

 
Carruagem de Elefante do Marajá de Rewa, Delhi Durbar, de 1903

Singha argumenta que depois de 1857 o governo colonial fortaleceu e expandiu a sua infra-estrutura através do sistema judicial, procedimentos legais e estatutos. A nova legislação fundiu os tribunais da Coroa e da antiga Companhia das Índias Orientais e introduziu um novo código penal, bem como novos códigos de processo civil e criminal, baseados em grande parte na lei inglesa. Nas décadas de 1860 a 1880, o Raj estabeleceu o registro obrigatório de nascimentos, óbitos e casamentos, bem como de adoções, títulos de propriedade e testamentos. O objetivo era criar um registro público estável e utilizável e identidades verificáveis. No entanto, houve oposição de elementos muçulmanos e hindus que se queixaram de que os novos procedimentos de recenseamento e registo ameaçavam revelar a privacidade feminina. As regras de Purdah proibiam as mulheres de dizer o nome do marido ou de tirar fotos. Um censo de toda a Índia foi realizado entre 1868 e 1871, muitas vezes usando o número total de mulheres em uma família, em vez de nomes individuais. Grupos selecionados que os reformadores do Raj queriam monitorar estatisticamente incluíam aqueles com reputação de praticar infanticídio feminino, prostitutas, leprosos e eunucos. [171]

Murshid argumenta que as mulheres foram, de certa forma, mais restringidas pela modernização das leis. Eles permaneceram vinculados às restrições de sua religião, casta e costumes, mas agora com uma sobreposição de atitudes vitorianas britânicas. Os seus direitos de herança para possuir e administrar propriedades foram restringidos; as novas leis inglesas eram um pouco mais severas. As decisões judiciais restringiram os direitos das segundas esposas e dos seus filhos em relação à herança. Uma mulher tinha que pertencer ao pai ou ao marido para ter quaisquer direitos. [172]

Economia editar

Tendências econômicas editar

 
Um Mohur representando a Rainha Vitória (1862)

Todos os três sectores da economia – agricultura, indústria transformadora e serviços – aceleraram na Índia pós-colonial. Na agricultura, ocorreu um enorme aumento na produção na década de 1870. A diferença mais importante entre a Índia colonial e a pós-colonial foi a utilização do excedente de terra com crescimento liderado pela produtividade, através da utilização de sementes de variedades de alto rendimento, fertilizantes químicos e aplicação mais intensiva de água. Todos esses três insumos foram subsidiados pelo Estado. [173] O resultado foi, em média, nenhuma alteração a longo prazo nos níveis de rendimento per capita, embora o custo de vida tivesse aumentado. A agricultura ainda era dominante, com a maioria dos camponeses no nível de subsistência. Foram construídos extensos sistemas de irrigação, proporcionando um impulso à mudança para culturas comerciais para exportação e para matérias-primas para a indústria indiana, especialmente juta, algodão, cana-de-açúcar, café e chá. [174] A participação global da Índia no PIB caiu drasticamente, de mais de 20% para menos de 5% no período colonial. [175] Os historiadores têm estado profundamente divididos em questões de história económica, com a escola nacionalista (seguindo Nehru) a argumentar que a Índia era mais pobre no final do domínio britânico do que no início e que o empobrecimento ocorreu por causa dos britânicos. [176]

Mike Davis escreve que grande parte da atividade econômica na Índia britânica foi em benefício da economia britânica e foi realizada incansavelmente através de políticas imperiais britânicas repressivas e com repercussões negativas para a população indiana. Isto é concretizado nas grandes exportações de trigo da Índia para a Grã-Bretanha: apesar de uma grande fome que assolou entre 6 e 10 milhões de vidas no final da década de 1870, estas exportações permaneceram sem controlo. Um governo colonial comprometido com a economia laissez-faire recusou-se a interferir nestas exportações ou a fornecer qualquer ajuda. [177]

Indústria editar

Com o fim do monopólio concedido pelo estado da East India Trading Company em 1813, a importação para a Índia de produtos manufaturados britânicos, incluindo têxteis acabados, aumentou dramaticamente, de aproximadamente 1 milhão de jardas de tecido de algodão em 1814 para 13 milhões em 1820, 995 milhões em 1870, até 2050 milhões em 1890. Os britânicos impuseram o "comércio livre" à Índia, enquanto a Europa continental e os Estados Unidos ergueram rígidas barreiras tarifárias que variam de 30% a 70% à importação de fios de algodão ou a proibiram totalmente. Como resultado das importações mais baratas da Grã-Bretanha mais industrializada, o setor industrial mais significativo da Índia, a produção têxtil, encolheu, de tal forma que por volta de 1870-1880 os produtores indianos fabricavam apenas 25% a 45% do consumo local. A desindustrialização da indústria siderúrgica da Índia foi ainda mais extensa durante este período. [178]

O empresário Jamsetji Tata (1839–1904) iniciou sua carreira industrial em 1877 na Central India Spinning, Weaving, and Manufacturing Company em Bombaim. Enquanto outras fábricas indianas produziam fios grossos baratos (e mais tarde tecidos) usando algodão local de fibra curta e maquinário barato importado da Grã-Bretanha, a Tata se saiu muito melhor importando algodão caro de fibra longa do Egito e comprando máquinas de fuso anelar mais complexas dos Estados Unidos. Estados a fiar fios mais finos que pudessem competir com as importações da Grã-Bretanha. [179]

Na década de 1890, ele lançou planos para entrar na indústria pesada usando financiamento indiano. O Raj não forneceu capital, mas, ciente do declínio da posição da Grã-Bretanha face aos EUA e à Alemanha na indústria siderúrgica, queria fábricas de aço na Índia. Prometeu comprar qualquer excedente de aço que a Tata não pudesse vender de outra forma. [180] A Tata Iron and Steel Company (TISCO), agora chefiada por seu filho Dorabji Tata (1859–1932), começou a construir sua fábrica em Jamshedpur, em Bihar, em 1908, usando tecnologia americana, não britânica. [181] De acordo com o Dicionário Oxford de Biografia Nacional, a TISCO tornou-se o principal produtor de ferro e aço da Índia e "um símbolo da habilidade técnica, competência gerencial e talento empreendedor indiano". [182] A família Tata, tal como a maioria dos grandes empresários da Índia, eram nacionalistas indianos, mas não confiavam no Congresso porque este parecia demasiado agressivamente hostil ao Raj, demasiado socialista e demasiado apoiante dos sindicatos. [183]

Ferrovias editar

 Ver artigo principal: Transporte ferroviário na Índia
 
A rede ferroviária da Índia em 1871 conecta todas as grandes cidades, Calcutá, Bombaim e Madras, bem como Delhi.

A Índia britânica construiu um sistema ferroviário moderno no final do século XIX, que era o quarto maior do mundo. No início, as ferrovias eram de propriedade e operação privadas. Eles eram administrados por administradores, engenheiros e artesãos britânicos. No início, apenas os trabalhadores não qualificados eram indianos. [184]

 
A rede ferroviária da Índia em 1909, quando era a quarta maior rede ferroviária do mundo
 
“A estação ferroviária mais magnífica do mundo”, diz a legenda da imagem turística estereográfica de Victoria Terminus, Bombaim, concluída em 1888.

A Companhia das Índias Orientais (e mais tarde o governo colonial) incentivou novas empresas ferroviárias apoiadas por investidores privados no âmbito de um esquema que forneceria terrenos e garantiria um retorno anual de até 5% durante os primeiros anos de operação. As empresas deveriam construir e operar as linhas sob um contrato de arrendamento de 99 anos, com o governo tendo a opção de comprá-las mais cedo. [185] Duas novas empresas ferroviárias, a Great Indian Peninsular Railway (GIPR) e a East Indian Railway Company (EIR) começaram a construir e operar linhas perto de Bombaim e Calcutá em 1853-54. A primeira linha ferroviária de passageiros no norte da Índia, entre Allahabad e Kanpur, foi inaugurada em 1859. Eventualmente, cinco empresas britânicas passaram a possuir todos os negócios ferroviários na Índia, [186] e operaram sob um esquema de maximização de lucros. [187] Além disso, não havia regulamentação governamental para essas empresas. [186]

Em 1854, o governador-geral Lord Dalhousie formulou um plano para construir uma rede de linhas troncais conectando as principais regiões da Índia. Encorajados pelas garantias do governo, o investimento fluiu e uma série de novas empresas ferroviárias foi criada, levando à rápida expansão do sistema ferroviário na Índia. [188] Logo vários grandes estados principescos construíram seus próprios sistemas ferroviários e a rede se espalhou pelas regiões que se tornaram os atuais estados de Assam, Rajastão e Andhra Pradesh. A quilometragem da rota desta rede aumentou de 1.349 a 25.496km entre 1860 e 1890, irradiando principalmente para o interior a partir das três principais cidades portuárias de Bombaim, Madras e Calcutá. [189]

Após a Rebelião dos Sepoys em 1857, e o subsequente domínio da Coroa sobre a Índia, as ferrovias foram vistas como uma defesa estratégica da população europeia, permitindo que os militares se movessem rapidamente para subjugar a agitação nativa e proteger os britânicos. [190] A ferrovia serviu assim como uma ferramenta do governo colonial para controlar a Índia, pois era "uma 'ferramenta'" estratégica, defensiva, subjugadora e administrativa essencial para o Projeto Imperial. [191]

A maior parte da construção ferroviária foi feita por empresas indianas supervisionadas por engenheiros britânicos. [192] O sistema foi fortemente construído, usando bitola larga, trilhos robustos e pontes fortes. Em 1900, a Índia tinha uma gama completa de serviços ferroviários com propriedade e gestão diversificadas, operando em redes de bitola larga e de bitola estreita. Em 1900, o governo assumiu a rede GIPR, enquanto a empresa continuou a geri-la. [192] Durante a Primeira Guerra Mundial, as ferrovias foram usadas para transportar tropas e grãos para os portos de Bombaim e Carachi, a caminho da Grã-Bretanha, Mesopotâmia e África Oriental. Com a redução das remessas de equipamentos e peças da Grã-Bretanha, a manutenção tornou-se muito mais difícil; trabalhadores críticos entraram no exército; oficinas foram convertidas para fabricação de munições; as locomotivas, o material rodante e os trilhos de algumas linhas inteiras foram enviados para o Oriente Médio. As ferrovias mal conseguiam acompanhar o aumento da demanda. [193] No final da guerra, as ferrovias estavam deterioradas por falta de manutenção e não eram lucrativas. Em 1923, tanto o GIPR como o EIR foram nacionalizados. [194] [195]

Headrick mostra que, até a década de 1930, tanto as linhas do Raj quanto as empresas privadas contratavam apenas supervisores europeus, engenheiros civis e até mesmo pessoal operacional, como engenheiros de locomotivas. O árduo trabalho físico ficou para os índios. O governo colonial estava principalmente preocupado com o bem-estar dos trabalhadores europeus, e quaisquer mortes de índios eram "ignoradas ou meramente mencionadas como um número estatístico frio". [196] [197] A Política de Lojas do governo exigia que as licitações para contratos ferroviários fossem feitas ao Escritório da Índia em Londres, excluindo a maioria das empresas indianas. [198] As empresas ferroviárias compraram a maior parte do seu hardware e peças na Grã-Bretanha. Havia oficinas de manutenção ferroviária na Índia, mas raramente eram autorizadas a fabricar ou reparar locomotivas. [199]

Após a independência em 1947, quarenta e dois sistemas ferroviários separados, incluindo trinta e duas linhas pertencentes aos antigos estados principescos indianos, foram amalgamados para formar uma única unidade nacionalizada chamada Ferrovias Indianas.

