Abrir menu principal
Gnome globe current event.svg
Este artigo ou seção é sobre um evento atual. A informação apresentada pode mudar com frequência. Não adicione especulações, nem texto sem referência a fontes confiáveis. (editado pela última vez em 9 de junho de 2016)
Operação Esfinge
País Brasil
Ocorreu a partir de 3 de junho de 2016
Tramitação do Processo 8ª Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro
Participantes da Operação Ministério da Fazenda, Ministério Público Federal e Polícia Federal do Brasil
Dinheiro movimentado mais de R$ 6 bilhões


Operação Esfinge é uma operação da Polícia Federal do Brasil em conjunto com integrantes do Ministério da Fazenda e do Ministério Público Federal[1] que investigam um grupo que teria praticado fraudes em licitações, desvio de recursos públicos, corrupção e lavagem de dinheiro no Rio.[2]

Participaram da operação 25 policiais federais e 12 servidores da Corregedoria Geral do Ministério da Fazenda – Coger/MF.[3]

Foi preso na operação Marcelo Fisch, auditor-fiscal e ex-chefe de Fiscalização da Receita, e sua mulher. Os dois foram indiciados pela Polícia Federal pelos crimes de corrupção ativa e corrupção passiva.[2]

De acordo com os investigadores, o contrato fraudulento foi firmado com a Casa da Moeda e chegou a faturar mais de 6 bilhões de reais nos últimos seis anos. A ação é um desdobramento da Operação Vícios, deflagrada em julho de 2015. Um escritório de consultoria da quadrilha teria recebido 70 milhões de reais sem prestar os serviços contratados.[1]

Referências

  1. a b Eduardo Gonçalves (3 de junho de 2016). «PF prende ex-coordenador de Fiscalização da Receita na Operação Esfinge». VEJA. Consultado em 9 de junho de 2016 
  2. a b Mateus Coutinho e Fausto Macedo (3 de junho de 2016). «Ex-chefe de Fiscalização da Receita é preso na Operação Esfinge». Estadão. Consultado em 9 de junho de 2016 
  3. «Operação Esfinge cumpre mandados em São Paulo e Brasília». Ministério da Fazenda. 3 de junho de 2016. Consultado em 9 de junho de 2016