Abrir menu principal
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde novembro de 2018).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Out of date clock icon.svg
Este artigo ou seção pode conter informações desatualizadas. Se sabe algo sobre o tema abordado, edite a página e inclua informações mais recentes, citando fontes fiáveis e independentes.
Como ler uma infocaixa de taxonomiaPhyllomedusa
Classificação científica
Reino: Animalia
Divisão: Cordados
Classe: Anfíbios
Ordem: Anura
Família: Phyllomedusidae
Género: Phyllomedusa
Distribuição geográfica
Americas Phyllomedusa.jpg
Sinónimos
Pithecopus Cope, 1866
Bradymedusa Miranda-Ribeiro, 1926

Phyllomedusa é um gênero de perereca da América Central e do Sul que vive na região entre a Costa Rica até o sul da Argentina. Esse gênero possui cerca trinta espécies.[1] Em 2006, o gênero Phyllomedusa era composto por 28 espécies válidas, a maioria delas distribuídos em grupos de espécies: grupo P. burmeisteri; grupo P. hypochondrialis; grupo P. buckleyi; grupo P. perinesos e grupo P. tarsiana.

O grupo da espécies P. hypochondrialis foi redefinido por ARAMASCHI C (2006) baseado em caracteres externos, osteologia e larvas, e considerou-se a ser composto por nove espécies: P. ayeaye, P. azurea, P. centralis, p. hypochondrialis, P. megacephala, P. nordestina, P. oreades, p. palliata e P. rohdei.[2]ao se sentirem ameaçadas emite um som característico,muito parecido com o de filhote de gatos

Índice

ReproduçãoEditar

Neste gênero de pererecas, os ovos são depositados sobre uma superfície da folha, intercalados com cápsulas de geléia hidratante. Durante o processo de acasalamento, a perereca dobra a folha em torno de seus ovos utilizando seus membros, com um lacre de uma substância pegajosa (geléia) na parte inferior da folha dobrada para evitar que os ovos caiam. No final da incubação o lacre de geléia é liquefeito, que deixa os girinos cairem através do buraco previamente ligado. Estes ninhos são feitos acima da água, então quando isso ocorre (quebradura do lacre) a queda de girinos acontece no habitat apropriado e eles começam suas vidas aquáticas como filtradores.[3]

SecreçãoEditar

Algumas espécies Phyllomedusa produzem uma secreção de cera que reduz a perda de água por evaporação de seus corpos, impedindo assim que elas sequem.[4]

Alguns grupos indígenas da América do Sul utilizam as secreções de Phyllomedusa bicolor em xamânica nas práticas de caça. A substância, se diz, intoxica os índios que ingerem a cera, fazendo com que eles temporariamente melhorem suas capacidades sensoriais.[5] [6] Essas secreções da pele são conhecidas como dermaseptin. Dermaseptin é uma classe de peptídeo antimicrobiano presente em pererecas do gênero Phyllomedusa.[7]

Classificação científicaEditar

GaleriaEditar

Referências

  1. Brandão, Reuber (06 de Abril de 2010). «Pererecas das nascentes». Consultado em 25 de novembro de 2011  Verifique data em: |data= (ajuda)
  2. BOLETIM DO MUSEU NACIONAL - NOVA SÉRIE RIO DE JANEIRO - BRASIL- ISSN 0080-312X (ZOOLOGIA 524 18 DE DEZEMBRO DE 2006)ULISSES CARAMASCHI, CARLOS ALBERTO G. CRUZ e RENATO N. FEIO
  3. Woehl Jr., Germano; Elza Nishimura Woehl. «Anfíbios da Mata Atlântica». Consultado em 25 de novembro de 2011 
  4. Bernarde, Paulo Sérgio; Rosimeyri Aparecida Santos (22 de maio de 2009). «Utilização medicinal da secreção ("vacina-do-sapo") do anfíbio kambô (Phyllomedusa bicolor) (Anura: Hylidae) por população não-indígena em Espigão do Oeste, Rondônia, Brasil» (PDF). Consultado em 25 de novembro de 2011 
  5. Baêta, D.; Caramaschi, U.; Cruz, C.A.G.; Pombal, J.P., jr. 2009: Phyllomedusa itacolomi Caramaschi, Cruz & Feio, 2006, a junior synonym of Phyllomedusa ayeaye (B. Lutz, 1966) (Hylidae, Phyllomedusinae). Zootaxa, 2226: 58-65. Abstract & excerpt
  6. The status of the amphibian nomina created by Merrem (1820) and Ritgen (1828).Dubois, A. 2009: Zootaxa, 2247: 1-36. Abstract & excerpt
  7. Dermaseptins from Phyllomedusa oreades and Phyllomedusa distincta - ANTI-TRYPANOSOMA CRUZI ACTIVITY WITHOUT CYTOTOXICITY TO MAMMALIAN CELLS [[1]]
  Este artigo sobre anfíbios é um esboço relacionado ao Projeto anfíbios e répteis. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.