A Índia é um exemplo do Império Britânico que investiu o seu dinheiro e conhecimentos num sistema muito bem construído, concebido para fins militares (após a Rebelião de 1857), na esperança de que estimulasse a indústria. O sistema foi superconstruído e muito caro para a pequena quantidade de tráfego de carga que transportava. Christensen (1996), que analisou o propósito colonial, as necessidades locais, o capital, os serviços e os interesses privados versus públicos, concluiu que tornar as ferrovias uma criatura do Estado impedia o sucesso porque as despesas ferroviárias tinham que passar pelo mesmo processo demorado. e processo de orçamentação política, tal como fizeram todas as outras despesas do Estado. Os custos ferroviários não poderiam, portanto, ser adaptados às necessidades actuais dos caminhos-de-ferro ou dos seus passageiros. [200]

Irrigação editar

O Raj britânico investiu pesadamente em infraestrutura, incluindo canais e sistemas de irrigação. [201] O Canal do Ganges atingiu 350 milhas (560 km) de Haridwar a Cawnpore (agora Kanpur) e forneceu milhares de quilômetros de canais de distribuição. Em 1900, o Raj tinha o maior sistema de irrigação do mundo. Uma história de sucesso foi Assam, uma selva em 1840 que em 1900 tinha 4 000 000 acre(s)s (1 600 000 ha) de cultivo, especialmente em plantações de chá. Ao todo, a quantidade de terras irrigadas aumentou oito vezes. O historiador David Gilmour diz: [202]

Na década de 1870, o campesinato dos distritos irrigados pelo Canal do Ganges estava visivelmente mais bem alimentado, alojado e vestido do que antes; no final do século, a nova rede de canais no Punjab tinha produzido ali um campesinato ainda mais próspero.

Políticas editar

 
O Queen's Own Madras de sapadores e mineiros da rainha, 1896

Na segunda metade do século XIX, tanto a administração directa da Índia pela Coroa Britânica como a mudança tecnológica introduzida pela revolução industrial tiveram o efeito de interligar estreitamente as economias da Índia e da Grã-Bretanha. [203] Na verdade, muitas das principais mudanças nos transportes e comunicações (tipicamente associadas ao domínio da Coroa na Índia) já tinham começado antes da Rebelião. Desde que Dalhousie abraçou a revolução tecnológica em curso na Grã-Bretanha, a Índia também assistiu ao rápido desenvolvimento de todas essas tecnologias. Ferrovias, estradas, canais e pontes foram rapidamente construídas na Índia e ligações telegráficas estabelecidas com igual rapidez para que as matérias-primas, como o algodão, do interior da Índia pudessem ser transportadas com mais eficiência para portos, como Bombaim, para posterior exportação para a Inglaterra. [204] Da mesma forma, os produtos acabados provenientes de Inglaterra eram transportados de volta, com a mesma eficiência, para serem vendidos nos florescentes mercados indianos. Grandes projetos ferroviários foram iniciados para valer e empregos e pensões ferroviárias governamentais atraíram pela primeira vez um grande número de hindus de castas superiores para os serviços públicos. O Serviço Civil Indiano era prestigiado e bem pago. Permaneceu politicamente neutro. [205] As importações de tecidos de algodão britânicos capturaram mais da metade do mercado indiano no final do século XIX e início do século XX. [206] A produção industrial, tal como se desenvolveu nas fábricas europeias, era desconhecida até à década de 1850, quando as primeiras fábricas de algodão foram abertas em Bombaim, representando um desafio ao sistema de produção caseira baseado no trabalho familiar. [207]

Os impostos na Índia diminuíram durante o período colonial para a maior parte da população da Índia; com a receita do imposto sobre a terra representando 15% da renda nacional da Índia durante a época Mughal, em comparação com 1% no final do período colonial. A percentagem do rendimento nacional para a economia da aldeia aumentou de 44% durante a época Mughal para 54% no final do período colonial. O PIB per capita da Índia diminuiu de 550 dólares internacionais em 1990 em 1700 para 520 dólares em 1857, embora mais tarde tenha aumentado para 618 dólares, em 1947. [208]

Impacto econômico do Raj editar

Os historiadores continuam a debater se a intenção a longo prazo do domínio britânico era acelerar o desenvolvimento económico da Índia ou distorcê-lo e atrasá-lo. Em 1780, o político conservador britânico Edmund Burke levantou a questão da posição da Índia: atacou veementemente a Companhia das Índias Orientais, alegando que Warren Hastings e outros altos funcionários tinham arruinado a economia e a sociedade indianas. O historiador indiano Rajat Kanta Ray (1998) continua esta linha de ataque, dizendo que a nova economia trazida pelos britânicos no século XVIII foi uma forma de “pilhagem” e uma catástrofe para a economia tradicional do Império Mogol. [209] Ray acusa os britânicos de esgotarem os estoques de alimentos e dinheiro e de imporem altos impostos que ajudaram a causar a terrível fome de Bengala de 1770, que matou um terço da população de Bengala. [210]

P.J. Marshall mostra que estudos recentes reinterpretaram a visão de que a prosperidade do anteriormente benigno governo Mogol deu lugar à pobreza e à anarquia. [211] Ele argumenta que a aquisição britânica não fez qualquer ruptura acentuada com o passado, que delegou em grande parte o controlo aos governantes regionais mogóis e sustentou uma economia geralmente próspera durante o resto do século XVIII. Marshall observa que os britânicos estabeleceram parceria com banqueiros indianos e aumentaram as receitas através de administradores fiscais locais e mantiveram as antigas taxas de tributação Mogol.

A Companhia das Índias Orientais herdou um sistema tributário oneroso que consumia um terço da produção dos agricultores indianos. [212] Em vez do relato nacionalista indiano dos britânicos como agressores estrangeiros, tomando o poder pela força bruta e empobrecendo toda a Índia, Marshall apresenta a interpretação (apoiada por muitos estudiosos na Índia e no Ocidente) de que os britânicos não estavam no controle total, mas em vez disso estavam jogadores no que era principalmente um jogo indiano e no qual a sua ascensão ao poder dependia de uma excelente cooperação com as elites indianas. [213] Marshall admite que grande parte de sua interpretação ainda é altamente controversa entre muitos historiadores. [214]

Estudos sugerem que entre 1765 e 1938 cerca de 45 biliões de dólares foram roubados pelos britânicos como resultado do seu controlo direto sobre a Índia. [215] [216] [217]

Demografia editar

 
O censo de 1921 da Índia britânica mostra 69 milhões de muçulmanos e 217 milhões de hindus de uma população total de 316 milhões.

A população do território que se tornou o Raj britânico era de 100 milhões em 1600 e permaneceu quase estacionário até o século XIX. A população do Raj atingiu 255 milhões de acordo com o primeiro censo realizado em 1881 na Índia. [218] [219] [220] [221]

Os estudos da população da Índia desde 1881 concentraram-se em tópicos como a população total, as taxas de natalidade e mortalidade, as taxas de crescimento, a distribuição geográfica, a alfabetização, a divisão rural e urbana, as cidades de um milhões, e as três cidades com população superior a oito milhões: Deli, Grande Bombaim e Calcutá. [222]

As taxas de mortalidade caíram na era 1920-1945, principalmente devido à imunização biológica. Outros fatores incluíram o aumento dos rendimentos e melhores condições de vida, melhor nutrição, um ambiente mais seguro e limpo e melhores políticas oficiais de saúde e cuidados médicos. [223]

A severa superlotação nas cidades causou grandes problemas de saúde pública, conforme observado em um relatório oficial de 1938: [224]

Nas áreas urbanas e industriais... os locais apertados, os elevados valores dos terrenos e a necessidade do trabalhador viver nas proximidades do seu trabalho... tudo tende a intensificar o congestionamento e a sobrelotação. Nos centros mais movimentados, as casas são construídas próximas umas das outras, beirais tocando beirais, e frequentemente costas com costas... O espaço é tão valioso que, no lugar de ruas e estradas, vielas sinuosas fornecem o único acesso às casas. A negligência do saneamento é muitas vezes evidenciada por montes de lixo apodrecido e poças de esgoto, enquanto a ausência de latrinas aumenta a poluição geral do ar e do solo.

Religião editar

Religião na Índia Britânica (1891) [225] [226]:171
Religião 1891
Pop. %
Bramânico 207.731.727 &0000000000000072.00000072%
Musalman (muçulmano) 57.321.164 &0000000000000020.00000020%
Animista 9.280.467 &0000000000000003.0000003%
Budista 7.131.361 &0000000000000002.0000002%
Cristão 2.284.380 &0000000000000001.0000001%
Jainista 1.416.638 &0000000000000000.5000000,5%
Zoroastriano 89.904 &-1000000000000000.0300000,03%
Judeu 17.194 &-1000000000000000.0100000,01%
Outros 42.763
População total 287.223.431 &0000000000000100.000000100%
Religião na Índia Britânica (1921) [227]
Religião 1921
Pop. %
Hindus 216.734.586 &0000000000000069.00000069%
Muçulmanos 68.735.233 &0000000000000022.00000022%
Animistas 9.774.611 &0000000000000003.0000003%
Budista 11.571.268 &0000000000000004.0000004%
Cristãos 4.754.064 &0000000000000002.0000002%
Jainistas 1.178.596 &0000000000000000.4000000,4%
Sikhs 3.238.803 &0000000000000001.0000001%
População total 316.128.721 &0000000000000100.000000100%

Fome, epidemias e saúde pública editar

Fomes na Índia durante o domínio britânico
Fome Período Mortes (em milhões)
Fome de 1770 em Bengala 1769–1770
Fome Chalisa 1783–1784
Fome Doji bara 1789–1795
Fome de Agra 1837–1838
Rajputana Oriental 1860–1861
Fome de Orissa 1865–1867
Fome de Rajputana 1868–1870
Fome de Bihar 1873–1874
0
Grande Fome de 1876-1878 1876–1878
10.3[234]
Odisha, Bihar 1888–1889
0.15[235]
Fome indiana de 1896-1897 1896–1897
Fome indiana de 1899-1900 1899–1900
Fome de 1943 em Bengala 1943–1944
Total de mortos: 64.48[237][238][239]
 
Criança que morreu de fome durante a fome de Bengala em 1943

Durante o Raj britânico, a Índia sofreu algumas das piores fomes alguma vez registadas, incluindo a Grande Fome de 1876-1878, na qual 6,1 milhões para 10,39 milhões de indianos morreram [240] e a fome indiana de 1899–1900, na qual morreram 1,25 a 10 milhões de indianos. [241] Pesquisas recentes, incluindo o trabalho de Mike Davis e Amartya Sen, [242] argumentam que a fome na Índia foi agravada pelas políticas britânicas na Índia.

A primeira pandemia de cólera começou em Bengala e depois se espalhou pela Índia em 1820. Dez mil soldados britânicos e incontáveis indianos morreram durante esta pandemia. As mortes estimadas na Índia entre 1817 e 1860 ultrapassaram 15 milhões. Outros 23 milhões morreram entre 1865 e 1917. [243] A terceira pandemia de peste, que começou na China em meados do século XIX, acabou por se espalhar por todos os continentes habitados e matou 10 milhões de indianos só na Índia. [244] Waldemar Haffkine, que trabalhou principalmente na Índia, tornou-se o primeiro microbiologista a desenvolver e implantar vacinas contra a cólera e a peste bubônica. Em 1925, o Laboratório da Peste em Bombaim foi renomeado como Instituto Haffkine.

