Pacífico Pereira

Antônio Pacífico Pereira (Salvador, 5 de junho de 1846Salvador, 18 de novembro de 1922) foi um médico, professor, e escritor, brasileiro, imortal fundador da cadeira número 35 da Academia de Letras da Bahia e patrono da Cadeira nº 10 da Academia de Medicina da Bahia [1][2][3][4][5]

Pacífico Pereira
Nome completo Antônio Pacífico Pereira
Nascimento 5 de junho de 1846
Salvador
Morte 18 de novembro de 1922 (76 anos)
Salvador,
Nacionalidade Brasileiro
Ocupação médico, professor e escritor

BiografiaEditar

Filho de Vitorino José Pereira e D. Carolina Maria Franco Pereira, Pacífico Pereira teve quatro irmãos: coronel Vitorino José Pereira, que foi deputado estadual da Bahia; Manoel Vitorino; monsenhor Basílio Pereira (1850-1930) e Francisco Bráulio Pereira (1858-1917). [1].

Em 1866 integrou, quando ainda era estudante, o grupo de fundadores da Gazeta Médica da Bahia, da qual adiante seria diretor e que era composto pelos médicos estrangeiros John Paterson, José Francisco de Silva Lima e Otto Wucherer, e pelos médicos baianos Januário de Faria, Pires Caldas e Virgílio Damásio. [5]

Colou grau em 1867 pela Faculdade de Medicina da Bahia[1].

Opositor, por concurso, da Secção Cirúrgica, em 1871. Concorrente (aprovado e não nomeado) à cadeira de Patologia Externa (1874). Lente catedrático de Anatomia Geral e Patológica, em 1882. Lente de Histologia, em 1882 [1] [4]


Diretor de Saúde Pública Estadual [4] Colaborou em vários jornais, sobretudo na “Gazeta Médica da Bahia”, da qual foi fundador, durante mais de meio século[1].

Foi diretor por duas vezes da Faculdade de Medicina da Bahia. Em 1884, como diretor-substituto e eleito de 1895 a 1898[1] [4].

Durante a Guerra de Canudos, transformou a Faculdade em hospital, adaptando gabinetes e salas de aula em enfermarias, de modo a atender 521 pacientes, dos quais apenas 4 faleceram [1].

Anatomista, cirurgião, obstetra, clínico geral, sanitarista, professor de vaias disciplinas, humanista, enfim, um sábio, Pacífico Pereira de plena justiça há merecido o título de “Preceptor Brasilae”, que lhe foi outorgado por congresso, realizado no Rio de Janeiro, em 1922 [1] [4].

Em 1917, foi um dos fundadores da Academia de Letras da Bahia. Morreu em sua terra natal a 18 de novembro de 1922 [1][4]. Em sua homenagem, foi denominada Pacífico Pereira uma rua no bairro do Garcia, em Salvador[2].

Referências

  1. a b c d e f g h i Anderson Gonçalves Malaquias (1 de julho de 2016). «A TRAJETÓRIA PROFISSIONAL DE ANTÔNIO PACÍFICO PEREIRA: UM ESTUDO DE CASO SOBRE A CONCEPÇÃO DE MEDICINA E ENSINO NA BAHIA (1862-1922)». Plataforma Sucupira (capes.gov.br). Consultado em 29 de outubro de 2021 
  2. a b «Rua Pacífico Pereira, Garcia, Salvador - BA». CEPS.IO. 2 de novembro de 2021 
  3. «Sobre o patrono da Cadeira 10 da Academia de Medicina da Bahia, Antônio Pacífico Pereira». Academia de Medicina da Bahia 
  4. a b c d e f «Biografia de Pacífico Pereira». O homem e a doença. Consultado em 29 de outubro de 2021 
  5. a b Ronaldo Ribeiro Jacobina, Leandra Chaves e Rodolfo Barros (26 de novembro de 2019). «A "ESCOLA TROPICALISTA" E A FACULDADE DE MEDICINA DA BAHIA». Faculdade de Medicina da Bahia – FMB – da Universidade Federal da Bahia –UFBA 
  Este artigo sobre um(a) escritor(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.