Abrir menu principal
Marcelo II
Papa da Igreja Católica
222° Papa da Igreja Católica
Atividade Eclesiástica
Diocese Diocese de Roma
Eleição 9 de abril de 1555
Entronização 10 de abril de 1555
Fim do pontificado 1 de maio de 1555 (22 dias)
Predecessor Júlio III
Sucessor Paulo IV
Ordenação e nomeação
Ordenação presbiteral 1535
Nomeação episcopal 29 de agosto de 1539
Ordenação episcopal 10 de abril de 1555
por Dom Gian Pietro Cardeal Carafa
Nomeado arcebispo 9 de abril de 1555
Cardinalato
Criação 19 de dezembro de 1539
por Papa Paulo III
Ordem Cardeal-presbítero
Título Santa Cruz de Jerusalém
Papado
Brasão
C o a Marcello II.svg
Consistório sem consistório
Dados pessoais
Nascimento 6 de maio de 1501
Montefano, Itália
Morte 1 de maio de 1555 (53 anos)
Roma, Itália
Nacionalidade Italiano
Nome nascimento Marcelo Cervini
Progenitores Mãe: Cassandra Benci
Pai: Ricciardo Cervini
Sepultura Basílica de São Pedro
dados em catholic-hierarchy.org
Categoria:Igreja Católica
Categoria:Hierarquia católica
Projeto Catolicismo
Listas de papas: cronológica · alfabética

Papa Marcelo II nascido Marcello Cervini (Montefano, 6 de Maio de 1501 - Roma, 1 de Maio de 1555) foi Papa entre 9 de Abril de 1555 e a data da sua morte, ocorrida poucos dias depois. Juntamente com o Papa Adriano VI, foi um dos dois papas que mantiveram seu nome de batismo após a eleição.

Marcello Cervini nasceu de uma nobre família toscana originária de Montepulciano. O padre Ricciardo (Riccardo) foi enviado para trabalhar na área de Ancona. A mãe, Cassandra Benci, deu à luz Montefano, no vale do rio Musone. De volta à Toscana com sua família, ele passou sua infância e infância em Montepulciano. Seu pai era funcionário da Penitenciaria Apostólica; a irmã Cinzia Cervini era a mãe de São Roberto Bellarmino, cardeal e doutor da Igreja.

Humanista famoso [1] , amigo de cientistas e homens cultos. Bispo em 1539, presidiu à Comissão para a Reforma Eclesiástica. Acompanhou o Papa a Luca quando este foi falar com o Imperador Carlos V de Habsburgo. Foi um dos legados papais ao Concílio de Trento, em oposição às pretensões do imperador.

No seu curtíssimo pontificado, procurou juntar todos os documentos necessários para conduzir a reforma da Igreja com os máximos rigor e rapidez. Deu aos pobres o dinheiro que se gastaria com a festa da sua eleição. Combateu o nepotismo e a alienação de bens do estado papal para fins privados. A sua morte, provavelmente causada pela sua constituição débil e pela fadiga acumulada ao fim de 21 dias de pontificado, atrasou a reforma.

O seu papado terá coincidido com a visita a Roma do primeiro japonês a visitar a Europa, Bernardo, o japonês.

Giovanni Pierluigi da Palestrina compôs em sua homenagem uma Missa, que é uma das obras mais famosas da história da Música Sacra

Ver tambémEditar

ReferênciasEditar

  1. «Papa Marcelo II». Ufcq.edu.br 
Precedido por
Júlio III
 
Papa

222.º
Sucedido por
Paulo IV


  Este artigo sobre um papa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.