Abrir menu principal
Othon Gama D’Eça
com Lausimar Laus (esquerda) e Ruth Laus
Nome completo Othon da Gama Lobo d'Eça
Nascimento 3 de agosto de 1892
Desterro, Santa Catarina, Brasil
Morte 7 de fevereiro de 1965 (72 anos)
Florianópolis, Santa Catarina, Brasil
Nacionalidade Brasileiro
Progenitores Mãe: Maria Luiza Crespo
Pai: Nuno da Gama Lobo d'Eça
Parentesco (Neto de) Manuel de Almeida Lobo d'Eça
Cônjuge Hilda Pedreira
Ocupação Advogado, jornalista, poeta, novelista, crítico literário e contista

Othon da Gama Lobo d'Eça (Desterro, atual Florianópolis, 3 de agosto de 1892Florianópolis, 7 de fevereiro de 1965) foi um advogado, jornalista e poeta brasileiro.[1] Foi um autor da chamada “renovação cultural” dos anos 1920 de Florianópolis.

BiografiaEditar

Filho de Nuno da Gama Lobo d'Eça e de Maria Luiza Crespo. Neto de Manuel de Almeida Lobo d'Eça, O Barão do Batovi (1828-1894), um dos 185 presos político fuzilados na Fortaleza de Santa Cruz de Anhatomirim durante a Revolução Federalista.

Obteve o título de bacharel em direito pela Faculdade Livre de Ciências Jurídicas e Sociais do Rio de Janeiro, em 1923.

Sepultado no Cemitério do Hospital de Caridade de Florianópolis.

CarreiraEditar

Foi um dos pioneiros do ensino jurídico no seu Estado, tendo sido professor de Direito Romano na Faculdade de Direito de Santa Catarina, fundada em 1932.[2]

Ainda nos anos 1930, foi chefe provincial da Ação Integralista Brasileira no Estado de Santa Catarina.

Academia Catarinense de LetrasEditar

Foi um dos fundadores da Academia Catarinense de Letras,[3][4] a qual presidiu de 1945 até falecer, em 1965.[5]

 
Fachada da Academia Catarinense de Letras, em Florianópolis. Instituição da qual Othon Gama d'Eça foi fundador e presidente (1945-1965).

É o patrono da cadeira 2 na Academia Catarinense de Letras e Arte. [6]

É o patrono da cadeira 34 na Academia de Letras de Biguaçu. [7]

ObrasEditar

  • Cinza e bruma (1918);
  • Terra (1920);
  • Vindita braba (1923);
  • Aos espanhóis confinantes (1929);
  • Homens e algas (1957);
  • Centenário de Cruz e Souza (1962);
  • Nuestra Senora de l'Asunción (1992).

Referências

  1. «Othon Gama d'Eça». www.literaturabrasileira.ufsc.br. Consultado em 25 de março de 2018 
  2. «Centro de Ciências Jurídicas, [[UFSC]].». Consultado em 28 de fevereiro de 2010. Arquivado do original em 8 de abril de 2009 
  3. Academia Catarinense de Letras e Artes[ligação inativa]
  4. Academia Catarinense de Letras e Artes Patronos.[ligação inativa]
  5. Biografia na Enciclopédia Simpozio
  6. «OTHON D'EÇA». acla.org.br. Consultado em 25 de março de 2018 
  7. «Academia de Letras de Biguaçu - Santa Catarina - Brasil». www.academiadeletrasdebiguacu.com.br. Consultado em 19 de abril de 2018 


Precedido por
Cruz e Sousa
  ACL - fundador da cadeira 15
Sucedido por
Celestino Sachet


Precedido por
ALB - patrono da cadeira 34
Sucedido por
Vera Regina da Silva de Barcellos
(fundadora)


  Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.