As febres foram classificadas como uma das principais causas de morte na Índia no século XIX. [245] Sir Ronald Ross, da Grã-Bretanha, trabalhando no Hospital Geral da Presidência em Calcutá, finalmente provou em 1898 que os mosquitos transmitem a malária, durante uma missão no Deccan em Secunderabad, onde o Centro de Doenças Tropicais e Transmissíveis é agora nomeado em sua homenagem. [246]

Em 1881 havia cerca de 120.000 pacientes com hanseníase. O governo central aprovou a Lei dos Leprosos de 1898, que previa disposições legais para o confinamento forçado de pessoas com hanseníase na Índia. [247] Sob a direção de Mountstuart Elphinstone foi lançado um programa para propagar a vacinação contra a varíola. [248] A vacinação em massa na Índia resultou num grande declínio na mortalidade por varíola no final do século XIX. [249] Em 1849, quase 13% de todas as mortes em Calcutá foram causadas pela varíola. [250] Entre 1868 e 1907, havia aproximadamente 4,7 milhões de mortes por varíola. [251]

Sir Robert Grant direcionou sua atenção para o estabelecimento de uma instituição sistemática em Bombaim para transmitir conhecimentos médicos aos nativos. [252] Em 1860, o Grant Medical College tornou-se uma das quatro faculdades reconhecidas por ministrar cursos conducentes a diplomas (ao lado do Elphinstone College, Deccan College e Government Law College, Mumbai). [253]

Massacre de civis indianos pelas tropas britânicas editar

Esta é a lista de massacres civis de índios, na maioria dos casos multidões pacíficas desarmadas, pelas tropas coloniais britânicas.

  • As tropas do Brigadeiro General R. E. H. Dyer [254] massacraram de 379 a mais de 1.500 civis pacíficos desarmados, [255] e feriram mais de 1.200 outros civis indianos. [256] O nível de brutalidade casual e a falta de qualquer responsabilização chocaram toda a nação, [257] resultando numa dolorosa perda de fé do público indiano em geral nas intenções do Reino Unido. [258]
  • Massacre de Munshiganj Raebareli em 7 de janeiro de 1921 em Munshiganj em Rae Bareli em Uttar Pradesh: [259] O número oficial de mortos de agricultores indianos é considerado mínimo pelos historiadores britânicos, enquanto outras estimativas colocam o número de mortos na casa das centenas, [259] causando a vizinha Sai rio fica vermelho por causa do sangue. [260]
  • Massacre de Salanga [261] em 27 de janeiro de 1922 no bazar de Salanga em Raiganj Upazila, na então província de Bengala e atual Bangladesh: [262] A polícia abriu fogo matando centenas, [263] o número de mortos variou de 1.500 a 4.500 pessoas. [264] Um cemitério comum permanece perto de Salanga Bazar em Rahmatganj, [264] onde o Dia de Salanga é comemorado anualmente em 27 de janeiro em memória das vítimas. [261]
  • Massacre de Qissa Khwani em 23 de abril de 1930 na moderna Khyber Pakhtunkhwa, no Paquistão: Neste ataque de abalroamento de veículos blindados e tiroteio em massa contra civis desarmados, combatentes pela liberdade de Khudai Khidmatgar, pelas tropas coloniais britânicas, o tiroteio de pessoas desarmadas desencadeou protestos em todo o país. [265]
  • Massacre de Spin Tangi em 24 de agosto de 1930 na vila de Spin Tangi perto de Domel, no distrito de Bannu, na província da fronteira noroeste da Índia britânica: 80 manifestantes não violentos de Khudai Khidmatgar Pashtun foram mortos pelo exército colonial britânico. [266] [267]
  • Massacre de Takkar em 28 de maio de 1930 em Takkar em Mardan Tehsil na Província da Fronteira Noroeste da Índia Britânica: Quando os aldeões locais tentaram impedir os soldados de prenderem ativistas lutadores pela liberdade do movimento Khudai Khidmatgar, no tiroteio que se seguiu, um policial inglês chamado Murphy foi morto, três dias depois, uma grande força de tropas coloniais britânicas atacou a aldeia em retaliação, matando 70 e ferindo outras 150 pessoas no massacre. Um monumento foi construído em memória das vítimas. [268]
  • Massacre de Vidurashwatha em 25 de abril de 1938 em Vidurashwatha (atualmente em Gauribidanur taluk do distrito de Chikkaballapur em Karnataka): As tropas coloniais dispararam 90 tiros contra pessoas desarmadas que se reuniram para hastear a bandeira do Congresso Nacional Indiano, matando 33 e ferindo mais de 100 pessoas. [269]

Educação editar

 Ver artigo principal: Macaulayismo
 
A Universidade de Lucknow, fundada pelos britânicos em 1867

Thomas Babington Macaulay (1800–1859) apresentou sua interpretação Whigh da história inglesa como uma progressão ascendente sempre levando a mais liberdade e mais progresso. Macaulay foi simultaneamente um importante reformador envolvido na transformação do sistema educacional da Índia. Ele basear-se-ia na língua inglesa para que a Índia pudesse juntar-se à metrópole num progresso ascendente constante. Macaulay pegou a ênfase de Burke na regra moral e a implementou nas reformas escolares reais, dando ao Império Britânico uma profunda missão moral de "civilizar os nativos".

A professora de Yale, Karuna Mantena, argumentou que a missão civilizadora não durou muito, pois afirma que os reformadores benevolentes foram os perdedores em debates importantes, como os que se seguiram à rebelião de 1857 na Índia e ao escândalo da repressão brutal de Edward Eyre ao Rebelião de Morant Bay na Jamaica em 1865. A retórica continuou, mas tornou-se um álibi para o desgoverno e o racismo britânicos. Já não se acreditava que os nativos pudessem realmente progredir; em vez disso, tinham de ser governados com mão pesada, com as oportunidades democráticas adiadas indefinidamente. Como resultado:

Os princípios centrais do imperialismo liberal foram desafiados à medida que várias formas de rebelião, resistência e instabilidade nas colónias precipitaram uma reavaliação abrangente... a equiparação do 'bom governo' com a reforma da sociedade nativa, que estava no cerne da o discurso do império liberal, estaria sujeito a um ceticismo crescente.[270]

O historiador inglês Peter Cain desafiou Mantena, argumentando que os imperialistas acreditavam verdadeiramente que o domínio britânico traria aos súbditos os benefícios da “liberdade ordenada”, permitindo assim que a Grã-Bretanha cumprisse o seu dever moral e alcançasse a sua própria grandeza. Grande parte do debate teve lugar na própria Grã-Bretanha e os imperialistas trabalharam arduamente para convencer a população em geral de que a missão civilizadora estava bem encaminhada. Esta campanha serviu para reforçar o apoio imperial a nível interno e, assim, diz Cain, para reforçar a autoridade moral das elites cavalheirescas que governavam o Império. [271]

 
A Universidade de Calcutá, fundada em 1857, é uma das três universidades estaduais modernas mais antigas da Índia.

As universidades de Calcutá, Bombaim e Madras foram fundadas em 1857, pouco antes da Rebelião. Em 1890, cerca de 60 mil indianos haviam se matriculado, principalmente nas artes liberais ou no direito. Cerca de um terço ingressou na administração pública e outro terço tornou-se advogado. O resultado foi uma burocracia estatal profissional muito bem formada. Em 1887, das 21.000 nomeações para serviços públicos de nível médio, 45% eram ocupadas por hindus, 7% por muçulmanos, 19% por eurasianos (pai europeu e mãe indiana) e 29% por europeus. Dos 1.000 cargos de alto nível na função pública, quase todos eram ocupados por britânicos, normalmente com diploma de Oxbridge. [272] O governo, muitas vezes trabalhando com filantropos locais, abriu 186 universidades e faculdades de ensino superior até 1911; eles matricularam 36.000 alunos (mais de 90% homens). Em 1939, o número de instituições dobrou e as matrículas atingiram 145.000. O currículo seguia os padrões clássicos britânicos do tipo estabelecido por Oxford e Cambridge e enfatizava a literatura inglesa e a história europeia. No entanto, na década de 1920, os corpos estudantis tornaram-se focos do nacionalismo indiano. [273]

Trabalho missionário editar

 
A Catedral de São Paulo foi construída em 1847 e serviu como cátedra do Bispo de Calcutá, que serviu como Metropolita da Igreja da Índia, Birmânia e Ceilão. [274]

Em 1889, o primeiro-ministro do Reino Unido, Robert Gascoyne-Cecil, 3º Marquês de Salisbury declarou: "Não é apenas nosso dever, mas é do nosso interesse promover a difusão do Cristianismo, tanto quanto possível, em toda a extensão do Índia". [275]

O crescimento do Exército Indiano Britânico levou à chegada de muitos capelães anglicanos à Índia. [276] Após a chegada da Church Missionary Society da Igreja da Inglaterra em 1814, a Diocese de Calcutá da Igreja da Índia, Birmânia e Ceilão (CIBC) foi erguida, com sua Catedral de São Paulo sendo construída em 1847. [277] Em 1930, a Igreja da Índia, Birmânia e Ceilão tinha quatorze dioceses em todo o Império Indiano. [278]

Missionários de outras denominações cristãs também vieram para a Índia britânica; Missionários luteranos, por exemplo, chegaram a Calcutá em 1836 e "no ano de 1880 havia mais de 31.200 cristãos luteranos espalhados em 1.052 aldeias". [279] Os metodistas começaram a chegar à Índia em 1783 e estabeleceram missões com foco em "educação, ministério de saúde e evangelismo". [280] [281] Na década de 1790, cristãos da Sociedade Missionária de Londres e da Sociedade Missionária Batista, começaram a fazer trabalho missionário no Império Indiano. [282] Em Neyoor, o Hospital da Sociedade Missionária de Londres "foi pioneiro em melhorias no sistema de saúde pública para o tratamento de doenças, mesmo antes de tentativas organizadas serem feitas pela presidência colonial de Madras, reduzindo substancialmente a taxa de mortalidade". [283]

Christ Church College (1866) e St. Stephen's College (1881) são dois exemplos de instituições educacionais afiliadas à igreja proeminentes fundadas durante o Raj britânico. [284] Nas instituições educacionais estabelecidas durante o Raj britânico, os textos cristãos, especialmente a Bíblia, faziam parte dos currículos. [285] Durante o Raj britânico, missionários cristãos desenvolveram sistemas de escrita para línguas indianas que anteriormente não existiam. [286] [287] Os missionários cristãos na Índia também trabalharam para aumentar a alfabetização e também se envolveram no activismo social, tais como a luta contra a prostituição, a defesa do direito das mulheres viúvas a casar novamente e a tentativa de impedir o casamento precoce das mulheres. [288] Entre as mulheres britânicas, as missões zenana tornaram-se um método popular para ganhar convertidos ao cristianismo. [285]

Legado editar

O antigo consenso entre os historiadores sustentava que a autoridade imperial britânica estava bastante segura desde 1858 até à Segunda Guerra Mundial. Recentemente, no entanto, esta interpretação foi contestada. Por exemplo, Mark Condos e Jon Wilson argumentam que a autoridade imperial era cronicamente insegura. Na verdade, a ansiedade de gerações de funcionários produziu uma administração caótica com coerência mínima. Em vez de um Estado confiante, capaz de agir como bem entende, estes historiadores encontram um Estado psicologicamente em apuros, incapaz de agir excepto em termos abstractos, em pequena escala ou a curto prazo. Enquanto isso, Durba Ghosh oferece uma abordagem alternativa. [289]

Impacto ideológico editar

Na independência e após a independência da Índia, o país manteve instituições britânicas centrais como o governo parlamentar, o governo de uma pessoa, um voto e o Estado de direito através de tribunais apartidários. [290] Manteve também os arranjos institucionais do Raj, como os serviços públicos, a administração das subdivisões, as universidades e as bolsas de valores. Uma mudança importante foi a rejeição dos seus antigos estados principescos separados. Metcalf mostra que, ao longo de dois séculos, os intelectuais britânicos e os especialistas indianos deram a mais alta prioridade a trazer paz, unidade e bom governo à Índia. [291] Eles ofereceram muitos métodos concorrentes para atingir a meta. Por exemplo, Cornwallis recomendou transformar o Bengali Zamindar no tipo de proprietário inglês que controlava os assuntos locais na Inglaterra. [291] Munro propôs tratar diretamente com os camponeses. Sir William Jones e os orientalistas promoveram o sânscrito, enquanto Macaulay promoveu a língua inglesa. [292] Zinkin argumenta que, a longo prazo, o que mais importa no legado do Raj são as ideologias políticas britânicas que os indianos assumiram depois de 1947, especialmente a crença na unidade, na democracia, no Estado de direito e numa certa igualdade para além das castas e crença. [291] Zinkin vê isso não apenas no Partido do Congresso, mas também entre os nacionalistas hindus do Partido Bharatiya Janata, que enfatiza especificamente as tradições hindus. [293] [294]

Impacto cultural editar

A colonização britânica da Índia influenciou visivelmente a cultura indiana. A influência mais notável é a língua inglesa, que emergiu como língua franca administrativa e administrativa da Índia e do Paquistão (e que também influenciou enormemente as línguas nativas do sul da Ásia) [295], seguida pela mistura da arquitetura nativa e gótica/sarcênica. Da mesma forma, a influência das línguas e da cultura da Índia também pode ser vista na Grã-Bretanha; por exemplo, muitas palavras indianas entrando na língua inglesa, e também a adoção da culinária indiana.

