Abrir menu principal
Planetary
Imagem ilustrativa padrão; esse artigo não possui imagem.
Editora(s) WildStorm (DC Comics)
Fascículos 27
Primeira edição setembro de
Lançada em Setembro de 1998
Terminou em Outubro de 2009
Argumento Warren Ellis
Desenho John Cassaday
Colorista(s) Laura Martin
Tema superaventura
Personagens principais Jakita Wagner
Bateirista
Elijah Snow
Editora(s) lusófona(s) Pandora Books, Devir Livraria, Pixel Media, Panini Comics

Planetary é uma série de quadrinhos norte-americana criada pelo escritor Warren Ellis e o desenhista John Cassaday e publicada pelo selo Wildstorm da DC Comics.[1] A série narra as aventuras de um trio de personagens misteriosos que se autodenominam "Arqueólogos do Impossível" e que trabalham sob o slogan "É um mundo estranho. Vamos mantê-lo desse jeito".[2]

A série se destaca pela reciclagem e atualização de argumentos, personagens e lugares comuns da ficção do século XX, especialmente dedicados à aventura e à ficção científica, desde romances policiais a histórias em quadrinhos de super-heróis, passando por monstros série B ou histórias chinesas de fantasmas. A série está repleta de referências a outras histórias, embora os nomes e as situações sejam alterados para criar seu próprio universo e para deixar de pagar royalties. Para dar um exemplo, o herói pulp Doc Savage é inspiração para Axel Brass e Tarzan (Lord Greystoke) aparece aqui sob o pseudônimo Lord Blackstock.[1]

Inicialmente foi anunciado que a série terminaria no número 24, mas finalmente terminaria no número 27, a série foi publicada entre 1999 a 2009. A série começou com uma periodicidade mensal, mudando para bimestral e finalmente esporádica. Tanto Ellis quanto Cassaday não finalizam um número até que agradasse os dois.

Índice

HistóricoEditar

Planetary foi apresentado pela primeira vez na edição 33 de Gen¹³ e na edição 6 de C-23, ambas datadas de setembro de 1998.[1] A primeira edição da série foi publicada em abril de 1999. Originalmente planejada para ser uma série bimensal de 24 números, a série foi suspensa de 2001 a 2003 devido a doença do escritor Warren Ellis e outros compromissos de John Cassaday. Laura Martin (também creditada como Laura DePuy) coloriu quase todas as edições da série. A série recomeçou em 2004 e concluiu com a edição 27 em outubro de 2009.

Ellis pretendia que o foco da série fosse o gênero superaventura, e não os super-heróis em si. "Eu queria fazer algo que realmente fosse mais fundo no subgênero, expusesse suas raízes e mostrasse seus ramos"[3] e afirmou em sua proposta para a série de quadrinhos: "Se você tivesse cem anos de história de super-heróis apenas lentamente vazando para este jovem e moderno mundo de super-heróis do Universo Wildstorm? E se você pudesse pegar tudo de novo e torná-lo novo de novo? "[4]

Rich Kreiner descreveu o estilo de John Cassaday no The Comics Journal como sendo "próxima do padrão ouro para o fabuloso realismo nos quadrinhos tradicionais".[5] Tom Underhill observou a contribuição da colorista Laura Martin como "tão convincente" quanto a de Cassaday em sua resenha para o The Comics Journal.[6]

Uma das principais características da série é o retrato de versões alternativas de muitas figuras da cultura popular, como Godzilla, Tarzan, Sherlock Holmes, e Doc Savage. Isso se estende aos personagens de quadrinhos da DC Comics (por exemplo, Superman, Lanterna Verde e Mulher Maravilha) e da Marvel Comics (por exemplo, o Quarteto Fantástico, o Hulk e Thor).[1]

Ellis também introduziu o conceito de um multiverso à série, baseando-se no conceito matemático conhecido como Grupo monstro como inspiração.[7] O multiverso é descrito como "um floco de neve teórico existente em 196.833 de espaço dimensional", uma referência ao método de visualização usado por alguns matemáticos ao descrever o Grupo monstro.[8]

O grupo protagonizou crossover com The Authority, Batman e Liga da Justiça.[1]

A premissaEditar

O Planetary é uma organização auto-intitulada "Arqueólogos do Impossível", correndo atrás da história secreta do mundo. Fundada pelo misterioso Quarto Homem, que especula-se possa ser qualquer um, desde Adolf Hitler a Bill Gates, o time de campo consiste de três superseres: Jakita Wagner, forte, rápida e praticamente invulnerável; O Baterista, que pode conversar com computadores e quaisquer outros tipos de mecanismos elétricos; e o novo recruta Elijah Snow, que consegue controlar a temperatura.

