Populismo de esquerda

Populismo de esquerda é uma ideologia política que combina a retórica e os temas da esquerda com o do populismo. Normalmente concentra sentimentos anti-elitistas, oposição ao sistema hegemônico e busca unificar uma voz em nome do "povo comum".[1] Temas majoritários do populismo de esquerda incluem o anticapitalismo, justiça social e a antiglobalização, onde a ideologia de uma sociedade de classes e as teorias socialistas não surgem como protagonistas do seu projeto, assim como se constitui para outros movimentos ligados à esquerda tradicional.[2] Nesse sentido, a crítica ao capitalismo e a globalização está ligada ao sentimento antiamericano e anti-imperialista que surgiu no movimento populista de esquerda após uma série de operações militares dos Estados Unidos pelo mundo, especialmente no Oriente Médio no final do século XX.[3][4]

Apesar de englobar vários temas e ideologias dentro dele, um dos principais pontos do populismo de esquerda é a defesa dos ideais de combate às desigualdades, inclusão social e igualitarismo.[1] Já na entrada do século XXI, a partir do acirramento das crises migratórias e o crescimento das organizações identitárias por todo o mundo, a imigração e os direitos LGBT passaram a ingressar na agenda populista, sendo definido pelo termo "populismo inclusivo".[5] Alguns acadêmicos também vêem uma forte influência nacionalista e da defesa do Estado de bem-estar social.[6]

Apesar de ser um campo político bastante diverso, o populismo é visto de forma pejorativa, muitas vezes associado a projetos eleitorais de cunho apelativo e propagandista, gerando posicionamentos antagônicos entre pesquisadores do assuntos. Em sua principal obra A Razão Populista, Ernesto Laclau combate a estigmatização e afirma que as rejeições ao populismo se dão em grande parte por conta da disputa natural presente entre a sociedade de classes, em que uma parcela das elites procura distanciar as maiorias das disputas políticas e dos espaços de poder. O filósofo segue com seu raciocínio apresentando que o populismo não representa um projeto unitário e tampouco que possa ser atribuído a um fenômeno delimitado, mas corresponde a uma lógica social cujos efeitos perpassam uma variedade de fenômenos, definindo o populismo como "simplesmente uma forma de construir o político"[7]. Em contrapartida, a pesquisadora Rosalind C. Morris, da Universidade de Cambridge, avalia que o populismo de esquerda se alimenta de uma fonte perigosa, em que a sua base discursiva é orientada pela ideia de "inimigos políticos permanentes", criando uma sociedade baseada no medo. [8]

Na América Latina, as experiências populistas de esquerda se intensificaram com o crescimento da onda rosa, trazendo à presidência de seus países líderes identificados pela ideologia por meio de seus discursos e agendas políticas. Na Venezuela é representado pelo chavismo; na Argentina, o peronismo; e no Brasil, o lulismo.

Referências

  1. a b Albertazzi, Daniele; McDonnell, Duncan (2008). Twenty-First Century Populism. [S.l.]: Palgrave MacMillan. ISBN 9780230013490 
  2. Zaslove, Andrej (Junho de 2008). «Here to Stay? Populism as a New Party Type». European Review. 16 (03): 319–336. doi:10.1017/S1062798708000288 
  3. Hartleb, Florian (2004). Rechts- und Linkspopulismus. Eine Fallstudie anhand von Schill-Partei und PDS (em German). [S.l.]: Wiesbaden. p. 162 
  4. March, Luke (2007). «From Vanguard of the Proletariat to Vox Populi: Left-Populism as a 'Shadow' of Contemporary Socialism». SAIS Review of International Affairs. 27 (1): 63–77. doi:10.1353/sais.2007.0013 
  5. Mudde, C. Antonio; Rovira Kaltwasser, C. (2013). «Exclusionary vs. inclusionary populism: comparing contemporary Europe and Latin America». Government and Opposition. 48 (2): 147–174 
  6. Ozel, Soli (Abril de 2003). «After the tsunami». Journal of Democracy. 14 (02): 80–94. doi:10.1353/jod.2003.0043 
  7. LACLAU, Ernesto (2005). La razón populista. Mexico: Fondo de cultura economica. p. 11 
  8. Moris, Rosalind (2019.). «FOR REJECTING A LEFT POPULISM». Columbia center for contemporary critical thought. Consultado em 17 de janeiro de 2021  Verifique data em: |data= (ajuda)

Ver tambémEditar

  Este artigo sobre política ou um(a) cientista político(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.