Os esportes britânicos (particularmente o hóquei no início, mas depois amplamente substituído pelo críquete nas últimas décadas, com o futebol também popular em certas regiões do subcontinente) [296] [297] foram cimentados como parte da cultura do sul da Ásia durante o Raj britânico, com o os jogos tradicionais da Índia foram em grande parte diminuídos no processo. [298] Durante o Raj, os soldados praticavam esportes britânicos como forma de manter a boa forma, já que a taxa de mortalidade de estrangeiros na Índia era alta na época, bem como para manter um sentimento de britanismo; nas palavras de um escritor anônimo, praticar esportes britânicos era uma forma de os soldados “se defenderem da magia da terra”. [299] Embora os britânicos tivessem geralmente excluído os indianos do seu jogo durante a época do governo da Companhia, com o tempo começaram a ver a inculcação dos desportos britânicos entre a população nativa como uma forma de difundir os valores britânicos. [299] [300] Ao mesmo tempo, parte da elite indiana começou a migrar para os esportes britânicos como forma de se adaptar à cultura britânica e, assim, ajudar-se a subir na hierarquia; [301] [302] mais tarde, mais indianos começaram a praticar esportes britânicos em um esforço para vencer os britânicos em seus próprios esportes, [303] como forma de provar que os indianos eram iguais aos seus colonizadores. [304]

Ver também editar

Notas

  1. por sua vez, do sânscrito rājya, que significa "realeza", "reino" ou "estado".
  2. O único outro imperador durante este período, Eduardo VIII (reinou de janeiro a dezembro de 1936), não emitiu nenhuma moeda indiana em seu nome)

Referências

  1. Interpretation Act 1889 (52 & 53 Vict. c. 63), s. 18.
  2. «Calcutta (Kalikata, The Imperial Gazetteer of India, IX, Published under the Authority of His Majesty's Secretary of State for India in Council, Oxford at the Clarendon Press, 1908, p. 260, consultado em 24 May 2022, cópia arquivada em 24 May 2022, —Capital of the Indian Empire, situated in 22° 34' N and 88° 22' E, on the east or left bank of the Hooghly river, within the Twenty-four Parganas District, Bengal  Verifique data em: |acessodata=, |arquivodata= (ajuda)
  3. «Simla Town», The Imperial Gazetteer of India, XXII, Published under the Authority of His Majesty's Secretary of State for India in Council, Oxford at the Clarendon Press, 1908, p. 260, consultado em 24 May 2022, cópia arquivada em 24 May 2022, —Head-quarters of Simla District, Punjab, and the summer capital of the Government of India, situated on a transverse spur of the Central Himālayan system system, in 31° 6' N and 77° 10' E, at a mean elevation above sea-level of 7,084 feet.  Verifique data em: |acessodata=, |arquivodata= (ajuda)
  4. Lelyveld, David (1993). «Colonial Knowledge and the Fate of Hindustani». Comparative Studies in Society and History. 35 (4): 665–682. JSTOR 179178. doi:10.1017/S0010417500018661. Consultado em 8 April 2023. Cópia arquivada em 8 April 2023. The earlier grammars and dictionaries made it possible for the British government to replace Persian with vernacular languages at the lower levels of the judicial and revenue administration in 1837, that is, to standardize and index terminology for official use and provide for its translation to the language of the ultimate ruling authority, English. For such purposes, Hindustani was equated with Urdu, as opposed to any geographically defined dialect of Hindi and was given official status through large parts of north India. Written in the Persian script with a largely Persian and, via Persian, an Arabic vocabulary, Urdu stood at the shortest distance from the previous situation and was easily attainable by the same personnel. In the wake of this official transformation, the British government began to make its first significant efforts on behalf of vernacular education.  Verifique data em: |acessodata=, |arquivodata= (ajuda)
  5. Dalby, Andrew (2004) [1998]. «Hindi». A Dictionary of Languages: The definitive reference to more than 400 languages. [S.l.]: A & C Black Publishers. p. 248. ISBN 978-0-7136-7841-3. In the government of northern India Persian ruled. Under the British Raj, Persian eventually declined, but, the administration remaining largely Muslim, the role of Persian was taken not by Hindi but by Urdu, known to the British as Hindustani. It was only as the Hindu majority in India began to assert itself that Hindi came into its own. 
  6. Vejdani, Farzin (2015), Making History in Iran: Education, Nationalism, and Print Culture, ISBN 978-0-8047-9153-3, Stanford, CA: Stanford University Press, pp. 24–25, Although the official languages of administration in India shifted from Persian to English and Urdu in 1837, Persian continued to be taught and read there through the early twentieth century. 
  7. Everaert, Christine (2010), Tracing the Boundaries between Hindi and Urdu, ISBN 978-90-04-17731-4, Leiden and Boston: BRILL, pp. 253–254, It was only in 1837 that Persian lost its position as official language of India to Urdu and to English in the higher levels of administration. 
  8. Dhir, Krishna S. (2022). The Wonder That Is Urdu. Delhi: Motilal Banarsidass. ISBN 978-81-208-4301-1. The British used the Urdu language to effect a shift from the prior emphasis on the Persian language. In 1837, the British East India Company adopted Urdu in place of Persian as the co-official language in India, along with English. In the law courts in Bengal and the North-West Provinces and Oudh (modern day Uttar Pradesh) a highly technical form of Urdu was used in the Nastaliq script, by both Muslims and Hindus. The same was the case in the government offices. In the various other regions of India, local vernaculars were used as official language in the lower courts and in government offices. ... In certain parts South Asia, Urdu was written in several scripts. Kaithi was a popular script used for both Urdu and Hindi. By 1880, Kaithi was used as court language in Bihar. However, in 1881, Hindi in Devanagari script replaced Urdu in the Nastaliq script in Bihar. In Panjab, Urdu was written in Nastaliq, Devanagari, Kaithi, and Gurumukhi.
    In April 1900, the colonial government of the North-West Provinces and Oudh granted equal official status to both, Devanagari and Nastaliq scripts. However, Nastaliq remained the dominant script. During the 1920s, Mohandas Karamchand Gandhi deplored the controversy and the evolving divergence between Urdu and Hindi, exhorting the remerging of the two languages as Hindustani. However, Urdu continued to draw from Persian, Arabic, and Chagtai, while Hindi did the same from Sanskrit. Eventually, the controversy resulted in the loss of the official status of the Urdu language.
     