A série ocorre no Universo Wildstorm, juntamente com outros títulos como Stormwatch, The Authority e Gen¹³.

A equipe Planetary viaja ao redor do mundo investigando fenômenos estranhos: monstros e outras criaturas, relíquias incomuns, outros superseres, e segredos incomensuráveis que certos indivíduos tentam manter escondidos do resto do mundo. Seu propósito é em parte movido pela curiosidade e em parte pela utilidade de novos conhecimentos adquiridos em prol da humanidade. Existem, entretanto, grupos que se opõem à seus propósitos, e a organização tem uma história substancial que é revelada gradualmente durante a série.

Nas últimas edições o enredo torna-se cada vez mais relacionado ao "Os Quatro", análogos do Quarteto Fantástico da Marvel Comics, cujos objetivos são exatamente opostos aos da equipe Planetary.[1]

Edições encadernadasEditar

 
John Cassaday autografando edições encadernadas na gibiteria Midtown Comics

As séries e os spin-offs foram encadernados em vários volumes:

Publicação no BrasilEditar

A estreia de Planetary no Brasil ocorreu em uma revista mensal (5 edições) publicada pela extinta Pandora Books em 2002. A revista, no formato flip-flop, também continha a série Authority.[1]

Em seguida, a Devir Livraria publicou dois volumes encadernados, contendo as edições 1 - 12.

Em de abril de 2007, Planetary foi um dos títulos regulares da nova revista "Pixel Magazine" (junto com Hellblazer), publicada pela editora Pixel Media, a revista dava continuidade a publicação da Devir, a última edição foi publicada em maio de 2008.

Em 2014, a Editora Panini relançou a série completa em formatos de quatro encadernados, entre 148 a 228 página por edição.[9][10] A editora lançou também edições especiais com os crossovers entre com The Authority, Batman e Liga da Justiça.[11] Em 2019, a Panini iniciou a republicação da série, em edições capa dura.[12]

Prêmios e indicaçõesEditar

Ano Prêmio Categoria Indicação Resultado Ref
2000
Eisner Award
Melhor Nova Série
Planetary
Indicado [13]
Melhor Série Continuada
Planetary
Indicado
2002
Planetary
Indicado [14]

Referências

  1. a b c d e f g Silvestre, Jota (fevereiro de 2015). «Especial - Planetary». Editora Europa. Mundo dos Super-Heróis (63): 44-49. ISSN 1980-5233 
  2. Srbek, Wellington. Super-heróis: um fenômeno dos quadrinhos. [S.l.: s.n.] 
  3. PROFILE: Warren Ellis Interview
  4. Planetary Proposal
  5. Kreiner, Rich (fevereiro de 2004). "Firing Line:Planetary/Batman". The Comics Journal. 1 (#258): 50–51. ISSN 0194-7869.
  6. Underhill, Tom (fevereiro de 2006). "Warren, Just Admit It". The Comics Journal. 1 (#274): 62–64. ISSN 0194-7869.
  7. Magic is science. I've always understood it as a set of tools with which to enter into conversation with the dark matter of your own brain and whatever that is (un)wired to.
  8. Warren Ellis; John Cassaday (abril de 1999). DC Comics. Planetary (2)
  9. Naliato, Samir (15 de agosto de 2013). «Panini confirma Planetary no Brasil». Universo HQ. Consultado em 30 de abril de 2017 
  10. Zeni, Lielson (8 de agosto de 2014). «Planetary – Volume 4 – Arqueologia espaço-temporal». Universo HQ. Consultado em 30 de abril de 2017 
  11. Naliato, Samir (31 de agosto de 2015). «Mais encadernados da Marvel e DC pela Panini». Universo HQ. Consultado em 30 de abril de 2017 
  12. Naliato, Samir (19 de julho de 2019). «Planetary, de Warren Ellis e John Cassaday, retorna em edições de capa dura». Universo HQ. Consultado em 27 de julho de 2019 
  13. «2000 Will Eisner Comic Industry Award Nominees». Comic Book Almanac (em inglês). Consultado em 17 de janeiro de 2015 
  14. Jotapê Martins (5 de agosto de 2002). «Vencedores dos Prêmios Eisner edição 2002». Omelete. Consultado em 17 de janeiro de 2015 

Ligações externasEditar