Abrir menu principal
Elefante
Inscrição real de Custul com sereque de Elefante
Faraó no Alto Egito
Antecessor(a) Peixe?
Sucessor(a) Touro I?
 
Dinastia 00
Religião Politeísmo egípcio
Titularia
Nome
Q3
E26

Elefante, cujo nome talvez é lido Penabu (Pn-3bw[1]), era um faraó (rei) do Antigo Egito, que reinou em data incerta em algum momento entre o final de Nacada IIc e começo de Nacada IIIa (3500–3220/3200 a.C.).[2]

ExistênciaEditar

A proposta de existência de Elefante é baseada nos ensaios de Günter Dreyer e Ludwig David Morenz, que estão convencidos de que era um rei que governou a região de Custul. Segundo Dreyer, o nome dele aparece num grafite nos Colossos de Copto encontrados no templo do deus Mim em Copto, numa cerâmica do Túmulo U-j de Abidos de Escorpião I[3] e grafites em Custul e Gebel Xeique Solimão, onde hieróglifos são colocados dentro de um sereque. Em etiquetas de marfim de Abidos, o elefante também aparece, mas sem qualquer símbolo real. Dreyer reconheceu nos sereques de Custul e Gebel um trono cúbico e um elefante andando abaixo e leu Penabu ("Grande aquele [sentado] no trono")[4] Morenz concorda com ele, mas acha altamente incerta a leitura do nome, preferindo usar "Rei Elefante". Alternativamente, considerou a possibilidade de ser um rinoceronte e ressaltou que em Nacada III era moda escolher animais perigosos (leões, crocodilos, elefantes e rinocerontes) para criar nomes reais.[5]

Outros egiptólogos, como Peter Kaplony e Toby Wilkinson, propuseram leituras diferentes. Enquanto Wilkinson vê um trono e o hieróglifo de "fronteira", Kaplony vê um assento e uma bancada cheio de jarros de vinho, o sinal de "elogiado". Kaplony também menciona que o nome de um certo palatinado da I dinastia chamado Hor-Sequentidju também foi escrito com o símbolo do jarro de vinho. Ele acredita que o nome do palatinado foi criado a partir do nome de Elefante.[6]

Referências

BibliografiaEditar

  • Dreyer, Günter (1998). Umm el-Qaab I. Das prädynastische Königsgrab U-j und seine fruhen Schrifzeugnisse. Mogúncia: Philipp von Zabern 
  • Kaplony, Peter (1963). «Die Inschriften der Ägyptischen Frühzeit, vol. III». Viesbade: Harrassowitz Verlag. Ägyptologische Abhandlungen (ÄA). 8 
  • Morenz, Ludwig David (2004). «Bild-Buchstaben und symbolische Zeichen. Die Herausbildung der Schrift der hohen Kultur Altägyptens». Friburgo. Orbis Biblicus et Orientalis. 205. ISBN 3-7278-1486-1