  9. Bayly, C. A. (1988). Indian Society and the making of the British Empire. Col: New Cambridge History of India series. [S.l.]: Cambridge University Press. p. 122. ISBN 0-521-25092-7. The use of Persian was abolished in official correspondence (1835); the government's weight was thrown behind English-medium education and Thomas Babington Macaulay's Codes of Criminal and Civil Procedure (drafted 1841–2, but not completed until the 1860s) sought to impose a rational, Western legal system on the amalgam of Muslim, Hindu and English law which had been haphazardly administered in British courts. The fruits of the Bentinck era were significant. But they were only of general importance in so far as they went with the grain of social changes which were already gathering pace in India. The Bombay and Calcutta intelligentsia were taking to English education well before the Education Minute of 1836. Flowery Persian was already giving way in north India to the fluid and demotic Urdu. As for changes in the legal system, they were only implemented after the Rebellion of 1857 when communications improved and more substantial sums of money were made available for education. 
  10. Dhir, Krishna S. (2022). The Wonder That Is Urdu. Delhi: Motilal Banarsidass. ISBN 978-81-208-4301-1. The British used the Urdu language to effect a shift from the prior emphasis on the Persian language. In 1837, the British East India Company adopted Urdu in place of Persian as the co-official language in India, along with English. In the law courts in Bengal and the North-West Provinces and Oudh (modern day Uttar Pradesh) a highly technical form of Urdu was used in the Nastaliq script, by both Muslims and Hindus. The same was the case in the government offices. In the various other regions of India, local vernaculars were used as official language in the lower courts and in government offices. 
  11. McGregor, R. S. (1993), Oxford Hindi-English Dictionary, ISBN 978-0-19-563846-2, Oxford University Press, p. 860, raj (noun, masculine): kingdom, realm, state, empire 
  12. Hirst, Jacqueline Suthren; Zavros, John (2011), Religious Traditions in Modern South Asia, ISBN 978-0-415-44787-4, London and New York: Routledge, consultado em 24 Maio 2022, cópia arquivada em 23 Set 2023, As the (Mughal) empire began to decline in the mid-eighteenth century, some of these regional administrations assumed a greater degree of power. Amongst these ... was the East India Company, a British trading company established by Royal Charter of Elizabeth I of England in 1600. The Company gradually expanded its influence in South Asia, in the first instance through coastal trading posts at Surat, Madras and Calcutta. (The British) expanded their influence, winning political control of Bengal and Bihar after the Battle of Plassey in 1757. From here, the Company expanded its influence dramatically across the subcontinent. By 1857, it had direct control over much of the region. The great rebellion of that year, however, demonstrated the limitations of this commercial company's ability to administer these vast territories, and in 1858 the Company was effectively nationalized, with the British Crown assuming administrative control. Hence began the period known as the British Raj, which ended in 1947 with the partition of the subcontinent into the independent nation-states of India and Pakistan. Amongst these ... was the East India Company, a British trading company established by Royal Charter of Elizabeth I of England in 1600. The Company gradually expanded its influence in South Asia, in the first instance through coastal trading posts at Surat, Madras and Calcutta. (The British) expanded their influence, winning political control of Bengal and Bihar after the Battle of Plassey in 1757. From here, the Company expanded its influence dramatically across the subcontinent. By 1857, it had direct control over much of the region. The great rebellion of that year, however, demonstrated the limitations of this commercial company's ability to administer these vast territories, and in 1858 the Company was effectively nationalized, with the British Crown assuming administrative control. Hence began the period known as the British Raj, which ended in 1947 with the partition of the subcontinent into the independent nation-states of India and Pakistan.
  13. Steinback, Susie L. (2012), Understanding the Victorians: Politics, Culture and Society in Nineteenth-Century Britain, ISBN 978-0-415-77408-6, London and New York: Routledge, p. 68, consultado em 24 Maio 2022, cópia arquivada em 23 Set 2023, The rebellion was put down by the end of 1858. The British government passed the Government of India Act, and began direct Crown rule. This era was referred to as the British Raj (though in practice much remained the same). The British government passed the Government of India Act, and began direct Crown rule. This era was referred to as the British Raj (though in practice much remained the same).
  14. Glanville, Luke (2013), Sovereignty and the Responsibility to Protect: A New History, ISBN 978-0-226-07708-6, University of Chicago Press, p. 120, consultado em 23 Ago 2020, cópia arquivada em 23 Set 2023  Quote: "Mill, who was himself employed by the British East India company from the age of seventeen until the British government assumed direct rule over India in 1858."
  15. Vanderven, Elizabeth (2019), «National Education Systems: Asia», in: Rury, John L.; Tamura, Eileen H., The Oxford Handbook of the History of Education, ISBN 978-0-19-934003-3, Oxford University Press, pp. 213–227, 222, consultado em 24 Maio 2022, cópia arquivada em 23 Set 2023, During the British East India Company's domination of the Indian subcontinent (1757–1858) and the subsequent British Raj (1858–1947), it was Western-style education that came to be promoted by many as the base upon which a national and uniform education system should be built. 
  16. Bowen, H. V.; Mancke, Elizabeth; Reid, John G. (2012), Britain's Oceanic Empire: Atlantic and Indian Ocean Worlds, C. 1550–1850, ISBN 978-1-107-02014-6, Cambridge University Press, p. 106  Quote: "British India, meanwhile, was itself the powerful 'metropolis' of its own colonial empire, 'the Indian empire'."
  17. Mansergh, Nicholas (1974), Constitutional relations between Britain and India, ISBN 978-0-11-580016-0, London: His Majesty's Stationery Office, p. xxx, consultado em 19 Set 2013  Quote: "India Executive Council: Sir Arcot Ramasamy Mudaliar, Sir Firoz Khan Noon and Sir V. T. Krishnamachari served as India's delegates to the London Commonwealth Meeting, April 1945, and the U.N. San Francisco Conference on International Organisation, April–June 1945."
  18. Kaul, Chandrika. «From Empire to Independence: The British Raj in India 1858–1947». Consultado em 3 Mar 2011. Arquivado do original em 17 Jun 2016 
  19. Smith, George (1882). The Geography of British India, Political & Physical. London: John Murray. Consultado em 2 Ago 2014 
  20. Baten, Jörg (2016). A History of the Global Economy. From 1500 to the Present. [S.l.]: Cambridge University Press. p. 247. ISBN 978-1-107-50718-0 
  21. Marshall (2001), p. 384
  22. Subodh Kapoor (Jan 2002). The Indian encyclopaedia: biographical, historical, religious ..., Volume 6. [S.l.]: Cosmo Publications. p. 1599. ISBN 978-81-7755-257-7 
  23. Codrington, 1926, Chapter X:Transition to British administration
  24. «Nepal: Cultural life». Encyclopædia Britannica Online. 2008. Cópia arquivada em 24 Nov 2015 
  25. «Bhutan». Encyclopædia Britannica Online. 2008. Consultado em 2 Jun 2022. Arquivado do original em 2 Jun 2022 
  26. «Sikkim | History, Map, Capital, & Population». Britannica (em inglês). Consultado em 2 Dez 2022. Arquivado do original em 1 Ago 2017 
  27. «Maldives | History, Points of Interest, Location, & Tourism». Britannica (em inglês). Consultado em 2 Dez 2022. Arquivado do original em 2 Dez 2022 
  28. Spear 1990, p. 147
  29. Spear 1990, pp. 145–46: "The army took on the form which survived till independence... The Bengal army was completely recast... The Brahmin element from Uttar Pradesh, the core of the original mutiny, was heavily reduced and its place taken by Gurkhas, Sikhs, and Punjabis."
  30. Ernst, W. (1996). «European Madness and Gender in Nineteenth-century British India». Social History of Medicine. 9 (3): 357–82. PMID 11618727. doi:10.1093/shm/9.3.357 
  31. Robinson, Ronald Edward, & John Gallagher.
  32. Spear 1990, p. 147
  33. Spear 1990, pp. 149–150
  34. Spear 1990, pp. 150–151
  35. Spear 1990, p. 150
  36. Spear 1990, pp. 147–48
  37. Spear 1990, p. 151
  38. «East India Proclamations» (PDF). sas.ed.ac.uk. Consultado em 6 Nov 2021. Arquivado do original (PDF) em 4 Mar 2012 
  39. (Stein 2001, p. 259), (Oldenburg 2007)
  40. (Oldenburg 2007), (Stein 2001, p. 258)
  41. (Oldenburg 2007)
  42. (Stein 2001, p. 258)
  43. (Stein 2001, p. 159)
  44. a b c (Stein 2001, p. 260)
  45. a b Metcalf & Metcalf 2006, p. 126.
  46. a b Metcalf & Metcalf 2006, p. 97.
  47. Brennan, L. (1984). «The Development of the Indian Famine Codes: Personalities, Politics, and Policies». In: Currey, Bruce; Hugo, Graeme. Famine: As a Geographical Phenomenon. [S.l.]: Springer Dordrecht. ISBN 978-94-009-6395-5 
  48. Spear 1990, p. 169
  49. a b Majumdar, Raychaudhuri & Datta 1950, p. 888
  50. F.H. Hinsley, ed.
  51. Spear 1990, p. 170
  52. Bose & Jalal 2004, pp. 80–81
  53. James S. Olson and Robert S. Shadle, Historical Dictionary of the British Empire (1996) p. 116
  54. Helen S. Dyer, Pandita Ramabai: the story of her life (1900) online
  55. Ludden 2002, p. 197
  56. Stanley A. Wolpert, Tilak and Gokhale: revolution and reform in the making of modern India (1962) p 67
  57. Michael Edwardes, High Noon of Empire: India under Curzon (1965) p. 77
  58. Moore, "Imperial India, 1858–1914", p. 435
  59. McLane, John R. (Jul 1965). «The Decision to Partition Bengal in 1905». Indian Economic and Social History Review. 2 (3): 221–37. doi:10.1177/001946466400200302 
  60. Ranbir Vohra, The Making of India: A Historical Survey (Armonk: M.E. Sharpe, Inc, 1997), 120
  61. V. Sankaran Nair, Swadeshi movement: The beginnings of student unrest in South India (1985) excerpt and text search
  62. Peter Heehs, The lives of Sri Aurobindo (2008) p. 184
  63. Bandyopadhyay 2004, p. 260 A distinct group within the Calcutta Anushilan Samiti ...
  64. Wolpert 2004, pp. 273–274
  65. (Oldenburg 2007)
  66. a b c d e (Ludden 2002, p. 200)
  67. (Stein 2001, p. 286)
  68. a b (Ludden 2002, p. 201)
  69. Manmath Nath Das (1964). India under Morley and Minto: politics behind revolution, repression and reforms. [S.l.]: G. Allen and Unwin. ISBN 978-0-04-954002-6. Consultado em 21 Fev 2012 
  70. Robb 2002, p. 174: Violence too could be ... repressed, partly because it was eschewed by the mainstream of educated politicians – despite the attraction to some of them of ... movements such as Bengal's Anusilan Samiti or Punjab's Ghadr Party.
  71. India's contribution to the Great War. Calcutta: Govt of India. 1923 
  72. a b Brown 1994, pp. 197–98
  73. Belgium Olympic Committee (1957). «Olympic Games Antwerp. 1920: Official Report» (PDF). LA84 Foundation. Consultado em 9 Dez 2016. Arquivado do original (PDF) em 7 Out 2018 
  74. Brown 1994, pp. 197–98
  75. a b c Brown 1994, pp. 201–02
  76. a b c Brown 1994, pp. 197–98
  77. a b c Brown 1994, pp. 200–01
  78. a b c d e Brown 1994, p. 199
  79. Brown 1994, pp. 214–15
  80. a b c d Brown 1994, pp. 210–13
  81. a b c Brown 1994, pp. 214–15
  82. Brown 1994, pp. 216–17
  83. Balraj Krishna, India's Bismarck, Sardar Vallabhbhai Patel (2007) ch. 2.
  84. a b Brown 1994, pp. 203–04
  85. a b c d e Brown 1994, pp. 205–07
  86. a b c d Brown 1994, pp. 205–07
  87. Chhabra 2005, p. 2
  88. a b c Brown 1994, pp. 203–04
  89. Spear 1990, p. 190
  90. Spear 1990, p. 190
  91. a b c Brown 1994, pp. 195–96
  92. a b c Stein 2001, p. 304
  93. Ludden 2002, p. 208
  94. a b Spear 1990, p. 190
  95. a b c Brown 1994, pp. 203–04
  96. Nick Lloyd (2011).
  97. Sayer, Derek (Maio 1991). «British Reaction to the Amritsar Massacre 1919–1920». Past & Present. 131 (131): 130–64. JSTOR 650872. doi:10.1093/past/131.1.130 
  98. Bond, Brian (Out 1963). «Amritsar 1919». History Today. 13 (10). pp. 666–76 
  99. a b Markovits 2004, pp. 373–74
  100. Potter, David C. (Jan 1973). «Manpower Shortage and the End of Colonialism: The Case of the Indian Civil Service». Modern Asian Studies. 7 (1): 47–73. JSTOR 312036. doi:10.1017/S0026749X00004388 
  101. Epstein, Simon (Maio 1982). «District Officers in Decline: The Erosion of British Authority in the Bombay Countryside, 1919 to 1947». Modern Asian Studies. 16 (3): 493–518. JSTOR 312118. doi:10.1017/S0026749X00015286 
  102. Low 1993, pp. 40, 156
