Paz de Picquigny

fim da guerra dos cem anos

A paz de Picquigny ou tratado de Picquigny foi um tratado de paz negociado em 29 de agosto de 1475 entre o Reino da Inglaterra e o Reino da França. Isso se seguiu a uma invasão da França por Eduardo IV da Inglaterra, em aliança com a Borgonha e a Bretanha. Isso deixou Luís XI da França livre para lidar com a ameaça representada por Carlos, o Ousado, duque de Borgonha.

Eduardo IV da Inglaterra
Luís XI da França

AntecedentesEditar

Após o Tratado de Londres em 1474, Carlos, o Ousado, duque da Borgonha, concordou em ajudar a Inglaterra com uma invasão da França. Em junho de 1475, Eduardo IV desembarcou na costa da França. Eduardo IV tinha um exército de cerca de 11 000[1] e mais 2 000 arqueiros da Bretanha[2] enquanto Luís XI tinha um exército de 50 000.[1] O plano de Eduardo era marchar através do território da Borgonha até Reims. No entanto, Carlos falhou em fornecer o apoio que havia prometido e recusou-se a permitir que os ingleses entrassem nas cidades controladas pela Borgonha.[3] Eduardo também recebeu pouco apoio de seu outro aliado Francisco II, duque da Bretanha.[4]

Luis então mandou Eduardo dizer que ele estava disposto a oferecer mais do que os aliados de Edward podiam. Ele induziu Eduardo a negociar um acordo.

TratadoEditar

As negociações levaram a um acordo assinado em 29 de agosto de 1475. Os dois reis concordaram com uma trégua de sete anos e o livre comércio entre os dois países.[3] Luís XI deveria pagar a Eduardo IV 75 000 coroas adiantado, essencialmente um suborno para retornar à Inglaterra e não pegar em armas para perseguir sua reivindicação ao trono francês. Ele então receberia uma pensão anual de 50 000 coroas.[carece de fontes?]

Outras disposições do tratado diziam que se um dos reis experimentasse uma rebelião, o outro forneceria apoio militar para derrotá-la. A filha de Eduardo, Elizabeth de York, iria se casar com o Delfim Carlos quando ela atingisse a maioridade.[3] A reivindicação inglesa ao trono francês estava sujeita a arbitragem junto com outras divergências entre os monarcas. Um comitê deve se reunir anualmente para discutir as questões e suas conclusões devem ser vinculativas. Deveria compreender os arcebispos de Canterbury e Lyon, o irmão de Eduardo, Jorge, Duque de Clarence, e Luís I de Orleães-Longueville.[5]

Além do rei, seus principais conselheiros também recebiam pensões dos franceses. Thomas Rotherham, o chanceler tinha 1 000 coroas por ano. John Morton tinha 600 coroas e Sir John Howard e Sir Thomas Montgomery 1 200 cada. William Hastings, primeiro Barão Hastings, que havia sido o principal defensor do tratado, deveria receber 2 000 coroas por ano.[5]

Relatório de ComminesEditar

Os detalhes das negociações são relatados pelo cronista Philippe de Commines, que afirma que o duque de Gloucester (posteriormente rei Ricardo III) se opôs ao tratado, considerando-o desonroso. Ele se recusou a participar das negociações. No entanto, ele se juntou às comemorações em Amiens depois que ela foi concluída. Commines também retransmite uma série de comentários sarcásticos feitos pelo rei francês sobre o notório mulherengo de Eduardo, bem como seu medo dos ingleses por causa dos eventos da Guerra dos Cem Anos.[3]

O aparente suborno no tratado gerou certa insatisfação de ambos os lados. Vários comentaristas, tanto ingleses quanto franceses, consideraram isso desonroso. Louis de Bretaylle, enviado inglês à Espanha, confidenciou que esse negócio duvidoso tirou a honra de todas as vitórias militares anteriores de Eduardo.[3]

ReferênciasEditar

  1. a b Paul Murray Kendall, Louis XI, (1971), 280.
  2. Charles Ross, Edward IV, (Yale University Press, 1997), 221.
  3. a b c d e Knecht, Robert (2007). The Valois: Kings of France 1328–1589. [S.l.]: Continuum. pp. 100–101. ISBN 1-85285-420-0 
  4. Wagner, John A. (2001). Encyclopedia of the Wars of the Roses. [S.l.]: Clio. p. 150 
  5. a b Jacob, E. F. (1961). The Fifteenth Century 1399–1485. Oxford: Clarendon Press. p. 577 


  Este artigo sobre História da França é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
  Este artigo sobre História do Reino Unido é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.