  103. Piers Brendon, The Decline and Fall of the British Empire: 1781–1997 (2008) p. 394
  104. Low 1993, p. 154
  105. Muldoon, Andrew (2009). «Politics, Intelligence and Elections in Late Colonial India: Congress and the Raj in 1937» (PDF). Journal of the Canadian Historical Association. 20 (2): 160–88. doi:10.7202/044403ar. Consultado em 15 September 2018. Cópia arquivada (PDF) em 15 September 2018  Verifique data em: |acessodata=, |arquivodata= (ajuda)
  106. "Sword For Pen".
  107. Dr Chandrika Kaul (3 Mar 2011). «From Empire to Independence: The British Raj in India 1858–1947». History. BBC. Consultado em 2 Ago 2014. Arquivado do original em 17 Jun 2016 
  108. «India and Pakistan win independence». History.com. History. Consultado em 2 Ago 2014. Arquivado do original em 5 Jul 2014 
  109. Ramachandra Guha, India After Gandhi: The History of the World's Largest Democracy (2007) p. 43
  110. «Muslim Case for Pakistan». University of Columbia. Consultado em 10 Jun 2019. Arquivado do original em 15 Jul 2019 
  111. Robb 2002, p. 190
  112. «India and Pakistan win independence». History.com. History. Consultado em 2 Ago 2014. Arquivado do original em 5 Jul 2014 
  113. Stephen P. Cohen (2004). The Idea of Pakistan. [S.l.]: Brookings Institution Press. ISBN 978-0-8157-1502-3 
  114. D. N. Panigrahi (2004). India's partition: the story of imperialism in retreat. [S.l.]: Routledge. pp. 151–52. ISBN 978-1-280-04817-3 
  115. Roy, Kaushik (2009). «Military Loyalty in the Colonial Context: A Case Study of the Indian Army during World War II». Journal of Military History. 73 (2): 497–529. doi:10.1353/jmh.0.0233 
  116. John F. Riddick, The history of British India: a chronology (2006) p. 142
  117. Gupta, Shyam Ratna (Jan 1972). «New Light on the Cripps Mission». India Quarterly. 28 (1): 69–74. doi:10.1177/097492847202800106 
  118. a b Metcalf & Metcalf 2006, pp. 206–07
  119. Bandyopadhyay 2004, pp. 418–20
  120. Stein 2010, pp. 305, 325": Jawaharlal Nehru and Subhas Bose were among those who, impatient with Gandhi's programmes and methods, looked upon socialism as an alternative for nationalistic policies capable of meeting the country's economic and social needs, as well as a link to potential international support. (p. 325) (p. 345)"
  121. Low 2002, p. 297.
  122. Low 2002, p. 313.
  123. a b Low 1993, pp. 31–31.
  124. Wolpert 2006, p. 69.
  125. Bandyopadhyay 2004, p. 427.
  126. Bayly & Harper 2007, p. 2.
  127. Bose, Sugata (2011), His Majesty's Opponent: Subhas Chandra Bose and India's Struggle against Empire, ISBN 978-0-674-04754-9, Harvard University Press, p. 320, consultado em 21 Set 2013 
  128. Stein 2001, p. 345.
  129. a b Judd 2004, pp. 172–73
  130. Judd 2004, pp. 170–71
  131. Judd 2004, p. 172
  132. Sarvepalli Gopal (1976). Jawaharlal Nehru: A Biography. [S.l.]: Harvard University Press. ISBN 978-0-674-47310-2. Consultado em 21 Fev 2012 
  133. Hyam 2007, p. 106 Quote: By the end of 1945, he and the Commander-in-Chief of India, General Auckinleck were advising that there was a real threat in 1946 of large-scale anti-British disorder amounting to even a well-organised rising aiming to expel the British by paralysing the administration.
  134. Brown 1994, p. 330 Quote: "India had always been a minority interest in British public life; no great body of public opinion now emerged to argue that war-weary and impoverished Britain should send troops and money to hold it against its will in an empire of doubtful value. By late 1946 both Prime Minister and Secretary of State for India recognized that neither international opinion no their own voters would stand for any reassertion of the raj, even if there had been the men, money, and administrative machinery with which to do so." Sarkar 2004, p. 418 Quote: "With a war weary army and people and a ravaged economy, Britain would have had to retreat; the Labour victory only quickened the process somewhat." Metcalf & Metcalf 2006, p. 212 Quote: "More importantly, though victorious in war, Britain had suffered immensely in the struggle. It simply did not possess the manpower or economic resources required to coerce a restive India."
  135. Dr Chandrika Kaul (3 Mar 2011). «From Empire to Independence: The British Raj in India 1858–1947». History. BBC. Consultado em 2 Ago 2014. Arquivado do original em 17 Jun 2016 
  136. «Indian Independence». British Library: Help for Researchers. British Library. Consultado em 2 Ago 2014. Arquivado do original em 11 Ago 2018 
  137. Dr Chandrika Kaul (3 Mar 2011). «From Empire to Independence: The British Raj in India 1858–1947». History. BBC. Consultado em 2 Ago 2014. Arquivado do original em 17 Jun 2016 
  138. «The Road to Partition 1939–1947». Nationalarchives.gov.uk Classroom Resources. National Archives. Consultado em 2 Ago 2014. Cópia arquivada em 14 Fev 2015 
  139. Ian Talbot and Gurharpal Singh, The Partition of India (2009), passim
  140. Maria Misra, Vishnu's crowded temple: India since the Great Rebellion (2008) p. 237
  141. «India». World Digital Library. Consultado em 24 Jan 2013. Arquivado do original em 25 Ago 2014 
  142. Interpretation Act 1889 (52 & 53 Vict. c. 63), s. 18.
  143. Mapping an Empire: The Geographical Construction of British India, 1765–1843. University of Chicago Press. ISBN 978-0-226-18488-3.
  144. Hawes, Christopher J. (1996). Poor Relations: The Making of a Eurasian Community in British India, 1773-1833 (em inglês). [S.l.]: Psychology Press 
  145. The Imperial Gazetteer of India. II. Oxford: Clarendon Press. 1908. pp. 463, 470 
  146. a b Imperial Gazetteer of India vol. IV 1909, p. 60
  147. Imperial Gazetteer of India vol. IV 1909, p. 46
  148. Imperial Gazetteer of India vol. IV 1909, p. 46
  149. Imperial Gazetteer of India vol. IV 1909, p. 56
  150. a b Markovits 2004, pp. 386–409
  151. Ahmed, Waqas; Khan, Muhammad Hayat; Ul Haq, Sami (1 Jun 2022). «علم الإشارة في سورة الفاتحة من خلال تفسير معارف القرآن للکاندهلوي نموذجا». Al-Duhaa. 3 (1): 90–103. ISSN 2710-3617. doi:10.51665/al-duhaa.003.01.0186  
  152. Kumari, Savita (2016). «Art and Politics: British Patronage in Delhi (1803–1857)». Art of the Orient (em inglês). 5: 217–229. ISSN 2658-1671. doi:10.11588/ao.2016.0.8820. Consultado em 17 Nov 2022. Cópia arquivada em 17 Nov 2022 
  153. Moore 2001a, pp. 422–46
  154. Moore 2001a, pp. 424
  155. Brown 1994, p. 96
  156. Moore 2001a, pp. 426
  157. a b Moore 2001a, pp. 426
  158. Metcalf & Metcalf 2006, p. 104
  159. Moore 2001a, pp. 426
  160. Peers 2006, p. 76
  161. Bayly 1990, p. 195
  162. Peers 2006, p. 72, Bayly 1990, p. 72
  163. p. 103–05, "India – Government and Constitution", The Statesman's Year-Book 1947, Steinberg, S.H., Macmillan, New York
  164. p. 103–05, "India – Government and Constitution", The Statesman's Year-Book 1947, Steinberg, S.H., Macmillan, New York
  165. pp. 133–34, "India – Currency, Weights and Measures", The Statesman's Year-Book 1947, Steinberg, S.H., Macmillan, New York
  166. pp. 106–07, "India – Government and Constitution", The Statesman's Year-Book 1947, Steinberg, S.H., Macmillan, New York
  167. p. 106–07, "India – Government and Constitution", The Statesman's Year-Book 1947, Steinberg, S.H., Macmillan, New York
  168. pp. 104–05, "India – Government and Constitution", The Statesman's Year-Book 1947, Steinberg, S.H., Macmillan, New York
  169. a b p. 108, "India – Government and Constitution", The Statesman's Year-Book 1947, Steinberg, S.H., Macmillan, New York
  170. p. 108, "India – Government and Constitution", The Statesman's Year-Book 1947, Steinberg, S.H., Macmillan, New York
  171. Singha, Radhika (Fev 2003). «Colonial Law and Infrastructural Power: Reconstructing Community, Locating the Female Subject». Studies in History. 19 (1): 87–126. doi:10.1177/025764300301900105 
  172. Tazeen M. Murshid, "Law and Female Autonomy in Colonial India", Journal of the Asiatic Society of Bangladesh: Humanities, (June 2002), 47#1 pp. 25–42
  173. Baten, Jörg (2016). A History of the Global Economy. From 1500 to the Present. [S.l.]: Cambridge University Press. ISBN 978-1-107-50718-0 
  174. Tomlinson 1975, pp. 337–80
  175. Maddison, Angus (2006). The World Economy Volumes 1–2. [S.l.]: OECD Publishing. ISBN 978-92-64-02261-4. doi:10.1787/456125276116 
  176. Peter Robb (Nov 1981). «British Rule and Indian "Improvement"». The Economic History Review. 34 (4): 507–23. JSTOR 2595587. doi:10.1111/j.1468-0289.1981.tb02016.x 
  177. Davis 2001, p. 37
  178. Paul Bairoch, "Economics and World History: Myths and Paradoxes", (1995: University of Chicago Press, Chicago) p. 89
  179. Oxford Dictionary of National Biography online ed. Oxford University Press  (Requer Subscrição ou ser sócio da biblioteca pública do Reino Unido.)
  180. Bahl, Vinay (Out 1994). «The Emergence of Large-Scale Steel Industry in India Under British Colonial Rule, 1880–1907». Indian Economic and Social History Review. 31 (4): 413–60. doi:10.1177/001946469403100401 
  181. Headrick 1988, p. 291–92.
  182. Oxford Dictionary of National Biography online ed. Oxford University Press  (Requer Subscrição ou ser sócio da biblioteca pública do Reino Unido.)
  183. Markovits, Claude (1985). Indian Business and Nationalist Politics 1931–39: The Indigenous Capitalist Class and the Rise of the Congress Party. [S.l.]: Cambridge University Press. pp. 160–66. ISBN 978-0-511-56333-1 
  184. I. D. Derbyshire (1987). «Economic Change and the Railways in North India, 1860–1914». Modern Asian Studies. 21 (3): 521–45. JSTOR 312641. doi:10.1017/s0026749x00009197 
  185. R.R. Bhandari (2005). Indian Railways: Glorious 150 years. [S.l.]: Ministry of Information and Broadcasting, Government of India. pp. 1–19. ISBN 978-81-230-1254-4 
  186. a b Laxman D. Satya, "British Imperial Railways in Nineteenth Century South Asia", Economic and Political Weekly 43, No. 47 (November 2008): 72.
  187. Hurd, John M. (1983). «Irrigation and Railways: Railways». In: Kumar; Desai. The Cambridge Economic History of India. 2. [S.l.]: Cambridge University Press. ISBN 978-0-521-22802-2 
  188. Thorner, Daniel (2001). «The pattern of railway development in India». In: Kerr, Ian J. Railways in Modern India. New Delhi: Oxford University Press. pp. 83–85. ISBN 978-0-19-564828-7 
  189. Hurd, John (2001). «Railways». In: Kerr, Ian J. Railways in Modern India. New Delhi: Oxford University Press. ISBN 978-0-19-564828-7 
  190. Barbara D Metcalf and Thomas R Metcalf, A Concise History of India (Cambridge: Cambridge University Press, 2002), 96.
  191. Ian Derbyshire, 'The Building of India's Railways: The Application of Western Technology in the Colonial Periphery, 1850–1920', in Technology and the Raj: Western Technology and Technical Transfers to India 1700–1947 ed, Roy Macleod and Deepak Kumar (London: Sage, 1995), 203.
  192. a b «History of Indian Railways». Irfca.org. IRFCA. Consultado em 2 Ago 2014. Arquivado do original em 25 Nov 2012 
  193. Headrick 1988, p. 78–79.
  194. Appletons' annual cyclopaedia and register of important events of the year: 1862. New York: D. Appleton & Company. 1863 
  195. Khan, Shaheed (18 Abr 2002). «The great Indian Railway bazaar». The Hindu. Consultado em 2 Ago 2014. Arquivado do original em 16 Jul 2008 
  196. Satya, 73.
  197. Derbyshire, 157-67.
  198. Khan, Shaheed (18 Abr 2002). «The great Indian Railway bazaar». The Hindu. Consultado em 2 Ago 2014. Arquivado do original em 16 Jul 2008 
  199. Headrick 1988, p. 81–82.
  200. Christensen, R. O. (Set 1981). «The State and Indian Railway Performance, 1870–1920: Part I, Financial Efficiency and Standards of Service». The Journal of Transport History. 2 (2): 1–15. doi:10.1177/002252668100200201 
  201. for the historiography, see D'Souza, Rohan (2006). «Water in British India: the making of a 'colonial hydrology'» (PDF). History Compass. 4 (4): 621–28. CiteSeerX 10.1.1.629.7369 . doi:10.1111/j.1478-0542.2006.00336.x. Consultado em 20 Jan 2015. Cópia arquivada (PDF) em 23 Set 2023 
  202. Gilmour, David (2007) [First published 2005]. The Ruling Caste: Imperial Lives in the Victorian Raj. [S.l.]: Macmillan. ISBN 978-0-374-53080-8 
  203. Stein 2001, p. 259
  204. Bear, Laura (2007). Lines of the Nation: Indian Railway Workers, Bureaucracy, and the Intimate Historical Self. [S.l.]: Columbia University Press. pp. 25–28. ISBN 978-0-231-14002-7 
  205. Burra, Arudra (Nov 2010). «The Indian Civil Service and the nationalist movement: neutrality, politics and continuity». Commonwealth and Comparative Politics. 48 (4): 404–32. doi:10.1080/14662043.2010.522032 
  206. Tomlinson 1993, pp. 105, 108
  207. Brown 1994, p. 12
  208. Maddison, Angus (2006). The World Economy Volumes 1–2. [S.l.]: OECD Publishing. pp. 111–14. ISBN 978-92-64-02261-4. doi:10.1787/456125276116 
  209. «Britain in India, Ideology and Economics to 1900». Fsmitha. F. Smith. Consultado em 2 Ago 2014. Arquivado do original em 7 Out 2014 
  210. Rajat Kanta Ray, "Indian Society and the Establishment of British Supremacy, 1765–1818", in The Oxford History of the British Empire: vol.
  211. «Impact of British Rule on India: Economic, Social and Cultural (1757–1857)» (PDF). Nios.ac.uk. NIOS. Consultado em 2 Ago 2014. Arquivado do original (PDF) em 8 Ago 2014 
  212. «Britain in India, Ideology and Economics to 1900». Fsmitha. F. Smith. Consultado em 2 Ago 2014. Arquivado do original em 7 Out 2014 
  213. «Impact of British Rule on India: Economic, Social and Cultural (1757–1857)» (PDF). Nios.ac.uk. NIOS. Consultado em 2 Ago 2014. Arquivado do original (PDF) em 8 Ago 2014 
  214. P.J. Marshall (1998). "The British in Asia: Trade to Dominion, 1700–1765", in The Oxford History of the British Empire: vol. 2, The Eighteenth Century ed. by P. J. Marshall, pp. 487–507.
  215. Hickel, Jason. «How Britain stole $45 trillion from India». Al Jazeera (em inglês). Consultado em 14 de fevereiro de 2024 
  216. «Independence Day: How the British pulled off a $45 trillion heist in India». The Economic Times. 15 de agosto de 2023. ISSN 0013-0389. Consultado em 14 de fevereiro de 2024 
  217. «Did the British loot India? - History Reclaimed» (em inglês). 2 de novembro de 2022. Consultado em 14 de fevereiro de 2024 
  218. Romaniuk, Anatole (2014). «Glimpses of Indian Historical Demography». Canadian Studies in Population. 40 (3–4): 248–51. doi:10.25336/p6hw3r . Consultado em 25 Jan 2015. Cópia arquivada em 2 Abr 2015 
  219. Parameswara Krishnan, Glimpses of Indian Historical Demography (Delhi: B.R. Publishing Corporation 2010) ISBN 978-8176466387
  220. Kingsley Davis, The Population of India and Pakistan (Princeton University Press, 1951).
  221. Kingsley Davis (19 Abr 1943). «The population of India». Far Eastern Survey. 12 (8): 76–79. JSTOR 3022159. doi:10.2307/3022159 
  222. Khan, J.H. (2004). «Population growth and demographic change in India». Asian Profile. 32 (5): 441–60 
  223. Klein, Ira (1990). «Population growth and mortality in British India: Part II: The demographic revolution». Indian Economic and Social History Review. 27 (1): 33–63. doi:10.1177/001946469002700102 
  224. Klein, "Population growth and mortality in British India: Part II: The demographic revolution", p. 42
  225. Frazer, R.W. (1897). British India. Col: The story of nations. [S.l.]: G. P. Putnam's sons. Consultado em 8 May 2023. Cópia arquivada em 8 May 2023  Verifique data em: |acessodata=, |arquivodata= (ajuda)
  226. India Census Commissioner (1891). «General report on the census of India, 1891». JSTOR saoa.crl.25352825. Consultado em 2 April 2023. Arquivado do original em 2 April 2023  Verifique data em: |acessodata=, |arquivodata= (ajuda)
  227. United States Department of Commerce (1924). Trade and Economic Review for 1922 No.34 Supplement to Commerce Reports ed. [S.l.]: Bureau of Foreign and Domestic Commerce. Consultado em 8 May 2023. Cópia arquivada em 13 May 2023  Verifique data em: |acessodata=, |arquivodata= (ajuda)
  228. Kumar & Desai 1983, p. 528.
  229. Grove 2007, p. 80.
  230. Grove 2007, p. 83.
  231. a b c d Fieldhouse 1996, p. 132.
  232. Kumar & Desai 1983, p. 529.
  233. Imperial Gazetteer of India vol. III 1907, p. 488.
  234. Davis 2001, p. 7.
  235. Kumar & Desai 1983, pp. 530.
  236. Kumar & Desai 1983, p. 531.
  237. Bose 1916, pp. 79–81.
  238. Rai 2008, pp. 263–281.
  239. Koomar 2009, pp. 13–14.
  240. Davis 2001, p. 7
  241. Davis 2001, p. 173
  242. Sen, Amartya. Development as Freedom. ISBN 978-0-385-72027-4 ch 7.
  243. The 1832 Cholera Epidemic in New York State Arquivado em 13 maio 2015 no Wayback Machine, By G. William Beardslee
  244. Infectious Diseases: Plague Through History Arquivado em 17 agosto 2008 no Wayback Machine, sciencemag.org
  245. Malaria Arquivado em 10 setembro 2007 no Wayback Machine – Medical History of British India, National Library of Scotland 2007.
  246. «Biography of Ronald Ross». The Nobel Foundation. Consultado em 15 Jun 2007. Arquivado do original em 29 Abr 2012 
  247. Leprosy – Medical History of British India Arquivado em 10 setembro 2007 no Wayback Machine, National Library of Scotland 2007
  248. «Other histories of smallpox in South Asia». Smallpoxhistory.ucl.ac.uk. 18 Jul 2006. Consultado em 29 Abr 2012. Cópia arquivada em 16 Abr 2012 
  249. «Feature Story: Smallpox». Vigyanprasar.gov.in. Consultado em 29 Abr 2012. Arquivado do original em 5 Mar 2012 
  250. Rogers, L (Jan 1945). «Smallpox and Vaccination in British India During the Last Seventy Years». Proc. R. Soc. Med. 38 (3): 135–40. PMC 2181657 . PMID 19993010. doi:10.1177/003591574503800318 
  251. «Smallpox – some unknown heroes in smallpox eradication». Consultado em 9 Jan 2015. Arquivado do original em 9 Jan 2015 
  252. «Sir JJ Group of Hospitals». Grantmedicalcollege-jjhospital.org. Consultado em 29 Abr 2012. Arquivado do original em 20 Abr 2012 
  253. «Impact of British Rule on India: Economic, Social and Cultural (1757–1857)» (PDF). Nios.ac.uk. NIOS. Consultado em 2 Ago 2014. Arquivado do original (PDF) em 8 Ago 2014 
  254. «Punjab disturbances, April 1919; compiled from the Civil and military gazette». Lahore Civil and Military Gazette Press 1921. Consultado em 18 Ago 2022 
  255. Nigel Collett (2006). The Butcher of Amritsar: General Reginald Dyer. [S.l.]: A&C Black. ISBN 978-1-85285-575-8 
  256. Dolly, Sequeria (2021). Total History & Civics 10 ICSE. New Delhi: Morning Star. 71 páginas 
  257. Bipan Chandra et al, India's Struggle for Independence, Viking 1988, p. 166
  258. Barbara D. Metcalf and Thomas R. Metcalf (2006). A concise history of modern India. [S.l.]: Cambridge University Press 
  259. a b NIC. «DISTRICT RAEBARELI». raebareli.nic, Govt website. Consultado em 16 Ago 2022 
  260. «Raebarali Munshiganj Massacre which reminded of Jallianwala Bagh». I G News. Consultado em 16 Ago 2022 
  261. a b "Salanga Day today", The Daily Star (Dhaka, Bangladesh), 27 January 2009
  262. "The Salanga Massacre of 1922: Bangladesh's forgotten bloodbath", by Shahnawaz Khan Chandan, The Daily Star (Dhaka, Bangladesh), 25 January 2019
  263. Kabir Topu, Ahmed Humayun (19 de fevereiro de 2021). «The Salanga Massacre of 1922: History needs to be preserved». The Daily Star. Consultado em 19 Ago 2023 
  264. a b "An almost forgotten part of our glorious past", by Pradip Kumar Dutta, The Asian Age (Delhi)
  265. in which the civilian death toll was 20 according to official British colonial sources and 400 by contemporary Indian sources.
  266. Correspondent, Our (24 de agosto de 2016). «In remembrance: ANP chief commemorates 1930 massacre - The Express Tribune». Tribune.com.pk. Consultado em 4 de dezembro de 2016 
  267. «ANP to honour Hathi Khel massacre victims today - Newspaper». Dawn.Com. 24 de agosto de 2016. Consultado em 4 de dezembro de 2016 
  268. «Massacre At Takkar: Remembering A Tragic Day For My Village». The Friday Times (em inglês). 28 de maio de 2022. Consultado em 23 de fevereiro de 2024 
  269. Newsfact, India (20 Abr 2021). «Vidurashwatha Massacre, the Forgotten Jallianwala Bagh of South India». Hindustan Times. Hindustan Times. Consultado em 18 Ago 2022 
  270. Mantena, Karuna (2010). «The Crisis of Liberal Imperialism» (PDF). Histoire@Politique. 11 (2): 3. doi:10.3917/hp.011.0002. Consultado em 1 Fev 2016. Cópia arquivada (PDF) em 19 Out 2017 
  271. Cain, Peter J. (2012). «Character, 'Ordered Liberty', and the Mission to Civilise: British Moral Justification of Empire, 1870–1914». Journal of Imperial and Commonwealth History. 40 (4): 557–78. doi:10.1080/03086534.2012.724239 
  272. Moore 2001a, p. 431
  273. Zareer Masani (1988).
  274. Buchanan, Colin (2015). Historical Dictionary of Anglicanism (em inglês). [S.l.]: Rowman & Littlefield Publishers. ISBN 978-1-4422-5016-1 
  275. Kanjamala, Augustine (2014). The Future of Christian Mission in India (em inglês). [S.l.]: Wipf and Stock Publishers. pp. 117–19. ISBN 978-1-62032-315-1 
  276. Tovey, Phillip (2017). Anglican Baptismal Liturgies (em inglês). [S.l.]: Canterbury Press. ISBN 978-1-78622-020-2 
  277. Dalal, Roshen (2014). The Religions of India (em inglês). [S.l.]: Penguin Books Limited. ISBN 978-8184753967 
  278. The Indian Year Book (em inglês). [S.l.]: Bennett, Coleman & Company. 1940. Consultado em 10 Fev 2018. Cópia arquivada em 23 Set 2023 
  279. Kanjamala, Augustine (2014). The Future of Christian Mission in India (em inglês). [S.l.]: Wipf and Stock Publishers. pp. 117–19. ISBN 978-1-62032-315-1 
  280. Abraham, William J.; Kirby, James E. (2009). The Oxford Handbook of Methodist Studies (em inglês). [S.l.]: Oxford University Press. ISBN 978-0-19-160743-1 
  281. Yrigoyen, Charles Jr. (2014). T&T Clark Companion to Methodism (em inglês). [S.l.]: Bloomsbury Publishing. ISBN 978-0-567-66246-0 
  282. Frykenberg, Robert Eric; Low, Alaine M. (2003). Christians and Missionaries in India: Cross-cultural Communication Since 1500, with Special Reference to Caste, Conversion, and Colonialism (em inglês). [S.l.]: William B. Eerdmans Publishing Company. ISBN 978-0-8028-3956-5 
  283. Lucyk, Kelsey; Loewenau, Aleksandra; Stahnisch, Frank W. (2017). The Proceedings of the 21st Annual History of Medicine Days Conference 2012 (em inglês). [S.l.]: Cambridge Scholars Publishing. ISBN 978-1-4438-6928-7 
  284. Carpenter, Joel; Glanzer, Perry L.; Lantinga, Nicholas S. (2014). Christian Higher Education (em inglês). [S.l.]: Wm. B. Eerdmans Publishing. ISBN 978-1-4674-4039-4 
  285. a b Crane, Ralph; Mohanram, Radhika (2013). Imperialism as Diaspora: Race, Sexuality, and History in Anglo-India (em inglês). [S.l.]: Oxford University Press. ISBN 978-1-78138-563-0 
  286. Kanjamala, Augustine (2014). The Future of Christian Mission in India (em inglês). [S.l.]: Wipf and Stock Publishers. ISBN 978-1-63087-485-8 
  287. Bhaṭṭācāryya, Haridāsa (1969). The Cultural Heritage of India (em inglês). [S.l.]: Ramakrishna Mission Institute of Culture. ISBN 978-0-8028-4900-7 
  288. Mullin, Robert Bruce (2014). A Short World History of Christianity (em inglês). [S.l.]: Westminster John Knox Press. ISBN 978-1-61164-551-4 
  289. Joshua Ehrlich, "Anxiety, Chaos, and the Raj." Historical Journal 63.3 (2020): 777–787.
  290. «Britain in India, Ideology and Economics to 1900». Fsmitha. F. Smith. Consultado em 2 Ago 2014. Arquivado do original em 7 Out 2014 
  291. a b c «Ideology and Empire in Eighteenth-Century India: the British in Bengal». History.ac.uk. History. Consultado em 2 Ago 2014. Arquivado do original em 8 Ago 2014 
  292. Thomas R. Metcalf, The New Cambridge History of India: Ideologies of the Raj (1995), pp. 10–12, 34–35
  293. Zinkin, Maurice (Out 1995). «Legacies of the Raj». Asian Affairs (Book Review). 26 (3): 314–16. ISSN 0306-8374. doi:10.1080/714041289 
  294. Y. K. Malik and V. B. Singh, Hindu Nationalists in India: the rise of the Bharatiya Janata Party (Westview Press, 1994), p. 14
  295. Hodges, Amy; Seawright, Leslie (26 de setembro de 2014). Going Global: Transnational Perspectives on Globalization, Language, and Education (em inglês). [S.l.]: Cambridge Scholars Publishing. ISBN 978-1-4438-6761-0 
  296. «What India was crazy about: Hockey first, Cricket later, Football, Kabaddi now?». India Today (em inglês). Consultado em 4 Jan 2023. Arquivado do original em 4 Jan 2023 
  297. «World Cup 2022: How football fever is gripping cricket-crazy India». BBC News (em inglês). 19 Nov 2022. Consultado em 4 Jan 2023. Arquivado do original em 4 Jan 2023 
  298. Love, Adam; Dzikus, Lars (26 Fev 2020). «How India came to love cricket, favored sport of its colonial British rulers». The Conversation (em inglês). Consultado em 4 Jan 2023. Arquivado do original em 31 Dez 2022 
  299. a b Sen, Ronojoy (27 Out 2015). Nation at Play: A History of Sport in India (em inglês). [S.l.]: Columbia University Press. ISBN 978-0-231-53993-7 
  300. «Batting for the British Empire: how Victorian cricket was more than just a game». HistoryExtra (em inglês). Consultado em 4 Jan 2023. Arquivado do original em 4 Jan 2023 
  301. Disappearance of Traditional games by the imitation of Colonial Culture through the Historical parameters of Cultural Colonialism Arquivado em 26 novembro 2022 no Wayback Machine Md Abu Nasim https://dergipark.org.tr/ Arquivado em 1 agosto 2019 no Wayback Machine
  302. Service, Tribune News. «Beating British at their own game». Tribuneindia News Service (em inglês). Consultado em 4 Jan 2023. Arquivado do original em 4 Jan 2023 
  303. «Why Indians love cricket». The Economist. ISSN 0013-0613. Consultado em 4 Jan 2023. Arquivado do original em 4 Jan 2023 
  304. «'The Revenge of Plassey': Football in the British Raj». LSE International History. 20 Jul 2020. Consultado em 4 Jan 2023. Arquivado do original em 8 Fev 2023 

Bibliografia editar

Pesquisas

Tópicos especializados

História econômica e social

  • Anstey, Vera. The economic development of India (4th ed. 1952), 677pp; thorough scholarly coverage; focus on 20th century down to 1939
  • Ballhatchet, Kenneth. Race, Sex, and Class under the Raj: Imperial Attitudes and Policies and Their Critics, 1793–1905 (1980).
  • Chaudhary, Latika, et al. eds. A New Economic History of Colonial India (2015)
  • Derbyshire, I. D. (1987), «Economic Change and the Railways in North India, 1860–1914», Population Studies, 21 (3): 521–45, JSTOR 312641, doi:10.1017/s0026749x00009197 
  • Chaudhuri, Nupur. "Imperialism and Gender." in Encyclopedia of European Social History, edited by Peter N. Stearns, (vol. 1, 2001), pp. 515–521. online emphasis on Raj.
  • Dutt, Romesh C. The Economic History of India under early British Rule (1901); The Economic History of India in the Victorian Age (1906) online
  • Gupta, Charu, ed. Gendering Colonial India: Reforms, Print, Caste and Communalism (2012)
  • Hyam, Ronald. Empire and Sexuality: The British Experience (1990).
  • Kumar, Dharma; Desai, Meghnad (1983), The Cambridge Economic History of India, ISBN 978-0-521-22802-2, 2, Cambridge University Press, consultado em 15 September 2018, cópia arquivada em 23 September 2023  Verifique data em: |acessodata=, |arquivodata= (ajuda)
  • Lockwood, David. The Indian Bourgeoisie: A Political History of the Indian Capitalist Class in the Early Twentieth Century (I.B. Tauris, 2012) 315 pages; focus on Indian entrepreneurs who benefited from the Raj, but ultimately sided with the Indian National Congress.
  • O'Dell, Benjamin D (2014). «Beyond Bengal: Gender, Education, And The Writing Of Colonial Indian History». Victorian Literature and Culture. 42 (3): 535–551. doi:10.1017/S1060150314000138 
  • Roy, Tirthankar (Summer 2002), «Economic History and Modern India: Redefining the Link», The Journal of Economic Perspectives, 16 (3): 109–30, JSTOR 3216953, doi:10.1257/089533002760278749   Verifique data em: |data= (ajuda)
  • Sarkar, J. (2013, reprint). Economics of British India ... Third edition. Enlarged and partly rewritten. Calcutta: M.C. Sarkar & Sons.
  • Simmons, Colin (1985), «'De-Industrialization', Industrialization and the Indian Economy, c. 1850–1947», Modern Asian Studies, 19 (3): 593–622, JSTOR 312453, doi:10.1017/s0026749x00007745 
  • Sinha, Mrinalini. Colonial Masculinity: The 'Manly Englishman' and the 'Effeminate Bengali' in the Late Nineteenth Century (1995).
  • Strobel, Margaret. European Women and the Second British Empire (1991).
  • Tirthankar, Roy (2014), «Financing the Raj: the City of London and colonial India 1858–1940», Business History, 56 (6): 1024–1026, doi:10.1080/00076791.2013.828424 
  • Tomlinson, Brian Roger (1993), The Economy of Modern India, 1860–1970, ISBN 978-0-521-36230-6, New Cambridge history of India, III.3, Cambridge University Press, p. 109 
  • Tomlinson, Brian Roger (October 1975), «India and the British Empire, 1880–1935», Indian Economic and Social History Review, 12 (4): 337–380, doi:10.1177/001946467501200401  Verifique data em: |data= (ajuda)

Historiografia e memória

  • Andrews, C.F. (2017). India and the Simon Report. [S.l.]: Routledge reprint of 1930 first edition. p. 11. ISBN 978-1-315-44498-7 
  • Durant, Will (2011, reprint). The case for India. New York: Simon and Schuster.
  • Ellis, Catriona (2009). «Education for All: Reassessing the Historiography of Education in Colonial India». History Compass. 7 (2): 363–75. doi:10.1111/j.1478-0542.2008.00564.x 
  • Gilmartin, David (2015). «The Historiography of India's Partition: Between Civilization and Modernity». The Journal of Asian Studies. 74 (1): 23–41. doi:10.1017/s0021911814001685 
  • Major, Andrea (2011). «Tall tales and true: India, historiography and British imperial imaginings». Contemporary South Asia. 19 (3): 331–32. doi:10.1080/09584935.2011.594257 
  • Mantena, Rama Sundari. The Origins of Modern Historiography in India: Antiquarianism and Philology (2012).
  • Moor-Gilbert, Bart. Writing India, 1757–1990: The Literature of British India (1996) on fiction written in English.
  • Mukherjee, Soumyen. "Origins of Indian Nationalism: Some Questions on the Historiography of Modern India". Sydney Studies in Society and Culture 13 (2014). online.
  • Nawaz, Rafida, and Syed Hussain Murtaza. "Impact of Imperial Discourses on Changing Subjectivities in Core and Periphery: A Study of British India and British Nigeria". Perennial Journal of History 2.2 (2021): 114–130. online.
  • Nayak, Bhabani Shankar. "Colonial world of postcolonial historians: reification, theoreticism, and the neoliberal reinvention of tribal identity in India". Journal of Asian and African Studies 56.3 (2021): 511–532. online.
  • Parkash, Jai. "Major trends of historiography of revolutionary movement in India – Phase II". (PhD dissertation, Maharshi Dayanand University, 2013). online.
  • Philips, Cyril H. ed. Historians of India, Pakistan and Ceylon (1961), reviews the older scholarship.
  • Stern, Philip J (2009). «History and Historiography of the English East India Company: Past, Present, and Future». History Compass. 7 (4): 1146–80. doi:10.1111/j.1478-0542.2009.00617.x 
  • Stern, Philip J. "Early Eighteenth-Century British India: Antimeridian or antemeridiem?". Journal of Colonialism and Colonial History 21.2 (2020), pp. 1–26, focus on C.A. Bayly, Imperial Meridian online.
  • Whitehead, Clive (2005). «The historiography of British imperial education policy, Part I: India». History of Education. 34 (3): 315–329. doi:10.1080/00467600500065340 
  • Winks, Robin, ed. Historiography (1999), vol. 5 in William Roger Louis, eds. The Oxford History of the British Empire.
  • Winks, Robin W. The Historiography of the British Empire-Commonwealth: Trends, Interpretations and Resources (1966).
  • Young, Richard Fox, ed. (2009). Indian Christian Historiography from Below, from Above, and in Between India and the Indianness of Christianity: Essays on Understanding – Historical, Theological, and Bibliographical – in Honor of Robert Eric Frykenberg.

Leitura adicional editar

  • Judd, Denis. The lion and the tiger: the rise and fall of the British Raj, 1600–1947 (Oxford University Press, 2005). online
  • Malone, David M., C. Raja Mohan, and Srinath Raghavan, eds. The Oxford handbook of Indian foreign policy (2015) excerpt pp 55–79.
  • Simon Report (1930) vol 1, wide-ranging survey of conditions
  • Editors, Charles Rivers (2016). The British Raj: The History and Legacy of Great Britain's Imperialism in India and the Indian subcontinent.
  • Keith, Arthur Berriedale (1912). Responsible government in the dominions. [S.l.]: The Clarendon press , major primary source

Anuários e registros estatísticos